Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador diagnóstico da dor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador diagnóstico da dor. Mostrar todas as postagens

sábado, 19 de setembro de 2020

Fui diagnosticado com Fibromialgia.... e agora?

 

 




 

Algumas sugestões de como conduzir seu tratamento após o diagnóstico de Fibromialgia. A vice presidente da Abrafibro, Simone Eli Bombardi dá algumas dicas valiosas.

Modelo fibromialgica:
@_gabis_s2

Foto: @renatoaraujofotografias

 

https://www.youtube.com/watch?v=zpQExscGW0U

 

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Descoberta poderia eventualmente ajudar a diagnosticar e tratar a dor crônica

20 de dezembro de 2012 - Mais de 100 milhões de americanos sofrem de dor crônica. Mas tratar e estudar a dor crônica é complexo e apresenta muitos desafios. Os cientistas há muito procurava um método para medir objetivamente a dor, e um novo estudo do hospital Brigham and Women mostram esforços nos avanços. O estudo aparece na edição impressa janeiro 2013 da revista Dor.




Esta imagem, a partir de um estudo do Hospital Brigham and Women, mostra a rede de modo padrão em pacientes com lombalgia crônica (dor lombar crônica) e em indivíduos saudáveis ​​(controles) antes e após as manobras que são dolorosas para a dor lombar crônica, mas não para os controles. Observe que após as manobras, o feixe na parte da frente do cérebro é interrompido (mostra menos cor) nos pacientes CLBP, mas não nos controles. Isso apóia o estudo descobrindo que a dor tem conectividade com o  cérebro mostrando alterações. (Crédito: Brigham e do Hospital da Mulher)


"Enquanto nós precisamos ser cautelosos na interpretação de nossos resultados, este tem o potencial de ser uma descoberta emocionante para quem sofre de dor crônica", disse Marco Loggia, PhD, principal autor do estudo e pesquisador do Centro de Gerenciamento da Dor de BWH e do Departamento de Radiologia do Hospital Geral de Massachusetts."Nós mostramos que os padrões cerebrais específicos parecem controlar a intensidade da dor relatada pelo paciente, e pode prever quem tem mais probabilidade de experimentar uma piora da dor crônica nas costas durante a execução de manobras para provocar dor. A pesquisa mostra ainda que essa métrica é de confiança, este é um passo para o desenvolvimento de uma escala objetiva para medir a dor em humanos. "
Especificamente, os pesquisadores estudaram 16 adultos com dor lombar crônica e 16 adultos sem dor, e usou uma técnica de imagem do cérebro chamada giro arterial rotulagem para examinar os padrões de conectividade cerebral (isto é, para examinar como diferentes regiões do cérebro interagem, ou "conversar entre si" ). Eles descobriram que quando um paciente mudou de uma forma que aumentaram a sua dor nas costas, uma rede de regiões do cérebro chamada rede de modo padrão exibiu alterações nas suas ligações. As regiões dentro da rede (tal como o córtex pré-frontal) tornou-se menos ligado ao resto da rede, enquanto que as regiões fora da rede (como a insula) tornou-se ligada a esta rede. Algumas dessas observações foram observadas em estudos anteriores de pacientes com fibromialgia, que sugere que estas mudanças na conectividade do cérebro pode refletir uma característica geral de dor crônica, possivelmente comum a diferentes populações de pacientes.
"Esta pesquisa dá um novo suporte ao uso de rotulagem de giro arterial, como uma ferramenta para avaliar a forma como o cérebro codifica e é afetado pela dor clínica, bem como a utilização do descanso predefinido a conectividade de rede, modo como um biomarcador de neuroimagem potencializa a percepção da dor crônica."
(tradução livre do google)