Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Siga-nos por e-mail

Mostrando postagens com marcador Existir e Resistir: O Desafio da Depressão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Existir e Resistir: O Desafio da Depressão. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

Discovery exibe o documentário "Existir e Resistir: O Desafio da Depressão"

Na próxima quarta-feira, dia 9 de dezembro, às 23h45, o Discovery exibe o documentário original "Existir e Resistir: O Desafio da Depressão", uma coprodução local com a Mixer Films com o apoio da Janssen, empresa farmacêutica da Johnson & Johnson. Ao longo de uma hora de duração, o especial se baseia no relato de seis pacientes com depressão, bem como de profissionais de saúde que discutem as características da doença, os desafios do diagnóstico e do tratamento.

Além da exibição no canal linear, o especial ficará disponível no Discovery.com a partir da mesma data; e de quinta-feira, dia 10, em diante, a produção também passa a integrar o catálogo VoD das principais operadoras. "Existir e Resistir: O Desafio da Depressão" também marca a estreia de Zeca Camargo como narrador. Além do documentário, haverá sete pílulas de um minuto cada sobre o tema que serão exibidas tanto na TV quanto no site e nas redes sociais. Em social media, haverá ainda mais conteúdo voltado à depressão com o objetivo de educar a respeito da doença.

Mesclando as falas de médicos e pacientes, o especial desmistifica diversos assuntos relacionados à depressão e que vão desde fatores que contribuem para o surgimento dos quadros depressivos, à influência de fatores hereditários, dos hábitos de vida e das condições sociais, à eventual presença de ideação suicida. A importância do diagnóstico rápido e da busca pelas formas mais adequadas de cuidado para cada caso também são mensagem centrais.

A ampla discussão sobre o tema é construída a partir dos relatos de seis pessoas que convivem com a doença, quatro delas brasileiras: o comerciante Mauro Costa; a estudante de medicina Ana Carolina Oliveira; o psiquiatra do Hospital das Clínicas Rodrigo Martins Leite; e a modelo e atriz Talytha Pugliesi – eles estão entre os 11,5 milhões de pessoas diagnosticadas com a doença no País. Também participam a escritora e jornalista colombiana Mariángela Urbina Castilla e a mexicana Maria del Rocio Garcia Rey, doutora em Letras.

Tratando abertamente de suas histórias e dos estigmas que enfrentaram, essas fontes demonstram que a depressão é uma doença silenciosa, sem rosto definido ou classe social. Ao compartilharem suas experiências pessoais, mostrando os caminhos que vêm trilhando para enfrentar as fases da doença, e ao revelarem os procedimentos terapêuticos que funcionam melhor consigo, elas encorajam a procura por ajuda. Suas jornadas em busca de tratamento e de apoio contribuem para o importante e necessário diálogo que, por sua vez, combate mitos e preconceitos sobre a doença.

Junto aos depoimentos dos participantes estão entrevistas com médicos e especialistas do Brasil, México, Argentina e Colômbia. Entre eles está Luciana Sarin, psiquiatra da Escola Paulista de Medicina e da Unifesp; Humberto Correa, psiquiatra da Universidade Federal de Minas Gerais; e os também psiquiatras Rodrigo Córdoba, diretor do Departamento de Psiquiatria da Universidad del Rosario da Colômbia; Ricardo Marcelo Corral, Chefe de Pesquisa e Ensino do Hospital Borda; Daniel Mosca, Coordenador da Equipe de Fatores Humanos do SAME (Sistema Público de Emergências da Cidade de Buenos Aires), ambos da Argentina; e Juan Manuel Quijada Gaytán, da Universidad Nacional Autónoma de México. O panorama fornecido pelos profissionais auxilia os espectadores a compreender a configuração do quadro depressivo, os fatores que o compõem, além de trazer informações sobre pesquisas recentes e possibilidades de tratamento.

"Existir e Resistir: O Desafio da Depressão" tem produção executiva de Adriana Marques e direção geral de Rodrigo Astiz. Eduardo Teixeira é o responsável pelo branded content pela Discovery Networks.



https://telaviva.com.br/01/12/2020/discovery-exibe-o-documentario-existir-e-resistir-o-desafio-da-depressao/