Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Trauma. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Trauma. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

Não podemos continuar tratando a ansiedade do trauma complexo da mesma maneira que tratamos a ansiedade generalizada

Sad teen-ager with long hair, concept illustration about depression


Vicki Peterson •
Segue
30 de junho de 2018

Eu vivo com os efeitos de traumas complexos há muito tempo, mas há muitos anos eu não sabia o que era. Ao longo da minha vida, lutei com o que pensava ser ansiedade e depressão. Ou melhor, além de traumatizada, eu estava ansiosa e deprimida.

Independentemente da diferença, nenhuma condição deve ser minimizada. Se você estiver ansioso ou deprimido, é importante e urgente encontrar o suporte certo para você. Ninguém recebe um prêmio pela "pior" depressão, ansiedade, trauma ou qualquer outra combinação de coisas terríveis para lidar, e ninguém deve sofrer sozinho. Com isso em mente, existe uma diferença entre o que alguém que tem PTSD complexo sente e o que sente uma ansiedade generalizada ou depressão leve a moderada.

Para alguém que lida com traumas complexos, a ansiedade que sente não vem de uma fonte desconhecida misteriosa ou obcecada com o que poderia acontecer. Para muitos, a ansiedade que eles sentem não é racional. A ansiedade geral geralmente pode ser acalmada com técnicas de aterramento e lembretes do que é real e verdadeiro. Técnicas de atenção plena podem ajudar. Mesmo quando se sentem desconectados, as pessoas ansiosas costumam reconhecer que são amadas e apoiadas por outras pessoas.

Para aqueles que sofreram trauma, a ansiedade vem de uma resposta fisiológica automática ao que realmente aconteceu. O cérebro e o corpo já passaram por situações de "pior cenário", sabem como é e estão empenhados em nunca mais voltar para lá. A resposta de luta / fuga / congelamento entra em overdrive. É como viver com um alarme de incêndio que dispara em intervalos aleatórios 24 horas por dia. É extremamente difícil para o cérebro racional estar convencido de que "isso não vai acontecer", porque ele já sabe que aconteceu e foi horrível.

Aqueles que vivem com ansiedade generalizada geralmente vivem com medo do futuro. Aqueles com trauma complexo temem o futuro por causa do passado.

O remédio para ansiedade e trauma é trazer a consciência de volta ao presente. Para uma pessoa traumatizada que sofreu abuso, há uma variedade de fatores que tornam isso difícil. Em primeiro lugar, uma pessoa traumatizada deve estar vivendo uma situação 100% segura antes que possa começar a processar o tsunami de raiva, tristeza e desespero que foi trancado dentro dela, causando hipervigilância e outros sintomas de ansiedade. Isso geralmente significa que ninguém que abusou deles ou permitiu abusos no passado pode ter permissão para ocupar espaço em sua vida. Também significa eliminar qualquer outra pessoa que espelhe os mesmos padrões abusivos ou facilitadores.

Infelizmente para muitos, não é possível criar um ambiente 100% livre de abuso, mesmo para aqueles que estabelecem bons limites e desconfiam dos sinais. Isso significa que estar presente no momento para um sobrevivente de trauma complexo não é à prova de falhas, especialmente em um evento estressante. Eles podem ser desencadeados em um flashback emocional por qualquer coisa em seu ambiente atual.

É possível (e provável) que alguém que sofra dos efeitos de um trauma complexo também esteja se sentindo ansioso e deprimido, mas há uma diferença na causa raiz. Muitas estratégias eficazes que tratam a ansiedade e a depressão não funcionam para sobreviventes de trauma. Técnicas de meditação e atenção plena que conscientizam o ambiente às vezes podem produzir um efeito oposto no sobrevivente de um trauma. Os sobreviventes de trauma geralmente não precisam de mais conscientização. Eles precisam se sentir seguros, apesar do que sua consciência lhes diz.

Ao primeiro sinal de ansiedade ou depressão, pessoas traumatizadas vão se transformar em vergonha tóxica. Dependendo das mensagens feridas que receberam de seus agressores, eles não apenas sentirão os efeitos da ansiedade e da depressão, mas também uma profunda vergonha por serem "defeituosos" ou "não suficientemente bons". Muitos sobreviventes foram emocionalmente e / ou fisicamente abandonados, e ter um profundo conhecimento do fato de que eles não foram suficientemente amados. Eles vivem com um lembrete constante de que seus cérebros e corpos foram privados de um direito humano básico. Mesmo as situações atuais em que eles estão recebendo amor de uma pessoa segura podem desencadear a consciência e a subsequente tristeza de saber como eram pouco amados em comparação.

Ansiedade e depressão são consideradas comuns, mas suspeito que muitos daqueles que se consideram ansiosos ou deprimidos estejam realmente sofrendo as consequências de um trauma. A maioria dos terapeutas não é bem treinada para lidar com o trauma, especialmente o tipo complexo que decorre da exposição prolongada ao abuso. A menos que sejam especialmente certificados, eles podem ter passado algumas horas na pós-graduação em transtornos de personalidade do Cluster B e menos horas ainda em ajudar seus sobreviventes. Muitos sobreviventes de trauma complexo são frequentemente diagnosticados como portadores de transtorno de personalidade borderline (DBP) ou transtorno bipolar. Qualquer pessoa que tenha procurado tratamento para ansiedade ou depressão generalizada deve-se a uma análise mais profunda se o trauma desempenha algum papel.

MAIS SOBRE ANSIEDADE:
Enquanto todo mundo experimenta algum nível de ansiedade, nem todo mundo tem um transtorno de ansiedade. Para aqueles com transtornos de ansiedade, a ansiedade pode se tornar tão severa e persistente que interfere com sua vida e funcionamento diários. Os sintomas do transtorno de ansiedade incluem preocupação excessiva, ataques de pânico e outros sintomas físicos, incluindo falta de ar, náusea, dores de cabeça e tremores. 

RECURSOS
Se você ou alguém que você conhece precisa de ajuda, visite nossos recursos de prevenção de suicídio.

No Brasil:

Se você precisar de suporte agora, ligue para o CVV 188. Ou acesse o site para conversar pelo chat
https://www.cvv.org.br


texto original https://themighty.com/2018/06/anxiety-from-complex-trauma/?utm_source=newsletter_mental_health&utm_medium=email&utm_campaign=newsletter_mental_health_2020-01-15&$deep_link=true