Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador fibromialgia e dano nervoso. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fibromialgia e dano nervoso. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Evidência de dano nervoso em cerca de metade dos pacientes com fibromialgia| Medcenter

Evidência de dano nervoso em cerca de metade dos pacientes com fibromialgia| Medcenter (click no link para ler em inglês)

Evidência de dano nervoso em cerca de metade dos pacientes com fibromialgia

Fonte: Science Daily
Aproximadamente metade de um pequeno grupo de pacientes com fibromialgia, uma síndrome comum que causa dor crônica entre outros sintomas, parece apresentar danos às fibras nervosas da pele e outras evidências de uma doença chamada polineuropatia de fibras-finas (SPNPF). Ao contrário da fibromialgia, que não tem nenhuma causa conhecida e poucos tratamentos eficazes, a SPNPF tem uma patologia clara e é conhecida por serem causadas por condições médicas específicas, algumas das quais podem, por vezes, serem tratadas e curadas. As pesquisas de um estudo do Massachusetts General Hospital (MGH) serão publicadas na "Jornal Dor" e foi lançada online.
"Isto fornece algumas das primeiras evidências objetivas de um mecanismo por trás de alguns casos de fibromialgia e identificar uma causa subjacente é o primeiro passo para encontrar melhores tratamentos", diz Anne Louise Oaklander, MD, PhD, diretora da Nerve Injury Unit no MGH Department of Neurology e autora correspondente da "Jornal da Dor".
O termo fibromialgia descreve um conjunto de sintomas que inclui a dor crônica generalizada, um aumento da sensibilidade à pressão e fadiga; acredita-se que esta condição possa afetar entre 1 a 5 por cento dos indivíduos nos países ocidentais, sendo mais frequente nas mulheres. Embora um diagnóstico de fibromialgia tenha sido reconhecido pelo National Institutes of Health e do American College of Rheumatology, a sua base biológica permanece desconhecida. A fibromialgia divide muitos sintomas com a SFPN, uma causa reconhecida de dor generalizada crônica para a qual existem testes aceitos e objetivos.
Projetado para investigar as possíveis relações entre estas duas condições, o presente estudo incluiu 27 pacientes adultos com diagnóstico de fibromialgia e 30 voluntários saudáveis. Os participantes passaram por uma bateria de testes, utilizados para diagnosticar a SFPN, incluindo avaliações de neuropatia, com base em um exame físico e respostas a um questionário, biópsias de pele para avaliar o número de fibras nervosas em suas pernas e testes de funções autônomas, como a frequência cardíaca , pressão arterial e transpiração.
Todos os questionários, avaliações, exames e biópsias de pele encontraram níveis significativos de neuropatia nos pacientes com fibromialgia, mas não no grupo controle. Dentre os 27 pacientes com fibromialgia, 13 apresentaram uma redução marcada na densidade de fibras nervosas, testes de funções autonômicas anormais, ou ambos, indicando a presença de SFPN. Os participantes que preencheram os critérios para SFPN também foram submetidos a testes de sangue para as causas conhecidas da doença e, embora nenhum deles tenha apresentado resultados sugestivos de diabetes, uma causa comum para a SFPN, em dois deles foi encontrada uma infecção pelo vírus da hepatite C, a qual pode ser tratada com sucesso, e mais da metade apresentavam evidências de algum tipo de disfunção do sistema imunitário.
"Até agora, não houve nenhuma boa ideia sobre a causa da fibromialgia, mas agora temos provas para alguns, mas não todos, os pacientes. A fibromialgia é complexa demais para uma explicação de que uma ‘abordagem única serve para todos’", disse Oaklander, professor associado de Neurologia na Harvard Medical School. "O próximo passo para uma confirmação independente dos nossos resultados, proveniente de outros laboratórios, já está acontecendo e nós também precisamos acompanhar esses pacientes que não satisfazem os critérios para SFPN e verificar se podemos encontrar outras causas. Ajudar qualquer uma dessas pessoas a receber um diagnóstico definitivo e um melhor tratamento seria uma grande realização."