Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Terapia na Inglaterra. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Terapia na Inglaterra. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 19 de abril de 2021

INGLATERRA: Quem sofre de dor crônica deve fazer exercícios, não tomar analgésicos, diz Nice

 Cápsula do medicamento para alívio da dor e embalagem em bolha. 

Cápsula do medicamento para alívio da dor e embalagem tipo blister. Fotografia: Alamy Stock Photo

O watchdog  de medicamentos recomenda terapias físicas e psicológicas no tratamento da dor sem causa conhecida

 

Pessoas que sofrem de dores crônicas sem causa conhecida não devem receber prescrição de analgésicos, anunciou a agência de medicamentos, recomendando que tais pacientes recebam exercícios, terapias de fala e acupuntura.

Em uma grande mudança na política de tratamento da dor, o Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (Nice) afirma que, no futuro, os médicos devem aconselhar os pacientes a usarem terapias físicas e psicológicas em vez de analgésicos para controlar a dor.

As equipes médicas também podem considerar a prescrição de antidepressivos, sugerem os consultores de saúde do governo.

A nova orientação de Nice afeta potencialmente a maneira como muitas centenas de milhares de pessoas na Inglaterra e no País de Gales lidam com sua condição, porque estima-se que entre 1% e 6% da população da Inglaterra tenha dor primária crônica.

Há “pouca ou nenhuma evidência” de que o tratamento da doença com analgésicos faz alguma diferença na qualidade de vida da pessoa, ou na dor que ela sofre ou em seu sofrimento psíquico, de acordo com suas novas diretrizes sobre avaliação e tratamento da dor crônica.

A dor causada por uma condição de saúde subjacente conhecida, como osteoartrite, artrite reumatóide, colite ulcerativa ou endometriose, é conhecida como dor secundária crônica. No entanto, a dor sem causa identificada que persiste por pelo menos três meses é conhecida como dor primária crônica.

Nice recomenda que os médicos elaborem um plano de assistência e suporte com os pacientes sobre como controlar sua dor com base em como ela está afetando sua vida cotidiana, quais atividades eles acham que podem realizar e honestidade “sobre a incerteza do prognóstico ”.

O plano deve incluir “intervenções que se mostraram eficazes no tratamento da dor primária crônica. Isso inclui programas de exercícios e tratamentos psicológicos, terapia cognitivo-comportamental (TCC) e terapia de aceitação e compromisso (ACT).

“A acupuntura também é recomendada como uma opção, desde que seja fornecida dentro de certos parâmetros claramente definidos”, diz Nice.

Os antidepressivos amitriptilina, citalopram, duloxetina, fluoxetina, paroxetina ou sertralina também podem ser usados, acrescenta.

Os pacientes não devem começar a tomar medicamentos comumente usados, como paracetamol, antiinflamatórios não esteroidais, benzodiazepínicos ou opioides, que apresentam riscos, incluindo dependência, diz o watchdog.

O Dr. Paul Chrisp, diretor do centro de diretrizes de Nice, disse: “Com base nas evidências, para a maioria das pessoas é improvável que qualquer tratamento medicamentoso para dor crônica primária, exceto antidepressivos, forneça um equilíbrio adequado entre quaisquer benefícios que possam oferecer e os riscos associado a eles. ”

O Royal College of GPs apoiou a mudança dos analgésicos, mas advertiu que o acesso dos pacientes às novas formas de tratamento recomendadas era variável.

O professor Martin Marshall, o presidente da faculdade, disse: “A dor pode causar uma miséria incalculável para os pacientes e suas famílias. Dor primária crônica ... pode ser difícil de controlar na clínica geral, e a faculdade vem pedindo diretrizes para lidar com isso há algum tempo.

“Entendemos a mudança de uma opção farmacológica para o tratamento da dor crônica primária para um foco em terapias físicas e psicológicas que sabemos que podem beneficiar as pessoas com dor.

“No entanto, o acesso a essas terapias pode ser irregular em nível de comunidade em todo o país, então isso precisa ser abordado com urgência, se essas novas diretrizes fizerem uma diferença genuína na vida de nossos pacientes com dor crônica primária.”

Lucy Ryan, uma representante do paciente que ajudou Nice a redigir as novas diretrizes, agradeceu seu reconhecimento dos riscos que um regime de comprimidos para dor crônica primária pode envolver, porque às vezes os pacientes não são informados sobre eles.

“Todo mundo com dor crônica sente a dor de maneira diferente, então eu sinto que quanto mais opções disponíveis para ajudar as pessoas a administrar sua dor com eficácia, melhor”, acrescentou ela.

 

texto original

https://www.theguardian.com/society/2021/apr/07/chronic-pain-sufferers-should-take-exercise-not-analgesics-says-nice