Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador controle da dor sem medicamentos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador controle da dor sem medicamentos. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Fale com seu cérebro para gerenciar sua dor


Reduza os surtos de dor mudando a maneira como você pensa.

Postado em 25 de julho de 2020


Surtos, dor aguda, cãibras e espasmos são eventos diários para quem sofre de dor crônica. Com aumentos aleatórios na dor, fazer planos para a semana torna-se quase impossível. Não seria ótimo ter melhor controle sobre como e quando a dor aparece? Bem, existe uma maneira de fazermos isso - com a ajuda da neurociência.

Normalmente pensamos na dor como uma informação que vem de terminações nervosas que viajam para o cérebro. Por exemplo, se você se cutucar com uma alfinete, você imagina um sinal de “ai” viajando até seu cérebro dizendo que seu dedo está machucado. Com 43 quilômetros de nervos periféricos percorrendo nosso corpo, nosso cérebro está constantemente analisando os “dados” que eles enviam.

A ciência cognitiva se refere a esta definição de percepção da dor como uma abordagem “de baixo para cima”, ou seja, os dados viajam do corpo para o cérebro, alertando o cérebro sobre o que está acontecendo. No entanto, este conceito de percepção da dor está se tornando obsoleto e está sendo rapidamente substituído pelo Modelo Bayesiano; esta nova teoria sugere que a dor resulta da previsão do cérebro de que algo deve doer com base em experiências anteriores, dicas contextuais e informações sensoriais.

Como o cérebro prevê dor ou conforto

A teoria da probabilidade conhecida como regras de Bayes levou a uma nova visão radical de como o cérebro produz dor e traz consigo um grande potencial para ajudar quem sofre de dor crônica a encontrar alívio.

É assim que funciona: o cérebro cria uma hipótese sobre como ele espera que o mundo seja. Essa hipótese ajuda a enquadrar como o cérebro interpreta o que está acontecendo em tempo real. Se houver uma incompatibilidade entre o que o cérebro está esperando e as informações que está realmente recebendo, o cérebro mudará sua hipótese.

Para entender melhor esse modelo, considere este exemplo - sempre que você se assustou com um pedaço de penugem que inicialmente pensou ser uma aranha, ilustra como seu cérebro já tinha uma hipótese definida. Agora, nem todo mundo reagiria a um pedaço de penugem pulando, mas se seu cérebro estiver mais vigilante em relação à ameaça de uma aranha, ele verá uma, especialmente se o estímulo for ambíguo. A implicação aqui é óbvia - nosso mundo é em grande parte composto do que pensamos que deveria ser, não do que realmente é.

Como o cérebro vê o corpo

O cérebro não está apenas fazendo previsões sobre possíveis encontros com aranhas em nosso ambiente externo, mas também fazendo suposições sobre o que está acontecendo dentro do corpo. Como você deve se lembrar, temos uma série de dados sensoriais chegando ao cérebro de todas as partes do corpo o tempo todo.

Quando você assiste TV por uma hora, seu cérebro recebe informações sobre seu corpo. Isso inclui o seguinte: fluxo sanguíneo insuficiente para a metade inferior do corpo, tensão nos olhos, rigidez, tensão muscular, dor, variações na respiração e na frequência cardíaca, posição do pescoço, postura inadequada, níveis de açúcar no sangue e variações na temperatura da sua pele.

A verdadeira questão é: o que todos esses dados significam para a sua experiência consciente?

Quando a hipótese atual do seu cérebro é de que você é saudável, não há motivo para preocupação, e esses dados sensoriais ambíguos e ligeiramente suspeitos não serão interpretados como uma ameaça. Em outras palavras, sua atenção estará focada na TV, e não em sua experiência física ao assisti-la.

Essa expectativa positiva é a mesma razão pela qual um placebo costuma trazer alívio. A pessoa que toma uma pílula de açúcar acredita que vai ajudar e, como tal, vai "sentir que funciona". Acontece que esse sentimento é parcialmente verdadeiro! O cérebro, tratando o fluxo normal de estímulos sensoriais como um sinal de recuperação, na verdade ajuda a que a cura real aconteça, em alguns casos.

Alívio para dor crônica

A dor crônica e os surtos de dor podem ser mais semelhantes aos efeitos de um nocebo. O efeito nocebo ocorre quando uma pessoa toma uma pílula de açúcar com a expectativa de efeitos colaterais negativos. Se uma pessoa espera dor, desconforto, urticária, cãibras, cansaço, tontura e / ou névoa do cérebro ao tomar um comprimido de açúcar, então é isso que ela provavelmente sentirá. Os sinais ambíguos do sistema nervoso periférico agora são enquadrados como uma ameaça pela hipótese do cérebro de que algo está errado; a previsão do cérebro de que haverá um problema coloca todo o corpo em ação preparatória para a ameaça e, conseqüentemente, produzirá dor em um esforço para nos proteger.

Se a teoria bayesiana da percepção da dor estiver correta, isso significa que o alívio da dor não vem apenas de melhorar a saúde física de uma pessoa, mas também de ajudar o cérebro a ver o que está acontecendo de uma perspectiva diferente. Mudar a estrutura é importante.

Eu trabalho com os pacientes para encontrar a mensagem certa que faça o sentido mais individual. Por exemplo, uma mensagem com a qual sempre começo é: “Dor não é igual a dano”. Para elaborar, isso significa que só porque a dor ocorre quando uma pessoa começa um programa de exercícios leves - como aquele prescrito por um fisioterapeuta, por exemplo - não significa que um dano está realmente sendo feito. Dor não significa que o dano está ocorrendo, mas mais ainda, que o cérebro quer nos proteger. Outra mensagem positiva é: “Estou bem e estou melhorando”. Falar ao seu cérebro neste contexto ajuda a lembrá-lo de que você é uma pessoa saudável, com um corpo forte, cheio de coragem e esperança.

Esteja atento às suas expectativas - nosso corpo está constantemente nos preparando para o que presume que acontecerá no futuro. Ao falar mensagens de segurança, saúde, prazer e uma vida significativa para si mesmo, você começará a criar uma estrutura positiva para o crescimento e a cura.

Sobre o autor

Evan Parks, Psy.D., é psicólogo clínico no Mary Free Bed Rehabilitation Hospital e professor assistente adjunto do Michigan State University College of Human Medicine. Ele é o apresentador do podcast Pain Rehab.

texto original
https://www.psychologytoday.com/us/blog/pain-rehabilitation/202007/talk-your-brain-manage-your-pain