Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, abaixo, na coluna à sua esquerda.
Ou escolher entre:
WhatsApp
https://chat.whatsapp.com/IAh9lNNWEb82DLJwTWqwyu
Telegram
https://t.me/abrafibronoticias

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Dor em mulher e homem. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Dor em mulher e homem. Mostrar todas as postagens

domingo, 10 de maio de 2020

Por que mulheres e homens sentem a dor de forma diferente?



Estudo identifica hormônio que faz com que as mulheres experimentem mais dor do que os homens



Imagem do site https://amenteemaravilhosa.com.br/como-homens-e-mulheres-sentem-dor/


Notícias e eventos recentes do MedicalXpress | 5 de março de 2020

Imagine tomar uma pílula para controlar sua dor e, em vez disso, o medicamento realmente aumenta a dor que você sente. Essa pode ser a situação para os pacientes que tomam opioides, mais ainda para as mulheres, de acordo com pesquisa inovadora de pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Arizona - Tucson, no Departamento de Farmacologia.

Os pesquisadores identificaram um mecanismo que explica por que as mulheres podem ser mais vulneráveis ​​do que os homens a desenvolver dor generalizada, bem como, a desenvolver especificamente os opioides.

A causa é um neurohormônio, Prolactina, conhecido principalmente por promover a lactação em mulheres grávidas, nos meses finais da gravidez e após o parto.

Frank Porreca, PhD, chefe do departamento associado, professor de farmacologia, anestesiologia, biologia do câncer e neurociência na faculdade e, autor sênior do estudo, observa que sempre se entendeu que as mulheres experimentam alguns tipos de dor que ocorrem sem lesão (conhecida como Síndromes Funcionais da Dor) mais que os homens. As razões para isso nunca foram claramente entendidas. Uma possível explicação que os pesquisadores exploraram foram as diferenças nas células e nos nervos que enviam sinais de dor ao cérebro em mulheres e homens.

Os resultados sugerem que novas terapias de controle da dor, direcionadas ao sistema de Prolactina, beneficiariam muito as mulheres que sofrem de síndromes funcionais da dor.

De todos esses distúrbios de dor prevalentes em mulheres, as enxaquecas estão entre as mais comuns, com cerca de 35 milhões de pacientes com enxaqueca nos Estados Unidos, e três em cada quatro são mulheres. Além disso, em pacientes com fibromialgia, nove em cada das 10 são mulheres; para a síndrome do intestino irritável, três em cada quatro são mulheres. Quando você soma todas essas mulheres com dor - se você puder normalizar isso - isso proporcionaria um impacto enorme e importante nos cuidados médicos, diz Dr. Porreca.

Ele ressalta que muitos desses períodos são intermitentes e associados a eventos desencadeantes. Por exemplo, ele e seus colegas descobriram que o estresse libera prolactina e inesperadamente promove a dor seletivamente em mulheres. Esses eventos desencadeantes podem ser amplos. Eles podem incluir coisas como álcool, fadiga e interrupção do sono. Mas o estresse é o gatilho mais comum identificado pelos pacientes. Foi aí que iniciamos nossos estudos - como o estresse contribui para o sexo feminino" dor específica ou dor seletiva para mulheres?

Os autores principais do artigo incluem: Yanxia Chen, estudante de pós-graduação no laboratório do Dr. Porreca; Aubin Moutal, PhD, professor assistente de pesquisa no Departamento de Farmacologia, trabalhando no laboratório de Rajesh Khanna, PhD, professor de anestesiologia, farmacologia e neurociência do UArizona, que também é coautor do artigo; e Edita Navratilova, PhD, professora
assistente de farmacologia.

Navratilova diz que os medicamentos agonistas do receptor da dopamina D-2 que limitam a liberação de prolactina, como a cabergolina, são comumente usados ​​para outras doenças e não causam dependência. Esses medicamentos, possivelmente em conjunto com outras classes de medicamentos, podem ajudar a tratar essas condições de dor em mulheres de maneira mais eficaz,
sem as propriedades viciantes dos opioides.

Se pudéssemos reduzir a proporção de mulheres com enxaqueca para a mesma quantidade que nos homens, isso seria bastante revolucionário, diz Navratilova.

Além disso, desde a publicação de suas descobertas, o Dr. Porreca foi contatado por empresas interessadas em investigar se um anticorpo previamente associado ao tratamento do câncer de mama pode ser projetado como uma terapia para prevenir a dor nas mulheres.



Fonte:  https://medicalxpress.com/news/2020-03-hormone-women-pain-men.html
Tradução: Google Translator Revisão: Sandra Santos