Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Tratamento para FM sem adesão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Tratamento para FM sem adesão. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Eu não consigo melhorar... Será que aderi ao tratamento como deveria?

Poucos pacientes com fibromialgia aderem aos regimes de tratamento, revela o estudo

NOVEMBER 3, 2017 
Por Alice Melão



Few Fibromyalgia Patients Adhere to Treatment Regimens, Study Reveals

A adesão ao tratamento é muito fraca entre os pacientes com fibromialgia (FM), de acordo com um estudo realizado em um ambiente da vida real que foi publicado no The Journal of Rheumatology (O Jornal de Reumatologia).  Apenas 9,3 por cento dos pacientes seguiram o regime de tratamento prescrito há mais de um ano.
O estudo " Adesão e Persistência com Farmacoterapia entre Pacientes com Fibromialgia: Dados de uma Organização de Manutenção Total da Saúde" foi conduzido por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, Israel. O estudo foi apoiado pela Pfizer .
Cerca de 2 a 5% das mulheres em todo o mundo são afetadas pela FM. Sem a cura disponível para a condição, os tratamentos são focados na prevenção da sensação de dor, na restauração do tempo de sono e na melhoria das funções físicas globais.
Estratégias não farmacológicas, como exercícios e terapias baseadas em cognição, são comumente usadas, mas muitos pacientes precisam de tratamento farmacológico de seus sintomas.
A maioria dos medicamentos prescritos para FM foram fabricados para regular como o cérebro e as células nervosas interpretam os sinais (função neuromoduladora). As classes mais utilizadas de drogas são compostos antidepressivos tricíclicos(AT) , inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS), antidepressivos de inibidores de recaptação de serotonina / norepinefrina (IRSN) e Lyrica (anticonvulsivante-pregabalina).
Para pacientes com FM, como para muitos outros com doenças crônicas, a adesão à terapia pode ser difícil. Os regimes de administração diária e a intolerância à terapia são alguns dos fatores que contribuem para a não adesão. Mas também o estigma social, a descrença do paciente sobre as terapias e a má comunicação entre paciente-médico podem aumentar o risco de não adesão à medicação.
Agora, pesquisadores avaliaram a adesão à terapia e a persistência em um grupo de 3.932 pacientes diagnosticados com FM de 2008 e 2011, seguidos pela organização de manutenção da saúde Maccabi Healthcare Services em Israel.
Cerca de 41,2 por cento dos pacientes receberam uma receita de medicação para FM no ano anterior ao diagnóstico. Dos pacientes restantes, 56,1 por cento receberam tratamento prescrito no primeiro ano após o diagnóstico e 45 por cento deixaram de tomar pelo menos um dos medicamentos durante esse período de tempo.
No primeiro ano após o diagnóstico, 59,1 por cento dos pacientes receberam AT, 46,7 por cento de antidepressivos (ISRS / IRSN) e 24,1 por cento receberam Lyrica. A combinação de terapias de diferentes classes foi rara nessa população.
Os pesquisadores descobriram que 79,3 por cento dos pacientes que foram prescritos pela primeira vez após o diagnóstico de FM interromperam a terapia no ano seguinte. Após um ano após a iniciação terapêutica com antidepressivos ISRS / IRSN, AT ou antiepilépticos, apenas 26,3%, 18,4% e 9,0%, respectivamente, ainda seguiam o tratamento.
Ansiedade e depressão foram características psicológicas que foram 2,2 vezes mais prevalentes entre os pacientes que receberam tratamento antes do diagnóstico de FM, em comparação com pacientes que não estavam recebendo nenhum medicamento para FM.
Entre os pacientes que receberam terapias prescritas, os pesquisadores descobriram que a proporção média de dias cobertos por qualquer terapia durante um ano foi de 26%. De fato, 60,5% dos pacientes tomaram os medicamentos durante menos de 20% dos dias e apenas 9,3% dos pacientes seguiram o regime de tratamento em mais de 80% do ano.
No geral, esses resultados mostram que "em uma população israelense de vida real "de pacientes com FM, a persistência e a adesão à terapia FM no ano seguinte ao diagnóstico são notavelmente baixas", escreveram os pesquisadores.
Esses achados estão em linha com estudos prévios, além de sugerir que apenas uma pequena minoria de pacientes que obtêm benefício clínico terapêutico com as terapias prescritas, estão dispostos a continuar com esses medicamentos por intervalos superiores a um ano.
"Nossos resultados indicam claramente que existe a necessidade urgente de novas terapias com eficácia aprimorada e maior tolerabilidade para pacientes com FM. Os médicos devem ter em mente a característica problemática da adesão, ao avaliar e tratar pacientes com FM, para que os médicos possam intervir e alcançar aqueles que estão em maior risco de não-adesão ", concluiu a equipe.
Tradução: Google + Abrafibro

O que podemos concluir?
A maioria dos pacientes não conseguem seguir com o tratamento medicamentoso prescrito, por mais de um ano. Que em 365 dias do ano, apenas 20% não mantém o tratamento prescrito, incluindo outras terapias.
Sem dúvida alguma isso gera a instabilidade do quadro, aumentam o número de crises, mantendo o paciente vulnerável aos fatores desencadeadores.
Precisamos ter consciência do nosso papel enquanto pacientes, e manter uma rígida rotina. Ela pode nos trazer alguma garantia de estabilidade e gerenciamento dos sintomas da FM.
É preciso que façamos nossa parte, manter com nosso médico um estreito relacionamento, em que haja a liberdade para discutir o tratamento no sentido real... Cada um cumprindo seu papel. Esta responsabilidade é toda do paciente.