Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador para melhor consulta. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador para melhor consulta. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

5 Dicas para pacientes evitarem diagnósticos incorretos


PT-AL863_Cover__G_20090619134814

5 Dicas para pacientes evitarem diagnósticos incorretos


5 Dicas para pacientes evitarem diagnósticos incorretos

Encontrei essas dicas em um fórum americano na internet. Achei interessante trazer aqui para sabermos como estão orientando os pacientes a evitarem erros e diminuírem as chances de ficar pulando de profissional para profissional. Vale a pena conferir e, talvez, pontuar evidencias desse tipo de prática por nossos pacientes e usar algumas delas a favor de um diagnóstico mais preciso e acurado.
1) Conheça o histórico da sua família – e lembre seu médico disso: Não assuma que seu médico lembre daquela vez que você disse a ele que duas tias morreram de câncer de mama, ou que seu avô e seu pai tem histórico de malformação cerebrovascular. Estudos demonstram que o histórico familiar pode ser um melhor preditor de doença que testes genéticos. Descubra sobre sobre o histórico familiar, escreva, e assegure-se de que seu médico saiba disso – especialmente se você está doente e ele [o médico] está tentando definir o que está errado .
Sobre este tópico leia AQUI sobre um portal do SUS que deixa gravado o histórico médico do paciente.
2) Pergunte: um médico típico vê aproximadamente 40 pacientes por dia, gastando 15 minutos ou menos com cada um. É muito comum ser referenciado a um especialista e começar o tratamento sem ter todas as suas questões respondidas. Nem sempre perguntar pode fazer você se sentir mais confortável – isso pode “atrapalhar” o raciocínio clínico. Sobre o assunto, o Dr. Jerome Groopman( um dos mais famosos pesquisadores em raciocínio clínico do mundo) fala:
“Médicos desesperadamente precisam de pacientes, familiares e amigos para ajudá-los a pensar. Sem a ajuda deles, médicos podem não enxergar a pista sobre o que está realmente errado. Eu aprendi isso, não como médico, mas quando me tornei um paciente” – Dr. Jerome Groopman
3. Não acredite que o Doutor Google irá te salvar: a melhor tecnologia existente está disponível nos dias de hoje, Alias, sempre esteve disponível. Estudos mostram que o melhor meio de se obter um diagnóstico correto é ter um médico que junte as peças da sua doença, com seu histórico familiar , com exames tradicionais e de baixa tecnologia (baratos). Se eu tivesse que escolher entre fazer um teste altamente tecnológico e um teste que o médico ficaria uma hora conversando comigo, pensando no meu caso, e juntando todas as peças, eu escolheria o médico.
4. Nem sempre confie nos exames de laboratório: alguns testes, como a revisão da biópsia, podem estar errados em até 40% das vezes. Por que? Porque interpretar esses exames é questão de julgamento e experiencia.
Há um número muito grande de doenças que podem parecer outras doenças. É aí que o julgamento clínico e a experiencia são essenciais. Médicos veem os resultados como se tivessem vindo diretamente de Deus. Mas apenas porque um teste te da a resposta de sim ou não, não significa que ele está certo. - s Dr. Lisa Sanders, Colunista do New York Times
5. Vá atras de uma segunda opinião: Mas, não a qualquer segunda opinião. Você precisa que o novo médico olhe seu caso desde o começo. Ele deve ouvir você falar de seus sintomas a partir das suas próprias palavras; ele precisa pensar no seu caso sem nunca ter sido influenciado pelas conclusões do seu médico original. Não diga ” eu fui ao Dr. “X” e ele disse que eu tenho meningite e preciso do tratamento “Y”, o que você acha?” A invés disso, fale sobre seu histórico familiar, os exames que você já fez, e o ajude a tirar as própria conclusões sobre o que está de errado contigo
Acredito que essas dicas para os pacientes possam nos ajudar muito na nossa prática clínica diária. São preciosidades que podem melhorar nosso raciocínio clínico e proporcionar uma maior resolutividade para nossos pacientes.