Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Convivio Social pela Internet. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Convivio Social pela Internet. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 26 de março de 2020

Socializar-se em tempos de quarentena


HANSA D. BHARGAVA, MD
Pediatra certificado pelo conselho
19 DE MARÇO DE 2020

Permanecer social durante o distanciamento social


O COVID-19 realmente mudou nossas vidas. Distanciamento social é a nova norma, e todos precisamos fazer isso. Ficar dentro e se manter sozinhos pode ajudar a coibir a propagação da infecção e ajudar nossos hospitais a funcionarem, diminuindo a carga de pacientes que chegam. E todos precisamos que nossos hospitais funcionem. Mas não é fácil nos isolar - como seres humanos, somos seres sociais.

Então, como podemos socializar no tempo do distanciamento social? Aqui estão alguns dos cenários mais comuns a serem considerados.

As crianças podem ter encontros ou apenas um amigo?

Em um estudo em pediatria, 13% das crianças eram assintomáticas - isso significa que tinham coronavírus, mas não apresentavam sintomas. Infelizmente, isso significa que mesmo o filho do seu vizinho que você conhece há anos e parece bem pode ter o vírus. Além disso, ele pode estar em contato com alguém que o possui. Infelizmente, por enquanto, playdates é um não.

Podemos ver a avó já que não estamos doentes?

Outro não. Os idosos estão especialmente em risco de ficarem realmente doentes e, como qualquer pessoa pode ser portadora, é aconselhável ficar longe da avó. Você pode facetime ela ou falar com ela via Skype. A interação visual pode ser muito melhor que o telefone. Além disso, se a avó estiver saudável, incentive-a a dar um passeio sozinha, mas tenha cuidado ao tocar em qualquer coisa e lave bem as mãos quando voltar.

Posso passear com um amigo?

Talvez. Se você está sem sintomas, e o amigo está sem sintomas, e os dois não têm problemas de saúde subjacentes, você pode fazer isso - se ficar um metro e oitenta! E certifique-se de não compartilhar uma garrafa de água ou tocar em algo deles. Fiz uma caminhada com um vizinho recentemente, e foi uma boa 'fuga', mas nós dois seguimos essas regras. Eu posso levá-la para tomar um café na varanda do lado de fora - vamos sentar a 2 metros e tomar copos de papel para que possamos descartá-los e reduzir a exposição.

De que outra forma posso interagir socialmente?

Ao contrário dos tempos da gripe ou poliomielite espanhola, temos muita sorte de ter uma tecnologia que podemos comunicar. Participe de uma teleconferência com seus colegas de trabalho para poder ver o rosto deles - a comunicação visual (ver expressões faciais) é uma parte importante da interação humana, e isso pode ajudá-lo a se sentir menos isolado. Faça chamadas visuais com amigos e familiares também; é maravilhoso ver os outros, mesmo que seja por uma tela.

Existe mais alguma coisa que possa ajudar a sensação de isolamento social e / ou sintomas de solidão?

Pesquisas mostram que uma maneira de nos sentirmos mais conectados é mostrar compaixão pelos outros. Atualmente, existem muitas pessoas em situação difícil - indústrias como restaurantes e lojas estão fechando as portas, deixando muitas pessoas sem emprego. Para 1 em cada 4 famílias que dependem do almoço escolar para alimentar seus filhos, a vida é muito desafiadora agora, com o fechamento das escolas. Você e seus vizinhos podem ajudá-los? Você pode chegar e ver se alguém precisa de comida quando você sai para uma mercearia e, possivelmente, entrega algumas sacolas para eles? A bondade para com os outros não apenas os ajuda, mas você também.

O distanciamento social pode parecer um isolamento social, mas podemos tentar fechar essa lacuna fazendo algumas das coisas acima. Não é fácil estar nessa circunstância, mas todos devemos fazer nossa parte para manter a nós mesmos e aos outros seguros.

Blog do WebMD © 2020 WebMD, LLC. Todos os direitos reservados.


texto original https://blogs.webmd.com/webmd-doctors/20200319/staying-social-during-social-distancing