Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Siga-nos por e-mail

terça-feira, 2 de março de 2021

Minha história com a fIbromialgia

 

🄿🅁🄾🄹🄴🅃🄾

𝕍𝕠𝕦 𝕥𝕖 𝕔𝕠𝕟𝕥𝕒𝕣 𝕞𝕚𝕟𝕙𝕒 𝕙𝕚𝕤𝕥ó𝕣𝕚𝕒 𝕔𝕠𝕞 𝕒 𝔽𝕚𝕓𝕣𝕠𝕞𝕚𝕒𝕝𝕘𝕚𝕒...

Todos nós temos uma história pra contar, envolvendo a Fibromialgia.

Uns demoraram a receber o diagnóstico, outros nem tanto. Alguns descobriram que não são "só" fibromiálgicos.

Alguns enfrentam a luta para fazer a família compreender as dificuldades de ser um Fibromiálgico ou Fibromiálgica.

Alguns ainda não descobriram o melhor caminho no tratamento, outros já conseguiram. Alguns, infelizmente, nem começaram essa jornada.


Enfim, cada um de nós carrega dentro de si sua própria história.


Você acredita que a sua mereça ser conhecida? Por ter uma experiência positiva ou por não desistir de encontrar de encontrar uma saída?


Quer que leiam sua história?

Nós podemos fazer isso.

Basta nos escrever autorizando a conta-la na internet. Não precisa usar seu nome de verdade, nem colocar um endereço. Precisamos apenas o nome de sua cidade ou Estado, sexo e idade para fins Estatísticos. Tudo mais ficará em sigilo absoluto.

Saiba que muita gente precisa entender que não está só nesta luta. 

Muitas histórias tem personagens diferentes, mas no fundo têm motivações e objetivos muito semelhantes.

Vamos lá...conte a sua!

Você poderá enviar pelo reservado (mensagem) ou para abrafibrohistorias@gmail.com


Há maneira melhor de conhecerem nossa realidade?


Participe!

Quem sabe consigamos lançar um livro com estas histórias.


Você pode participar? 

É só colocar na ordem...

O começo

O meio 

E atualmente.

Ninguém pode falar melhor que os próprios pacientes.


Aguardamos sua colaboração.


#fibromialgia #fibromialgicos #homenscomfibromialgia #dorcronica #fibromialgiaexiste #gentedefibra #dorlevadaaserio

segunda-feira, 1 de março de 2021

Intervenções nutricionais no tratamento da síndrome da fibromialgia

 

 nutrients-logo

Comentário da Dra. Ana Carolina Ballonas - Nutricionista sobre
"Intervenções nutricionais no tratamento da Síndrome da Fibromialgia"

https://www.mdpi.com/2072-6643/12/9/2525/htm


"Este estudo faz uma revisão interessante sobre pesquisas que avaliaram intervenções dietéticas e seu impacto na fibromialgia. Tais pesquisas embora promissoras, assim como mencionado nesta revisão, são ainda iniciais e ainda precisam de mais estudos para uma evidência mais robusta. Isto se dá pelo fato de que estas pesquisas tiveram limitações importantes, como exemplo: pequeno número de participantes, falta de controle se o voluntário estava de fato seguindo a dieta ou outros. Além disto, deve se ter cautela com possibilidade de outros fatores associados a mudança dietética na pesquisa, como perda de pesou ou redução de consumo de ultraprocessados, interferirem nos resultados. O efeito placebo (quando ocorre uma melhora porque a pessoa acredita que vai melhorar e não pela intervenção feita em si) é outro fator que pode mascarar o verdadeiro impacto de determinada mudança dietética. Embora estas limitações e a necessidade de mais estudos, as evidências atuais e a experiência clínica nos mostram como a adoção de uma alimentação saudável e a perda de peso têm impacto positivo na qualidade de vida de pessoas com fibromialgia. É muito provável que não seja uma estratégia específica testada em um estudo que tenha melhor resultado, mas sim um conjunto de mudanças e individualizado para cada um, tendo em vista que a fibromialgia é uma síndrome complexa e com manifestações variáveis entre os pacientes. Cabe reforçar que o uso de suplementos e estratégias dietéticas devem ser feitos por um profissional de nutrição capacitado, que avalie os exames, clínica e ingestão dietética do paciente, antes de definir qual estratégia dietética e se é necessário a suplementação. A auto-suplementação e adoção de dietas restritivas sem acompanhamento pode ter efeitos nutricionais negativos e/ou efeitos colaterais."

Para ler o texto do artigo, traduzido para o português, acesse (colocar o link da publicação da pág de Conhecimentos Científicos)

Publicado na pág de Conhecimentos Científicos
Link:

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=5128389217202060&id=331558180218545

ANS define novas coberturas dos planos de saúde

 

Antineoplásicos orais final 

 Procedimentos final 

Imunobiológicos final DUTs final


A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aprovou nesta quarta-feira (24/02) a Resolução Normativa (RN) que atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde. Com isso, estão definidos os novos exames e tratamentos que passam a fazer parte da lista obrigatória dos planos de saúde. São 69 novas coberturas, além de outras alterações, que ampliam e qualificam a assistência aos beneficiários. A Resolução Normativa que estabelece a nova lista de procedimentos entrará em vigor no dia 1º/04/2021. 

O diretor-presidente substituto da ANS, Rogério Scarabel, destaca que esse ciclo de atualização do Rol seguiu um processo que, além de bastante criterioso, também foi inovador, pois trouxe uma série de aprimoramentos que vão resultar em ganhos para o consumidor e para o setor em geral. “O novo Rol de Procedimentos é fruto de diversas inovações em termos de processo de trabalho e de conteúdo. A qualidade das discussões técnicas realizadas, a ampliação da participação da sociedade, a transparência dada a todo o processo e o conjunto robusto de elementos analisados para definição dos procedimentos incorporados qualificou a tomada de decisão por parte da Diretoria Colegiada da ANS e permitiu ganhos importantes para a sociedade”, avalia o diretor.  

A partir dessa atualização, 69 coberturas estão sendo acrescentadas ao Rol dos planos de saúde, sendo 50 relativas a medicamentos e 19 referentes a procedimentos como exames, terapias e cirurgias. Na lista de medicamentos, estão 19 antineoplásicos orais que contemplam 28 indicações de tratamento para diversos tipos de câncer; 17 imunobiológicos com 21 indicações para tratamento de doenças inflamatórias, crônicas e autoimunes, como psoríase, asma e esclerose múltipla; e 1 medicamento para tratamento de doença que leva a deformidades ósseas. Na lista dos procedimentos estão exames, terapias e cirurgias para diagnóstico e tratamento de enfermidades do coração, intestino, coluna, pulmão, mama, entre outras. 

Outras atualizações que não envolvem ampliação de cobertura fazem parte desse ciclo de revisão, entre as quais alterações em DUTs e aprimoramento de termos descritivos de procedimentos já elencados no Rol. Com isso, a Agência busca melhorar a redação e consolidar regras previstas em entendimentos já divulgados. 

“Para chegarmos à tomada de decisão quanto aos procedimentos que devem ser incluídos, avaliamos um conjunto de critérios, entre os quais os benefícios clínicos comprovados, o alinhamento às políticas nacionais de saúde e a relação custo/efetividade. Feita essa rigorosa análise, os procedimentos incorporados são aqueles nos quais os ganhos coletivos e os resultados clínicos são os mais relevantes para o conjunto dos pacientes”, explica o diretor Rogério.  

Nesse sentido, pela primeira vez no processo de revisão do Rol foram utilizados, de modo sistematizado, dados de saúde e informações financeiras para a análise crítica das avaliações econômicas e para as estimativas de impacto orçamentário de cada tecnologia. Diante de um cenário de aumento dos custos em saúde e escassez de recursos, fenômeno que acontece mundialmente, o aprimoramento da utilização de informações econômicas no processo de atualização do Rol é fundamental para a tomada de decisão para a incorporação racional de novas tecnologias, em especial, aquelas de alto custo individual ou com grande frequência de uso, contribuindo para a garantia da sustentabilidade do setor de saúde suplementar. O conhecimento e os dados adquiridos nesse ciclo de atualização do Rol são insumos para a melhoria da qualidade de elaboração dos estudos de impacto orçamentário e análise crítica por parte da ANS, assim como promove qualificação das bases de dados utilizadas, em especial a utilização do TISS – Troca de Informações na Saúde Suplementar - para compor parte dessas avaliações. 

Outros aspectos relevantes nesse processo de revisão do Rol foram as intensas reuniões técnicas realizadas para debater as propostas – 27 no total -, o apoio técnico e metodológico de instituições especializadas em Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS) para análise dos materiais, a transparência ao longo de todas as etapas e o amplo e detalhado conjunto de documentos disponibilizados à sociedade durante a consulta pública.  

A Resolução Normativa que estabelece a nova lista de coberturas entrará em vigor no dia 1º/04/2021. Esse tempo é necessário para que as operadoras de planos de saúde se adequem à norma. O Rol de Procedimentos é válido para os beneficiários de planos de saúde contratados a partir de 02 de janeiro de 1999, os chamados planos novos, e para os usuários de planos contratados antes dessa data, mas que foram adaptados à Lei dos planos de saúde. 

Procedimentos incorporados (imagens no início do texto)


Consulta pública 

A ampliação da participação social no processo de atualização do Rol foi um dos destaques desse ciclo de revisão das coberturas obrigatórias. A sociedade civil pôde participar em dois momentos: na fase inicial, mediante submissão de propostas de atualização através e formulário eletrônico; e posteriormente, na etapa de Consulta Pública, em que os interessados puderam contribuir para as propostas que foram submetidas à avaliação.

 

No período em que a consulta pública esteve aberta (de 08/10/2020 a 21/11/2020), a ANS recebeu 30.658 contribuições, um aumento de 500% em relação à última consulta pública para revisão da lista de coberturas, realizada em 2017, que teve 5.259 contribuições. Do total de sugestões recebidas, 50% (15.242) foram relativas a procedimentos; 47% (14.481) a medicamentos; e os 3% restantes relacionados a alterações em temos descritivos, no texto da Resolução Normativa e sobre as atualizações extraordinárias realizadas em 2020 por conta da pandemia de Covid-19. A maior parte das contribuições foi encaminhada por profissionais de saúde, seguido de pacientes e familiares, amigos ou cuidadores de pacientes.

A ANS disponibiliza, em seu portal na internet, a planilha de todas as contribuições recebidas e a Nota Técnica nº 3, contendo a análise realizada.

 

Texto original

http://www.ans.gov.br/aans/noticias-ans/consumidor/6207-ans-define-novas-coberturas-dos-planos-de-saude

 

Notas técnicas e a link para a consulta pública estão no texto original

Como fumar pode afetar Fibromialgia

Tabagismo O tabagismo é reconhecido como uma doença crônica causada pela dependência à nicotina presente nos produtos à base de tabaco. De acordo com a Revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10), o tabagismo integra o grupo de transtornos mentais e comportamentais em razão do uso de substância psicoativa.1 Ele também é considerado a maior causa evitável isolada de adoecimento e mortes precoces em todo o mundo.²

Referências

1BRASIL. Décima Revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças  e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10 - 1997). Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=060203 Acesso em: 01 abr. 2020.

2DROPE, J.; SCHLUGER, N.; CAHN, Z.; HAMILL, S.; ISLAMI, F.; LIBER, A.; NARGIS, N.; STOKLOSA, M. The Tobacco Atlas. Atlanta: American Cancer Society and Vital Strategies. 2018. Available at: https://files.tobaccoatlas.org/wp-content/uploads/2018/03/TobaccoAtlas_6.... Access in: 27 Fev. 2020.


Por

Dra. Dawn Marcus

Neurologista


Aproximadamente uma em cada quatro pessoas com fibromialgia fuma. O uso da nicotina muda uma série de substâncias químicas cerebrais importantes que afetam a dor, incluindo endorfinas, serotonina, norepinefrina e dopamina.

Essas mudanças induzidas pela nicotina nos produtos químicos do cérebro tornam você mais sensível à dor. Em um estudo interessante com 984 pessoas com fibromialgia na Mayo Clinic, a dor e a incapacidade foram significativamente piores entre os fumantes. Além disso, problemas com trabalho, sono, rigidez, ansiedade e depressão foram significativamente mais prejudicados entre os participantes que usavam tabaco. Um estudo coreano semelhante com 336 pessoas com fibromialgia encontrou uma ligação entre tabagismo e dor, deficiência funcional e humor. Embora fumar não cause fibromialgia, geralmente piora a gravidade das condições de dor crônica, incluindo a fibromialgia.

Fumar também pode diminuir a eficácia dos medicamentos para a dor:

Os fumantes usam mais analgésicos do que os não fumantes.

Ao tomar a mesma quantidade de analgésicos, as concentrações sanguíneas são mais baixas nos fumantes.

Os fumantes obtêm menos alívio da dor tomando analgésicos.

Fumar pode reduzir a eficácia dos antidepressivos. Os fumantes que tomam antidepressivos para tratar problemas de humor apresentam menos melhora, em comparação com os não fumantes que usam os mesmos medicamentos.


Fonte: https://www.sharecare.com/health/fibromyalgia-living/how-can-smoking-affect-fibromyalgia



Sugestão!

Procure o serviço de saúde da sua cidade para saber onde encontrar o tratamento contra o TABAGISMO.

Veja...

Tratamento do tabagismo

Última modificação: 09/12/2020 | 12h18

Rede de Tratamento do tabagismo no SUS


O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) é o órgão do Ministério da Saúde responsável pelo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) e pela articulação da rede de tratamento do tabagismo no SUS, em parceria com estados e municípios e Distrito Federal. A rede foi organizada, seguindo a lógica de descentralização do SUS para que houvesse o gerenciamento regional do Programa tendo como premissa a intersetorialidade e a integralidade das ações. Cabe lembrar que desde 1989, o INCA desenvolve ações voltadas para o tratamento do tabagismo.

Atualmente, nos 26 estados da Federação e no Distrito Federal, as secretarias estaduais de saúde possuem coordenações do Programa de Controle do Tabagismo que, por sua vez, descentralizam as ações para seus respectivos municípios atuando de forma integrada.

Assim, o tratamento de tabagismo no Brasil é desenvolvido com base nas diretrizes do PNCT que está sob a coordenação e gerenciamento da Divisão de Controle do Tabagismo e Outros Fatores de Risco (Ditab), do INCA.

As ações educativas, legislativas e econômicas desenvolvidas no Brasil vêm gerando uma diminuição da aceitação social do tabagismo, fazendo com que um número cada vez maior de pessoas queira parar de fumar, evidenciando a importância de priorizar o tratamento do fumante como uma estratégia fundamental no controle do tabagismo.

Cabe destacar ainda que desde 2002, o Ministério da Saúde vem publicando e atualizando portarias que incluem o tratamento do tabagismo na rede SUS – tanto na atenção básica quanto na média e alta complexidade. Tais portarias definem formas de abordagem e tratamento do tabagismo, aprovam o plano para implantação, protocolo clínico e diretrizes terapêuticas, determinam a disponibilização pelo Ministério da Saúde aos municípios com unidades de saúde que realizam o tratamento para o tabagismo, dos materiais de apoio e medicamentos utilizados para esse fim, formas de adesão ao tratamento do tabagismo pelos municípios, além de definir o financiamento dos procedimentos a serem utilizados. [1] [2] [3].

É importante destacar que ao ingressar no programa de tratamento do tabagismo as gestões das diferentes instâncias assumem o compromisso de organização e implantação das ações para o cuidado da pessoa tabagista. O tratamento inclui avaliação clínica, abordagem mínima ou intensiva, individual ou em grupo e, se necessário, terapia medicamentosa juntamente com a abordagem intensiva.

O PCDT é um documento oficial do Sistema Único de Saúde (SUS) que estabelece os critérios para o diagnóstico do tabagismo, o tratamento, o uso de medicamentos e outros insumos apropriados, o acompanhamento e também trata dos resultados terapêuticos.
Cabe lembrar que com a publicação da Portaria nº 571/GM/MS de 05 de abril de 2013, foram revogadas a Portaria nº 1.035/GM/MS de 31 de maio de 2004 e a Portaria nº 442/SAS/MS de 13 de agosto de 2004 e seus anexos, cujas orientações foram posteriormente revalidadas pela Portaria nº 761/SAS/MS de 21 de junho de 2016 até que fosse aprovado e publicado o novo Protocolo Clínico com as adequações metodológicas orientadas pela Conitec. Portanto, o atual PCDT substitui as orientações técnicas do tratamento do tabagismo constantes no Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - Dependência à Nicotina - constantes do Anexo II da Portaria nº 442/SAS/MS de 13 de agosto de 2004.

É importante salientar que as orientações do PNCT estão de acordo com as principais diretrizes internacionais relacionadas ao tratamento do tabagismo. Dessa forma, o SUS oferece ao fumante brasileiro que deseje parar de fumar um tratamento adequado, com metodologia embasada em evidências científicas.

Por que as pessoas fumam?

A nicotina, presente em qualquer derivado do tabaco é considerada droga por possuir propriedades psicoativas, ou seja, ao ser inalada produz alteração no sistema nervoso central, trazendo modificação no estado emocional e comportamental do usuário que pode induzir ao abuso e dependência. O quadro de dependência resulta em tolerância, abstinência e comportamento compulsivo para consumir a droga, estabelecendo-se assim um padrão de auto-administração caracterizado pela necessidade tanto física quanto psicológica da substância, apesar do conhecimento de seus efeitos prejudiciais à saúde.

Muitos são os fatores que podem levar a pessoa a experimentar drogas, já que é histórica a tendência humana de buscar formas de alterar sua consciência de modo a produzir prazer e modificar seu humor. De maneira geral a possibilidade do encontro com a droga se dá na adolescência, fase caracterizada por muitas transformações físicas e emocionais , angústias e busca de respostas.

Dependendo da suscetibilidade individual, alguns fatores serão decisivos para estimular o indivíduo atender a essa tendência humana de buscar nas drogas o alívio para suas tensões, tais como a aceitação social de uma determinada substância, seu fácil acesso, uso da droga por pessoas que tenham papel de modelos de comportamento. Portanto, a sociedade pode contribuir de maneira significativa para que o uso seja estimulado, causando adoecimentos em larga escala.

No caso do tabagismo vale destacar o papel que a publicidade exerceu e exerce na adoção do consumo de derivados do tabaco, especialmente cigarro. A publicidade veiculada pelas indústrias aliou as demandas sociais e as fantasias dos diferentes grupos (adolescentes, jovens, mulheres, faixas economicamente mais pobres e com menor nível de escolaridade, entre outras.) ao uso do cigarro. A manipulação psicológica embutida na publicidade de cigarros procura criar a impressão, principalmente entre os adolescentes e jovens, de que o tabagismo é muito mais comum e socialmente aceito do que é na realidade. Para isso, utiliza a imagem de ídolos e modelos de comportamento de determinado público-alvo, portando cigarros ou fumando-os, ou seja, uma forma indireta de publicidade que ainda tem forte influência no comportamento tanto dos adolescentes e jovens quanto dos adultos. A publicidade direta era feita por veículos de comunicação de massa, por anúncios atraentes e bem produzidos, o que está proibido no Brasil desde 1996.

O reconhecimento do papel da publicidade na adesão de novos consumidores de tabaco, fez com que ações legislativas fossem instituídas a fim de desestimular a iniciação ao uso como a Lei nº 9.294, de 15 de julho de 1996 que em seu artigo 3º determina: "(...) é vedada, em todo o território nacional, a propaganda comercial de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou qualquer outro produto fumígeno, derivado ou não do tabaco, com exceção apenas da exposição dos referidos produtos nos locais de vendas, desde que acompanhada das cláusulas de advertência (Redação dada pela Lei nº 12.546, de 2011). Dessa forma, a propaganda comercial dos produtos referidos nesse artigo deverá ajustar-se às seguintes diretrizes: não sugerir o consumo exagerado ou irresponsável, nem a indução ao bem-estar ou saúde, ou fazer associação a celebrações cívicas ou religiosas; não induzir as pessoas ao consumo, atribuindo aos produtos propriedades calmantes ou estimulantes, que reduzam a fadiga ou a tensão, ou qualquer efeito similar; não associar ideias ou imagens de maior êxito na sexualidade das pessoas, insinuando o aumento de virilidade ou feminilidade de pessoas fumantes; não associar o uso do produto à prática de atividades esportivas, olímpicas ou não, nem sugerir ou induzir seu consumo em locais ou situações perigosas, abusivas ou ilegais; não empregar imperativos que induzam diretamente ao consumo; não incluir a participação de crianças ou adolescentes. [4]

Além disso, pais ou responsáveis, parentes, professores, ídolos e amigos também exercem uma grande influência. O consumo de tabaco pelos pais ou responsáveis e a atitude permissiva desses diante do uso por seus filhos promovem a aceitação social do tabaco entre as crianças, adolescentes e jovens e contribuem para incentivar o uso. De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (2015), com relação ao consumo de cigarro e outros produtos de tabaco, entre os escolares de 13 a 17 anos de idade no Brasil, no que se refere à experimentação do cigarro houve um crescimento relativo de aproximadamente 53,0% entre as duas faixas etárias analisadas. No grupo etário de 13 a 15 anos a experimentação é de 19,0%, chegando a pouco mais de 29,0% entre os escolares na faixa etária de 16 a 17 anos. [5]

Outro fator que pode explicar o grande número de adolescentes fumantes é a venda ilegal de cigarros e outros produtos derivados do tabaco a menores de 18 anos. Dados da Vigilância do Tabagismo em Escolares (VIGESCOLA, 2002 - 2009) [6] informam que a maioria dos adolescentes que participou da pesquisa afirmou nunca ter sido impedida de comprar cigarros em lojas em função da idade. Além disso, quanto à forma de aquisição do cigarro (por unidade ou por maço), chama atenção a alta prevalência de adolescentes que compraram cigarro por varejo (unidade) de forma ilegal, em todas as cidades analisadas. Esses fatores podem estar contribuindo para a experimentação do cigarro e o início do fumo entre os adolescentes.

Os resultados das medidas de restrição à publicidade no controle do tabagismo em vários países mostram que esse é um instrumento legítimo e necessário para a redução do consumo, associado à medidas legislativas, econômicas e educativas, entre outras.

Quer parar de fumar?

Equivocadamente muitas pessoas acreditam que o tabagista é um “viciado", “sem força de vontade", “que não deixa de fumar porque não quer". Não é isso. Na verdade quem fuma sofre de dependência química, ou seja, é alguém que ao tentar deixar de fumar, se defronta com grandes desconfortos físicos e psicológicos que trazem sofrimento, e que pode impor a necessidade de várias tentativas até que finalmente consiga abandonar o tabaco. Entender o que acontece com o tabagista e suas tentativas de parar de fumar é fundamental para que se possa ter a real dimensão do problema. Portanto, se você quer parar de fumar comece escolhendo uma data para ser o seu primeiro dia sem cigarro. Este dia não precisa ser um dia de sofrimento. Faça dele uma ocasião especial e procure programar outra coisa que goste de fazer para se distrair e relaxar.

Quer parar de fumar? Saiba onde é oferecido tratamento no seu estado. Para informações mais detalhadas, favor consultar a coordenação de controle do tabagismo da sua secretaria estadual e/ou municipal de saúde.

Abordagem

Fumar é um comportamento extremamente reforçado diariamente. A abordagem tendo por base o modelo cognitivo comportamental é a técnica recomendada para o tratamento do tabagista.

Entre suas premissas está o entendimento de que o ato de fumar é um comportamento aprendido, desencadeado e mantido por determinadas situações e emoções, que leva a dependência devido às propriedades psicoativas da nicotina. O tratamento objetiva, portanto, a aprendizagem de um novo comportamento, através da promoção de mudanças nas crenças e desconstrução de vinculações comportamentais ao ato de fumar, combinando intervenções cognitivas com treinamento de habilidades comportamentais.

Apoio medicamentoso

O uso de medicamentos tem um papel bem definido no processo de cessação do tabagismo, que é o de minimizar os sintomas da síndrome de abstinência à nicotina, facilitando a abordagem intensiva do tabagista [7]. Medicamentos não devem ser utilizados isoladamente, e sim em associação com uma boa abordagem. É fundamental que o tabagista se sinta mais confiante para exercitar e por em prática as orientações recebidas durante as sessões da abordagem intensiva [8][9][10][11].
Os medicamentos disponibilizados pelo Ministério da Saúde para o tratamento do tabagismo na rede do SUS são os seguintes: terapia de reposição de nicotina (adesivo transdérmico e goma de mascar) e o cloridrato de bupropiona.

Abstinência

Considerada uma droga bastante danosa, a nicotina atua no sistema nervoso central como a cocaína, heroína, álcool, com uma diferença: leva entre 7 a 19 segundos para chegar ao cérebro. É normal, portanto, que, ao parar de fumar, os primeiros dias sem cigarros sejam os mais difíceis, porém as dificuldades tendem a ser menores com o tempo.

Quando o fumante para de fumar, pode apresentar alguns sintomas desagradáveis, tais como: dor de cabeça, tonteira, irritabilidade, agressividade, alteração do sono, dificuldade de concentração, tosse, indisposição gástrica e outros. Esses sintomas caracterizam a síndrome de abstinência da nicotina, porém, não acontecem com todos os fumantes que param de fumar. Quando acontecem, tendem a desaparecer em uma a duas semanas (alguns casos podem chegar a 4 semanas).

Alguns dos sintomas, como dor de cabeça, tonteira e tosse são sinais do restabelecimento do organismo. O sintoma mais intenso, e mais difícil de se lidar, é a chamada “fissura" (grande vontade em fumar). É importante saber que a “fissura" geralmente não dura mais que 5 minutos, e tende a ficar mais tempo que os outros sintomas. Porém, ela vai reduzindo gradativamente a sua intensidade e aumentando o intervalo entre um episódio e outro.

Recaída

A recaída se caracteriza pelo retorno ao consumo de cigarros após parar de fumar. Na condição de tabagista o paciente vai ao longo de sua vida estabelecendo associações com seu cotidiano e o comportamento de fumar. Ao deixar de fumar e realizar determinadas ações que se tornaram condicionamentos, o desejo de fumar poderá surgir e a recaída ocorrer.

A manutenção de uma mudança pode exigir a construção de um conjunto de habilidades e estratégias diferentes daquelas que foram inicialmente necessárias para a obtenção da mudança. Se a recaída ocorrer não deve ser encarada como fracasso. Comece tudo novamente e procure ficar mais atento ao que fez você voltar a fumar. Dê-se várias chances até conseguir.

Aumento de peso

A preocupação com o ganho de peso é uma das maiores barreiras para que alguns fumantes tomem a decisão de parar de fumar, ou recaiam após terem parado de fumar. É importante entender que geralmente o ganho de peso após a cessação do tabagismo é temporário, sendo que na maioria dos casos, ocorre nos primeiros meses pós-cessação.

Portanto, se a fome aumentar, não se assuste, é normal um ganho de peso, pois seu paladar vai melhorando e o metabolismo se normalizando.

De qualquer forma, procure não comer mais do que o de costume. Evite doces e alimentos gordurosos. Mantenha uma dieta equilibrada com alimentos naturais e de baixa caloria, frutas, verduras e legumes. Faça atividade física, pois ajuda no controle do peso. Beba sempre muito líquido, de preferência água e sucos naturais. No início, evite café e bebidas alcoólicas, pois eles estimulam a vontade de fumar.

Benefícios

Parar de fumar sempre vale a pena em qualquer momento da vida, mesmo que o fumante já esteja com alguma doença causada pelo cigarro, tais como câncer, enfisema ou derrame. A qualidade de vida melhora muito ao parar de fumar. Veja o que acontece se você parar de fumar agora:

• Após 20 minutos, a pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal.
• Após 2 horas, não há mais nicotina circulando no sangue.
• Após 8 horas, o nível de oxigênio no sangue se normaliza.
• Após 12 a 24 horas, os pulmões já funcionam melhor.
• Após 2 dias, o olfato já percebe melhor os cheiros e o paladar já degusta melhor a comida.
• Após 3 semanas, a respiração se torna mais fácil e a circulação melhora.
• Após 1 ano, o risco de morte por infarto do miocárdio é reduzido à metade.
• Após 10 anos, o risco de sofrer infarto será igual ao das pessoas que nunca fumaram.

Quanto mais cedo você parar de fumar menor o risco de adoecer.

 Os materiais do tratamento do tabagismo estão disponíveis junto com as demais publicações neste Portal.

 

Referências

1 - BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer, Coordenação de Prevenção e Vigilância, Divisão de Controle do Tabagismo e Outros Fatores de Risco de Câncer, 2005 – Deixando de Fumar sem Mistérios – Manual do Coordenador, Rio de Janeiro.

2- FIORE, MC, JAÉN, CR, BAKER, TB, et al, 2008. Treating Tobacco Use and Dependence. Clinical Practice Guideline. U. S. Department off Health and Humans Services, Public Health Service. Update.

3 - BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde – BRATS, ano V, n. 12, 2010.

4 - BRASIL. Lei nº 9.294, de 15 de julho de 1996. Dispõe sobre as restrições ao uso e à propaganda de produtos fumígeros, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas, nos termos do § 4° do art. 220 da Constituição Federal. 
Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9294.htm Acesso em: 16 jul. 2018.

5 - BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Coordenação de Indicadores Sociais. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

6 - PAIVA, F.S e RONZANI, T.M. Estilos parentais e consumo de drogas entre adolescentes: revisão sistemática. Psicologia em estudo, Maringá, v. 14, n.1, p.177-183, jan/mar. 2009.

7 - BRASIL. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. VIGESCOLA. Vigilância de Tabagismo em Escolares. Realizado no Brasil, entre 2002 e 2009. Rio de Janeiro: INCA, 2011.

8 - BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS/Nº 1.575 de 29 de agosto de 2002. Diário Oficial da União de 03 de setembro de 2002, Brasília, Distrito Federal.

9 - BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS/Nº 1.035 de 31 de maio de 2004. Diário Oficial da União de 01 de junho de 2004, Brasília, Distrito Federal.

10 - BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria MS/SAS/Nº 442 de 13 de agosto de 2004. Diário Oficial da União de 16 de agosto de 2004, Brasília, Distrito Federal.

11 - BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS Nº 571 de 05 de abril de 2013. Diário Oficial da União de 08 de abril de 2013, p. 56 e 57. Brasília, Distrito Federal.

12 - BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer, Coordenação de Prevenção e Vigilância. Consenso sobre Abordagem e Tratamento do Fumante, Rio de Janeiro, 2001.


Fonte: https://www.inca.gov.br/programa-nacional-de-controle-do-tabagismo/tratamento



quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

Desta vez foi ÁGUAS LINDAS/GO

 

 




A paciente MARIA DO SOCORRO DA SILVA veio até a ABRAFIBRO, para saber como poderíamos ajudá-la a conquistar mudanças em seu município.
Eis o resultado!
Ela conversou com o Exmo Vereador André Cavalcanti ( https://instagram.com/andrecavalcanteoficial) que, compreendeu a necessidade e abraçou a nossa importante causa.
Agradecemos por ter nos citado em sua justificativa para a Proposição do Projeto de Lei nr 004/2021, protocolado no último dia 24 pela Câmara Municipal.
Aproveitamos para pedir a todos os seus pares na Câmara, que percebam e aprovem com urgência o referido PL.
Os Fibromiálgicos não são vistos, pouco conhecidos, ignorados ou duvidosos para alguns. Mas, existimos!
Existe um Código Internacional de Doenças - CID versão 10 - para nossa Síndrome - que é M79.7.
Porém, somos invisíveis.
Este benefício minimizará um pouco do tamanho esforço que muitos fazem para manter sua rotina, suas obrigações, sua vida com alguma qualidade.
Esperamos que este seja o primeiro de muitos passos rumo a dignidade e respeito.
Ao Exmo Dr. Prefeito Lucas Antonietti (Dr Lucas da Santa Mônica - https://instagram.com/doutorlucasprefeito ) aproveitamos para pedir a Sanção e a publicação do Decreto Legislativo para condução dos trabalhos de expedição de documento, para Identificação dos beneficiados.


A todos os envolvidos, antecipadamente, nosso muito obrigado!

Importante Ler!

 

🔴 IMPORTANTE LER 🔴


Novas recomendações do Centro de Controle de Doenças dos EUA sugere que máscaras cirúrgicas moldadas no rosto, que estejam mais aderidas a face aumentam significativamente a eficiência desse modelo. Para tal, sugerem que as máscaras cirúrgicas recebam um nó nas laterais. 


Eles também sugerem fazer o "double mask" usando uma máscara de tecido sobre uma máscara cirúrgica, chegando assim a uma eficiência próxima da N95.


Essas são duas sugestões para enfrentarmos as novas variantes preocupantes do coronavírus.


E ao descartar a máscara lembre-se: Corte os elásticos! Os bichos não correrão riscos desnecessários.


O que achou? Vai aderir? Será que a Anvisa vai sugerir alguma nova orientação como eles fizeram?


Encontre essas informações no link 

https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/your-health/effective-masks.html


Compartilhe esta postagem com o maior número de pessoas! ❤


●●●●●●●●●●●●●●●●

#coronavírus

#sarscov2 #responsabilidadesocial #saude #proteçaocontraocorona #pacientes #enfermidades #fibromialgia #fibromialgicos #homenscomfibromialgia #blogueirosdasaude #dorcronica #fadigacronica #secuida #vida #acaosocial

#responsabilidade

Responsabilidade Social!


 🚩RESPONSABILIDADE SOCIAL 🚩


Você sabe o que é isso? 


"A responsabilidade social é quando empresas, de forma voluntária, adotam posturas, comportamentos e ações que promovam o bem-estar dos seus públicos interno e externo. É uma prática voluntária pois não deve ser confundida, exclusivamente, por ações compulsórias impostas pelo governo ou por quaisquer incentivos externos ..."

Texto extraído de:http://www.responsabilidadesocial.com/o-que-e-responsabilidade-social/ 


O que queremos dizer com isso?

O que tem a ver com Covid 19? 


Simples... é de nossa responsabilidade social informar e conscientizar sobre essa pandemia de Covid 19. 


Muitas pessoas são assintomáticos, alguns evoluem para sintomas leves, mas são muitos os casos graves ou gravíssimos entre jovens sem comorbidades! 


Não deixe que aconteça com você ou à sua família. Adote os protocolos: 

✋🤚higienizar as mãos,

😷usar máscaras e descartá-las no momento e de maneira correta,

🧍‍♀️ 🧍isolamento e distanciamento social! 


Quem adquire o vírus tem um alto custo com medicações e reabilitação posteriormente, SE sobreviver!


Temos certeza de que sua atitude responsável pode ajudar a salvar vidas! 


TODOS PELA VIDA!❤️


#responsabilidadesocial #abrafibro #covid19 #pandemia #coronavirus #cuidarse #saude #valorizaravida

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

EXERCÍCIOS FÍSICOS: Dói? Por quê?

 Mais dicas importantes da Profa. Dra. Andreia Salvador -   Fisioterapeuta, Profissional Voluntária na ABRAFIBRO - @dancafibromialgia (Instagram)

Dúvidas ou comentários?

Deixe abaixo!


A gente precisa saber se a mensagem foi compreendida. Ok?😉


Até mais...👋🏻




 















Medo da dor ao praticar exercícios físicos - CINESIOFOBIA


CINESIOFOBIA é o medo excessivo de realizar qualquer movimento. O medo é uma reação de proteção no nosso organismo, mas quando esse sistema protetor se torna excessivo entramos nesse ciclo da dor, que gera a dificuldade de realizar atividades, ansiedade e até mesmo sintomas de depressão. 

Para quebrar esse ciclo, o movimento gradual e educativo é a solução 🧡. 🚶🏽🏊🏼‍♀️

Seja avaliado por profissionais com experiência no tratamento da dor crônica!

Conteúdo criado pela Dra. Marcella de Carlo - Fisiatra e Profissional Voluntária na ABRAFIBRO

Dúvidas?
Gostou do artigo?
Comente!

Até a próxima...👋🏻


sábado, 20 de fevereiro de 2021

FIBROMIALGIA: POR QUE SINTO TANTA DOR?


O PRIMEIRO PASSO PARA CONTROLAR AS DORES É ENTENDER POR QUE ELAS ACONTECEM.

Hoje vamos iniciar uma série em nosso canal no YouTube, para te contar tudo o que você precisa saber sobre a Fibromialgia, e assim te ajudar a ter uma vida com mais qualidade.

O conhecimento é a arma mais poderosa que existe e, entender o que acontece com o seu corpo irá te trazer mais leveza, acredite💜, além de ajudar a lidar melhor com os sintomas. 

Vamos começar nossa série entendendo O QUE É A FIBROMIALGIA? 
É uma síndrome neurológica caracterizada por: dor generalizada, fadiga, alterações no sono, alterações do humor, e ALTERAÇÃO NA FORMA COMO A DOR É PROCESSADA E INTERPRETADA NO ORGANISMO.

Vamos entender melhor isso?

Depois deixe o seu comentário para nós⬇️: conte-nos se você sabia dessas informações importantes.

🔸Você ficou com alguma dúvida sobre essa parte?🔸

E fique de olho👀, semana que vem mais um post da nossa série sobre Fibromialgia 😍💜.


Série de autoria da Profissional Voluntária Dra. Marcella de Carlo - Médica Fisiatra - @dra.marcelladecarlo (Instagram)

Bora assistir...

Não deixe de "Curtir" 👍🏻

Se inscrever em nosso canal para receber notificações de nossas próximas publicações.

Ah, e aqui no site também. Na página inicial vc encontrará um campo para Cadastral seu email...

Chega de blablablá

https://youtu.be/8wJ5qHOMK0Y



Alongamento ou Aquecimento?🤔

😏Voce sabe a diferença de Aquecimento e Alongamento?

🤭Sabe quando usar um ou outro?

🥰Vem que vou te ensinar!

@dancafibromialgia 👩‍⚕️(Instagram)
Com a Profissional Voluntária Dra Profa Andréia Salvador  - Fisioterapeuta e Bailarina.

 

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

Você, amigo, perguntou e a Abrafibro responde!

 

 


Essa síndrome gera muitas dúvidas.... 

A Sandra perguntou o que queríamos saber sobre Fibromialgia e a nossa amiga Bruna Azevedo perguntou:

"A fibromialgia afeta de alguma forma a concentração da pessoa? Eu tenho um pouco de problema com falta de concentração, ainda mais pela manhã quando acordo dolorida. "

 

A resposta é de autoria da Dra. Marcella De C Barcelos Teixeira  - Médica Fisiatra. Contato: https://instagram.com/dra.marcelladecarlo 

 
FIBROFOG é um termo utilizado para descrever a dificuldade que os pacientes relatam em se concentrar para fazer alguma atividade e manter a atenção, além da dificuldade em reter informações, o que acaba levando aos problemas de memória.

Principais queixas relatadas pelos pacientes:
-Esquecimento e problemas ao lembrar de novas informações.
-Capacidade reduzida de pensar de forma rápida e eficiente, especialmente em ambientes que distraem.
-Dificuldade em se concentrar ou em alerta.
-Dificuldade em manter a conversa ou a capacidade de acessar informações de idioma armazenadas de maneira rápida e eficiente.

A maioria dos estudos mostram que isso acontece pois as dores ocupariam o cérebro de tal forma que ele deixa de executar as funções adequadamente: como se o cérebro todo o cérebro estivesse voltado para “resolver” as questões relacionadas a dor, então eu preciso estimular o meu cérebro para que ele retome o seu “funcionamento normal”. 

 

 

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

Você, amigo, perguntou e a Abrafibro responde!

 

 Resultado de imagem para dúvidas sobre fibromialgia

Recentemente, a nossa Presidente Sandra Santos perguntou aos membros de nosso grupo quais suas dúvidas sobre Fibromialgia. E recebemos os seguintes questionamentos de nossas amigas:

Janete Aparecida: Cavalari: perguntou sobre o tratamento para a fibromialgia

Susan Markes: Por que o Reumatologista do SUS não nos acompanha, assim atende uma consulta e sai alta?

 A Dra Laís Kozminski, Vice Diretora Científica da Abrafibo, explica um pouco no texto a seguir.

Por que o reumatologista do SUS não nos acompanha ? 

 
Na grande maioria dos Estados brasileiros, o acesso ao SUS normalmente se dá por consulta ao clínico geral e, dependendo dos sintomas, é o clínico quem faz o encaminhamento ao reumatologista. Embora este acesso ao especialista, pelo SUS, algumas vezes seja um pouco demorado, é importante a avaliação, principalmente para descartar outras condições reumatológicas que possam simular a Fibromialgia, visto que, seu diagnostico é unicamente clinico, não existindo exames que comprovem a doença. Porém, uma vez corretamente diagnosticada e estabelecido o tratamento medicamentoso inicial, o acompanhamento do paciente deve ser feito de forma interdisciplinar, baseando-se em três pilares: Prática de Exercícios Físicos, Terapia Cognitiva Comportamental e  tratamento farmacológico, que pode ser acompanhado pelo clinico geral, não sendo obrigatório o acompanhamento do reumatologista, contrariamente à outras doenças reumatológicas.

Qual é o tratamento para a Fibromialgia?

O desafio da compreensão da fibromialgia, reflete-se também na elaboração de um plano de tratamento eficaz, que pode ser diferente em função das peculiaridades de cada paciente. Os tratamentos interdisciplinares caracterizam-se pela associação de, ao menos, duas abordagens terapêuticas complementares e recorrem a diferentes estratégias para influenciar a percepção da dor, como: exercício fisico, relaxamento, psicoterapia, alimentação, tratamento farmacológico...  Embora estas abordagens apresentem limitações em relação à adesão do paciente, os resultados satisfatórios à longo prazo comprovam a  sua necessidade.

 

Autora: Dra Laís Kozminski - Biomédica e Médica licenciada na França. 

 

Referencias: 


Wolfe F. New American College of Rheumatology criteria for fibromyalgia: a twenty-year journey. Arthritis Care Res (Hoboken). 2010 May;62(5):583-4. doi: 10.1002/acr.20156. PMID: 20461781

 Posso IR, Grossmann E, Fonseca PR. Tratado de Dor: publicação da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor. Rio de Janeiro: Atheneu; 2017.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Pessoas com doenças crônicas graves devem apresentar laudo para serem vacinadas no DF

 VACINA covishield astrazeneca

 


Segundo GDF, pacientes de hemodiálise, de fibromialgia e portadores de neoplasia maligna também estão incluídas nas próximas fases da vacina

atualizado 08/02/2021 21:36

 Além de ganharem o direito de prioridade em comércio, bancos e serviços públicos (veja abaixo), após a sanção de lei pelo governador Ibaneis Rocha (MDB), os pacientes de hemodiálise, pessoas com fibromialgia e as portadoras de neoplasia maligna também serão incluídas nos grupos prioritários da vacinação contra a Covid-19 no Distrito Federal.

Uma vez que essas enfermidades são conhecidas como doenças não aparentes, o paciente deverá comprovar o diagnóstico por meio de um laudo assinado por médico com registro ativo no Conselho Regional de Medicina (CRM-DF).

De acordo com a Secretaria de Saúde, esses pacientes serão incluídos no grupo prioritário de vacinação, na fase de imunização ao grupo de comorbidades, prevista para ocorrer nas próximas etapas da campanha, a depender da quantidade de imunizantes enviada à capital pelo governo federal.

“Os pacientes que se enquadram neste grupo deverão solicitar um relatório do médico com quem fazem acompanhamento para que um laudo seja providenciado e, após isso, uma identificação da condição de portador de doença crônica”, esclareceu a pasta. Ainda não há previsão para o chamamento desse grupo prioritário.

Próximas fases

“Em função do baixo número de doses de vacinas recebidas, a Secretaria de Saúde tem priorizado – neste primeiro momento – os grupos de risco com maiores chances de contrair a doença (profissionais e servidores da saúde) e de óbito (idosos) por Covid-19. Os grupos serão ampliados conforme a disponibilidade de mais vacinas por parte do Ministério da Saúde”, reforçou o órgão local.

Nesta segunda-feira (8/2), o Governo do Distrito Federal (GDF) decidiu ampliar a vacinação contra Covid-19 para pessoas com 79 anos ou mais. Antes, a imunização era restrita para idosos a partir de 80 anos e outros grupos prioritários, como profissionais da saúde.

Segundo a secretaria, é esperado, já a partir desta terça-feira (9/2), que 6.170 cidadãos com mais de 79 anos recebam a vacina. A decisão de incluir mais brasilienses no plano de imunização ocorreu durante reunião do Comitê de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19 do DF.

 

 

Prioridade de atendimento

A lei sancionada pelo governador Ibaneis garante ainda o atendimento prioritário em estabelecimentos comerciais, de serviços e instituições financeiras do Distrito Federal para os pacientes de hemodiálise, pessoas com fibromialgia e as portadoras de neoplasia maligna. A regra foi publicada no Diário Oficial (DODF) desta segunda.

De acordo com especialistas, a nova jurisprudência vem para facilitar a vida das pessoas que sofrem com essas comorbidades, visto que são doenças que acabam por debilitar muito o corpo humano. O projeto é de autoria do deputado distrital Martins Machado (Republicanos).

A fibromialgia é uma doença reumatológica, que causa dor crônica de difícil tratamento. Os episódios podem ser influenciados por diversas situações e, quando o paciente está em crise de dor, não consegue realizar atividades cotidianas.

Já a neoplasia maligna são os cânceres – também classificadas como doenças debilitantes.

 

 

 

texto original https://www.metropoles.com/colunas-blogs/janela-indiscreta/pessoas-com-doencas-cronicas-graves-devem-apresentar-laudo-para-serem-vacinadas-no-df

Será que tem lei para fibromiálgicos em minha cidade ou estado?










 

Você sabe se em sua Cidade ou Estado existe algum benefício entre as políticas públicas? Sabe como pesquisar? A gente vai te explicar...
 

Será que tem lei para fibromiálgicos em minha cidade ou estado?






Você sabe se em sua Cidade ou Estado existe algum benefício entre as políticas públicas? Sabe como pesquisar? A gente vai te explicar...

 

terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

Garantia para novos atendimentos preferenciais - Brasília/DF

 

Resultado de imagem para fila para atendimento 

imagem do site http://www.gestaodeatendimento.com.br/estrategias-para-reduzir-as-filas/

 

Lei sancionada pelo govenador Ibaneis prevê prioridade para pacientes em hemodiálise, com fibromialgia e portadoras de neoplasia maligna

Além das prioridades para pessoas com deficiência, idosos com mais de 60 anos, gestantes, lactantes, pessoas com crianças de colo e pessoas com obesidade grave ou mórbida, estabelecimentos comerciais, de serviços e instituições financeiras do Distrito Federal também terão que dar preferência no atendimento a pessoas que se submetem a hemodiálise, pessoas com fibromialgia e pessoas portadoras de neoplasia maligna. É o que garante a Lei nº 6.801, sancionada pelo governador Ibaneis Rocha na última semana.

 

O projeto é de autoria do deputado distrital Martins Machado e altera o artigo 1º da lei nº 4.027, de 2007, legislação distrital que dispõe sobre a prioridade de atendimentos. De acordo com especialistas, a nova jurisprudência vem para facilitar a vida das pessoas que sofrem com essas comorbidades, visto que são doenças que acabam por debilitar muito o corpo humano.

“O paciente renal crônico em diálise já é uma pessoa hipertensa, diabética, coronariopata e, por causa disso, é debilitada. A doença renal pode desenvolver situações secundárias, como anemia e doença mineral óssea, e os pacientes também sofrem muitas repercussões no corpo após uma sessão de diálise, e tem que fazer isso três ou seis vezes por semana. Essa lei facilita a vida dessas pessoas, fazem-nas sofrer menos”, explica a médica nefrologista Lizandra Carvalho, servidora da Secretaria de Saúde.

 

A fibromialgia é uma doença reumatológica que causa dor crônica de difícil tratamento. Os episódios podem ser influenciados por diversas situações, e quando o paciente está em crise de dor, não consegue realizar atividades cotidianas. Já a neoplasia maligna são os cânceres, que por si só já são doenças debilitantes, e que tem um tratamento tão extenuante quanto.

 

texto original https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2021/02/07/lei-da-fila-amplia-direitos-de-preferencia/

 

 

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

Carteirinha de atendimento prioritário às pessoas com fibromialgia começa a ser emitida em São Roque - SP

AMPLIAR FOTO 

O vereador Cabo Jean recebeu, nesta semana, a informação de que as carteirinhas que dão o direito ao atendimento prioritário às pessoas com fibromialgia começaram a ser emitidas pelo Departamento do Bem Estar Social, da Prefeitura, colocando em prática o Decreto Municipal nº 9.425/2020, que regulamentou a Lei nº 5.092/2020 de sua autoria.

Segundo o Decreto Municipal, poderão solicitar a carteirinha as pessoas que comprovem a existência da enfermidade através de laudo emitido por médico reumatologista, devendo também apresentar documentos pessoais.

Segundo informações, Cabo Jean é o autor da Lei Municipal que dispõe sobre o atendimento preferencial e explica que as pessoas que sofrem com a doença poderão ser atendidas prioritariamente em órgãos e empresas públicas, empresas concessionárias de serviços públicos e empresas privadas localizadas em São Roque, serão obrigadas a disponibilizar atendimento preferencial às pessoas com fibromialgia.

“Estou feliz por essa Lei, pelas carteirinhas, mas principalmente, por saber que poderemos amenizar ao menos um pouco o sofrimento de quem tem fibromialgia ao permitir que sejam atendidas prioritariamente”, conclui.  

 

fonte: http://www.saoroquenoticias.com.br/noticia.asp?idnoticia=30320