Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador DOR CRONICA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador DOR CRONICA. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 13 de agosto de 2021

Sergipe: Vereador Geraldo Macêdo apresenta Projeto de Lei para atendimento preferencial aos portadores de Fibromialgia em Simão Dias

  

Durante sessão plenária na noite desta terça-feira (10), a Câmara de Vereadores de Simão Dias, aprovou em primeira discussão, o Projeto de Lei nº 39/2021, de 03 de agosto de 2021, que dispõe sobre o atendimento preferencial às pessoas com Fibromialgia no município de Simão Dias.
O PL de autoria do vereador e líder do prefeito, Geraldo Macêdo (PSB), prevê que ficam os órgãos públicos, empresas públicas e concessionárias de serviços públicos e estabelecimentos privados, na abrangência do município, obrigados a dispensar, durante todo o horário de expediente, atendimento preferencial às pessoas com Fibromialgia.
Pela proposta do vereador, as empresas comerciais que recebem pagamento de contas deverão incluir as pessoas portadoras da doença nas filas destinadas ao atendimento preferencial, mediante apresentação de carteira que comprove a enfermidade ou laudo médico.
O estabelecimento que descumprir a lei deverá sofrer advertência, multa ou até suspensão do alvará de funcionamento.
Para Geraldo Macêdo, a proposta visa beneficiar as pessoas que possuem a doença e precisam de atendimento médico, serviço público ou frequentam estabelecimentos privados, a exemplo de supermercados, bancos e farmácias.
A fibromialgia é uma síndrome que causa múltiplos pontos de dor por todo o corpo. Associado ao quadro de dor, apresenta manifestações de cansaço, depressão e ansiedade e alterações intestinais.
A boa notícia é que a fibromialgia tem tratamento e todos esses sintomas podem ser controlados e a qualidade de vida restabelecida.

 

fonte: https://www.imprensa24h.com.br/vereador-geraldo-macedo-apresenta-projeto-de-lei-para-atendimento-preferencial-aos-portadores-de-fibromialgia-em-simao-dias/#.YRb4Tt9v_IU

segunda-feira, 2 de agosto de 2021

Você pergunta.... A Abrafibro responde! Por que tomar ansiolíticos ou antidepressivos para tratar fibromialgia?

 

Recebemos a seguinte pergunta em nosso site: "Porquê a maioria dos remédios são ancioliticos? sendo que a dor que tira o sono, é a dor que nos deixam irritados, é a dor que nos deixam desanimados por doer tanto que não conseguimos nos concentrar, não conseguimos estudar, não conseguimos trabalhar, não conseguimos continuar sendo como antes, assim ficamos dopadas com ancioliticos e a dor não para.". Não citaremos o nome da pessoa, pois ela(e) não se identificou....

Resposta :

"É importante lembrar, antes de tudo, que a dor está associada tanto a um aspecto fisiológico, quanto psicológico e estes dois fatores precisam ser levados em consideração e tratados, pois eles interagem na percepção e na modulação da dor!
Em algumas situações particulares, como no caso de dores crônicas, determinadas áreas do nosso cérebro funcionam exageradamente resultando num estado de ansiedade. Os fármacos que chamamos de ansiolíticos, exercem um efeito contrário, isto é, eles inibem os mecanismos que estavam hiperfuncionantes.
Como conseqüência desta ação, os ansiolíticos produzem uma depressão da atividade do nosso cérebro que pode auxiliar no tratamento da FM diminuindo a ansiedade; induzindo o sono; atuando como relaxante muscular e/ ou reduzindo o estado de alerta.
Já os fármacos antidepressivos, que também são muito usados no tratamento das dores crônicas, regulam os mensageiros químicos cerebrais e têm ação em alguns receptores ligados à dor. Eles atuam tanto em áreas do sistema nervoso relacionadas a emoção, quanto em áreas relacionadas à dor, funcionando como moduladores da dor.
A escolha entre os diversos tipos de antidepressivos , ansiolíticos ou outras medicações, assim como a combinação entre elas e a dosagem a ser usada, é baseada no perfil de cada paciente. As abordagens interdisciplinares na FM, incluindo exercício físico, medicação, psicoterapia…têm demonstrado resultados satisfatórios no alívio da dor, embora ainda apresentem limitação de adesão à longo termo!"

Autora: DraLais Kozminski - Biomédica e Médica licenciada na França E Diretora Científica da Abrafibro. Contato: https://instagram.com/lais.kozminski 

Resposta:

"A dor é um fenómeno bastante complexo que vai além dos sintomas físicos. Por isso, deve ser considerada como uma experiência subjetiva e individual. Viver nos dias de hoje é entrar numa correia sem fim, expostos a um enorme stress grande estresse, ansiedade, frustração, preocupação ou ate mesmo tristeza. Todos estes sentimentos/emoções crescem até se instalar algo que nos vai dificultar a nossa vida em todas as suas dimensões, a pressão psicológica. O individuo exposto a pressão psicológica, vai começar a ver a sua parte física também afetada. Surgem os primeiros sinais que atacam o físico, estes problemas têm relação direta com as emoções vão compor os transtornos somatoformes.  Eles podem tanto ser uma doença psicossomática (detetada em análises laboratoriais) ou uma somatização (que não apresenta alteração alguma nos exames médicos). Diferentemente da somatização, as doenças psicossomáticas podem ser detetadas por exames laboratoriais. Ou seja, existe uma causa física para os sintomas observados, porém a doença tem origem na mente.
As doenças psicossomáticas apresentam sintomas variados, sendo comuns as alterações de sensibilidade, como dor, formigamento e até sensação térmica incómoda. São muitos os relatos de pessoas que se queixam de problemas intestinais, como constipação, cólica ou diarreia. As doenças psicossomáticas podem se manifestar das seguintes formas: Gastroenterites (úlcera, gastrite, retocolite); Problemas respiratórios (asma, bronquite); Alterações cardiovasculares (pressão alta, taquicardia); Problemas dermatológicos (vitiligo, psoríase, dermatite, herpes, urticária, eczema); Enxaquecas e vertigens e processos inflamatórios nas articulações (como artrite, artrose, tendinite, reumatismos.
Quando vivemos com dor crónica, entramos numa num círculo vicioso segundo o qual evitamos a atividade, sendo que a falta de mobilidade que causa tensão muscular aumenta a dor e dá lugar a reações emocionais negativas que, por sua vez, diminuem a tolerância à dor, parecendo que nos dói cada vez mais. Devido a tudo isto, entramos num processo de isolamento e frustração que pode originar processos de ansiedade ou depressão. As áreas de maior impacto são: Problemas Psicológicos (Ansiedade, depressão, insónias, baixa autoestima); problemas nas Relações Pessoais (Com familiares, como(a)companheiro(a), Isolamento voluntário); Qualidade de Vida (diminuição da atividade física, falta de independência e redução das horas de lazer e entretenimento).

O que fazer?
Ter conhecimento do contexto psicológico da dor é extremamente importante para os doentes, os familiares e os cuidadores. Existem diversas estratégias para encarar estas situações. A primeira e mais importante é falar com o seu médico(s), não apenas sobre a experiência da dor, como esta o faz sentir. Quais os impactos desta na sua vida, etc.
Consulte um psicólogo, este profissional ajudar a diminuir o impacto emocional da doença, contribuir para criar mecanismos de autoajuda para o alivio o alívio da dor e melhorar a sua qualidade de vida."

Autora: Dra Daniela Queiros - Psicóloga Clínica (em Portugal) - Vice Diretora Científica da Abrafibro. Contato @danielaqueiros_psicologia

quinta-feira, 22 de julho de 2021