Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Siga-nos por e-mail

terça-feira, 11 de maio de 2021

12 de Maio com a ABRAFIBRO... ANOTE!

12 de Maio
Dia Mundial de Conscientização e Enfrentamento à Fibromialgia


Falar muito para conscientizar a Sociedade, para apoiar os pacientes e lutar por políticas públicas no Brasil, que reconheçam nossas limitações e dificuldades.

Serão 3(três) eventos no mesmo dia.

1)



12 DE MAIO
DIA INTERNACIONAL DA FIBROMIALGIA

Em alusão ao Dia do Enfrentamento à Fibromialgia também no Maranhão, a Vice Presidente da ABRAFIBRO -Associação Brasileira de Fibromiálgicos e Administradora do Grupo de Apoio Fibromiálgicos Maranhão, Simone Eli Bombardi convida para esta entrevista.
Vamos falar sobre essa doença crônica e sem cura, assim como sobre o trabalho que desenvolvemos, na busca pelo reconhecimento, acolhimento e políticas públicas voltadas aos pacientes acometidos, não só no Estado do Maranhão,  mas também em todo Brasil.

Um dia para Conscientizar toda a sociedade, daqueles que sofrem com Fibromialgia diariamente.

Quando?
12 de Maio
Às 09 HS da manhã

Onde?
Rádio Educadora AM - Maranhão.




2) 



Povo Fibromiálgico de Pernambuco
Vamos conversar com a mais nova voluntária, a jornalista e Fibromiálgica Diva Cordeiro.
Vamos discutir conquistas e lutas para o Estado.

Fibromialgia...
Tenho essa Síndrome, o que fazer?


Será o tema para nosso bate papo.
Vocês estão super convidados!
Convide a Família e Amigos também. 
Podemos esclarecer algumas dúvidas... Ok?

Será no canal da ABRAFIBRO YouTube...
Acesse: 


Ou ao acessar o YouTube digite apenas @abrafibro

Quando?
12hs no dia 12

3) 



Quando?
Amanhã dia 12, às 20hs

No canal da ABRAFIBRO no YouTube


Ou ao acessar o YouTube digite apenas @abrafibro

Nós receberemos o Dr Neury Botega - Psiquiatra, para falarmos sobre:

"O luto e seus impactos em pacientes fibromiálgicos, em tempos de pandemia."

Teremos também o depoimento da nossa Vice Presidente, Simone Eli Bombardi, que está vivendo este momento.

Será uma conversa com este renomado profissional, para melhor compreensão e, com o ganho de ferramentas para enfrentar essa realidade.


Serão eventos elaborados pensando no paciente brasileiro, dentro da nossa realidade desses novos conturbados momentos que vivemos.

Essa live conseguimos o Apoio da LIBBS FARMA, que montou uma estrutura exclusiva, em nosso canal, para receber todos os pacientes e suas dúvidas.

Ah, durante a Live das 20hs - EXCLUSIVAMENTE - caso tenha alguma pergunta a fazer, você terá um canal direto, para manter seu anonimato e privacidade.

Você deverá enviar para:
(Escreva apenas durante a Live. Ok? 👍🏻😉


Tudo que estamos realizando é para acolher, orientar, apoiar e ajudar os pacientes fibromiálgicos brasileiros.

Nossa missão há quase 14 anos é dar voz, aos quatro cantos desse país, sobre quem somos e o que precisamo. Mas também, orientar pacientes e familiares sobre responsabilidades no tratamento. 
Você é parte fundamental disso tudo.


Esperamos por todos, para que prestigiem todo este imenso trabalho voluntário.

Agradecemos à Libbs pelo apoio para realização da Live das 20hs.


Recapitulando


Amanhã dia 12.05

9hs na Rádio Educadora AM - Link acima

12hs nosso encontro com o povo Pernambucano em nosso canal no YouTube

20hs fechamos nosso dia com o Dr Neury Botega, também em nosso canal no YouTube.


ABRAFIBRO sempre perto de você.


Sandra Santos.         Simone Eli Bombardi
Presidente.                Vice-Presidente

domingo, 9 de maio de 2021

"𝐎 𝐋𝐔𝐓𝐎 𝐞 𝐬𝐞𝐮𝐬 𝐢𝐦𝐩𝐚𝐜𝐭𝐨𝐬 𝐞𝐦 𝐩𝐚𝐜𝐢𝐞𝐧𝐭𝐞𝐬 𝐟𝐢𝐛𝐫𝐨𝐦𝐢á𝐥𝐠𝐢𝐜𝐨𝐬, 𝐞𝐦 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨𝐬 𝐝𝐞 𝐩𝐚𝐧𝐝𝐞𝐦𝐢𝐚." (Live 12/05)

 

 

Dia 12/05, às 20h, em nosso canal do Youtube https://www.youtube.com/c/AbrafibroAssocBrasdosFibromiálgicos/, teremos a honra de receber o Dr Neury Botega - Psiquiatra, Professor Titular na Universidade Estadual de Campinas. Membro fundador da Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio - ABEPS.

Saber como lidar com o luto não é tarefa fácil... Mas, podemos oferecer algumas ferramentas, para ajudar a passar por esse momento tão delicado.

Contamos com sua presença.  Compartilhe e convide amigos, parentes, pacientes. Esse evento será online e gratuito. Todos são bem vindos!!!!

Instagram

@neurybotega

Facebook: https://www.facebook.com/neury.botega.5

Site: http://neurybotega.blogspot.com/p/o-profissional.html

Apoio: https://www.facebook.com/LibbsFarmaceutica

sexta-feira, 7 de maio de 2021

Dra Juana - Psicóloga baterá um papo com Sandra Santos Presidente da Abrafibro

 

 

A Sandra Santos - Presidente da ABRAFIBRO será recebida pela Dra Juana - Psicóloga, no perfil dela no Instagram @mjuanalm dia 11.05 às 19hs, para falar sobre a Fibromialgia. Esperamos por você! Agradecemos o convite Dra Juana.

PRECISAMOS FALAR SOBRE FIBROMIALGIA: um bate papo entre Mayra Perazzolli com Sandra Santos e Simone Eli Bombardi

 

 

A Sandra Santos - Presidente  e Simone Eli Bombardi - Vice Presidente da ABRAFIBRO serão recebidas pela Mayra  Pezzarolli - Fisioterapeuta, Ex Profissional Voluntária e responsável pelo perfil DONA DOLORIDA no Facebook.

Serão recebidas dia 13.05 às 19hs lá no Facebook DONA DOLORIDA
https://www.facebook.com/donadolorida , para falar sobre a Fibromialgia. Esperamos por você! Agradecemos ao convite da Mayra Pezzarolli https://www.facebook.com/mayraperazzolli.lima

Esperamos por todos os pacientes e familiares para saberem mais sobre essa síndrome tão difícil.


No Instagram:
@donadolorida
@mayraperazzolli

quinta-feira, 6 de maio de 2021

Live 11/05/2021 Juana LLabres entrevista Sandra Santos, Presidente da Abrafibro

 


 Juana Llabres é psicóloga, e responsável pelo site http://minhamaetemalzheimer.com.br/
E pelo canal https://m.youtube.com/c/mjlmayol
Vai entrevistar a Sandra Santos - Presidente da ABRAFIBRO.
Esta é uma das várias entrevista que irá realizar no mês da Conscientização da Fibromialgia.

É mais um canal a dar espaço para falarmos e conscientizarmos a sociedade sobre nossa Síndrome.
Assistam, compartilhem, prestigiem... Tudo para recebermos a visibilidade e respeito tão necessários.
Nosso muito obrigada Dra Juana!🙏🏼
@mjuanalm

Evento OnLine em 12/05/2021: Compartilhe este convite!


 

 Em respeito aos pacientes, familiares vítimas do Covid, este ano vamos falar de um sentimento, uma situação que atingiu a grande maioria do povo brasileiro, e claro, aos Fibromiálgicos também.


"𝐎 𝐋𝐔𝐓𝐎 𝐞 𝐬𝐞𝐮𝐬 𝐢𝐦𝐩𝐚𝐜𝐭𝐨𝐬 𝐞𝐦 𝐩𝐚𝐜𝐢𝐞𝐧𝐭𝐞𝐬 𝐟𝐢𝐛𝐫𝐨𝐦𝐢á𝐥𝐠𝐢𝐜𝐨𝐬, 𝐞𝐦 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨𝐬 𝐝𝐞 𝐩𝐚𝐧𝐝𝐞𝐦𝐢𝐚."


Teremos a honra de receber o palestrante Dr Neury Botega - Psiquiatra, Professor Titular na Universidade Estadual de Campinas. Membro fundador da Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio - ABEPS.


Saber como lidar com o luto não é tarefa fácil... Mas, podemos oferecer algumas ferramentas, para ajudar a passar por esse momento tão delicado.


Divulguem!

Muitos precisam dessa orientação.


Será nossa maneira de abraçar todos aqueles que vivem esse sentimento.

Recebam nossos respeitos e nosso apoio.


Instagram

@neurybotega

Facebook: https://www.facebook.com/neury.botega.5

Site: http://neurybotega.blogspot.com/p/o-profissional.html

 

quarta-feira, 5 de maio de 2021

Como a Filosofia está ajudando a entender e tratar a dor

 Como a Filosofia está ajudando a entender e tratar a dor 

Abordagem holística

Atualmente, não existem tratamentos eficazes para a dor crônica em muitos casos.

Isso tem incentivado pesquisadores de várias disciplinas a considerar novas abordagens para a dor e seu tratamento.

Alguns deles defendem não apenas a redução do controle medicamentoso da dor crônica ou a busca e o tratamento de mudanças físicas subjacentes, mas, em vez disso, a adoção de uma abordagem que enfoca a pessoa como um todo, a chamada abordagem holística.

A Filosofia é uma dessas disciplinas, que está ajudando a repensar a conceituação da dor, o que pode alterar o modo como se lida com ela, incluindo terapias alternativas à abordagem medicamentosa.

A Dra. Sabrina Coninx (Universidade Ruhr-Bochum, Alemanha) e o Dr. Peter Stilwell (Universidade McGill, Canadá) estão entre os pesquisadores que estão estudando como abordagens filosóficas podem ser usadas para desenvolver novas maneiras de pensar sobre a dor e seu tratamento.

"A pesquisa e a prática clínica da dor não acontecem no vácuo, elas envolvem suposições implícitas em relação ao que é a dor e como ela pode ser tratada," detalha Coninx. "Nosso objetivo é lançar uma luz sobre essas suposições e descobrir como podemos pensar de novas maneiras sobre a dor e seu gerenciamento com a ajuda de abordagens filosóficas."

Ver os pacientes como um todo

Usando uma fundamentação filosófica, os dois pesquisadores desenvolveram uma abordagem holística, integrativa e orientada para a ação.

Em termos específicos, eles sugerem três coisas.

  • 1

    Lidar com a dor deve envolver mais do que apenas procurar e tratar as alterações fisiológicas subjacentes. Uma abordagem holística coloca o foco nos pacientes como um todo e cria espaço para suas experiências, preocupações, expectativas e narrativas. A influência das práticas socioculturais na geração da dor crônica também deve ser levada em consideração. Por exemplo, pacientes com dor são frequentemente encorajados inicialmente a se protegerem de lesões e evitar atividades físicas, o que pode ser útil no início, mas pode contribuir para a cronificação da dor no longo prazo.

  • 2

    A dor crônica deve ser entendida como um processo dinâmico em que diversos fatores interagem de forma não-linear. Por exemplo, a causa inicial da dor não é necessariamente a causa de sua cronificação e também não precisa ser o fator mais crucial no tratamento. Sendo assim, a complexa interação de experiências subjetivas, expectativas, padrões de comportamento aprendidos, reorganização neural, estigmatização e outros fatores precisam ser considerados.

  • 3

    Os pacientes devem ser encorajados a interagir com seu ambiente e identificar possibilidades de ação. A abordagem filosófica parte do pressuposto de que a dor crônica altera fundamentalmente a forma como os pacientes se percebem e se relacionam com o meio ambiente.

De acordo com esta nova abordagem, o tratamento da dor crônica deve tanto ajudar o paciente a perceber as opções de ação positivas e pessoalmente significativas, quanto a se ver como capaz de agir novamente.

Assim, há menos foco no corpo como um obstáculo e, em vez disso, os pacientes prestam mais atenção em como podem superar as limitações, dizem os dois pesquisadores.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Pain and the field of affordances - An enactive approach to acute and chronic pain
Autores: Sabrina Coninx, Peter Stilwell
Publicação: Synthese
DOI: 10.1007/s11229-021-03142-3

 

texto original

https://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=filosofia-ajuda-entender-tratar-dor&id=14699

terça-feira, 4 de maio de 2021

#Repost @livia_debemcomafibro ********* 12 DE MAIO: Dia mundial da fibromialgia! 🌷


 

https://www.instagram.com/p/CObNkq6pR7S/?utm_source=ig_web_copy_link

 

Dia mundial da fibromialgia! 🌷

É tempo de reunirmos nossos esforços para dar mais visibilidade à fibromialgia e ao sofrimento diário de milhões de pessoas no mundo inteiro que convivem com dores 24 horas por dia!🤯

Nós existimos, resistimos e não vamos nos calar 📢

Quero agradecer essas queridas que toparam participar dessa iniciativa e ofereceram seus rostinhos para compor esse vídeo lindo e dar mais força à nossa luta:

https://www.instagram.com/livia_debemcomafibro/

@rebecanoag
@meninadefibroautoimune
@fibromialgiadordiaria
@lorranaagr
@abrafibro
@sandra_brusky

MÊS DA CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE FIBROMIALGIA: 11 COISAS QUE AS PESSOAS QUE VIVEM COM A DOENÇA DESEJAM QUE TODOS SAIBAM




É uma doença 'invisível' e ainda muito incompreendida - mas um pouco mais de compreensão pode ajudar muito.

A dor crônica e a fadiga são difíceis o suficiente - mas para muitas pessoas que vivem com uma doença "invisível", há também a angústia de as pessoas não reconhecerem, ou mesmo acreditarem, que suas experiências são reais.

Isso certamente é algo com o qual muitas pessoas que vivem com fibromialgia podem se identificar.  “Frequentemente ouvimos falar de médicos dizendo que não acreditam na fibromialgia para um paciente”, disse Des Quinn, presidente da Fibromyalgia Action UK. (Ação Fibromialgia do Reino Unido)

Resultado?  Como diz Quinn, “mais pesquisas são necessárias”.

 Ainda há uma falta significativa de compreensão sobre a fibromialgia - que está associada a uma série de sintomas, incluindo dor generalizada, dores de cabeça, fadiga, rigidez muscular, sono e problemas cognitivos como névoa do cérebro e diminuição da concentração - em termos de suas causas, diagnósticos e como  para melhor gerenciá-lo.
Mas, ao lado disso, reservar um tempo para ouvir as experiências de quem vive com fibromialgia (que afeta até uma em cada 20 pessoas, segundo a Bupa) pode ser muito útil.
Para marcar o Mês de Conscientização da Fibromialgia em maio, pedimos às pessoas que vivem com fibromialgia que compartilhassem algumas das coisas que realmente querem que as pessoas saibam ...

1. Parecer ‘bem’ não significa que estamos bem

 “Eu mascarei a dor com frequência….  A dor pode variar de uma facada (fazendo você congelar e perder o fôlego), até latejar e cãibras constantes. ”

2. Reações inúteis de profissionais médicos podem ter um impacto enorme

 “Passei 20 anos sabendo que havia algo de errado comigo, mas fui enganada por inúmeros médicos e especialistas, ouvindo que tudo estava na minha cabeça.  Foi destruidor de almas. ”
“Pessoas com fibromialgia muitas vezes se sentem rejeitadas ... É tão invalidante e faz você parar de procurar ajuda.”

3. Ter que explicar constantemente, ou não ser acreditado, pode ser muito exaustivo

 “A principal coisa pela qual me encontro lutando é simplesmente fazer com que as pessoas (família, amigos, colegas, profissionais da área médica etc.) acreditem em mim quando explico como estou me sentindo.  Muitas vezes recebo: 'Você não parece doente', ou, 'Não pode ser tão ruim', quando a verdade é que eu uso a maior parte da minha energia para fingir que estou bem. ”

4. Algumas pessoas com fibromialgia ainda trabalham, outras não - ambos são válidos

 “Eu tento tanto permanecer no trabalho, ser capaz de sustentar minha família e tento me manter mentalmente são, e muitas vezes sou questionado, chamado de mentiroso, não acredita e não é levado a sério.”

5. Há muita coisa que você não vê

 “Não tomo um banho de espuma relaxante há quatro anos porque não consigo entrar ou sair.  Eu tenho que tomar banho, com assento, porque eu não consigo ficar em pé no chuveiro por muito tempo.  Minhas enteadas secam e escovam meu cabelo para mim porque depois do banho, eu me esforço para levantar meus braços. ”

6. Pode afetar você de maneiras diferentes em momentos diferentes

 “Cada dia é diferente e coisas que eu poderia fazer ontem, não posso fazer hoje, mas espero poder fazer amanhã.”
 "Posso ficar bem um minuto - e então bum, não consigo nem andar, porque meus pés e parte inferior das pernas estão doendo muito."

7. Não está publicado no site.*

8. O cansaço pode ser opressor

 “Fadiga crônica não é o mesmo que apenas estar cansado.  Isso pode literalmente impedir você de fazer qualquer coisa. ”

9. Nem sempre sabemos quando precisaremos cancelar planos

 “[Meus] níveis de energia são diferentes a cada dia e mudam rapidamente, por isso é difícil planejar e não será inconstante se tivermos que abandonar os compromissos planejados.  Ainda queremos ser convidados a participar e não ser excluídos dos círculos de amizade ... uma oferta de vir tomar uma xícara de chá ou assistir a um filme no sofá significa o mundo absoluto. ”
“Também afeta meus filhos e minha família.  Fazer planos para fazer algo e depois cancelá-los porque estou tendo um surto, não é justo com eles. ”

10. Não existe uma maneira "tamanho único" de gerenciá-lo - e a experiência de todos é válida

 “Eu cuido do meu fibro no dia-a-dia.  Eu levo um estilo de vida ativo e saudável - [usando] uma abordagem multidisciplinar que me permite viver melhor com fibro e estratégias de enfrentamento / ritmo para me ajudar a enfrentar o dia-a-dia."

11. Não insinue que não estamos "tentando" o suficiente, se o que funcionou para uma pessoa não funciona para a próxima

 “Por favor, não tente nos dizer para‘ apenas fazer X / Y / Z ’, é paternalista e doloroso.  Queremos estar bem.  Julgamentos e conclusões que não queremos ajudar a nós mesmos não são verdadeiros e tão injustos. ”

Fonte: https://www.independent.co.uk/life-style/health-and-families/people-b1840608.html

Fibromialgia: dor real para uma doença real .


 A fibromialgia é uma doença muito real, que se caracteriza pelo aparecimento simultâneo de uma série de dores crónicas (dores de cabeça, distúrbios intestinais, sensação de rigidez, fadiga, etc.). Ainda denegrido, apesar do seu reconhecimento pela OMS em 1992, ainda assim afetaria vários milhões de franceses, para os quais às vezes o simples fato de carregar uma sacola de compras pode se tornar uma verdadeira provação. Por que essa doença luta para ser reconhecida? Onde está a pesquisa científica? Como alguns parentes ou cuidadores consideram isso puramente psicológico? Explicações na madrugada do Dia Mundial da Fibromialgia, em 12 de maio, com o auxílio da Dra. Florence Tiberghien, médica especializada em dor na Alta Sabóia.

“ Esta mal compreendida síndrome de dor crônica, muitas vezes denegrida, fonte de sofrimento e inúmeras consequências médicas e socioprofissionais, merece ser reconhecida, ouvida e aliviada ”, argumenta Florence Tiberghien, médica da dor do hospital Alpes-Léman, em Haute- Savoie. -Savoie.

A dor crônica afeta pelo menos 12 milhões de franceses e 2 a 3 milhões de pessoas são diretamente afetadas pela fibromialgia. Afetaria principalmente mulheres, apenas um terço dos pacientes são homens. Infelizmente, o tratamento desta doença não é adequado quando sabemos a virulência dos sintomas. No entanto, o debate público deixa um lugar cada vez mais importante para as palavras dos pacientes.  

 

Fibromialgia: um diagnóstico complexo

Às vezes é difícil ser diagnosticado com fibromialgia. Na verdade, não existe nenhum teste, a rigor, para identificar claramente essa doença. No entanto, exames adicionais podem ser prescritos pelo médico para descartar outras patologias (exame de sangue, radiologia).

O diagnóstico, portanto, será estabelecido com base nos sintomas experimentados pelo paciente . É o próprio clínico geral que fará o diagnóstico.

 

“A fibromialgia está na mente do paciente”, uma falsa máxima

Muitos parentes (amigos, familiares ...), até médicos, não conseguindo identificar com clareza as causas da doença por meio de exames médicos fundamentados, ficam desconcertados diante dos pacientes. Eles lutam para compreender seus sofrimentos porque, por enquanto, não são cientificamente comprovados. Não há lesões físicas ou orgânicas associadas à dor. Surge então uma questão crucial: a doença assume um aspecto psicológico ? 

Na verdade, um evento traumático costuma ser o gatilho para a fibromialgia (depressão, cirurgia, separação emocional etc.). Por outro lado, a dor infelizmente é muito real. “ Também sabemos que o corpo é o lugar de expressão das emoções. E se essa dor não fosse testemunha de uma emoção, de um sofrimento? ”, Pergunta a Dra. Florence Tiberghien. 

Muitos pacientes experimentam ataques de ansiedade por medo de serem confrontados com a dor, e um ciclo vicioso pode então se formar: a dor que leva à dor. Esses ataques de ansiedade são, em parte, responsáveis ​​pela lacuna entre os pacientes com fibromialgia e alguns médicos. Uma fase de depressão também é freqüentemente sentida nos pacientes. 

 

Fibromialgia: uma vida profissional prejudicada

68,5% dos pacientes consideram que a fibromialgia é um obstáculo à sua vida profissional em 2015, segundo a associação Fibromyalgia SOS . Nos casos mais graves, a dor é tanta que é impossível ao paciente continuar seu trabalho.

Todos os negócios físicos são afetados, do barman ao carpinteiro. Este último deve então abandonar o emprego se a dor for muito persistente. Muitas vezes, é difícil para o empregador aceitar a fibromialgia. Além disso, as mudanças nas condições de trabalho são irrisórias e exigem o respeito de todo um pesado processo administrativo. 

 

Para um melhor atendimento 

No entanto, uma clara progressão ocorreu, os pacientes com fibromialgia são mais reconhecidos e suas palavras têm mais peso no debate público em geral.

A fibromialgia não é reconhecida como doença ocupacional como tal porque não é suficientemente homogênea. No entanto, muitos ajustes nas condições de trabalho são possíveis. O processo deve ser elaborado pelo paciente e enviado à Casa de Pessoas com Deficiência de seu serviço para que seja proposto o teletrabalho, por exemplo. 

Além disso, a fibromialgia não é totalmente coberta pelo seguro saúde. Na verdade, existem formas graves e mais leves da doença. A fibromialgia não é homogênea. Portanto, é impossível para o seguro saúde garantir 100% de cobertura para todos os pacientes. No entanto, se a fibromialgia estiver associada a outra doença, a cobertura é 100% garantida. Além disso, o seguro saúde, em seu site, já escreveu uma folha sobre a fibromialgia . Avance permitindo que esta doença obtenha mais autoridade, crédito. Ele contém todos os elementos para descobrir sobre isso. 

 

Fibromialgia: forte mobilização para apoiar os pacientes

Muitas associações se apoderaram da síndrome, proporcionando um verdadeiro apoio aos pacientes. Na verdade, essas associações tornam possível, em particular, a de- dramatização da fibromialgia. Hoje, na França, existem mais de dez associações que lidam com a fibromialgia (Association FibromyalgieSOS, Association Fibromyalgie France, Association Française du Syndrome de Fatigue Chronique ...). 

Finalmente, muitas estruturas especializadas em dor crônica surgiram na França. Essas estruturas são denominadas CETD (centro de estudo e tratamento da dor). Esses centros de dor fornecem apoio próximo ao paciente, onde muitos tratamentos são oferecidos e personalizados. O objetivo desses centros é claro: melhorar a qualidade de vida diária dos pacientes que sofrem de dores crônicas. 

Sem contar, é claro, os muitos livros que são publicados a cada ano sobre a doença (O grande livro da fibromialgia de Marie Borrel) e também os sites e aplicativos dedicados às comunidades ativas (Manage My Pain: aplicativo com o objetivo de ajudar o fisicamente aptos a compreender melhor os sentimentos das pessoas com dor crônica no dia a dia). 

 

Pesquisa científica em todas as frentes

Você deve saber que a fibromialgia ainda não é totalmente compreendida, no entanto, muitas hipóteses estão surgindo. Na verdade, pesquisas científicas nos últimos anos nos mostram que a fibromialgia é uma doença do sistema de detecção da dor. Finalmente, o cérebro do paciente responderia de maneira exacerbada a estímulos não dolorosos. 

Embora a estrada possa ser longa, a recuperação não é impossível. Diante da ineficácia das drogas, alguns pesquisadores estão focando seu trabalho em uma trajetória de tratamento que combina atividade física adaptada e tratamentos psicoterápicos. Além disso, parece necessário um bom suporte social para afirmar que está curado dessa doença.

fibromialgia, fibromialgicos, abrafibro, dor cronica, fibromialgia é coisa séria,  fibromialgia existe,  Fibromialgia M 79.7,  fibromyalgia, fibromyalgie, Juntos Somos Mais Fortes

https://www.ra-sante.com/fibromyalgie-de-vraies-douleurs-pour-une-vraie-maladie.html


 




Agora está claro... É Maio ROXO!

 

 

Maio Roxo: Câmara de Vitória adere ao mês mundial de prevenção contra o  lúpus - CÂMARA MUNICIPAL DE VITÓRIA - ES 

imagem da Câmara Municipa de Vitória ES

Maio Roxo traz o alerta para pacientes que convivem com doenças imunomediadas inflamatórias

  • Publicado: Quarta, 28 de Abril de 2021, 12h40
  • Última atualização em Sexta, 30 de Abril de 2021, 16h52

Entidade do CNS e outras instituições realizam ciclo de ações abertas sobre o tema

Maio Roxo é um mês que traz reflexão sobre a atenção ao usuário que convive com a Doença Inflamatória Intestinal, Espondilite Anquilosante, Fibromialgia, lúpus eritematoso sistêmico, além de ser o mês panamericano de conscientização das doenças reumáticas. A Associação Brasileira Superando o Lúpus, o Grupar-RP, o Grupo EncontrAR, a Biored Brasil; e a Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn vão realizar ações virtuais abertas entre 6 e 29 de maio.

As doenças que são alvo do alerta do Maio Roxo, são doenças que trazem grande impacto socioeconômicos para o usuário e para o sistema de saúde, pois tratam-se em sua maioria de doenças imunomediadas, incuráveis e quando não são diagnosticadas precocemente e seu tratamento não é realizado no tempo certo, essas doenças passam a ter um alto poder de progressão para perda de mobilidade e desenvolvimento de deficiências.

Diante da pandemia do coronavírus, o tratamento destas doenças tem se tornado um grande desafio para essa população, pois os medicamentos que lhe são garantidos por meio de políticas públicas, tais como os protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas do Ministério da Saúde, têm sofrido constantes irregularidades no abastecimento da rede SUS. Isso leva estes pacientes ao risco de estarem vivendo em uma situação de pandemia,  sem ter a sua doença autoimune tratada adequadamente, isso tem exposto estes pacientes a maiores riscos de complicações quando contaminados pelo coronavírus.

O cenário de atenção farmacêutica destes pacientes têm sido bastante difícil, a exemplo os pacientes de lúpus que, desde o início da pandemia, enfrentam dificuldades de acesso constantes à hidroxicloroquina. Já os pacientes com doenças inflamatórias intestinais e espondilite anquilosante encontram-se sem o medicamento adalimumabe e mesalazina, além de outros 29 componentes da assistência farmacêutica.  Os pacientes de fibromialgia sequer contam com um protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para tratamento de sua doença no SUS. Situações como essas permeiam a jornada dos pacientes que têm sua doença conscientizada durante o Maio Roxo.

Ações de Conscientização do Maio Roxo

Webinário Maio Roxo da Associação Brasileira Superando o Lúpus

  • Datas: 1º à 28 de Maio de 2021
  • Realização: Associação Brasileira Superando o Lúpus
  • Redes Sociais: @superandolupus – Canal Superando Lúpus no Youtube
  • Site: www.lupus.org.br
  • Informações: superandolupus@gmail.com

6º Encontro de EspondiloArtrites e Maio Roxo

  • Datas: 6 à 29 de Maio de 2021
  • Realização: Grupar-RP, Grupo EncontrAR e Biored Brasil
  • Redes Sociais: @artritereumatoide – Youtube Artrite Reumatoide
  • Site: www.grupar-rp.org.br
  • Informações: encontrar@encontrar.org.br – Whatsapp (16) 3941-5110

FOPADII Virtual – Fórum Regional de Pacientes com Doenças Inflamatórias Intestinais

  • Data: 19/05/2021
  • Realização:Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn
  • Site: https://www.abcd.org.br/fopadii/
  • Informações: secretaria@abcd.org.br

 

Fonte: entidades realizadoras da mobilização.

 

fonte: http://conselho.saude.gov.br/ultimas-noticias-cns/1716-maio-roxo-traz-o-alerta-para-pacientes-que-convivem-com-doencas-imunomediadas-inflamatorias


sexta-feira, 30 de abril de 2021

Jales institui Dia Municipal da Fibromialgia e oferece benefícios para os portadores da síndrome

 

 

Ações vão marcar o Dia Municipal da Fibromialgia, instituído em Jales para ser comemorado todo dia 12 de maio como o de conscientização sobre a síndrome que não tem cura e provoca dores crônicas em todo o corpo

 

O prefeito Luis Henrique Moreira sancionou a Lei nº 5.102, que instituiu em Jales o Dia Municipal da Fibromialgia. A medida foi tomada após a apresentação de um Projeto de Lei de autoria da vereadora Andrea Moreto Gonçalves para garantir benefícios aos portadores da síndrome clínica que se manifesta com dores no corpo todo, principalmente na musculatura.

O município passará a comemorar, juntamente com o calendário mundial, todo o dia 12 de maio, como o Dia Municipal da Conscientização sobre a Fibromialgia. A data contará, a partir desse ano, do calendário oficial de eventos da cidade.

Entre os principais benefícios proporcionados pela nova lei estão as vagas de estacionamento destinadas a portadores de necessidades especiais, que passam a estar disponíveis também às pessoas diagnosticadas com a síndrome da Fibromialgia; empresas comerciais que recebem pagamentos de contas e bancos poderão incluir os portadores da síndrome nas filas que já são destinadas aos deficientes; ficam empresas públicas, concessionárias de serviços públicos e empresas privadas facultadas a dispensar, durante todo o horário de expediente, atendimento preferencial aos portadores de Fibromialgia.

“A identificação dos beneficiários às vagas específicas de estacionamento serão identificados por meio de cartão que será expedido pela Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana. Quando for solicitado o cartão, os portadores de Fibromialgia devem apresentar documento pessoal com fotografia, comprovante de endereço e o laudo médico que comprove a síndrome”, ressaltou o diretor do departamento de Mobilidade Urbana, Altair Ramos Leon.

A Prefeitura poderá, por meio de suas secretarias municipais, realizar palestras, debates, aulas e seminários de discussão no mês de conscientização sobre a Fibromialgia, para abordar o assunto e levar mais conhecimento às pessoas sobre a síndrome. “Nós da Secretaria de Comunicação, em parceria com a Secretaria de Saúde, vamos confeccionar cartazes e disponibilizar nas Estratégias de Saúde do município, levando informações sobre a síndrome e também informando aos portadores sobre os benefícios a que eles têm direito. A Secretaria de Mobilidade Urbana também dará início ao fornecimento dos cartões que identificam as pessoas que têm direito às vagas de estacionamento especiais, que hoje são oferecidas aos portadores de necessidades especiais. Em função da pandemia da Covid-19, ficamos impossibilitados de promover palestras ou debates, mas nos próximos meses de maio, vamos fortalecer ainda mais essa campanha”, ressaltou o secretário de Comunicação, Douglas Zílio.

Palestra

No dia 12 de maio, a Secretaria Municipal de Saúde promoverá uma palestra destinada a enfermeiros das Estratégias de Saúde da Família do município, onde o médico ortopedista Dr. Leonardo Ramiro irá orientar sobre a Síndrome da Fibromialgia. A palestra vai seguir todos os protocolos de segurança e prevenção contra o novo coronavírus e acontecerá na Casa do Médico de Jales. “Em função da pandemia e não podermos promover aglomerações, apenas um enfermeiro de cada umas das unidades de saúde poderá participar, receber orientações e, dessa forma, repassar aos colegas de profissão que não puderam estar presentes”, frisou o secretário de Saúde, Alexis Shigueru Kitayama.

A Fibromialgia

A síndrome da Fibromialgia (FM) se manifesta com dores crônicas no corpo, principalmente na musculatura. Junto à dor, a fibromialgia cursa com sintomas de fadiga (cansaço), sono não reparador (a pessoa acorda cansada) e outros sintomas como alterações de memória e atenção, ansiedade, depressão e alterações intestinais. Uma característica da pessoa com FM é a grande sensibilidade ao toque e à compressão da musculatura pelo examinador ou por outras pessoas.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, o sintoma mais importante da fibromialgia é a dor difusa pelo corpo. Habitualmente, o paciente tem dificuldade de definir quando começou a dor, se ela começou de maneira localizada e que depois generalizou ou que já começou no corpo todo. O paciente sente mais dores no final do dia, mas pode haver também pela manhã. A dor é sentida “nos ossos” ou “na carne” ou ao redor das articulações.

A fibromialgia pode aparecer depois de eventos graves na vida de uma pessoa, como um trauma físico, psicológico ou mesmo uma infecção grave. O mais comum é que o quadro comece com uma dor localizada crônica, que progride para envolver todo o corpo.

 

 

texto original

https://jales.sp.gov.br/jales-institui-dia-municipal-da-fibromialgia-e-oferece-beneficios-para-os-portadores-da-sindrome/

quinta-feira, 29 de abril de 2021

LIVE 12 DE MAIO!


 Em respeito aos pacientes, familiares vítimas do Covid, este ano vamos falar de um sentimento, uma situação que atingiu a grande maioria do povo brasileiro, e claro, aos Fibromiálgicos também.


"𝐎 𝐋𝐔𝐓𝐎 𝐞 𝐬𝐞𝐮𝐬 𝐢𝐦𝐩𝐚𝐜𝐭𝐨𝐬 𝐞𝐦 𝐩𝐚𝐜𝐢𝐞𝐧𝐭𝐞𝐬 𝐟𝐢𝐛𝐫𝐨𝐦𝐢á𝐥𝐠𝐢𝐜𝐨𝐬, 𝐞𝐦 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨𝐬 𝐝𝐞 𝐩𝐚𝐧𝐝𝐞𝐦𝐢𝐚."


Teremos a honra de receber o palestrante Dr Neury Botega - Psiquiatra, Professor Titular na Universidade Estadual de Campinas. Membro fundador da Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio - ABEPS.


Saber como lidar com o luto não é tarefa fácil... Mas, podemos oferecer algumas ferramentas, para ajudar a passar por esse momento tão delicado.


Divulguem!

Muitos precisam dessa orientação.


Será nossa maneira de abraçar todos aqueles que vivem esse sentimento.

Recebam nossos respeitos e nosso apoio.


Instagram

@neurybotega

Facebook: https://www.facebook.com/neury.botega.5

Site: http://neurybotega.blogspot.com/p/o-profissional.html

VENHA PARA O REABILITADOR!





 

🏃 O programa Reabilitador é um programa de fisioterapia online, inteiramente gratuito, que oferece tratamento às pessoas com dores crônicas musculoesqueléticas.


O programa Reabilitador é um estudo científico que vai testar uma modalidade de fisioterapia com capacidade de auxiliar a tomada de decisão de tratamento de milhares de pessoas 📈


👨🏾‍🔬 Além de contar com um acompanhamento especializado para as dores crônicas, participar do Reabilitador ajuda a ciência brasileira e a observação de novas estratégias para a melhoria da saúde no Brasil.


Convide seus parentes, amigos, colegas e pacientes para participar!


Nossa equipe estará disposta a tirar as dúvidas e te ajudar!


Entre em contato com a equipe do Reabilitador 🤳


Iuri Fioratti⠀

Fisioterapeuta responsável pelo Reabilitador ⠀

Whatsapp: (11) 97012-7143

E-mail: contato@reabilitador.com.br


*Verificado pela Profissional Voluntária Prof Dra Andreia Salvador - Fisioterapeuta

@dancafibromialgia

Estado de Mato Grosso: Projeto de Lei 458/2019 (Política MT: Deputados aprovam projeto que propõe atendimento prioritário a pessoas com fibromialgia)

 

Nossos agradecimentos ao Exmo Deputado Paulo Araújo, autor do Projeto de Lei 458/2019, por tão importante propositura. A Estrada é longa, mas para percorrê-la é preciso começar. 

A Aprovação na Casa Legislativa é um excelente começo.

Agradecemos aos Senhores Parlamentares da AL/MT para atuação e APROVAÇÃO.

Deve seguir agora para o Exmo Governador de Estado do Mato Grosso Sr Mauro Mendes 

https://instagram.com/mauromendesoficial

Desde já agradecemos pela rápida Sanção.

É a primeira política pública voltada aos Fibromiálgicos para o Estado. 


🙏🏼Nosso muito Obrigado!🙏🏼

 

 

Deputados aprovam projeto que propõe atendimento prioritário a pessoas com fibromialgia em Mato Grosso

Publicado

 

Foi aprovado na sessão ordinária desta quarta-feira, (28), da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) em segunda votação, o projeto de lei n° 458/2019, de autoria do deputado estadual, Paulo Araújo (Progressistas), que dispõe sobre o atendimento preferencial aos portadores de fibromialgia.

O texto prevê que os estabelecimentos públicos e privados ficam obrigados a incluir os portadores de fibromialgia nas filas de atendimento prioritário. “Segundo pesquisas da Sociedade Brasileira de Reumatologia, cerca de 3% de pessoas no Brasil sofre com a fibromialgia. Hoje esse projeto de lei, sendo aprovado em segunda votação pela AL/MT, demonstra o compromisso dessa Casa de Leis com os portadores dessa doença. A doença ganhou notoriedade depois que a cantora norte-americana Lady Gaga, cancelou sua participação no Rock in Rio, em 2017, devido às dores causadas pela doença”, justificou Paulo Araújo.

O parlamentar reitera que “o projeto visa dar a devida atenção à doença e traz dignidade aos portadores dela, gerando, assim, uma melhor qualidade de vida para todos. Além disso, é um projeto que acredito ser muito importante, porque, às vezes um banco, por exemplo, está superlotado e os caixas preferenciais vazios e a pessoa com a fibromialgia estão lá parados, sofrendo com dores”, ressaltou Araújo.

O projeto segue agora para o Governo do Estado. Caberá ao governador sancionar ou vetar o texto aprovado em plenário.

Fibromialgia – É caracterizada por dor crônica que migra por vários pontos do corpo e se manifesta especialmente nos tendões e nas articulações. Trata-se de uma patologia relacionada com o funcionamento do sistema nervoso central e o mecanismo de supressão da dor que atinge em 90% dos casos, mulheres entre 35 e 50 anos.

 

texto original

https://odocumento.com.br/deputados-aprovam-projeto-que-propoe-atendimento-prioritario-a-pessoas-com-fibromialgia-em-mato-grosso/


terça-feira, 27 de abril de 2021

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

 





1 APRESENTAÇÃO 

Um projeto de lei pode ser apresentado por qualquer deputado ou senador, comissão da Câmara, do Senado ou do Congresso, pelo presidente da República, pelo procurador-geral da República, pelo Supremo Tribunal Federal, por tribunais superiores e cidadãos.

 

 2 CASA INICIADORA E REVISORA 

Os projetos começam a tramitar na Câmara, à exceção dos apresentados por senadores, que começam no Senado. O Senado funciona como Casa revisora para os projetos iniciados na Câmara e vice-versa.

* Se o projeto da Câmara for alterado no Senado, volta para a Câmara. Da mesma forma, se um projeto do Senado for alterado pelos deputados, volta para o Senado. A Casa onde o projeto se iniciou dá a palavra final sobre seu conteúdo, podendo aceitar ou não as alterações feitas na outra Casa. 

 

3 ANÁLISE PELAS COMISSÕES 

Os projetos são distribuídos às comissões conforme os assuntos de que tratam. Além das comissões de mérito, existem duas que podem analisar mérito e/ou admissibilidade, que são as comissões de Finanças e tributação (análise de adequação financeira e orçamentária) e de Constituição e Justiça (análise de constitucionalidade). 

 

COMISSÃO ESPECIAL 

 Os projetos que tratarem de assuntos relativos a mais de três comissões de mérito são enviados para uma comissão especial criada especificamente para analisá-los. Essa comissão substitui todas as outras. 

ANÁLISE CONCLUSIVA NAS COMISSÕES 

A maioria dos projetos tramita em caráter conclusivo, o que significa que, se forem aprovados nas comissões, seguem para o Senado sem precisar passar pelo Plenário. Mas, se 52 deputados recorrerem, o projeto vai para o Plenário. 

URGÊNCIA 

projeto de lei pode passar a tramitar em regime de urgência se o Plenário aprovar requerimento com esse fim. Geralmente, a aprovação de urgência depende de acordo de líderes. 

O projeto em regime de urgência pode ser votado rapidamente no Plenário, sem necessidade de passar pelas comissões. Os relatores da proposta nas comissões dão parecer oral durante a sessão, permitindo a votação imediata. 

O presidente da República também pode solicitar urgência para votação de projeto de sua iniciativa. Nesse caso, a proposta tem que ser votada em 45 dias ou passará a bloquear a pauta da Câmara ou do Senado (onde estiver no momento). 

 

4 A APROVAÇÃO 

Os projetos de lei ordinária são aprovados com maioria de votos (maioria simples), desde que esteja presente no Plenário a maioria absoluta dos deputados (257). 

A Constituição estabelece que alguns assuntos são tratados por lei complementar. Essa lei tem o mesmo valor da lei ordinária, mas exige maior número de votos para ser aprovada (257 votos favoráveis), o que torna mais difíceis sua aprovação e posterior alteração. 

 

5 SANÇÃO E VETO 

Os projetos de lei aprovados nas duas Casas são enviados ao presidente da República para sanção. O presidente tem 15 dias úteis para sancionar ou vetar. O veto pode ser total ou parcial. Todos os vetos têm de ser votados pelo Congresso. Para rejeitar um veto, é preciso o voto da maioria absoluta de deputados (257) e senadores (41).


 

texto original

https://www.camara.leg.br/noticias/573454-SAIBA-MAIS-SOBRE-A-TRAMITACAO-DE-PROJETOS-DE-LEI


Em Sevilha, Espanha: Um juiz concede uma deficiência absoluta a um professor que sofre de fibromialgia

 Um professor dá uma aula sobre uma imagem de arquivo.

 Um professor dá uma aula sobre uma imagem de arquivo. / EP

 


  • A sentença anula a resolução da Previdência Social porque "se limita a colocar cruzes" nas caixas dos "nãos" sem maiores argumentações

 

A Justiça mais uma vez confirma que a fibromialgia é uma razão para conceder uma deficiência absoluta a um trabalhador. Uma professora de ensino médio sevilhana, de 55 anos , obteve reconhecimento judicial por sua incapacidade para o trabalho devido à fibromialgia que sofre, conforme decisão de um Tribunal Contencioso-Administrativo, que anulou resolução da Direção-Geral de Professores e Pessoas - Gestão de Recursos do Ministério da Educação e Esporte de 23 de outubro de 2019, que reconheceu a aposentadoria da trabalhadora por invalidez permanente total , ou seja, apenas para o exercício da profissão habitual.

De acordo com os relatórios de seu representante legal, o advogado trabalhista Carlos Jiménez Bidón, de Jiménez Bidón Abogados , a professora apresenta um quadro de fibromialgia com comprometimento cognitivo e um grande quadro de dores generalizadas, parastias, alestesias, cansaço intenso, dores de cabeça e insônia, tratados com diferentes medicamentos sem controle dos sintomas.

 

Devido a essas enfermidades, a professora precisa usar uma bengala para caminhar e ajudar nas atividades básicas como fazer compras ou anotar tudo, para que ela não se esqueça. Além disso, ela foi submetida a cirurgia na coluna lombar devido à artrodese circunferencial L4 / L5 e lesões nos discos adjacentes que causam dor intensa no nível dorsal e lombar, bem como, perda de força nas mãos (coisas caem), não pode pentear o cabelo, não pode ganhar peso,  nem ficar na mesma posição por curtos períodos de tempo. Isso significa, conforme constatou perito apurado no julgamento, quando questionado pelos advogados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), “Não posso nem trabalhar como operadora” .E logicamente o fato de ser limitado afeta seu estado psicológico, apresentando um quadro psicopatológico caracterizado por humor depressivo triste, tédio, com choro fácil com evolução entorpecida e irregular.

Após licença médica desde novembro de 2017, o INSS apenas reconheceu sua incapacidade para o exercício da profissão de professora. No entanto, segundo o juiz que proferiu a sentença, o relatório de 2019 da Disability Assessment Team (EVI) “carece de motivação, sem citar a causa específica pela qual, segundo eles, não procede à Aposentadoria por invalidez absoluta, inserindo , sem qualquer explicação, cruza-se na opção não presente nas restantes respostas quanto a se a referida incapacidade impossibilita totalmente qualquer profissão ou ofício e a necessidade de um terceiro para assistir nos atos essenciais da vida ”. E nem no ato do julgamento essa decisão foi esclarecida.

Por outro lado, para o juiz, “é uma paciente com patologias crônicas importantes, tanto físicas quanto psicológicas, que vêm se agravando ao longo do tempo, em acompanhamento médico há anos sem resposta aos múltiplos tratamentos farmacológicos administrados” e que “impedem-na de realizar qualquer atividade de trabalho, por mais leve que seja, com o mínimo de eficiência, produtividade e rendimento que hoje exige, em todos os tipos de trabalho” . Por este motivo, confirma a incapacidade absoluta para o trabalho, condenando a Segurança Social a pagar-lhe uma pensão vitalícia de 2.500 euros mensais com efeitos retroativos a 22 de outubro de 2019, além de arcar com as custas judiciais, limitada a 300 euros .

Para Carlos Jiménez Bidón, socio de Jiménez Bidón Abogados, "esta sentença é gratificante para nossa ação, porque contribuímos para dar um pouco de luz e tranquilidade a uma pessoa que já tem muito  que aguentar em sua enfermidade, como para estar preocupada com  sua economia".

 

texto original

https://www.diariodesevilla.es/juzgado_de_guardia/sentencias/concede-incapacidad-absoluta-maestra-fibromialgia_0_1566143912.html