Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador dor incapacitante. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dor incapacitante. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 22 de setembro de 2020

Quando sua dor é incapacitante

 thinking man

 Por Peter Abaci, anestesiologista certificado pelo MDBoard e especialista em dor, 10 de junho de 2019



A dor pode mudar totalmente nossas vidas. Problemas contínuos de dor podem levar a deficiências, como não poder trabalhar, dirigir ou até mesmo manter uma casa.

A dor na mão ou no braço dominante pode tornar difícil abotoar uma camisa, pentear o cabelo ou carregar mantimentos.

A dor lombar pode dificultar sentar, ficar de pé, dobrar, amarrar o cadarço ou qualquer outra coisa que você possa imaginar.

Dores de cabeça intensas e recorrentes, como enxaquecas, podem dificultar a concentração, a audição, a leitura, a alimentação ou até mesmo o acendimento das luzes.

Esse tipo de dor - contínua e interferindo significativamente em atividades importantes da vida - é chamada de dor crônica de alto impacto.

Pesquisas feitas sobre dor crônica de alto impacto por grupos como o National Center for Complementary and Integrative Health publicaram algumas descobertas importantes:

    Aproximadamente 10,6 milhões de americanos, ou 4,8% da população, têm dor crônica de alto impacto.
    A deficiência é normalmente mais associada à dor crônica do que a uma série de outras condições crônicas, incluindo acidente vascular cerebral e insuficiência renal.
    Aqueles com dor crônica de alto impacto relataram níveis mais elevados de problemas de saúde mental e problemas cognitivos, em comparação com aqueles com dor crônica sem deficiência.
    Pacientes de alto impacto relataram maior dificuldade para realizar a atividade diária de autocuidado e maior utilização dos serviços de saúde.

Essas descobertas sugerem que muitas pessoas não estão apenas vivendo com dores intensas, mas também experimentando limitações que alteram a vida como resultado.

Quando a dor se torna tão opressiva, o controle da dor se torna um desafio muito maior. Encontrar as melhores estratégias de alívio da dor e, ao mesmo tempo, explorar maneiras de se envolver mais nas atividades diárias pode parecer uma tarefa difícil. Como você pode reduzir o efeito que a dor tem em sua vida sem desfazer todo o trabalho árduo que você fez para controlar melhor a dor?

Para começar, acho que ajuda se concentrar em apenas algumas tarefas por vez. Qual função ou atividade seria mais significativa ter de volta em sua vida? Por exemplo, tornar-se um pouco mais móvel pode significar a diferença entre passar mais tempo com os amigos ou perder, e ser capaz de preparar uma receita valiosa mais uma vez irá deliciar todos que a degustarão com você. Considere consultar um terapeuta ocupacional que normalmente se especializa em ajudar os pacientes a aprimorarem as habilidades que aumentam sua capacidade de realizar atividades em casa ou no trabalho.

Não é fácil fazer qualquer atividade que você não faz há algum tempo. Há uma boa chance de que sentir dor fez com que grupos de músculos importantes fiquem descondicionados e rígidos, e exagerar muito rapidamente só vai desencadear a dor. Mas construir de volta uma base ou núcleo forte que possa ajudar a sustentar seus braços, pernas e coluna conforme eles se tornam mais ativos ajuda a evitar sobrecarregá-los. Trabalhar com um fisioterapeuta ou especialista em exercícios pode ajudá-lo a encontrar maneiras de recondicionar os principais grupos musculares e construir mais estabilidade básica ou central, para que você possa fazer mais com menos dor.

Diminuir o impacto da dor é uma tarefa muito mais difícil do que ficar fisicamente mais forte. A pesquisa nos ensinou que aqueles que vivem com dor crônica de alto impacto muitas vezes experimentam sofrimento psicológico e transtornos do humor, como depressão e ansiedade. É difícil funcionar quando você se sente sobrecarregado, então tente se envolver em práticas que possam lhe trazer uma sensação de calma - meditação, ioga, exercícios respiratórios, curtir a natureza ou consultar um conselheiro - todos têm potencial para ajudar.

Se você está sofrendo de um problema desafiador de dor crônica e acha que você e seus médicos fizeram o possível para controlar os sintomas, considere conversar com sua equipe de saúde sobre como você pode diminuir o impacto que sua dor tem em sua vida .

 

Esclarecimento: Esta postagem foi modificada para deixar claro que o objetivo da peça é diminuir os efeitos que a dor de alto impacto tem nas rotinas diárias dos pacientes; não se destina a abordar o gerenciamento da dor.


Blog WebMD
© 2019 WebMD, LLC. Todos os direitos reservados. 


texto original

https://blogs.webmd.com/pain-management/20190610/when-your-pain-is-disabling