Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador hipovitaminose D. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador hipovitaminose D. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 11 de agosto de 2020

A hipovitaminose D pode afetar a gravidade da dor da fibromialgia, junto com a depressão e a ansiedade

image
Nova Orleans - conhecida por desempenhar um papel na dor crônica, a hipovitaminose D mostrou estar associada à gravidade dos sintomas de fibromialgia e transtornos de humor, de acordo com uma nova pesquisa.

No estudo, os pacientes que preencheram os critérios para hipovitaminose D apresentaram níveis mais elevados de escores de gravidade dos sintomas de fibromialgia do que os controles com níveis normais da vitamina.

Pacientes com níveis mais baixos de vitamina D também relataram taxas mais altas de ansiedade e depressão, embora a gravidade das condições não fosse estatisticamente diferente.

Embora os efeitos da hipovitaminose D em relação à dor crônica continuem a ser explorados (Mayo Clin Proc 2003; 78 [12]: 1463-1470; Ann Rheum Dis 2009; 68 [6]: 817-822), e a pesquisa prossegue no causas da fibromialgia, o cruzamento entre as duas linhas de lesão está faltando, disse o autor principal Ryan S. D'Souza, MD, residente do Departamento de Anestesiologia e Medicina Perioperatória da Clínica Mayo em Rochester, Minn.

“Na literatura recente foi mostrado que a vitamina D pode realmente estar implicada na dor crônica. Às vezes, as pessoas procuram marcadores de diagnóstico para explicar por que a dor está acontecendo em um paciente, especialmente em pacientes com fibromialgia já que não há nenhuma causa conhecida para a fibromialgia ”, disse o Dr. D’Souza.






“Decidi fazer isso porque vi essa forma única, ... a vitamina D como um tratamento potencial e um marcador para a fibromialgia.”

Esta não é uma área de pesquisa inteiramente nova, disse o Dr. D’Souza ao Pain Medicine News. “Os estudos que foram publicados sobre FM [fibromialgia] e hipovitaminose D, não são robustos.” Os estudos anteriores, disse ele, não levaram em consideração os fatores de confusão, foram retrospectivos e tiveram tamanhos de amostra pequenos.

Apesar de sua natureza limitada, esses relatórios descobriram que a hipovitaminose D é freqüentemente vista em pacientes com fibromialgia. Uma revisão de cerca de uma dúzia de estudos observacionais e de suplementação (Nutrients 2016; 8 [6]: 343) concluiu que "futuros ensaios de suplementação apropriadamente projetados, adaptados às populações específicas e visando valores de corte específicos, podem oferecer uma nova abordagem terapêutica no campo . ”

Embora este estudo da Mayo Clinic não tenha sido um estudo de suplementação, os pesquisadores pesquisaram prospectivamente e coletaram amostras de sangue de pacientes com fibromialgia (N = 593) entre maio de 2012 e novembro de 2013.

Mais de 21% (n = 122) dos pacientes preencheram os critérios para hipovitaminose D. Desse número, quase 91% eram mulheres, 84% eram brancos, mais de 30% relataram uso de opióides e cerca de 16% fumavam.

Os pesquisadores examinaram seu resultado primário administrando o Questionário de Impacto da Fibromialgia Revisado (FIQ-R). Os desfechos secundários incluíram qualidade de vida, determinada por meio da Pesquisa Curta de 36 Itens; fadiga, por meio do Inventário Multidimensional de Fadiga; ansiedade, por meio da escala de sete itens do Transtorno de Ansiedade Generalizada; e depressão, por meio do Patient Health Questionnaire-9.

Os resultados da análise de regressão descobriram que os escores totais do FIQ-R em pacientes que preencheram os critérios para hipovitaminose D foram maiores em comparação com controles com níveis normais de vitamina (57,85 ± 18,09 vs. 62,79 ± 18,10; P = 0,04), ajustando para idade, sexo, índice de massa corporal (IMC), etnia e estação. A análise também revelou maiores escores de ansiedade e depressão em pacientes com hipovitaminose D (P = 0,01 e P = 0,04, respectivamente), embora não tenha havido diferença na gravidade encontrada entre os grupos.

“Ficamos surpresos com o fato de que a deficiência de vitamina D não estava apenas associada a instrumentos piores de escores de gravidade da dor, mas também associada a pior humor, pior ansiedade, pior depressão”, disse o Dr. D'Souza ao Pain Medicine News.

Com esses achados, uma análise post hoc não ajustada descobriu que conforme a vitamina D aumentou, pontuações FIQ-R totais mais baixas foram observadas (coeficiente beta, -0,11; P = 0,02).

No entanto, nenhuma diferença na fadiga ou qualidade de vida foi observada entre os grupos.

Limitações do estudo

Como se trata de um dos primeiros estudos prospectivos sobre fibromialgia e vitamina D, ainda há mais a ser estudado, segundo pesquisadores externos e os próprios autores do estudo.

Por exemplo, os níveis séricos de vitamina D podem ser mais explorados. Este estudo considerou um paciente com hipovitaminose D em um nível inferior a 25 ng / mL. Andrea Furlan, MD, professora associada do Departamento de Medicina da Universidade de Toronto, e médica da equipe e cientista sênior do Instituto de Reabilitação de Toronto, disse que pode não ser um padrão alto o suficiente. “O corte de 25 ainda é muito baixo”, escreveu Furlan por e-mail. "Se o 'grupo normal" neste estudo tivesse entre 25 e 50 ng / mL, eu ainda diria que eles têm níveis baixos de vitamina D. "

O Dr. Furlan também apontou que os dados do nível sérico não foram relatados para o grupo de estudo denominado "normal". “Eu me pergunto qual era a média da vitamina D no grupo que foi considerado 'normal'?” ela perguntou.

Aqueles com um nível mais baixo de vitamina D também pareciam ter um IMC mais alto, observou o Dr. Furlan. Naqueles com um nível mais alto de vitamina D e IMC mais baixo, ela levantou a hipótese de que "esses pacientes podem estar se exercitando mais, recebendo algum aconselhamento dietético e vivendo estilos de vida mais saudáveis". Ela expressou o desejo de saber mais sobre como esses fatores afetam os resultados.

O Dr. D'Souza disse ao Pain Medicine News que esta pesquisa foi aceita para publicação no Pain Medicine Journal. Mas, disse ele, há mais trabalho a ser feito. Seu tamanho de amostra ainda pode ser maior, disse ele. “Nosso estudo inclui apenas [cerca de] 600 pacientes. Normalmente, gostaríamos de ver pelo menos alguns milhares ou mais de pacientes para melhorar nosso poder estatístico em nossa análise estatística ", explicou o Dr. D’Souza.

Além disso, eles gostariam de se ramificar para investigar outras doenças de dor crônica. “Idealmente, gostaríamos de ver outras populações de dor crônica, outros pacientes com dor crônica, dor oncológica e até mesmo outros distúrbios funcionais, como ATM [síndrome da articulação temporomandibular] ou síndrome do intestino irritável.

“Também seria muito interessante saber como a vitamina D impactaria esses pacientes e contribuiria significativamente para a literatura sobre essas populações.”

-W. Harry Fortuna


texto original
https://www.painmedicinenews.com/Multimedia/Article/02-20/Hypovitaminosis-D-May-Affect-Fibromyalgia-Pain-Severity-Along-With-Depression-Anxiety/57357?sub=E6C615CF6850A5C7312FFBF2A5A3882FA64EC79FC25564B9BC6AD40542B7611&enl=true&dgid=X3681092&utm_source=enl&utm_content=1&utm_campaign=20200226&utm_medium=title

terça-feira, 4 de agosto de 2020

Vitamina D: posicionamento das sociedades brasileiras sobre os novos valores de referência



Atualizado em 30.07.2020
Tempo de leitura: 5 minutos
Daniele Zaninelli
Clínica Médica, Colunistas, Endocrinologia, Medicina Laboratorial, Patologia, Saúde Pública
Manter níveis adequados de vitamina D é fundamental para a manutenção da saúde músculo-esquelética, e possivelmente até para a saúde extra-esquelética, e por isso é importante que pacientes com hipovitaminose D sejam identificados e tratados corretamente.
Por outro lado, apesar da falta de benefícios evidentes para indivíduos que não são deficientes em vitamina D, o entusiasmo pela suplementação da vitamina é generalizado, e estimativas indicam que mais da metade dos adultos norte-americanos tomam um suplemento de vitamina D.
Para evitar a falta de tratamento em pacientes que podem se beneficiar, ou o uso excessivo da vitamina D, é preciso seguir parâmetros definidos à luz do conhecimento científico atual. Levando esses e outros aspectos em consideração, um documento foi desenvolvido por especialistas da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica (SBPC). Dados deste documento serão apresentados a seguir, trazendo discussões como:
Avaliação crítica da metodologia para dosagem da 25(OH)D;
Definição dos grupos mais suscetíveis à deficiência;
Níveis recomendados de acordo com a situação clínica individual;
Valores do limite superior de 25(OH)D considerados seguros, e os riscos e causas da intoxicação por vitamina D.
A homeostase normal da vitamina D depende de uma interação complexa entre processos ambientais, fotoquímicos e biológicos. As formas originais de vitamina D, colecalciferol (vitamina D3) e ergocalciferol (vitamina D2), podem ser obtidas através da dieta ou de suplementos alimentares. No entanto, a principal fonte de vitamina D para a maioria das pessoas é a produção cutânea de colecalciferol, que é gerado por fotólise da provitamina D3 (7-desidrocolesterol) em previtamina D3, com subsequente isomerização térmica ao colecalcifierol.
Esse processo requer a exposição da pele à radiação UVB (290–315 nm), geralmente da luz solar, e é diminuído pelo aumento da pigmentação da pele com melanina e pelo uso de filtros solares. A vitamina D é então hidroxilada no fígado e nos rins pelo CYP2R1 e CYP27B1, respectivamente, para gerar 1,25-di-hidroxivitamina D -1,25 (OH) 2D -, também conhecido como calcitriol, o ligante para o receptor de vitamina D e o metabólito responsável pela maioria das ações biológicas da vitamina, conforme ilustrado na figura abaixo. (*Acesse o link da fonte para ver as tabelas citadas neste artigo)
Reprodução: Endocr Rev, Volume 34, Issue 1, 1 February 2013, Pages 33–83, https://doi.org/10.1210/er.2012-1012
A 1,25 (OH)2D pode promover a reabsorção óssea, estimular a absorção intestinal de cálcio e fósforo, e inibir a excreção urinária desses íons. A 24,25(OH)2D é o principal produto do catabolismo 25(OH)D, e sua concentração se correlaciona fortemente com a concentração de 25(OH)D.
Aspectos metodológicos da dosagem de 25(OH)D
A dosagem da 25(OH)D é o melhor indicador da reserva de vitamina D no organismo. Devido à meia-vida relativamente longa (2-3 semanas), os níveis circulantes de 25(OH)D mostram pouca flutuação, refletindo a combinação de ingestão alimentar e produção cutânea de vitamina D.
A medição de 1,25(OH)2D é útil apenas em algumas situações específicas, como insuficiência renal, osteomalácia oncogênica, formas hereditárias de raquitismo (hipofosfatêmico, resistente à vitamina D ou associada à deficiência de 1α-hidroxilase), e doenças granulomatosas (sarcoidose e alguns tipos de linfoma).
Apesar dos avanços tecnológicos ocorridos nos últimos anos, ainda existem variações consideráveis ​​nos níveis de 25(OH)D obtidos em diferentes ensaios, o que pode afetar a interpretação clínica dos resultados. Na prática laboratorial, até 20% de variação pode ocorrer entre diferentes métodos devido a uma série de fatores.
Quando indicar a dosagem da vitamina D
Recomenda-se a medição da 25(OH)D plasmática nos grupos com condições de risco para deficiência de vitamina D (listados na Tabela 1). Essas condições clínicas podem ser agrupadas de acordo com a fisiopatologia da deficiência da vitamina.
Produção insuficiente:
Cutânea, hepática ou renal
– Idade avançada
– Obesidade
– Pele escura
– Barreiras físicas (protetor solar, vestimentas, vidro)
– ↓ Exposição solar (gestação, risco câncer de pele, LES)
– Insuficiência hepática
– Doença renal crônica e raquitismo dependente de vitamina D tipo I e II, raquitismo hipofosfatêmico ligado ao X e outras condições associadas ao excesso de FGF-23
B) ↑metabolização/consumo – Medicamentos: anticonvulsivantes, cetoconazol, isoniazida, antirretrovirais, antibióticos
– Condições inflamatórias (LES, AR, tuberculose)
– Hiperparatireoidismo primário
– Tratamento da osteoporose com teriparatide
C) ↓ absorção intestinal – Doenças inflamatórias, doença celíaca, doença de Chron, fibrose cística, insuficiência pancreática.
– Cirurgia bariátrica, ressecção pancreática ou intestinal
– Medicamentos: orlistate, colestiramina
LES: Lúpus eritematoso sistêmico; AR: artrite reumatoide.
Persiste considerável controvérsia em relação ao nível normal de 25(OH)D plasmática. A deficiência de vitamina D tem sido historicamente definida como níveis circulantes de 25(OH)D inferiores a 20 ng/mL, uma referência adotada pelo Instituto de Medicina para atender às necessidades de pelo menos 97,5% da população normal.
Condições onde pode haver benefício de manter níveis de 25(OH)D > 30 NG / ML
Evidências sugerem que as concentrações de 25(OH)D mantidas acima de 30 ng/mL são benéficas em algumas situações clínicas, principalmente para a redução do risco de fraturas.
Tabela 2. Principais grupos e condições clínicas que podem se beneficiar de níveis de 25(OH)D > 30 ng/mL
Grupos – Idosos (>65 anos)
– Gestantes
Condições clínicas – Osteoporose (primária ou secundária)
– Fraturas por fragilidade
– Doenças ósseas metabólicas (osteomalácia, osteogênese imperfeita, hiperparatireoidismo primário)
– Hiperparatireoidismo secundário
– Sarcopenia
– Quedas recorrentes
– Doença renal crônica
– Síndromes mal absortivas
– Insuficiência hepática
– Anorexia nervosa
– Câncer
Valores de referência
Com base em revisão de literatura analisando o impacto dos valores de 25(OH)D nos resultados clínicos em situações específicas, a SBEM e a SBPC recomendam valores de referência de 25(OH)D estratificados de acordo com a idade e características clínicas individuais:
Deficiência: <20 ng/mL;
Adequado para a população em geral <65 anos: entre 20-60 ng/mL;
Adequado para indivíduos com condições vulneráveis *: 30-60 ng/mL;
Risco de intoxicação: >100 ng/mL.
* Recomendado para: idosos, pacientes pós-cirurgia bariátrica, gestantes, indivíduos em uso de drogas que interferem no metabolismo da vitamina D, e os pacientes com osteoporose, hiperparatireoidismo secundário, osteomalácia, diabetes mellitus tipo 1, câncer, doença crônica, doença renal ou má absorção.
Até o momento, não há benefício evidente em manter níveis de 25(OH)D acima de 60 ng/mL em qualquer situação (incluindo resultados ósseos e extra-esqueléticos).
Níveis de 25 (OH) D >100 ng/mL estão associados a risco de intoxicação, levando à hipercalcemia e suas consequências clínicas.
Intoxicação por vitamina D
O excesso de vitamina D aumenta a captação intestinal de cálcio, reabsorção tubular renal e reabsorção óssea, levando a hipercalcemia e sintomas relacionados, como náusea, vômitos, fraqueza, anorexia, desidratação e quadro agudo insuficiência renal.
Suplementação com doses muito altas de vitamina D pode ser prejudicial para idosos e pode potencialmente levar a quedas e fraturas.
Em geral, os valores de 25(OH)D são considerados altos quando acima de 90-100 ng/mL, mas o risco de intoxicação por vitamina D, caracterizada pela presença de hipercalcemia, é maior quando os valores de 25(OH)D estão acima de 150ng/mL. Entretanto valores mais baixos, como 75 ng/mL, foram correlacionados com hipercalcemia leve em crianças com raquitismo, sugerindo que o risco intoxicação por vitamina D em crianças pode ocorrer com valores mais baixos de 25(OH)D.
Um maior número de casos de intoxicação por vitamina D tem sido relatado na literatura internacional, e essa complicação aumentou 7,8% no período últimos 5 anos. A maioria dos casos se relaciona à administração de doses empíricas ou suprafisiológicas de colecalciferol de uso parenteral, como relatado em uma série de 16 casos em que os pacientes usaram injeção intramuscular de suplemento veterinário contendo altas doses de vitaminas A, D e E.
Doses recomendadas para suplementação de vitamina D
A dose habitual para correção da deficiência de vitamina D é de 50.000 UI/semana. Para manutenção, a dose varia de 400 a 2.000 UI / dia, dependendo da idade e condição clínica do paciente.
Considerações finais
É importante ressaltar que as recomendações de alguns diretrizes internacionais diferem das aqui apresentadas. Estas levam em consideração pacientes em situações especiais, para quem a evidência mostra que concentrações mais altas de 25(OH)D podem ser benéficas.
Esta declaração também chama a atenção para o risco de intoxicação por vitamina D, uma condição com risco de vida que ocorre com níveis de25 (OH) de D acima de 100 ng/mL.
Essas medidas devem garantir que os pacientes recebam os benefícios da suficiência de vitamina D sem o risco adicional do tratamento excessivo.
Autora:
Daniele Zaninelli
Daniele Zaninelli
Graduada em Medicina pela UFPR (1998) ⦁ Especialização em Endocrinologia e Metabologia no HC/UFPR ⦁ Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia (2003) ⦁ Mestrado no Serviço de Endocrinologia e Metabologia pelo Departamento de Clínica Médica do HC/UFPR ⦁ Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia / Membro da Endocrine Society ⦁ Presidente da Associação SEMPR Amigos (SEMPR: Serviço de Endocrinologia e Metabologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná)
Referências bibliográficas:
Moreira C.A.et al. Reference values of 25-hydroxyvitamin D revisited: a position statement from the Brazilian Society of Endocrinology and Metabolism (SBEM) and the Brazilian Society of Clinical Pathology/ Laboratory Medicine (SBPC). Arch. Endocrinol. Metab. Epub June 05, 2020.
Billington E.O. et al. Safety of High-Dose Vitamin D Supplementation: Secondary Analysis of a Randomized Controlled Trial. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, Volume 105, Issue 4, April 2020, Pages 1261–1273, https://doi.org/10.1210/clinem/dgz212
Jeffrey D Roizen, Michael A Levine. Vitamin D Therapy and the Era of Precision Medicine. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, Volume 105, Issue 3, March 2020, Pages e891–e893, https://doi.org/10.1210/clinem/dgz120

texto original