Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Entenda a importância do sono para o nosso organismo




Dra. Leticia Santoro Azevedo Soster, neurofisiologista do Hospital Israelita Albert Einstein / CRM 122 544

Não é novidade ou segredo: dormir bem é essencial para conseguir realizar as tarefas diárias com disposição e vigor. Sem uma noite de sono adequada, vários aspectos poder sem prejudicados como produtividade no trabalho e o humor.

Além disso, o descanso é importante para a saúde e colabora no equilíbrio do organismo e no melhor funcionamento dele. Por isso, o tempo e a qualidade do sono são fundamentais para o bem-estar e também para a reposição de energia.

Nest post, a Dra. Letícia Santoro Azevedo Soster, neurofisiologista do Hospital Israelita Albert Einstein, explica a importância de dormir bem e quais são os problemas mais comuns do sono. Acompanhe! 

Qual a importância do sono?

O sono tem uma série de funções e é crucial para manter nosso organismo funcionando de forma adequada. Assim, ele mantém o equilíbrio ps´´iquico, emocional e metabólico e restabelece a disposição para fazer as atividades do dia a dia.

Também tem grande relevância no humor, pois uma baixa qualidade do sono gera estresse e irritabilidade. Logo, a pessoa que não dorme bem pode apresentar sinais de cansaço, ansiedade, falta de disposição e até mesmo nervosismo. 

Dormir mal e pouco a noite influencia a saúde e contribui para o surgimento de doenças como diabetes, alterações no sistema imunológico e problemas psicológicos. Ter um sono regulado e de qualidade gera impactos na rotina e é um assunto que merece ser considerado. 

Como dormir bem?

Alguns aspectos ajudam a ter mais qualidade no sono e podem auxiliar a dormir melhor. Uma maneira de fazer isso é por meio do relaxamento já que é necessário aprender a descansar e relaxar o corpo e a mente para conseguir ter uma noite de sono melhor.

Sabemos que períodos de festas contribuem para diminuir o horário disponível para dormir. O sono no carnaval e em outras datas comemorativas, como o Natal e o Ano Novo também precisa ser considerado a fim de evitar o cansaço nas férias e feriados.

Outro aspecto é analisar a quantidade de horas de sono. É preciso levar em conta a idade para entender qual é a recomendação médica em cada caso. Por exemplo, o sono de bebê conta com uma necessidade específica que é importante para seu desenvolvimento.

 No entanto, em média, é indicado dormir entre 6 e 8 horas se você deseja descansar adequadamente e permanecer descansado no dia seguinte.

Além disso, há fatores que ajudam a descansar melhor:

  • manter uma dieta leve no período noturno;
  • criar uma rotina regular e fixar um horário para dormir; 
  • ter um ambiente adequado e que ajude no sono;
  • evitar pensar em problemas ou preocupações do dia a dia;
  • manter uma temperatura agradável no local.

Essas são algumas dicas que podem transformar seu sono e melhorar a qualidade dele em sua rotina. Afinal, dormir melhor está relacionado a relaxar e adormecer bem. Investir em técnicas que ajudam nesse sentido é uma forma de aproveitar melhor as horas de sono.

O que é a Medicina do Sono?

A Medicina do Sono é a especialidade da medicina que estuda, diagnostica e trata os distúrbios e transtornos do sono. Logo, os profissionais aptos para atuar são aqueles que têm formação específica em Medicina do Sono e que são de áreas como Pediatria, Neurologia, Clínica Médica, Psiquiatria, Pneumologia e Otorrinolaringologia.

Na sequência, separamos alguns transtornos abordados pela Medicina do Sono. Confira!

Apneia do sono

Com a presença de apneia do sono, o paciente apresenta um aumento de tecidos moles, como amigdala, pólipos nasais e adenoides. Esses fatores influenciam o fechamento da via aérea, seja totalmente ou de forma parcial.

 Alguns sinais observados com a apneia do sono são:

  • roncos; 
  • pausas na respiração;
  • dores de cabeça ao acordar; 
  • humor alterado;
  • fadiga.
Com a presença de tais sintomas, e importante procurar um médico especialista que forneça orientação e prescreva o tratamento mais adequado. Existem algumas formas de tratar o transtorno como:

  • uso de sprays nasais, que ajudam a desobstruir a via respiratória; 
  • utilização de aparelhos intraorais;
  • uso continuo do CPAP nasal;
  • cirurgia.
Ronco

O ronco é bastante conhecido e comum no sono da população. Ele é o ruído que se origina a partir do fechamento da via aérea superior e pode ser considerado como um sintoma de apneia ou apenas um ruído, o que não gera consequências.

O primeiro passo é analisar se ele está associado à apnéia obstrutiva ou se é derivado de outros probcemas, como cansaço ou uso de álcool.  Além disso, o ronco pode não ter uma causa específica ou estar ligado a um transtorno, sendo que, nesse caso, não há impactos para o paciente.

Depois de diagnosticar a causa do ronco, alguns tratamentos sugeridos pelo médico especialista, tais como:
  • perda de peso;
  • alterar a posição em que se dorme;
  • aparelho ortodôntico;
  • cirurgia na via aérea superior.
Essas soluções que fornecem bons resultados, minimizando os ruídos e aumentando a qualidade do sono. Entretanto, é essencial que o médico analise e pesquise o histórico do paciente e entenda qual é a proposta mais adequada.

Insônia

A insônia também é um problema comum e pode acontecer por causa de uma série de fatores. O conceito envolve a dificuldade em iniciar ou manter o sono e ainda o despertar precoce.  Quando se apresenta como algo persistente, isto é, ocorre por mais de três meses, é então apontado como um transtorno de insônia.

Por outro lado, quando o problema acontece em um período inferior a três meses, geralmente ele é associado a situações pontuais, como preocupações, provas, viagem, compromissos e assim por diante. De qualquer forma, é importante ficar alerta para que não evolua para um estágio crônico. 

O tratamento é colocar em prática algumas ações que tornam o sono mais tranquilo, como evitar usar telas antes de dormir e buscar reduzir o estresse no cotidiano.

Como visto, entender a importância do sono é indispensável para dormir bem. Afinal, quando você tem uma boa noite de sono, o dia seguinte flui melhor e é possível ser mais produtivo nas atividades diárias, como escola e trabalho. Portanto, é relevante buscar meios de ter um sono de qualidade e que forneça a energia de que você necessita para o dia a dia.

Já que você tem interesse em saber mais a respeito do sono e como melhorá-lo, leia também sobre o novo tratamento para apneia obstrutiva fornecido pelo Hospital Israelita Albert Einstein.


texto original
https://vidasaudavel.einstein.br/importancia-do-sono/ 


outros textos relacionado ao tema

https://vidasaudavel.einstein.br/qual-o-impacto-do-estresse-no-sono/

https://vidasaudavel.einstein.br/privacao-de-sono-principais-informacoes/

https://vidasaudavel.einstein.br/sono-aliado-da-atividade-fisica/


A DOR ALÉM DO ASPECTO FÍSICO

Quem assistiu a Live da Sociedade Brasileira para Estudos da Dor - SBED - no último dia 30.07, sobre 
" *O sofrimento e a dor pela ótica dos Comitês de Espiritualidade e Práticas Integrativas e Complementares em Dor.* _Uma abordagem holística que vai além da prescrição e reabilitação física"_ ??

Perdeu??🥺🥺
Então você pode assistir... É muito importante e interessante.
Acesse:

E se você quer saber quais são as PICS - Práticas Integrativas Complementares em Saúde, que o SUS disponibiliza em algumas cidades, a Abrafibro disponibiliza a Cartilha do Ministério da Saúde sobre o tema.
Acesse:


Se sua cidade não disponibiliza aos pacientes  essas práticas, reinvindique!
Converse com seu Vereador, com seu Prefeito, com o Secretário da Saúde.
O governo municipal tem o poder para disponibilizar aos que necessitem. Mas, você e outros precisam mostrar o interesse e o quanto isso será benéfico aos munícipes.

👍🏻Pratique cidadania!🇧🇷
Só assim podemos conquistar benefícios, usando nossos direitos.🤜🏻🤛🏻

Divulgue boas informações.
Nós fazemos nossa parte...faz a sua também.


#fibromialgia
#ministeriodasaude
#pics
$picscontrador
#praticasintegrativascomplementaresemsaude
#dorcronica
#cuidadoscomasaude
#praticarcidadania
#fibromialgicos
#abrafibro

quinta-feira, 30 de julho de 2020

Parecer sobre FDA alerta para problemas respiratórios com gabapentina em populações de risco

Questionamento enviado por Sandra Santos à SBR

"Drs Marcos Aurélio e Provenza.

Boa Tarde,

Gostaríamos de saber se há algum estudo, precaução, medidas que estejam sendo tomadas no Brasil, tendo em vista que, os Fibromiálgicos são pacientes que recebem a prescrição desses medicamentos citados na pesquisa do FDA abaixo.
Não publicamos este estudo, para não causar alardes e revelia às prescrições médicas.
Mas, estamos muito preocupados.
Muitos casos estão aparecendo com tais sintomas, e estão diagnosticando como Fadiga Crônica. 
O que podemos fazer para que: 
este estudo também seja feito no Brasil,
os profissionais sejam mais cautelosos ao fazer seu diagnóstico de Fadiga Crônica,
orientar pacientes para que alertem os profissionais em caso de determinados sintomas mais graves.

O que podemos fazer para ajudar?"

Respota obtida:
"Prezada Sandra Santos,

Realmente, neste ultimo dezembro o FDA lançou um alerta que, depressão respiratória grave, com risco de vida e fatal, pode ocorrer em pacientes em uso de gabapentinóides (Lyrica, Prebictal, Prefiss, Dorene [pregabalina] e Neurontin, Gralise, Horizant [gabapentina]). O risco pode ser aumentado com o uso concomitante de opioides e outros depressores do sistema nervoso central (SNC) e com condições como doença pulmonar obstrutiva crônica. Os idosos também estão em maior risco. O FDA também avisa que os médicos devem iniciar os gabapentinóides com a dose mais baixa e monitorar os pacientes em busca de sintomas de depressão respiratória e sedação ao co-prescrever gabapentinóides com opióides ou outros depressores do SNC (por exemplo, benzodiazepínicos). Pacientes com doença respiratória subjacente e pacientes idosos também apresentam risco aumentado e devem ser tratados de maneira semelhante. Foram 49 casos  de depressão respiratória importante com 12 óbitos relatados num período de 5 anos (2012-2017). todos os casos com pelo menos um dos fatores de riscos.
Entendemos que não há motivos para grande preocupação, especialmente no Brasil, onde a prescrição da pregabalina e gabapentina associada a opióides é muito pequena bem como as doses usadas aqui são muito menores em relação aos Estados Unidos.
Continuamos a disposição para qualquer observação, comentário ou dúvidas.
Cordialmente,
Dr. Marcos Aurélio de Freitas Machado
Coordenador da Comissão de Dor, Fibromialgia e Outras Síndromes de Partes Moles da Sociedade Brasileira de Reumatologia. "

Agradecimento

"Dr. Marco Aurélio,

Bom Dia!

Agradecemos, imensamente, todos os esclarecimentos que nos foram dados.
Vamos compartilhar mais este conhecimento e orientação.
Prezamos pela Educação do paciente, como parte do tratamento.

Sandra Santos
Diretora Geral e Fundadora
ABRAFIBRO - Assoc Bras dos Fibromiálgicos"
 
Texto sobre o alerta do FDA 

FDA alerta para problemas respiratórios com gabapentina em populações de risco

Gabapentina: usos, precauções e efeitos colaterais 1




















imagem do site https://maestrovirtuale.com/gabapentina-usos-precaucoes-e-efeitos-colaterais/


leia o parecer sobre este alerta em
https://www.abrafibro.com/2020/07/parecer-sobre-fda-alerta-para-problemas.html



13 DE JANEIRO DE 2020


FDA alerta para problemas respiratórios com gabapentina em populações de risco


O FDA emitiu um alerta para os analgésicos gabapentina e pregabalina, referentes a sérias dificuldades respiratórias que podem ocorrer em pacientes com fatores de risco respiratórios. 

Esses possíveis fatores de risco incluem o uso de analgésicos opioides e outros medicamentos que deprimem o sistema nervoso central (SNC) e condições como doença pulmonar obstrutiva crônica que reduzem a função pulmonar. Pacientes idosos também estão em maior risco.


A gabapentina (Neurontin, Pfizer, entre outras marcas) e pregabalina (Lyrica e Lyrica CR, Pfizer) são aprovadas pelo FDA para uma variedade de condições, incluindo convulsões, dores nos nervos e síndrome das pernas inquietas.


"Nossa avaliação mostra que o uso desses medicamentos, muitas vezes chamado de gabapentinóides, tem crescido para uso médico prescrito, além de uso indevido e abuso", afirmou a FDA em comunicado à imprensa . “Os gabapentinóides costumam ser combinados com os depressores do SNC, o que aumenta o risco de depressão respiratória. Os depressores do SNC incluem opióides, medicamentos anti-ansiedade, antidepressivos e anti-histamínicos. Há menos evidências apoiando o risco de sérias dificuldades respiratórias em indivíduos saudáveis ​​que tomam gabapentinóides sozinhos. ”


O FDA está exigindo que novos avisos sobre o risco de depressão respiratória sejam adicionados às informações de prescrição dos gabapentinóides, além de exigir que os fabricantes de medicamentos realizem ensaios clínicos para avaliar melhor seu potencial de abuso, particularmente em combinação com opióides. Atenção especial será dada aos efeitos depressores respiratórios durante essa avaliação do potencial de abuso.


O FDA revisou várias fontes de dados, incluindo relatos de casos submetidos à agência ou publicados na literatura médica, estudos observacionais, ensaios clínicos e estudos em animais.

Entre os 49 casos submetidos à FDA de 2012 a 2017, 12 pessoas morreram de depressão respiratória com gabapentinóides, todos com pelo menos um fator de risco. 


Para ajudar o FDA a rastrear problemas de segurança com medicamentos, os médicos devem relatar eventos adversos envolvendo gabapentina, pregabalina ou outros medicamentos ao programa MedWatch da FDA em https://www.fda.gov/safety/medwatch-fda-safety-information- e programa de notificação de eventos adversos . 


Com base em materiais de imprensa do FDA. 

texto original
traduzido por Sandra Santos  

Estudo de Exergame em mulheres com Fibromialgia

Efeito do treinamento e destreinamento da Exergame* na força, agilidade e aptidão cardiorrespiratória em mulheres com fibromialgia: ensaio clínico randomizado e cego

How Gamified Fitness Helps Power-Up Facilities - Athletic Business 
imagem copiada do site https://www.athleticbusiness.com/equipment/how-gamified-fitness-helps-power-up-fitness-facilities.html


 Publicado: 24 de dezembro de 2019 (vide informações complementares no link do texto original)

Nota da Abrafibro:
O que é "Exergame"?
Exergames são videogames que exigem um esforço físico maior quando comparados com os videogames tradicionais. Estes games, conhecidos na literatura como “active games”, “exergaming” ou “jogos ativos”, possibilitam ao jogador ter a experiência motora e esforço físico similar à um esporte ou atividade física. Assim, a realidade virtual disponibilizada nestes games proporciona não apenas a motivação para o divertimento, mas também fornece orientações e feedbacks para que o jogador execute os movimentos, sejam eles as técnicas dos diferentes esportes ou apenas movimentos de equilíbrio ou de ginástica.
Fonte: Universidade Federal de Pelotas

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar os efeitos de uma intervenção de exergame de 24 semanas e 24 semanas de destreinamento na força de membros inferiores, agilidade e aptidão cardiorrespiratória em mulheres com fibromialgia (FM). Foi realizado como um estudo controlado randomizado, cego, de 55 mulheres com FM. Foram utilizadas instalações da universidade. A intervenção de exergame de 24 semanas foi focada em mobilidade, controle postural, coordenação dos membros superiores e inferiores, aptidão aeróbica e força. Os participantes realizaram 120 min de exergaming por semana, divididos em duas sessões. Vinte e quatro semanas após o final da intervenção, os participantes foram reavaliados. Um teste de cadeira-suporte, teste de escada de 10 degraus e teste de caminhada de seis minutos foram realizados para avaliar a força da parte inferior do corpo, a agilidade e a aptidão cardiorrespiratória, respectivamente. A intervenção exergame melhorou significativamente a força dos membros inferiores e a aptidão cardiorrespiratória. No entanto, não foram observados efeitos significativos na agilidade. Após o período de destreinamento, a força e a agilidade dos membros inferiores retornaram ao nível basal, mas as melhorias na aptidão cardiorrespiratória foram sustentadas ao longo do tempo. Portanto, o Exergaming mostrou-se benéfico para a aptidão física em pessoas com FM. No entanto, exergames tiveram que ser jogados regularmente para manter os benefícios. Essa intervenção de longo prazo (24 semanas) pode ter mudado o estilo de vida das mulheres com FM, o que poderia explicar por que as melhorias na aptidão cardiorrespiratória permaneceram após o período de destreinamento. Pesquisas futuras devem se concentrar nas mudanças de estilo de vida após intervenções de longo prazo.

Palavras-chave: realidade virtual; dor crônica; atividade física; teste de cadeira-suporte; Teste de escada de 10 degraus; teste de caminhada de seis minutos

1. Introdução

A fibromialgia (FM) é uma síndrome crônica caracterizada por dor generalizada e outros sintomas como fadiga, distúrbios do sono, ansiedade, depressão, equilíbrio prejudicado, rigidez, risco de queda, condições físicas precárias e disfunção cognitiva [1,2]. Esses sintomas levam a uma redução na qualidade de vida das mulheres com FM [3].
Atualmente, não existe tratamento único para pacientes com FM (não farmacológicos ou farmacológicos). As diretrizes revisadas da Liga Européia Contra o Reumatismo (EULAR) sugeriram que o tratamento deve ser baseado em uma abordagem não farmacológica que envolva exercícios. Isso ocorre porque o exercício é relativamente barato e desempenha um papel na redução da dor [4,5]. Portanto, o exercício tem o maior corpo de evidências de apoio entre todas as terapias não farmacológicas por seu papel na redução dos sintomas associados à FM [6].
Estudos anteriores demonstraram que intervenções com exercícios aeróbicos ou força podem melhorar a dor, depressão, função física, impacto da doença e qualidade de vida em mulheres com FM [6,7,8,9,10,11,12,13, 14] Além disso, intervenções exergame (uma forma não imersiva de realidade virtual) que envolvem exercício físico [15] já foram utilizadas anteriormente em pacientes com FM. Os resultados indicaram que os exergames são úteis para melhorar a mobilidade, qualidade de vida, função física e dinâmica cerebral em pacientes com FM [16,17,18,19,20].
No entanto, as melhorias feitas durante a intervenção podem ser perdidas quando o regime de treinamento é interrompido. Por exemplo, após 14 dias de destreinamento após uma intervenção aeróbica em uma população saudável, o VO2 pico diminuiu significativamente [21,22]. Em pacientes com FM, estudos anteriores mostraram que a maioria das melhorias derivadas de intervenções com exercícios desapareceu após o período de destreinamento [23,24]. No entanto, esse achado é controverso porque um estudo anterior mostrou que os benefícios alcançados pelo exercício regular podem ser mantidos por 30 meses [25].
O presente estudo teve como objetivo avaliar os efeitos de uma intervenção exergame de 24 semanas na força, agilidade e aptidão cardiorrespiratória da parte inferior do corpo em mulheres com FM. Também teve como objetivo observar o impacto de um período de destreinamento (24 semanas) após a conclusão da intervenção baseada no exergame. Isso é relevante porque os efeitos do destreinamento após uma intervenção baseada no exergame nunca foram estudados em pacientes com FM.

2. Materiais e métodos

2.1 Projeto de avaliação

Este estudo foi um estudo controlado randomizado, cego e único. Foi aprovado pelo comitê de ética da Universidade da Extremadura (62/2017). Os participantes deram seu consentimento por escrito para os procedimentos do estudo. O estudo foi registrado no Registro Internacional de Números de Ensaios Aleatórios Controlados (ISRCTN65034180) e o protocolo foi publicado em https://doi.org/10.1186/ISRCTN65034180.
O presente estudo enfocou os efeitos de 24 semanas de treinamento baseado em exergame e um período de destreinamento de 24 semanas em pacientes com FM. Três artigos com foco em qualidade de vida, aptidão física sob condições de dupla tarefa e processamento cerebral foram publicados recentemente em outros lugares [18,19,20]. A hipótese do presente estudo foi totalmente diferente de estudos anteriores e incluiu avaliação de acompanhamento. Este estudo também envolveu outros profissionais de pesquisa específicos e teve como alvo um público diferente.

2.2 Participantes

Um total de 56 participantes foram recrutados de uma associação local de FM (até 31 de dezembro de 2017) e preencheram os seguintes critérios de inclusão:

    Mulher e idade entre 30 e 75 anos;
    capaz de se comunicar com a equipe de pesquisa;
    haviam dado o seu consentimento informado; e
    diagnosticado com FM por um reumatologista de acordo com os critérios do American College of Rheumatology 2010 [1].

Além disso, os participantes foram excluídos se (a) tivessem mudado suas terapias de cuidados habituais durante as 24 semanas de tratamento, (b) tivessem contra-indicações para programas de exercícios físicos ou (c) estivessem grávidas.
Números aleatórios foram atribuídos aos participantes e, em seguida, foram alocados aleatoriamente em um grupo (controle ou exergame) por um investigador. Este pesquisador não participou da aquisição de dados ou de análises estatísticas. Todas as avaliações foram realizadas por outro investigador que estava cego para a alocação do agrupamento. Os participantes não puderam ficar cegos, pois foram informados dos procedimentos.

2.3 Intervenção

Os participantes inscritos no grupo exergame realizaram uma intervenção de exercício de 24 semanas com 2 sessões por semana, cada uma com duração de 1 h. O programa de intervenção consistiu em um exergame (VirtualEx-FM) projetado pelo grupo de pesquisa para melhorar a aptidão e a capacidade das mulheres com FM de auxiliarem nas atividades da vida diária. Esse exergame foi usado anteriormente e suas principais características são publicadas em outras partes [16].
O objetivo do VirtualEX-FM era aumentar o atendimento e a motivação dos pacientes com FM, levando em consideração as preferências [26] e as necessidades [27] dos participantes. O exergame cumpriu os oito critérios principais a serem considerados como uma ferramenta adequada de reabilitação de realidade virtual [26]. O VirtualEx-FM focou-se no controle postural, coordenação dos membros superiores e inferiores, condicionamento aeróbico, força e mobilidade, levando em consideração a qualidade dos movimentos. Além disso, a intervenção foi supervisionada e controlada por um técnico [16].
Uma sessão típica envolveu o seguinte:

    Um aquecimento em que os participantes foram guiados por um vídeo feito por um cinesiologista;
    exercícios aeróbicos baseados em passos de dança mostrados por um professor de dança;
    jogos de controle e coordenação postural em que os participantes precisavam pegar uma maçã que chegava e saía em diferentes locais ao seu redor (o cinesiologista podia controlar manualmente a parte do corpo que os participantes tinham que usar para alcançar a maçã); e
    treinamento de caminhada, onde os participantes tiveram que seguir uma trilha virtual de pegadas. O tipo e a amplitude dos passos foram controlados.

O grupo controle continuou com sua vida diária habitual. Isso incluiu o restante dos medicamentos.

2.4 Resultados

Os desfechos primários do presente estudo foram força, agilidade e aptidão cardiorrespiratória dos membros inferiores, medidos pelo teste de cadeira-de-pé, teste de 10 degraus e teste de caminhada de 6 minutos, respectivamente. Os dados foram coletados nas instalações da Faculdade de Ciências do Esporte (Cáceres, Espanha).
O teste cadeira-suporte avaliou a força dos membros inferiores repetindo a ação de levantar-se da posição sentada (isto é, até atingir a extensão completa do joelho) e, em seguida, sentar-se o maior número de vezes possível em 30 s [28]. Um estudo anterior de mulheres com FM [29,30] relatou excelente confiabilidade para este teste com um coeficiente de correlação intraclasse (ICC) e intervalo de confiança de 0,91 (0,87-0,94).
O teste de 10 degraus avaliou a agilidade medindo o tempo necessário para subir 10 degraus. Os participantes tiveram que subir "o mais rápido e seguro possível". O uso de corrimãos quando necessário foi permitido por razões de segurança. Este teste mostrou excelente confiabilidade (ICC = 0,972) em um estudo anterior em mulheres com FM [31].
O teste de caminhada de 6 minutos foi utilizado para medir a aptidão cardiorrespiratória. Ele determinou a distância máxima (em metros) que os pacientes poderiam caminhar em 6 minutos, seguindo um caminho retangular de 45,7 m [28,32]. Um estudo anterior [29] relatou a excelente confiabilidade desse teste em mulheres com FM, com um CCI e intervalo de confiança de 0,92 (0,87-0,94).
Uma versão revisada do Questionário de Impacto da Fibromialgia (FIQ-r) foi selecionada para avaliar o impacto da doença [33]. A pontuação total variou de 0 a 100, calculada como a soma de 3 dimensões: domínio da função (9 itens e pontuação 0–30), domínio dos sintomas (10 itens e pontuação 0–50) e impacto geral (2 itens e pontuação 0 -20). A versão em espanhol do FIQ-r foi usada no presente estudo [34].
O Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) foi utilizado para monitorar a atividade física e a inatividade. Foi empregado para calcular o total de equivalentes metabólicos (METs) por semana e o tempo sentado (minutos por dia) [35].
O total de METs por semana foi calculado de acordo com as instruções do comitê de pesquisa do IPAQ [36], como segue:
Trabalho total MET-minutos / semana = soma de Caminhada + Moderada + Vigorosa MET-minutos / semana.
Nesse sentido, os minutos-MET / semana de caminhada, moderada e vigorosa foram calculados da seguinte forma:

    MET-minutos a pé / semana = 3,3 × minutos a pé × dias a pé;
    minutos MET moderados / semana = 4,0 × minutos de atividade de intensidade moderada × dias de intensidade moderada; e
    MET-minutos vigorosos / semana = 8,0 × minutos de atividade de intensidade vigorosa × dias de intensidade vigorosa.

Esses testes e questionários foram realizados antes e após a intervenção no exergame (24 semanas), bem como após 24 semanas de destreinamento.

2.5 Análise Estatística

O tamanho da amostra foi calculado de acordo com os dados extraídos do FIQ-r [37]. Uma redução de 14% no escore total do FIQ-r foi considerada clinicamente importante [38]. Esperava-se que o FIQ-r médio fosse 70,5 (11,8) com base nos dados de um estudo anterior de mulheres espanholas com FM [39]. A potência mínima necessária para detectar pelo menos 14% de diferença entre os grupos foi de 85% com um valor α de 0,05. Portanto, foram necessários no mínimo 26 participantes por grupo.
Os testes paramétricos foram realizados com base nos resultados dos testes Shapiro – Wilk e Kolmogorov – Smirnov. Testes t de amostra independente foram realizados para explorar as diferenças da linha de base.
Para avaliar os efeitos da intervenção exergame, ANOVA de medidas repetidas foi realizada. O modelo incluiu os 2 grupos (exergame e controle) e os 3 momentos diferentes (antes, depois e acompanhamento) nos quais os resultados foram avaliados (ANOVA 2 × 3). Posteriormente, realizamos análises intergrupos e intragrupo para caracterizar diferenças.
Para observar a evolução de cada grupo (exergame e controle) entre diferentes momentos (antes, depois e acompanhamento), foram realizados testes t para amostras relacionadas. Além disso, foram realizados testes t para amostras independentes para detectar diferenças entre grupos em diferentes momentos. O nível alfa de significância (ajustado em 0,05) foi ajustado pelo procedimento de Benjamini-Hochberg, a fim de controlar as taxas de falsas descobertas [40]. Para representar os resultados entre grupos e dentro do grupo, o software GraphPad Prism (versão 6) (GP Prism-Inc, San Diego, CA, EUA) foi usado para criar uma figura para cada teste de aptidão física.
O tamanho do efeito (eta quadrado ao quadrado) foi relatado para cada teste estatístico [41]. De acordo com Cohen [42], os tamanhos dos efeitos foram classificados em pequeno (0,01 ≤ η2 <0,06), médio (0,06 ≤ η2 <0,14) ou grande (η2 ≥ 0,14). Um método de exclusão listwise foi aplicado para a análise de intenção de tratar. As análises estatísticas foram realizadas usando o pacote estatístico Statistical Package for the Social Sciences (SPSS 24.0; IBM Corp., Armonk, NY, EUA).

3. Resultados

A Figura 1 mostra o fluxograma dos participantes de acordo com o Consort 2010 (a lista de verificação é fornecida como Materiais Complementares, Tabela S1). Um total de 56 mulheres com FM participou do estudo. Depois de divididos aleatoriamente em dois grupos, 50 mulheres completaram a intervenção (25 no grupo exergame e 25 no grupo controle). No entanto, seis meses após o final da intervenção (48 semanas de acompanhamento), apenas 22 participantes do grupo exergame e 15 participantes do grupo controle participaram da avaliação. É importante ressaltar que os efeitos colaterais da intervenção no exergame não foram detectados.

Gráficos não há como serem postados. Obtenham-os acessando o link da fonte.

 A Tabela 1 mostra os valores para diferentes testes de aptidão física, escore total do FIQ-r, idade, METs por semana, tempo de sentar, índice de massa corporal e massa gorda na linha de base. Não foram encontradas diferenças em nenhuma dessas variáveis.

A ANOVA de medidas repetidas mostrou efeitos significativos no teste de cadeira (valor de p = 0,017) e teste de caminhada de seis minutos (valor de p = 0,011; tabela 2). No entanto, nenhum efeito significativo foi encontrado para o teste de 10 degraus (valor de p = 0,666; tabela 2). As diferenças entre o teste de cadeira e o teste de caminhada de seis minutos foram grandes, conforme demonstrado pelos valores do tamanho do efeito.
Tabela 2. Efeitos de uma intervenção exergame em mulheres com fibromialgia na força, agilidade e aptidão cardiorrespiratória da parte inferior do corpo.

Os testes t de amostra independente indicaram que a intervenção exergame melhorou significativamente o desempenho no teste de cadeira (valor de p = 0,003) e no teste de caminhada de seis minutos (valor de p = 0,003). No entanto, não foram encontradas diferenças significativas no teste da escada de 10 degraus (valor de p = 0,392).
Para avaliar diferenças dentro do grupo em diferentes momentos (antes, depois e acompanhamento), foram realizados testes t de amostra pareada. Para o teste cadeira-suporte, o desempenho no grupo exergame aumentou significativamente após a intervenção (valor de p = 0,030) enquanto o desempenho diminuiu significativamente no grupo controle (valor de p = 0,046; Figura 2). Não foram observadas diferenças em nenhum momento do teste da escada de 10 degraus (Figura 3). O grupo exergame não melhorou significativamente no teste de caminhada de seis minutos. No entanto, o desempenho do grupo controle diminuiu significativamente neste teste ao comparar as avaliações pré e pós-intervenção (valor p = 0,015) e o acompanhamento com a avaliação pré-intervenção (valor p = 0,015; Figura 4).

Figura 2. Comparação entre os grupos exergame e controle nos três momentos do teste do suporte da cadeira. * O grupo exergame aumentou significativamente o número de repetições (valor de p <0,05); ‡ O grupo controle diminuiu significativamente o número de repetições (valor de p <0,05).

Figura 3. Comparação entre os grupos exergame e controle nos três momentos do Teste de escada de 10 etapas. Efeitos significativos não foram encontrados (valor de p> 0,05).

Figura 4. Comparação entre os grupos exergame e controle nos três momentos do teste de caminhada de 6 minutos. ‡ O grupo controle diminuiu significativamente o número de metros (valor p <0,05).
Seis meses após a conclusão da intervenção no exergame (48 semanas), foi realizada avaliação de acompanhamento. Os testes t de amostra independente indicaram que a força e a agilidade da parte inferior do corpo retornaram à linha de base após seis meses de destreinamento (valor de p> 0,05), enquanto a aptidão cardiorrespiratória foi mantida ao longo do tempo (valor de p = 0,013).
Os testes t de amostra pareada e os testes t de amostras independentes não apresentaram alterações significativas no escore total do FIQ-r, METs por semana ou tempo de sentar (valor de p> 0,05).

4. Discussão

O principal objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos da intervenção no exergame na força, agilidade e aptidão cardiorrespiratória da parte inferior do corpo. Também teve como objetivo observar o impacto de seis meses de destreinamento em mulheres com FM. Os resultados indicaram que a intervenção no exergame melhorou a força da parte inferior do corpo e a aptidão cardiorrespiratória. Curiosamente, a aptidão cardiorrespiratória foi mantida ao longo do tempo, enquanto as melhorias na força da parte inferior do corpo retornaram aos níveis basais após seis meses de destreinamento.
Estudos anteriores que se concentraram no período de destreinamento em mulheres com FM mostraram que as melhorias retornaram aos níveis basais após esse período [23,24]. Isso foi um pouco semelhante aos nossos resultados, onde a força da parte inferior do corpo retornou aos níveis basais após seis meses de destreinamento. No entanto, as melhorias na aptidão cardiorrespiratória permaneceram principalmente após o período de destreinamento. Uma explicação para isso pode ser que os participantes mudaram seu estilo de vida após uma intervenção de longo prazo (seis meses). Isso pode resultar em mulheres com FM sendo mais ativas, mesmo após o término da intervenção no exergame.
Ao analisar os dados do IPAQ, observamos que os participantes do grupo controle eram menos ativos do que os participantes do exergame após o período de destreinamento. Em média, os participantes do grupo controle foram sedentários por cerca de 45 minutos a mais por dia do que os participantes do exergame (Tabela 2). Isso pode indicar que eles continuaram realizando atividade física mesmo após o término da intervenção. Isso é relevante porque a substituição de 30 minutos de tempo sedentário por atividade física leva à melhoria da qualidade de vida relacionada à saúde, impacto da FM [43] e qualidade do sono [44]. Estudos futuros devem investigar os efeitos de intervenções de exergame a longo prazo no estilo de vida de mulheres com FM.

A FM tem impacto significativo nas atividades da vida diária devido à dor crônica e fadiga associadas [1,2] que reduzem a qualidade de vida [3]. Os exergames são considerados uma ferramenta útil para melhorar a adesão, frequência e duração das intervenções de exercícios [45,46]. Isso, por sua vez, leva a uma melhor mobilidade, equilíbrio, dor e medo de cair [17,47]. No presente estudo, foram observadas melhorias na força da parte inferior do corpo e na aptidão cardiorrespiratória naqueles que realizavam a intervenção no exergame. Não foram observadas melhorias na agilidade (medidas pelo teste da escada de 10 etapas). Esse achado concorda com um estudo anterior que relatou melhorias na aptidão física em uma intervenção de exergame de 24 semanas. No entanto, os efeitos da intervenção foram limitados à força e mobilidade dos membros superiores em condições de dupla tarefa [19].
Além dos parâmetros de condicionamento físico, estudos anteriores de exergames em mulheres com FM relataram melhorias na qualidade de vida relacionada à saúde, impacto da doença, dor e processamento cerebral [16,17,18,19,20]. A intervenção exergame de 24 semanas neste estudo não teve nenhum efeito significativo no impacto da doença. Uma explicação potencial para esse efeito não significativo é o impacto relativamente baixo da doença nas mulheres incluídas no estudo, com FIQ-r médio = 53,17 (16,93) na linha de base, 51,60 (18,25) após a intervenção e 51,10 (18,99) após as 48 semanas seguintes -acima. Isso pode ter levado a um efeito de piso. A média (DP) no estudo de validação da versão em espanhol do FIQ-r foi de 68,2 (17,5) [34], e o ponto de corte para sintomas graves de FM foi fixado em 60. Evidentemente, nossos participantes tiveram impacto moderado na doença , e é possível que os efeitos da intervenção tenham sido subestimados devido ao efeito do piso. No entanto, uma intervenção mais curta (intervenção de exergame de oito semanas com os mesmos protocolos e envolvendo mulheres com sintomas moderados de FM de acordo com o escore do FIQ) mostrou um efeito significativo no impacto da doença. Portanto, estudos futuros devem explorar a influência da duração do protocolo no impacto da doença em mulheres com FM. Outra possível explicação para os resultados é a novidade do protocolo de exercícios. A motivação para jogar exergames pode ser reduzida quando a duração do protocolo é aumentada, o que pode estar relacionado à falta de exercícios e alternativas diferentes. Portanto, estudos futuros com duração superior a seis meses podem considerar o ajuste não apenas da intensidade e repetições, mas também dos tipos de exercícios. Além disso, medidas de motivação e adesão devem ser incluídas para testar esta hipótese.

A adesão ao exercício físico é uma questão bem documentada em mulheres com FM [48]. Em nossa intervenção, 89% dos participantes completaram a intervenção de 24 semanas. Essa taxa de conclusão é mais alta do que em intervenções aeróbicas nas quais a taxa média de abandono é de cerca de 22% [49]. No entanto, em uma intervenção anterior no exergame, a adesão foi ainda maior do que em nosso estudo (98%). Isso pode ser devido à duração da intervenção, que foi significativamente menor que a do nosso estudo (oito semanas). Além disso, no presente estudo, para promover a adesão, a intervenção no exergame foi supervisionada por um fisioterapeuta, conforme sugerido por Lewis e Rosie [26]. As aulas também foram realizadas em grupos (dois ou três participantes por grupo) [50]. Estudos futuros devem incorporar essas estratégias para melhorar a adesão às intervenções de exercícios físicos em mulheres com FM.
Este estudo teve algumas limitações. Primeiro, houve um número significativo de mulheres perdidas no seguimento de 48 semanas (n = 18). Segundo, o estudo se concentrou em mulheres com FM, de modo que os resultados não podem ser extrapolados para homens com FM. Terceiro, para monitorar a atividade física e a inatividade, foi utilizado o questionário IPAQ. Este questionário não é uma medida objetiva, e estudos futuros devem considerar o uso de outros instrumentos, como acelerômetros multissensoriais de braçadeiras [51]. Quarto, considerando os valores de referência do FIQ-r, é possível que um efeito mínimo estivesse presente na avaliação do impacto da FM. Os efeitos da intervenção podem, portanto, ter sido subestimados.

5. Conclusões

Exergaming melhorou a força da parte inferior do corpo e a aptidão cardiorrespiratória em mulheres com FM. Após um período de destreinamento de 24 semanas, as melhorias na força corporal inferior haviam desaparecido, enquanto as melhorias na aptidão cardiorrespiratória permaneciam. Os exergames devem ser realizados regularmente para manter os benefícios de força. No entanto, o tempo de intervenção (24 semanas) pode ter mudado o estilo de vida das mulheres com FM, o que poderia explicar por que as melhorias na aptidão cardiorrespiratória permaneceram após o período de destreinamento.
Materiais suplementares
A seguir, estão disponíveis online em https://www.mdpi.com/1660-4601/17/1/161/s1, Tabela S1: lista de verificação CONSORT 2010 de informações a serem incluídas ao relatar um estudo randomizado.

Contribuições do autor

Curadoria de dados, S.V. e Y.B.-M .; análise formal, Y.B.-M .; aquisição de financiamento, N.G ​​.; investigação, S.V., J.P.F.-G., D.C.-M. e N.G .; metodologia, S.V., J.P.F.-G. e D.C.-M .; administração de projetos, N.G ​​.; recursos, N.G ​​.; software, Y.B.-M. e D.C.-M .; supervisão, J.P.F.-G. e N.G .; validação, N.G ​​.; visualização, J.P.F.-G. e D.C.-M .; escrita - rascunho original, S.V. e Y.B.-M .; escrito - revisão e edição, S.V., J.P.F.-G., D.C.-M. e N.G. Todos os autores leram e concordaram com a versão publicada do manuscrito.
Financiamento
No âmbito do Plano Nacional Espanhol de P + D + i, o presente estudo foi co-financiado pelo Ministério de Economia e Competitividade da Espanha (MINECO) com a referência DEP2015-70356-R. Este estudo também foi financiado pelo Bolsa de Pesquisa para Grupos (GR18155), financiado pela Junta de Extremadura (Governo Regional da Extremadura) e pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER / FEDER) 'uma maneira de fazer a Europa'. Este estudo foi possível graças à contribuição do Ministério da Economia e Infraestrutura da Junta de Extremadura através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional - Uma maneira de tornar a Europa (GR18129). Além disso, este estudo foi financiado pelo Centro de Redes de Pesquisa Biomédica sobre Fragilidade e Envelhecimento Saudável (CIBERFES) e fundos FEDER da União Europeia (CB16 / 10/00477).

Agradecimentos

Autor S.V. foi apoiado por uma doação do Departamento Regional de Economia e Infra-estrutura do Governo da Extremadura e do Fundo Social Europeu (PD16008). As partes financiadoras não tiveram participação no desenho do estudo, coleta e análise de dados, decisão de publicação ou preparação do manuscrito. Também agradecemos os comentários valiosos sobre o manuscrito pela equipe de neurofisiologia do hospital San Pedro de Alcántara em Cáceres, Espanha. Também agradecemos à Associação Extremadura de Fibromialgia (AFIBROEX) em Cáceres por ajudar a recrutar os participantes para este estudo.

Conflitos de interesse

Os autores certificam que não há conflito de interesses com nenhuma organização financeira em relação ao material discutido no manuscrito.

References

  1. Wolfe, F.; Clauw, D.J.; Fitzcharles, M.A.; Goldenberg, D.L.; Katz, R.S.; Mease, P.; Russell, A.S.; Russell, I.J.; Winfield, J.B.; Yunus, M.B. The American College of Rheumatology Preliminary Diagnostic Criteria for Fibromyalgia and Measurement of Symptom Severity. Arthrit. Care Res. 2010, 62, 600–610. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  2. Walker, J. Fibromyalgia: Clinical features, diagnosis and management. Nurs. Stand. 2016, 31, 51–63. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  3. Verbunt, J.A.; Pernot, D.H.F.M.; Smeets, R.J.E.M. Disability and quality of life in patients with fibromyalgia. Health Qual. Out. 2008, 6, 8. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  4. Macfarlane, G.J.; Kronisch, C.; Dean, L.E.; Atzeni, F.; Hauser, W.; Fluss, E.; Choy, E.; Kosek, E.; Amris, K.; Branco, J.; et al. EULAR revised recommendations for the management of fibromyalgia. Ann. Rheum. Dis. 2017, 76, 318–328. [Google Scholar] [CrossRef]
  5. Fitzcharles, M.A.; Ste-Marie, P.A.; Goldenberg, D.L.; Pereira, J.X.; Abbey, S.; Choiniere, M.; Ko, G.; Moulin, D.E.; Panopalis, P.; Proulx, J.; et al. 2012 Canadian Guidelines for the diagnosis and management of fibromyalgia syndrome: Executive summary. Pain Res. Manag. 2013, 18, 119–126. [Google Scholar] [CrossRef]
  6. Bidonde, J.; Busch, A.J.; Schachter, C.L.; Overend, T.J.; Kim, S.Y.; Goes, S.M.; Boden, C.; Foulds, H.J. Aerobic exercise training for adults with fibromyalgia. Cochrane Database Syst. Rev. 2017, 6, Cd012700. [Google Scholar] [CrossRef]
  7. Wang, C.; Schmid, C.H.; Fielding, R.A.; Harvey, W.F.; Reid, K.F.; Price, L.L.; Driban, J.B.; Kalish, R.; Rones, R.; McAlindon, T. Effect of tai chi versus aerobic exercise for fibromyalgia: Comparative effectiveness randomized controlled trial. BMJ 2018, 360, k851. [Google Scholar] [CrossRef]
  8. Busch, A.; Barber, K.; Overend, T.; Peloso, P.; Schachter, C. Exercise for treating fibromyalgia syndrome. Cochrane Database Syst. Rev. 2007. [Google Scholar] [CrossRef]
  9. Júnior, J.C.A.; de Almeida Silva, H.J.; da Silva, J.F.C.; da Silva Cruz, R.; de Almeida Lins, C.A.; de Souza, M.C. Zumba dancing can improve the pain and functional capacity in women with fibromyalgia. J. Bodyw. Mov. Ther. 2018, 22, 455–459. [Google Scholar] [CrossRef]
  10. Gavi, M.; Vassalo, D.V.; Amaral, F.T.; Macedo, D.C.F.; Gava, P.L.; Dantas, E.M.; Valim, V. Strengthening Exercises Improve Symptoms and Quality of Life but Do Not Change Autonomic Modulation in Fibromyalgia: A Randomized Clinical Trial. PLoS ONE 2014, 9, e90767. [Google Scholar] [CrossRef]
  11. Kayo, A.H.; Peccin, M.S.; Sanches, C.M.; Trevisani, V.F.M. Effectiveness of physical activity in reducing pain in patients with fibromyalgia: A blinded randomized clinical trial. Rheumatol. Int. 2012, 32, 2285–2292. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  12. Palstam, A.; Larsson, A.; Lofgren, M.; Ernberg, M.; Bjersing, J.; Bileviciute-Ljungar, I.; Gerdle, B.; Kosek, E.; Mannerkorpi, K. Decrease of fear avoidance beliefs following person-centered progressive resistance exercise contributes to reduced pain disability in women with fibromyalgia: Secondary exploratory analyses from a randomized controlled trial. Arthritis Res. Ther. 2016, 18. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  13. Ericsson, A.; Palstam, A.; Larsson, A.; Lofgren, M.; Bileviciute-Ljungar, I.; Bjersing, J.; Gerdle, B.; Kosek, E.; Mannerkorpi, K. Resistance exercise improves physical fatigue in women with fibromyalgia: A randomized controlled trial. Arthritis Res. Ther. 2016, 18. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  14. Assumpcao, A.; Matsutani, L.A.; Yuan, S.L.; Santo, A.S.; Sauer, J.; Mango, P.; Marques, A.P. Muscle stretching exercises and resistance training in fibromyalgia: Which is better? A three-arm randomized controlled trial. Eur. J. Phys. Rehabil. Med. 2018, 54, 663–670. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  15. Wuest, S.; van de Langenberg, R.; de Bruin, E.D. Design considerations for a theory-driven exergame-based rehabilitation program to improve walking of persons with stroke. Eur. Rev. Aging Phys. A 2014, 11, 119–129. [Google Scholar] [CrossRef]
  16. Collado-Mateo, D.; Dominguez-Munoz, F.J.; Adsuar, J.C.; Garcia-Gordillo, M.A.; Gusi, N. Effects of Exergames on Quality of Life, Pain, and Disease Effect in Women With Fibromyalgia: A Randomized Controlled Trial. Arch. Phys. Med. Rehab. 2017, 98, 1725–1731. [Google Scholar] [CrossRef]
  17. Collado-Mateo, D.; Dominguez-Muñoz, F.J.; Adsuar, J.C.; Merellano-Navarro, E.; Gusi, N. Exergames for women with fibromyalgia: A randomised controlled trial to evaluate the effects on mobility skills, balance and fear of falling. PeerJ 2017, 5, e3211. [Google Scholar] [CrossRef]
  18. Villafaina, S.; Collado-Mateo, D.; Dominguez-Munoz, F.J.; Fuentes-Garcia, J.P.; Gusi, N. Benefits of 24-Week Exergame Intervention on Health-Related Quality of Life and Pain in Women with Fibromyalgia: A Single-Blind, Randomized Controlled Trial. Games Health J. 2019. [Google Scholar] [CrossRef]
  19. Martin-Martinez, J.P.; Villafaina, S.; Collado-Mateo, D.; Perez-Gomez, J.; Gusi, N. Effects of 24-wk exergame intervention on physical function under single- and dual-task conditions in fibromyalgia: A randomized controlled trial. Scand. J. Med. Sci. Spor. 2019. [Google Scholar] [CrossRef]
  20. Villafaina, S.; Collado-Mateo, D.; Fuentes, J.P.; Rohlfs-Dominguez, P.; Gusi, N. Effects of Exergames on Brain Dynamics in Women with Fibromyalgia: A Randomized Controlled Trial. J. Clin. Med. 2019, 8, 1015. [Google Scholar] [CrossRef]
  21. Murias, J.M.; Edwards, J.A.; Paterson, D.H. Effects of short-term training and detraining on VO2 kinetics: Faster VO2 kinetics response after one training session. Scand. J. Med. Sci. Sports 2016, 26, 620–629. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  22. St-Amand, J.; Yoshioka, M.; Nishida, Y.; Tobina, T.; Shono, N.; Tanaka, H. Effects of mild-exercise training cessation in human skeletal muscle. Eur. J. Appl. Physiol. 2012, 112, 853–869. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  23. Tomas-Carus, P.; Hakkinen, A.; Gusi, N.; Leal, A.; Hakkinen, K.; Ortega-Alonso, A. Aquatic training and detraining on fitness and quality of life in fibromyalgia. Med. Sci. Sports Exerc. 2007, 39, 1044–1050. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  24. Romero-Zurita, A.; Carbonell-Baeza, A.; Aparicio, V.A.; Ruiz, J.R.; Tercedor, P.; Delgado-Fernandez, M. Effectiveness of a tai-chi training and detraining on functional capacity, symptomatology and psychological outcomes in women with fibromyalgia. Evid. Based Complement. Alternat. Med. 2012, 2012, 614196. [Google Scholar] [CrossRef]
  25. Sanudo, B.; Carrasco, L.; de Hoyo, M.; McVeigh, J.G. Effects of exercise training and detraining in patients with fibromyalgia syndrome: A 3-yr longitudinal study. Am. J. Phys. Med. Rehabil. 2012, 91, 561–569. [Google Scholar] [CrossRef]
  26. Lewis, G.N.; Rosie, J.A. Virtual reality games for movement rehabilitation in neurological conditions: How do we meet the needs and expectations of the users? Disabil. Rehabil. 2012, 34, 1880–1886. [Google Scholar] [CrossRef]
  27. Bidonde, J.; Jean Busch, A.; Bath, B.; Milosavljevic, S. Exercise for adults with fibromyalgia: An umbrella systematic review with synthesis of best evidence. Curr. Rheumatol. Rev. 2014, 10, 45–79. [Google Scholar] [CrossRef]
  28. Rikli, R.E.; Jones, C.J. Development and validation of a functional fitness test for community-residing older adults. J. Aging Phys. Activ. 1999, 7, 129–161. [Google Scholar] [CrossRef]
  29. Carbonell-Baeza, A.; Alvarez-Gallardo, I.C.; Segura-Jiménez, V.; Castro-Pinero, J.; Ruiz, J.R.; Delgado-Fernández, M.; Aparicio, V.A. Reliability and feasibility of physical fitness tests in female fibromyalgia patients. Int. J. Sports Med. 2015, 36, 157–162. [Google Scholar] [CrossRef]
  30. Martin-Martinez, J.P.; Collado-Mateo, D.; Dominguez-Munoz, F.J.; Villafaina, S.; Gusi, N.; Perez-Gomez, J. Reliability of the 30 s Chair Stand Test in Women with Fibromyalgia. Int. J. Environ. Res. Pub. Health 2019, 16, 2344. [Google Scholar] [CrossRef]
  31. Collado-Mateo, D.; Domínguez-Muñoz, F.J.; Olivares, P.R.; Adsuar, J.C.; Gusi, N. Stair negotiation in women with fibromyalgia: A descriptive correlational study. Medicine 2017, 96, e8364. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  32. King, S.; Wessel, J.; Bhambhani, Y.; Maikala, R.; Sholter, D.; Maksymowych, W. Validity and reliability of the 6 min walk in persons with fibromyalgia. J. Rheumatol. 1999, 26, 2233–2237. [Google Scholar] [PubMed]
  33. Bennett, R.M.; Friend, R.; Jones, K.D.; Ward, R.; Han, B.K.; Ross, R.L. The revised fibromyalgia impact questionnaire (FIQR): Validation and psychometric properties. Arthritis Res. Ther. 2009, 11, R120. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  34. Salgueiro, M.; Garcia-Leiva, J.M.; Ballesteros, J.; Hidalgo, J.; Molina, R.; Calandre, E.P. Validation of a Spanish version of the Revised Fibromyalgia Impact Questionnaire (FIQR). Health Qual. Life Outcomes 2013, 11, 132. [Google Scholar] [CrossRef]
  35. Craig, C.L.; Marshall, A.L.; Sjostrom, M.; Bauman, A.E.; Booth, M.L.; Ainsworth, B.E.; Pratt, M.; Ekelund, U.; Yngve, A.; Sallis, J.F.; et al. International physical activity questionnaire: 12-country reliability and validity. Med. Sci. Sports Exerc. 2003, 35, 1381–1395. [Google Scholar] [CrossRef]
  36. Committee, I.R. Guidelines for Data Processing and Analysis of the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ)-Short and Long Forms. Available online: http://www.ipaq.ki.se/scoring.pdf (accessed on 25 June 2005).
  37. Bennett, R. The Fibromyalgia Impact Questionnaire (FIQ): A review of its development, current version, operating characteristics and uses. Clin. Exp. Rheumatol. 2005, 23, S154–S162. [Google Scholar]
  38. Bennett, R.M.; Bushmakin, A.G.; Cappelleri, J.C.; Zlateva, G.; Sadosky, A.B. Minimal clinically important difference in the fibromyalgia impact questionnaire. J. Rheumatol. 2009, 36, 1304–1311. [Google Scholar] [CrossRef]
  39. Esteve-Vives, J.; Redondo, J.R.; Salvat, M.I.S.; de Gracia Blanco, M.; de Miquele, C.A. Proposal for a consensus version of the Fibromyalgia Impact Questionnaire (FIQ) for the Spanish population. Reumatol. Clin. 2007, 3, 21–24. [Google Scholar] [CrossRef]
  40. Benjamini, Y.; Hochberg, Y. Controlling the false discovery rate: A practical and powerful approach to multiple testing. J. R. Stat. Soc. B 1995, 57, 289–300. [Google Scholar] [CrossRef]
  41. Fritz, C.O.; Morris, P.E.; Richler, J.J. Effect size estimates: Current use, calculations, and interpretation. J. Exp. Psychol. Gen. 2012, 141, 2–18. [Google Scholar] [CrossRef]
  42. Cohen, J. Statistical Power Analysis for the Behavioral Sciences; Routledge: Abingdon, UK, 2013. [Google Scholar]
  43. Gavilan-Carrera, B.; Segura-Jimenez, V.; Mekary, R.A.; Borges-Cosic, M.; Acosta-Manzano, P.; Estevez-Lopez, F.; Alvarez-Gallardo, I.C.; Geenen, R.; Delgado-Fernandez, M. Substituting Sedentary Time With Physical Activity in Fibromyalgia and the Association with Quality of Life and Impact of the Disease: The al-andalus Project. Arthritis Care Res. 2019, 71, 281–289. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  44. Borges-Cosic, M.; Aparicio, V.A.; Estevez-Lopez, F.; Soriano-Maldonado, A.; Acosta-Manzano, P.; Gavilan-Carrera, B.; Delgado-Fernandez, M.; Geenen, R.; Segura-Jimenez, V. Sedentary time, physical activity, and sleep quality in fibromyalgia: The al-andalus project. Scand. J. Med. Sci. Sports 2019, 29, 266–274. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  45. Meekes, W.; Stanmore, E.K. Motivational determinants of exergame participation for older people in assisted living facilities: Mixed-methods study. J. Med. Internet Res. 2017, 19, e238. [Google Scholar] [CrossRef] [PubMed]
  46. Lange, B.; Flynn, S.M.; Rizzo, A.A. Game-based telerehabilitation. Eur. J. Phys. Rehabil. Med. 2009, 45, 143–151. [Google Scholar]
  47. Stanmore, E.K.; Mavroeidi, A.; de Jong, L.D.; Skelton, D.A.; Sutton, C.J.; Benedetto, V.; Munford, L.A.; Meekes, W.; Bell, V.; Todd, C. The effectiveness and cost-effectiveness of strength and balance Exergames to reduce falls risk for people aged 55 years and older in UK assisted living facilities: A multi-centre, cluster randomised controlled trial. BMC Med. 2019, 17, 49. [Google Scholar] [CrossRef]
  48. Gowans, S.E.; deHueck, A. Effectiveness of exercise in management of fibromyalgia. Curr. Opin. Rheumatol. 2004, 16, 138–142. [Google Scholar] [CrossRef]
  49. Busch, A.J.; Overend, T.J.; Schachter, C.L. Fibromyalgia treatment: The role of exercise and physical activity. Int. J. Clin. Rheumtol. 2009, 4, 343–380. [Google Scholar] [CrossRef]
  50. Burke, S.M.; Carron, A.V.; Eys, M.A.; Ntoumanis, N.; Estabrooks, P.A. Group versus individual approach? A meta-analysis of the effectiveness of interventions to promote physical activity. Sport Exerc. Psychol. Rev. 2006, 2, 19–35. [Google Scholar]
  51. Segura-Jimenez, V.; Munguia-Izquierdo, D.; Camiletti-Moiron, D.; Alvarez-Gallardo, I.C.; Ortega, F.B.; Ruiz, J.R.; Delgado-Fernandez, M. Comparison of the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) with a multi-sensor armband accelerometer in women with fibromyalgia: The al-Andalus project. Clin. Exp. Rheumatol. 2013, 31, S94–S101. [Google Scholar]





tradução livre no Google Tradutor por Ariane Hitos, assessora