Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Siga-nos por e-mail

quarta-feira, 14 de abril de 2021

Na França, Fibromialgia: agir para fortalecer o manejo da dor crônica difusa

 Foto Louis Reed Unsplash 

Artigo publicado em 13/04/2021 às 01:01 | Lida 816 vezes

A pedido da Direção-Geral da Saúde e em parceria com a associação Fibromialgia França, a Sociedade Francesa para o Estudo e Tratamento da Dor criou um grupo de especialistas para trabalhar nesta informação e sensibilização do público - doentes e famílias - e profissionais de saúde.

Na França, a prevalência da síndrome de fibromialgia é estimada em 2% * ou aproximadamente 1,6 milhões de pessoas com uma preponderância feminina de dois terços vs. um terço.
 
A síndrome da fibromialgia pode ter consequências médicas e psicossociais importantes (restrição de atividades, deficiência motora incapacitante, interrupções prolongadas do trabalho, etc.). Além disso, a necessidade de seus cuidados às vezes é subestimada, embora possa afetar a qualidade de vida.
 
Sua etiologia e fisiopatologia, que vão surgindo gradativamente, são complexas porque envolvem muitos fatores.
 
Deambulação médica significativa é relatada por pessoas com essa síndrome, enquanto uma proporção significativa de médicos relata sentir-se impotente na frente de pacientes que sofrem de fibromialgia.
 
Por falta de conhecimento sobre a fibromialgia, a DGS pretendia dar respostas concretas às pessoas acometidas por esta síndrome, num contexto de dor persistente, complexa e muitas vezes vivenciada com dificuldade por falta de diagnóstico ou cuidados adequados.
 
Também reitera a importância de detectar e diagnosticar melhor a fibromialgia mais precocemente, por isso entrou em contato com o HAS para publicar em 2021 recomendações de boas práticas na trajetória do paciente com dor crônica.
 
O relatório resumido e as recomendações da perícia coletiva do Inserm marcam o primeiro passo no reconhecimento médico e institucional dessa síndrome mal compreendida. (Publicado em 8 de outubro de 2020).
 
Isso envolve:
• fortalecer a formação dos profissionais de saúde da atenção primária, principalmente para conscientizá-los sobre o uso de ferramentas de diagnóstico da fibromialgia. Para cumprir este objetivo, a dor crónica foi incluída nas orientações prioritárias do CPD 2020-2022.
 
• desenvolvendo a intervenção de doentes especialistas com fibromialgia e oriundos de associações, na formação de profissionais de saúde para permitir aos profissionais de saúde compreenderem melhor a vivência da fibromialgia. Esta ação faz parte do “minha saúde 2022”.
 
Para melhorar a qualidade de vida dos pacientes, quatro objetivos foram definidos: melhorar o conhecimento sobre a fibromialgia, fortalecer o diagnóstico, melhorar o tratamento e mobilizar a pesquisa.
 
* 1,6% de acordo com o estudo DEFI 2011, S Perrot

 

texto original https://www.senioractu.com/Fibromyalgie-agir-pour-renforcer-la-prise-en-charge-des-douleurs-chroniques-diffuses_a23561.html 

Um comentário:

  1. É importante essa matéria,tudo que é ligado à dores crônicas e Fibromialgia são bem vindas, para ter uma qualidade de vida melhor, que atualmente não estou tendo.Agradeco o compartilhamento.

    ResponderExcluir

O que achou da matéria? Ajudou-lhe de alguma forma? Deixe sua opinião e seu comentário: Agradecemos!