Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Opioides. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Opioides. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 29 de junho de 2021

Pessoas com fibromialgia estão substituindo o CBD por opioides para controlar a dor

Pessoas com fibromialgia estão substituindo o CBD por opioides para controlar a dor 

 

A fibromialgia é uma das muitas condições de dor crônica que permanece teimosamente difícil de tratar

MICHIGAN MEDICINE - UNIVERSITY OF MICHIGAN

Como a devastação da epidemia de opióides leva muitos a evitar esses poderosos analgésicos, um número significativo de pessoas com fibromialgia está encontrando um substituto eficaz em produtos contendo CBD, descobriu um novo estudo da Michigan Medicine 

O CBD, abreviação de canabidiol, é o segundo canabinoide mais comum na planta da cannabis e foi comercializado para tudo, desde a estabilização do humor até o alívio da dor, sem os efeitos intoxicantes produzidos pelo canabinoide mais comum, o THC. THC, que significa delta-9-tetrahidrocanabinol, é o ingrediente da maconha que faz as pessoas se sentirem altas.

A indústria da cannabis explodiu, auxiliada pela legalização da maconha medicinal e recreativa em estados ao redor dos Estados Unidos e a remoção do CBD derivado do cânhamo do status de Tabela 1 - reservado para drogas sem uso médico atualmente aceito e um alto potencial para abuso - no nível federal.

Pesquisas anteriores mostram que algumas pessoas substituem a cannabis medicinal (frequentemente com altas concentrações de THC) por opioides e outros medicamentos para a dor, relatando que a cannabis fornece melhor alívio da dor e menos efeitos colaterais. No entanto, há muito menos dados sobre o uso de CBD.

"O CBD é menos prejudicial do que o THC, pois não é tóxico e tem menos potencial para abuso", disse Kevin Boehnke, PhD, pesquisador do Departamento de Anestesiologia e do Centro de Pesquisa de Dor e Fadiga Crônica. "Se as pessoas podem encontrar o mesmo alívio sem os efeitos colaterais do THC, o CBD pode representar uma estratégia de redução de danos útil."

Boehnke e sua equipe pesquisaram pessoas com fibromialgia sobre o uso de CBD para o tratamento de dores crônicas. 

"A fibromialgia não é fácil de tratar, muitas vezes envolvendo vários medicamentos com efeitos colaterais significativos e benefícios modestos", explicou Boehnke. "Além disso, muitas terapias alternativas, como acupuntura e massagem, não são cobertas pelo seguro."

Para este estudo, a equipe se concentrou em 878 pessoas com fibromialgia que disseram ter usado CBD para obter mais informações sobre como usavam produtos de CBD.

A equipe da Universidade de Michigan (UM) descobriu que mais de 70 por cento das pessoas com fibromialgia que usaram CBD substituíram o CBD por opioides ou outros medicamentos para a dor. Desses participantes, muitos relataram que diminuíram o uso ou pararam de tomar opióides e outros medicamentos para a dor como resultado. 

“Eu não esperava esse nível de substituição”, disse Boehnke, observando que a taxa é bastante semelhante à taxa de substituição relatada na literatura sobre a cannabis medicinal. Pessoas que disseram usar produtos de CBD que também continham THC tiveram maior chance de substituição e relataram maior alívio dos sintomas.

No entanto, a descoberta de que produtos contendo apenas CBD também proporcionaram alívio da dor e foram substituídos por analgésicos é promissora e merece estudos futuros, observou Boehnke.

A equipe observou que grande parte do uso generalizado de CBD está ocorrendo sem orientação médica e na ausência de ensaios clínicos relevantes. “Mesmo com essa falta de evidências, as pessoas estão usando o CBD, substituindo-o por medicamento, e fazendo isso dizendo que é menos prejudicial e mais eficaz”, disse.

Boehnke enfatizou a necessidade de pesquisas mais controladas sobre como o CBD pode fornecer esses benefícios, bem como se esses benefícios podem ser devidos ao efeito placebo.

Clinicamente, abrir linhas de discussão em torno do uso de CBD para dor crônica é imperativo, disse Boehnke, por razões de segurança de medicamentos, bem como para "aumentar a aliança terapêutica e melhorar o atendimento ao paciente".

- Este comunicado à imprensa foi publicado originalmente no site Michigan Medicine - University of Michigan

fonte: https://www.labmanager.com/news/people-with-fibromyalgia-are-substituting-cbd-for-opioids-to-manage-pain-26169