Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Siga-nos por e-mail

Mostrando postagens com marcador fibromialgicos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fibromialgicos. Mostrar todas as postagens

domingo, 9 de maio de 2021

"𝐎 𝐋𝐔𝐓𝐎 𝐞 𝐬𝐞𝐮𝐬 𝐢𝐦𝐩𝐚𝐜𝐭𝐨𝐬 𝐞𝐦 𝐩𝐚𝐜𝐢𝐞𝐧𝐭𝐞𝐬 𝐟𝐢𝐛𝐫𝐨𝐦𝐢á𝐥𝐠𝐢𝐜𝐨𝐬, 𝐞𝐦 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨𝐬 𝐝𝐞 𝐩𝐚𝐧𝐝𝐞𝐦𝐢𝐚." (Live 12/05)

 

 

Dia 12/05, às 20h, em nosso canal do Youtube https://www.youtube.com/c/AbrafibroAssocBrasdosFibromiálgicos/, teremos a honra de receber o Dr Neury Botega - Psiquiatra, Professor Titular na Universidade Estadual de Campinas. Membro fundador da Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio - ABEPS.

Saber como lidar com o luto não é tarefa fácil... Mas, podemos oferecer algumas ferramentas, para ajudar a passar por esse momento tão delicado.

Contamos com sua presença.  Compartilhe e convide amigos, parentes, pacientes. Esse evento será online e gratuito. Todos são bem vindos!!!!

Instagram

@neurybotega

Facebook: https://www.facebook.com/neury.botega.5

Site: http://neurybotega.blogspot.com/p/o-profissional.html

Apoio: https://www.facebook.com/LibbsFarmaceutica

sexta-feira, 7 de maio de 2021

Dra Juana - Psicóloga baterá um papo com Sandra Santos Presidente da Abrafibro

 

 

A Sandra Santos - Presidente da ABRAFIBRO será recebida pela Dra Juana - Psicóloga, no perfil dela no Instagram @mjuanalm dia 11.05 às 19hs, para falar sobre a Fibromialgia. Esperamos por você! Agradecemos o convite Dra Juana.

PRECISAMOS FALAR SOBRE FIBROMIALGIA: um bate papo entre Mayra Perazzolli com Sandra Santos e Simone Eli Bombardi

 

 

A Sandra Santos - Presidente  e Simone Eli Bombardi - Vice Presidente da ABRAFIBRO serão recebidas pela Mayra  Pezzarolli - Fisioterapeuta, Ex Profissional Voluntária e responsável pelo perfil DONA DOLORIDA no Facebook.

Serão recebidas dia 13.05 às 19hs lá no Facebook DONA DOLORIDA
https://www.facebook.com/donadolorida , para falar sobre a Fibromialgia. Esperamos por você! Agradecemos ao convite da Mayra Pezzarolli https://www.facebook.com/mayraperazzolli.lima

Esperamos por todos os pacientes e familiares para saberem mais sobre essa síndrome tão difícil.


No Instagram:
@donadolorida
@mayraperazzolli

quinta-feira, 6 de maio de 2021

Live 11/05/2021 Juana LLabres entrevista Sandra Santos, Presidente da Abrafibro

 


 Juana Llabres é psicóloga, e responsável pelo site http://minhamaetemalzheimer.com.br/
E pelo canal https://m.youtube.com/c/mjlmayol
Vai entrevistar a Sandra Santos - Presidente da ABRAFIBRO.
Esta é uma das várias entrevista que irá realizar no mês da Conscientização da Fibromialgia.

É mais um canal a dar espaço para falarmos e conscientizarmos a sociedade sobre nossa Síndrome.
Assistam, compartilhem, prestigiem... Tudo para recebermos a visibilidade e respeito tão necessários.
Nosso muito obrigada Dra Juana!🙏🏼
@mjuanalm

Evento OnLine em 12/05/2021: Compartilhe este convite!


 

 Em respeito aos pacientes, familiares vítimas do Covid, este ano vamos falar de um sentimento, uma situação que atingiu a grande maioria do povo brasileiro, e claro, aos Fibromiálgicos também.


"𝐎 𝐋𝐔𝐓𝐎 𝐞 𝐬𝐞𝐮𝐬 𝐢𝐦𝐩𝐚𝐜𝐭𝐨𝐬 𝐞𝐦 𝐩𝐚𝐜𝐢𝐞𝐧𝐭𝐞𝐬 𝐟𝐢𝐛𝐫𝐨𝐦𝐢á𝐥𝐠𝐢𝐜𝐨𝐬, 𝐞𝐦 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨𝐬 𝐝𝐞 𝐩𝐚𝐧𝐝𝐞𝐦𝐢𝐚."


Teremos a honra de receber o palestrante Dr Neury Botega - Psiquiatra, Professor Titular na Universidade Estadual de Campinas. Membro fundador da Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio - ABEPS.


Saber como lidar com o luto não é tarefa fácil... Mas, podemos oferecer algumas ferramentas, para ajudar a passar por esse momento tão delicado.


Divulguem!

Muitos precisam dessa orientação.


Será nossa maneira de abraçar todos aqueles que vivem esse sentimento.

Recebam nossos respeitos e nosso apoio.


Instagram

@neurybotega

Facebook: https://www.facebook.com/neury.botega.5

Site: http://neurybotega.blogspot.com/p/o-profissional.html

 

quarta-feira, 5 de maio de 2021

Como a Filosofia está ajudando a entender e tratar a dor

 Como a Filosofia está ajudando a entender e tratar a dor 

Abordagem holística

Atualmente, não existem tratamentos eficazes para a dor crônica em muitos casos.

Isso tem incentivado pesquisadores de várias disciplinas a considerar novas abordagens para a dor e seu tratamento.

Alguns deles defendem não apenas a redução do controle medicamentoso da dor crônica ou a busca e o tratamento de mudanças físicas subjacentes, mas, em vez disso, a adoção de uma abordagem que enfoca a pessoa como um todo, a chamada abordagem holística.

A Filosofia é uma dessas disciplinas, que está ajudando a repensar a conceituação da dor, o que pode alterar o modo como se lida com ela, incluindo terapias alternativas à abordagem medicamentosa.

A Dra. Sabrina Coninx (Universidade Ruhr-Bochum, Alemanha) e o Dr. Peter Stilwell (Universidade McGill, Canadá) estão entre os pesquisadores que estão estudando como abordagens filosóficas podem ser usadas para desenvolver novas maneiras de pensar sobre a dor e seu tratamento.

"A pesquisa e a prática clínica da dor não acontecem no vácuo, elas envolvem suposições implícitas em relação ao que é a dor e como ela pode ser tratada," detalha Coninx. "Nosso objetivo é lançar uma luz sobre essas suposições e descobrir como podemos pensar de novas maneiras sobre a dor e seu gerenciamento com a ajuda de abordagens filosóficas."

Ver os pacientes como um todo

Usando uma fundamentação filosófica, os dois pesquisadores desenvolveram uma abordagem holística, integrativa e orientada para a ação.

Em termos específicos, eles sugerem três coisas.

  • 1

    Lidar com a dor deve envolver mais do que apenas procurar e tratar as alterações fisiológicas subjacentes. Uma abordagem holística coloca o foco nos pacientes como um todo e cria espaço para suas experiências, preocupações, expectativas e narrativas. A influência das práticas socioculturais na geração da dor crônica também deve ser levada em consideração. Por exemplo, pacientes com dor são frequentemente encorajados inicialmente a se protegerem de lesões e evitar atividades físicas, o que pode ser útil no início, mas pode contribuir para a cronificação da dor no longo prazo.

  • 2

    A dor crônica deve ser entendida como um processo dinâmico em que diversos fatores interagem de forma não-linear. Por exemplo, a causa inicial da dor não é necessariamente a causa de sua cronificação e também não precisa ser o fator mais crucial no tratamento. Sendo assim, a complexa interação de experiências subjetivas, expectativas, padrões de comportamento aprendidos, reorganização neural, estigmatização e outros fatores precisam ser considerados.

  • 3

    Os pacientes devem ser encorajados a interagir com seu ambiente e identificar possibilidades de ação. A abordagem filosófica parte do pressuposto de que a dor crônica altera fundamentalmente a forma como os pacientes se percebem e se relacionam com o meio ambiente.

De acordo com esta nova abordagem, o tratamento da dor crônica deve tanto ajudar o paciente a perceber as opções de ação positivas e pessoalmente significativas, quanto a se ver como capaz de agir novamente.

Assim, há menos foco no corpo como um obstáculo e, em vez disso, os pacientes prestam mais atenção em como podem superar as limitações, dizem os dois pesquisadores.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Pain and the field of affordances - An enactive approach to acute and chronic pain
Autores: Sabrina Coninx, Peter Stilwell
Publicação: Synthese
DOI: 10.1007/s11229-021-03142-3

 

texto original

https://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=filosofia-ajuda-entender-tratar-dor&id=14699

terça-feira, 4 de maio de 2021

MÊS DA CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE FIBROMIALGIA: 11 COISAS QUE AS PESSOAS QUE VIVEM COM A DOENÇA DESEJAM QUE TODOS SAIBAM




É uma doença 'invisível' e ainda muito incompreendida - mas um pouco mais de compreensão pode ajudar muito.

A dor crônica e a fadiga são difíceis o suficiente - mas para muitas pessoas que vivem com uma doença "invisível", há também a angústia de as pessoas não reconhecerem, ou mesmo acreditarem, que suas experiências são reais.

Isso certamente é algo com o qual muitas pessoas que vivem com fibromialgia podem se identificar.  “Frequentemente ouvimos falar de médicos dizendo que não acreditam na fibromialgia para um paciente”, disse Des Quinn, presidente da Fibromyalgia Action UK. (Ação Fibromialgia do Reino Unido)

Resultado?  Como diz Quinn, “mais pesquisas são necessárias”.

 Ainda há uma falta significativa de compreensão sobre a fibromialgia - que está associada a uma série de sintomas, incluindo dor generalizada, dores de cabeça, fadiga, rigidez muscular, sono e problemas cognitivos como névoa do cérebro e diminuição da concentração - em termos de suas causas, diagnósticos e como  para melhor gerenciá-lo.
Mas, ao lado disso, reservar um tempo para ouvir as experiências de quem vive com fibromialgia (que afeta até uma em cada 20 pessoas, segundo a Bupa) pode ser muito útil.
Para marcar o Mês de Conscientização da Fibromialgia em maio, pedimos às pessoas que vivem com fibromialgia que compartilhassem algumas das coisas que realmente querem que as pessoas saibam ...

1. Parecer ‘bem’ não significa que estamos bem

 “Eu mascarei a dor com frequência….  A dor pode variar de uma facada (fazendo você congelar e perder o fôlego), até latejar e cãibras constantes. ”

2. Reações inúteis de profissionais médicos podem ter um impacto enorme

 “Passei 20 anos sabendo que havia algo de errado comigo, mas fui enganada por inúmeros médicos e especialistas, ouvindo que tudo estava na minha cabeça.  Foi destruidor de almas. ”
“Pessoas com fibromialgia muitas vezes se sentem rejeitadas ... É tão invalidante e faz você parar de procurar ajuda.”

3. Ter que explicar constantemente, ou não ser acreditado, pode ser muito exaustivo

 “A principal coisa pela qual me encontro lutando é simplesmente fazer com que as pessoas (família, amigos, colegas, profissionais da área médica etc.) acreditem em mim quando explico como estou me sentindo.  Muitas vezes recebo: 'Você não parece doente', ou, 'Não pode ser tão ruim', quando a verdade é que eu uso a maior parte da minha energia para fingir que estou bem. ”

4. Algumas pessoas com fibromialgia ainda trabalham, outras não - ambos são válidos

 “Eu tento tanto permanecer no trabalho, ser capaz de sustentar minha família e tento me manter mentalmente são, e muitas vezes sou questionado, chamado de mentiroso, não acredita e não é levado a sério.”

5. Há muita coisa que você não vê

 “Não tomo um banho de espuma relaxante há quatro anos porque não consigo entrar ou sair.  Eu tenho que tomar banho, com assento, porque eu não consigo ficar em pé no chuveiro por muito tempo.  Minhas enteadas secam e escovam meu cabelo para mim porque depois do banho, eu me esforço para levantar meus braços. ”

6. Pode afetar você de maneiras diferentes em momentos diferentes

 “Cada dia é diferente e coisas que eu poderia fazer ontem, não posso fazer hoje, mas espero poder fazer amanhã.”
 "Posso ficar bem um minuto - e então bum, não consigo nem andar, porque meus pés e parte inferior das pernas estão doendo muito."

7. Não está publicado no site.*

8. O cansaço pode ser opressor

 “Fadiga crônica não é o mesmo que apenas estar cansado.  Isso pode literalmente impedir você de fazer qualquer coisa. ”

9. Nem sempre sabemos quando precisaremos cancelar planos

 “[Meus] níveis de energia são diferentes a cada dia e mudam rapidamente, por isso é difícil planejar e não será inconstante se tivermos que abandonar os compromissos planejados.  Ainda queremos ser convidados a participar e não ser excluídos dos círculos de amizade ... uma oferta de vir tomar uma xícara de chá ou assistir a um filme no sofá significa o mundo absoluto. ”
“Também afeta meus filhos e minha família.  Fazer planos para fazer algo e depois cancelá-los porque estou tendo um surto, não é justo com eles. ”

10. Não existe uma maneira "tamanho único" de gerenciá-lo - e a experiência de todos é válida

 “Eu cuido do meu fibro no dia-a-dia.  Eu levo um estilo de vida ativo e saudável - [usando] uma abordagem multidisciplinar que me permite viver melhor com fibro e estratégias de enfrentamento / ritmo para me ajudar a enfrentar o dia-a-dia."

11. Não insinue que não estamos "tentando" o suficiente, se o que funcionou para uma pessoa não funciona para a próxima

 “Por favor, não tente nos dizer para‘ apenas fazer X / Y / Z ’, é paternalista e doloroso.  Queremos estar bem.  Julgamentos e conclusões que não queremos ajudar a nós mesmos não são verdadeiros e tão injustos. ”

Fonte: https://www.independent.co.uk/life-style/health-and-families/people-b1840608.html

Agora está claro... É Maio ROXO!

 

 

Maio Roxo: Câmara de Vitória adere ao mês mundial de prevenção contra o  lúpus - CÂMARA MUNICIPAL DE VITÓRIA - ES 

imagem da Câmara Municipa de Vitória ES

Maio Roxo traz o alerta para pacientes que convivem com doenças imunomediadas inflamatórias

  • Publicado: Quarta, 28 de Abril de 2021, 12h40
  • Última atualização em Sexta, 30 de Abril de 2021, 16h52

Entidade do CNS e outras instituições realizam ciclo de ações abertas sobre o tema

Maio Roxo é um mês que traz reflexão sobre a atenção ao usuário que convive com a Doença Inflamatória Intestinal, Espondilite Anquilosante, Fibromialgia, lúpus eritematoso sistêmico, além de ser o mês panamericano de conscientização das doenças reumáticas. A Associação Brasileira Superando o Lúpus, o Grupar-RP, o Grupo EncontrAR, a Biored Brasil; e a Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn vão realizar ações virtuais abertas entre 6 e 29 de maio.

As doenças que são alvo do alerta do Maio Roxo, são doenças que trazem grande impacto socioeconômicos para o usuário e para o sistema de saúde, pois tratam-se em sua maioria de doenças imunomediadas, incuráveis e quando não são diagnosticadas precocemente e seu tratamento não é realizado no tempo certo, essas doenças passam a ter um alto poder de progressão para perda de mobilidade e desenvolvimento de deficiências.

Diante da pandemia do coronavírus, o tratamento destas doenças tem se tornado um grande desafio para essa população, pois os medicamentos que lhe são garantidos por meio de políticas públicas, tais como os protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas do Ministério da Saúde, têm sofrido constantes irregularidades no abastecimento da rede SUS. Isso leva estes pacientes ao risco de estarem vivendo em uma situação de pandemia,  sem ter a sua doença autoimune tratada adequadamente, isso tem exposto estes pacientes a maiores riscos de complicações quando contaminados pelo coronavírus.

O cenário de atenção farmacêutica destes pacientes têm sido bastante difícil, a exemplo os pacientes de lúpus que, desde o início da pandemia, enfrentam dificuldades de acesso constantes à hidroxicloroquina. Já os pacientes com doenças inflamatórias intestinais e espondilite anquilosante encontram-se sem o medicamento adalimumabe e mesalazina, além de outros 29 componentes da assistência farmacêutica.  Os pacientes de fibromialgia sequer contam com um protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para tratamento de sua doença no SUS. Situações como essas permeiam a jornada dos pacientes que têm sua doença conscientizada durante o Maio Roxo.

Ações de Conscientização do Maio Roxo

Webinário Maio Roxo da Associação Brasileira Superando o Lúpus

  • Datas: 1º à 28 de Maio de 2021
  • Realização: Associação Brasileira Superando o Lúpus
  • Redes Sociais: @superandolupus – Canal Superando Lúpus no Youtube
  • Site: www.lupus.org.br
  • Informações: superandolupus@gmail.com

6º Encontro de EspondiloArtrites e Maio Roxo

  • Datas: 6 à 29 de Maio de 2021
  • Realização: Grupar-RP, Grupo EncontrAR e Biored Brasil
  • Redes Sociais: @artritereumatoide – Youtube Artrite Reumatoide
  • Site: www.grupar-rp.org.br
  • Informações: encontrar@encontrar.org.br – Whatsapp (16) 3941-5110

FOPADII Virtual – Fórum Regional de Pacientes com Doenças Inflamatórias Intestinais

  • Data: 19/05/2021
  • Realização:Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn
  • Site: https://www.abcd.org.br/fopadii/
  • Informações: secretaria@abcd.org.br

 

Fonte: entidades realizadoras da mobilização.

 

fonte: http://conselho.saude.gov.br/ultimas-noticias-cns/1716-maio-roxo-traz-o-alerta-para-pacientes-que-convivem-com-doencas-imunomediadas-inflamatorias


sexta-feira, 30 de abril de 2021

Jales institui Dia Municipal da Fibromialgia e oferece benefícios para os portadores da síndrome

 

 

Ações vão marcar o Dia Municipal da Fibromialgia, instituído em Jales para ser comemorado todo dia 12 de maio como o de conscientização sobre a síndrome que não tem cura e provoca dores crônicas em todo o corpo

 

O prefeito Luis Henrique Moreira sancionou a Lei nº 5.102, que instituiu em Jales o Dia Municipal da Fibromialgia. A medida foi tomada após a apresentação de um Projeto de Lei de autoria da vereadora Andrea Moreto Gonçalves para garantir benefícios aos portadores da síndrome clínica que se manifesta com dores no corpo todo, principalmente na musculatura.

O município passará a comemorar, juntamente com o calendário mundial, todo o dia 12 de maio, como o Dia Municipal da Conscientização sobre a Fibromialgia. A data contará, a partir desse ano, do calendário oficial de eventos da cidade.

Entre os principais benefícios proporcionados pela nova lei estão as vagas de estacionamento destinadas a portadores de necessidades especiais, que passam a estar disponíveis também às pessoas diagnosticadas com a síndrome da Fibromialgia; empresas comerciais que recebem pagamentos de contas e bancos poderão incluir os portadores da síndrome nas filas que já são destinadas aos deficientes; ficam empresas públicas, concessionárias de serviços públicos e empresas privadas facultadas a dispensar, durante todo o horário de expediente, atendimento preferencial aos portadores de Fibromialgia.

“A identificação dos beneficiários às vagas específicas de estacionamento serão identificados por meio de cartão que será expedido pela Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana. Quando for solicitado o cartão, os portadores de Fibromialgia devem apresentar documento pessoal com fotografia, comprovante de endereço e o laudo médico que comprove a síndrome”, ressaltou o diretor do departamento de Mobilidade Urbana, Altair Ramos Leon.

A Prefeitura poderá, por meio de suas secretarias municipais, realizar palestras, debates, aulas e seminários de discussão no mês de conscientização sobre a Fibromialgia, para abordar o assunto e levar mais conhecimento às pessoas sobre a síndrome. “Nós da Secretaria de Comunicação, em parceria com a Secretaria de Saúde, vamos confeccionar cartazes e disponibilizar nas Estratégias de Saúde do município, levando informações sobre a síndrome e também informando aos portadores sobre os benefícios a que eles têm direito. A Secretaria de Mobilidade Urbana também dará início ao fornecimento dos cartões que identificam as pessoas que têm direito às vagas de estacionamento especiais, que hoje são oferecidas aos portadores de necessidades especiais. Em função da pandemia da Covid-19, ficamos impossibilitados de promover palestras ou debates, mas nos próximos meses de maio, vamos fortalecer ainda mais essa campanha”, ressaltou o secretário de Comunicação, Douglas Zílio.

Palestra

No dia 12 de maio, a Secretaria Municipal de Saúde promoverá uma palestra destinada a enfermeiros das Estratégias de Saúde da Família do município, onde o médico ortopedista Dr. Leonardo Ramiro irá orientar sobre a Síndrome da Fibromialgia. A palestra vai seguir todos os protocolos de segurança e prevenção contra o novo coronavírus e acontecerá na Casa do Médico de Jales. “Em função da pandemia e não podermos promover aglomerações, apenas um enfermeiro de cada umas das unidades de saúde poderá participar, receber orientações e, dessa forma, repassar aos colegas de profissão que não puderam estar presentes”, frisou o secretário de Saúde, Alexis Shigueru Kitayama.

A Fibromialgia

A síndrome da Fibromialgia (FM) se manifesta com dores crônicas no corpo, principalmente na musculatura. Junto à dor, a fibromialgia cursa com sintomas de fadiga (cansaço), sono não reparador (a pessoa acorda cansada) e outros sintomas como alterações de memória e atenção, ansiedade, depressão e alterações intestinais. Uma característica da pessoa com FM é a grande sensibilidade ao toque e à compressão da musculatura pelo examinador ou por outras pessoas.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, o sintoma mais importante da fibromialgia é a dor difusa pelo corpo. Habitualmente, o paciente tem dificuldade de definir quando começou a dor, se ela começou de maneira localizada e que depois generalizou ou que já começou no corpo todo. O paciente sente mais dores no final do dia, mas pode haver também pela manhã. A dor é sentida “nos ossos” ou “na carne” ou ao redor das articulações.

A fibromialgia pode aparecer depois de eventos graves na vida de uma pessoa, como um trauma físico, psicológico ou mesmo uma infecção grave. O mais comum é que o quadro comece com uma dor localizada crônica, que progride para envolver todo o corpo.

 

 

texto original

https://jales.sp.gov.br/jales-institui-dia-municipal-da-fibromialgia-e-oferece-beneficios-para-os-portadores-da-sindrome/

quinta-feira, 29 de abril de 2021

Estado de Mato Grosso: Projeto de Lei 458/2019 (Política MT: Deputados aprovam projeto que propõe atendimento prioritário a pessoas com fibromialgia)

 

Nossos agradecimentos ao Exmo Deputado Paulo Araújo, autor do Projeto de Lei 458/2019, por tão importante propositura. A Estrada é longa, mas para percorrê-la é preciso começar. 

A Aprovação na Casa Legislativa é um excelente começo.

Agradecemos aos Senhores Parlamentares da AL/MT para atuação e APROVAÇÃO.

Deve seguir agora para o Exmo Governador de Estado do Mato Grosso Sr Mauro Mendes 

https://instagram.com/mauromendesoficial

Desde já agradecemos pela rápida Sanção.

É a primeira política pública voltada aos Fibromiálgicos para o Estado. 


🙏🏼Nosso muito Obrigado!🙏🏼

 

 

Deputados aprovam projeto que propõe atendimento prioritário a pessoas com fibromialgia em Mato Grosso

Publicado

 

Foi aprovado na sessão ordinária desta quarta-feira, (28), da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) em segunda votação, o projeto de lei n° 458/2019, de autoria do deputado estadual, Paulo Araújo (Progressistas), que dispõe sobre o atendimento preferencial aos portadores de fibromialgia.

O texto prevê que os estabelecimentos públicos e privados ficam obrigados a incluir os portadores de fibromialgia nas filas de atendimento prioritário. “Segundo pesquisas da Sociedade Brasileira de Reumatologia, cerca de 3% de pessoas no Brasil sofre com a fibromialgia. Hoje esse projeto de lei, sendo aprovado em segunda votação pela AL/MT, demonstra o compromisso dessa Casa de Leis com os portadores dessa doença. A doença ganhou notoriedade depois que a cantora norte-americana Lady Gaga, cancelou sua participação no Rock in Rio, em 2017, devido às dores causadas pela doença”, justificou Paulo Araújo.

O parlamentar reitera que “o projeto visa dar a devida atenção à doença e traz dignidade aos portadores dela, gerando, assim, uma melhor qualidade de vida para todos. Além disso, é um projeto que acredito ser muito importante, porque, às vezes um banco, por exemplo, está superlotado e os caixas preferenciais vazios e a pessoa com a fibromialgia estão lá parados, sofrendo com dores”, ressaltou Araújo.

O projeto segue agora para o Governo do Estado. Caberá ao governador sancionar ou vetar o texto aprovado em plenário.

Fibromialgia – É caracterizada por dor crônica que migra por vários pontos do corpo e se manifesta especialmente nos tendões e nas articulações. Trata-se de uma patologia relacionada com o funcionamento do sistema nervoso central e o mecanismo de supressão da dor que atinge em 90% dos casos, mulheres entre 35 e 50 anos.

 

texto original

https://odocumento.com.br/deputados-aprovam-projeto-que-propoe-atendimento-prioritario-a-pessoas-com-fibromialgia-em-mato-grosso/


segunda-feira, 26 de abril de 2021

Você pergunta e a Abrafibro responde: com Dra Lais Kozminski - Biomédica e Médica licenciada na França > Fibromialgia e vacina Contra Covid 19


 Esta nos chegou pelo Direct, no perfil da Abrafibro no Instagram

O nome dela é Mariana.

"Olá! Gostava de saber se há algum estudo ou até relatos de fibromialgicos que fizeram ja a vacina do covid19.
Tenho 37 anos, por isso assumo que ainda demore a ser chamada. Mas sei que  provavelmente vou sentir alguns efeitos secundários (interação com medicação e a própria bioquímica da doença). Gostava de saber quais são as experiências dos doentes e se ha dados clínicos sobre a fibromialgia e a vacina.
Obrigada pela ajuda"

 

Resposta da Dra Lais:

"Não! Não existe nenhum efeito colateral da vacina, relacionado à pacientes fibromialgicos! Assim como tb não existe registro algum de interações medicamentosas com medicações usualmente utilizadas no tratamento da Fibromialgia! Também não existe registro de queixas pós vacinação, relacionadas unicamente a Fibromiálgicos ou que diferem da população em geral! Se houverem dúvidas em relação a vacinação ou alguma medicação em especial, o profissional aconselhado para liberar ou desaconselhar a vacina, é o médico tratante, pois ele conhece melhor o histórico do paciente! Por hora, as alergias prévias à outras vacinas, embora raras, são as únicas condições que apresentam risco real!"

 

Autora: Dra
Lais Kozminski
- Biomédica e Médica licenciada na França.

 

Você pergunta e a Abrafibro responde: com Dra Lais Kozminski - Biomédica e Médica licenciada na França > sobre efeitos colaterais das vacinas Contra Covid 19

 

 


Pergunta recebida via Youtube de Izana Moreira Nunes 

 "Li sobre a vacina da China coronvac que não se deve fazer devido aos efeitos colaterais daqui 6 meses é confiável."

Resposta da Dra Lais:

"Efeito colateral não significa necessariamente algo ruim ou perigo! É simplesmente um efeito diferente daquele considerado como principal da vacina! Dentre os efeitos registrados da Coronavac, a dor no sítio de aplicação é o sintoma mais comum! Existem relatos em uma parcela pequena dos vacinados de: eritema local, inchaço, enduração e prurido, alem de sintomas sistêmicos tais que  fadiga e cefaleia, náusea, diarreia, mialgia, calafrios, perda de apetite, tosse, artralgia, prurido, rinorreia e congestão nasal, tendo ocorrido até o 7º dia após a segunda dose da vacinação. Das vacinas disponíveis hoje no mundo, a Coronavac está entre as que apresentam o menor número de efeitos colaterais! Todas as reações esperadas constam na bula em português da vacina e todos os novos registros de situações que poderiam trazer risco, são rigorosamente acompanhados pelos diversos serviços de vigilância, tanto em âmbito  federal, como estadual e municipal! A vacina é segura e hoje, é a nossa única esperança de volta à normalidade!" 


Pergunta de Ariane:  

"As duas vacinas que tem notícias de casos raros de trombose não foram a Astrazeneca e a Jansen?"

Resposta da Dra Lais:

"Sim! Mas esses casos foram registrados em uma parcela muito pequena de vacinados e alguns desses casos, não conseguiu-se relacionar a trombose, à vacina! Porém, a informação é importante porque o tipo de coágulo registrado, exige um tratamento diferente de outros! Para o profissional de saúde, esse informação é essencial, para tratar de forma rápida e eficaz o paciente!"

Autora: Dra
Lais Kozminski
- Biomédica e Médica licenciada na França.

 

segunda-feira, 15 de março de 2021

BARCELONA - ESPANHA: Dois trabalhadores atingem incapacidade total permanente devido à fibromialgia

 Um tribunal de Barcelona concede invalidez permanente absoluta a uma jovem 

A fibromialgia, uma das razões pelas quais eles reconheceram a deficiência permanente total, é uma doença que ocorre com mais frequência em mulheres

FIBROMIALGIA: COMO SABER SE ESTOU COM O DIAGNÓSTICO CORRETO?



TEM SIDO BASTANTE COMUM RECEBER PACIENTES NO CONSULTÓRIO COM DIAGNÓSTICO DE FIBROMIALGIA E APÓS AVALIAÇÃO COMPLETA CHEGAMOS À CONCLUSÃO DE QUE NÃO É FIBROMIALGIA. [COMO SABER SE ESTOU COM O DIAGNÓSTICO CORRETO?]

🔸Vou começar esse post contando para vocês sobre a história de uma paciente que acompanho:

▶️Paciente com história de condromalácia (desgaste) em joelho e tendinite de ombro como causa principalmente de movimentos repetitivos e posturas viciosas no decorrer de anos de trabalho e de outras alterações posturais. Apesar de muitos anos de tratamento e exercícios, as dores persistiam, e as crises recorriam sempre.

▶️E então um outro profissional disse à ela “Essa sua dor não melhora com nada, deve ser fibromialgia”. E ela chegou até mim para investigação dessa suspeita. Após uma avaliação bem detalhada e um exame físico cuidadoso identifiquei que não, o diagnóstico da paciente não era fibromialgia. Era um quadro de condropatia no joelho, que com o tempo evoluiu para condromalácia (desgaste bem acentuado) + uma tendinite de ombros, que por permanecer com fatores estressores, recorriam tantas vezes que chegamos ao quadro de DOR CRÔNICA.

‼️Mas prestem muita atenção no que eu vou falar agora: A FIBROMIALGIA É UM TIPO DE DOR CRÔNICA, mas dizer que uma paciente tem fibromialgia pelo único critério de “essa dor está difícil de melhorar” está errado. Quadros como este de condromalácia, ou outros de artrose, de tendinite e outras condições articulares ou musculares, quando não recebem o tratamento ideal podem levar à cronificação da dor, mas uma dor cronificar não significa que a paciente tem diagnóstico de fibromialgia, ok?‼️

🔸Ser avaliado por um médico experiente no tratamento de dores crônicas e reabilitação é fundamental para esclarecer confusões como estas, que podem acontecer. Vamos entender um pouco mais sobre as diferenças entre fibromialgia e outras dores crônicas? Arrasta a imagem para o lado➡️, que vou te contar melhor sobre isso!

✨JÁ SALVA ESSE POST PARA LER COM CALMA OUTRAS VEZES.✨ E não esquece de deixar o seu comentário⬇️: me diz, você sabia que nem toda dor crônica é Fibromialgia?
https://www.instagram.com/p/CMHqZEblKMP/?igshid=186ln161uq44 

 

Texto de Dra Marcella - Contato https://instagram.com/dra.marcelladecarlo

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

Você, amigo, perguntou e a Abrafibro responde!

 

 


Essa síndrome gera muitas dúvidas.... 

A Sandra perguntou o que queríamos saber sobre Fibromialgia e a nossa amiga Bruna Azevedo perguntou:

"A fibromialgia afeta de alguma forma a concentração da pessoa? Eu tenho um pouco de problema com falta de concentração, ainda mais pela manhã quando acordo dolorida. "

 

A resposta é de autoria da Dra. Marcella De C Barcelos Teixeira  - Médica Fisiatra. Contato: https://instagram.com/dra.marcelladecarlo 

 
FIBROFOG é um termo utilizado para descrever a dificuldade que os pacientes relatam em se concentrar para fazer alguma atividade e manter a atenção, além da dificuldade em reter informações, o que acaba levando aos problemas de memória.

Principais queixas relatadas pelos pacientes:
-Esquecimento e problemas ao lembrar de novas informações.
-Capacidade reduzida de pensar de forma rápida e eficiente, especialmente em ambientes que distraem.
-Dificuldade em se concentrar ou em alerta.
-Dificuldade em manter a conversa ou a capacidade de acessar informações de idioma armazenadas de maneira rápida e eficiente.

A maioria dos estudos mostram que isso acontece pois as dores ocupariam o cérebro de tal forma que ele deixa de executar as funções adequadamente: como se o cérebro todo o cérebro estivesse voltado para “resolver” as questões relacionadas a dor, então eu preciso estimular o meu cérebro para que ele retome o seu “funcionamento normal”. 

 

 

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

Você, amigo, perguntou e a Abrafibro responde!

 

 Resultado de imagem para dúvidas sobre fibromialgia

Recentemente, a nossa Presidente Sandra Santos perguntou aos membros de nosso grupo quais suas dúvidas sobre Fibromialgia. E recebemos os seguintes questionamentos de nossas amigas:

Janete Aparecida: Cavalari: perguntou sobre o tratamento para a fibromialgia

Susan Markes: Por que o Reumatologista do SUS não nos acompanha, assim atende uma consulta e sai alta?

 A Dra Laís Kozminski, Vice Diretora Científica da Abrafibo, explica um pouco no texto a seguir.

Por que o reumatologista do SUS não nos acompanha ? 

 
Na grande maioria dos Estados brasileiros, o acesso ao SUS normalmente se dá por consulta ao clínico geral e, dependendo dos sintomas, é o clínico quem faz o encaminhamento ao reumatologista. Embora este acesso ao especialista, pelo SUS, algumas vezes seja um pouco demorado, é importante a avaliação, principalmente para descartar outras condições reumatológicas que possam simular a Fibromialgia, visto que, seu diagnostico é unicamente clinico, não existindo exames que comprovem a doença. Porém, uma vez corretamente diagnosticada e estabelecido o tratamento medicamentoso inicial, o acompanhamento do paciente deve ser feito de forma interdisciplinar, baseando-se em três pilares: Prática de Exercícios Físicos, Terapia Cognitiva Comportamental e  tratamento farmacológico, que pode ser acompanhado pelo clinico geral, não sendo obrigatório o acompanhamento do reumatologista, contrariamente à outras doenças reumatológicas.

Qual é o tratamento para a Fibromialgia?

O desafio da compreensão da fibromialgia, reflete-se também na elaboração de um plano de tratamento eficaz, que pode ser diferente em função das peculiaridades de cada paciente. Os tratamentos interdisciplinares caracterizam-se pela associação de, ao menos, duas abordagens terapêuticas complementares e recorrem a diferentes estratégias para influenciar a percepção da dor, como: exercício fisico, relaxamento, psicoterapia, alimentação, tratamento farmacológico...  Embora estas abordagens apresentem limitações em relação à adesão do paciente, os resultados satisfatórios à longo prazo comprovam a  sua necessidade.

 

Autora: Dra Laís Kozminski - Biomédica e Médica licenciada na França. 

 

Referencias: 


Wolfe F. New American College of Rheumatology criteria for fibromyalgia: a twenty-year journey. Arthritis Care Res (Hoboken). 2010 May;62(5):583-4. doi: 10.1002/acr.20156. PMID: 20461781

 Posso IR, Grossmann E, Fonseca PR. Tratado de Dor: publicação da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor. Rio de Janeiro: Atheneu; 2017.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

Carteirinha de atendimento prioritário às pessoas com fibromialgia começa a ser emitida em São Roque - SP

AMPLIAR FOTO 

O vereador Cabo Jean recebeu, nesta semana, a informação de que as carteirinhas que dão o direito ao atendimento prioritário às pessoas com fibromialgia começaram a ser emitidas pelo Departamento do Bem Estar Social, da Prefeitura, colocando em prática o Decreto Municipal nº 9.425/2020, que regulamentou a Lei nº 5.092/2020 de sua autoria.

Segundo o Decreto Municipal, poderão solicitar a carteirinha as pessoas que comprovem a existência da enfermidade através de laudo emitido por médico reumatologista, devendo também apresentar documentos pessoais.

Segundo informações, Cabo Jean é o autor da Lei Municipal que dispõe sobre o atendimento preferencial e explica que as pessoas que sofrem com a doença poderão ser atendidas prioritariamente em órgãos e empresas públicas, empresas concessionárias de serviços públicos e empresas privadas localizadas em São Roque, serão obrigadas a disponibilizar atendimento preferencial às pessoas com fibromialgia.

“Estou feliz por essa Lei, pelas carteirinhas, mas principalmente, por saber que poderemos amenizar ao menos um pouco o sofrimento de quem tem fibromialgia ao permitir que sejam atendidas prioritariamente”, conclui.  

 

fonte: http://www.saoroquenoticias.com.br/noticia.asp?idnoticia=30320

quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Liberação miofascial: o que é e para que serve esta técnica?



A liberação das fáscias e músculos no combate à dor.
Vamos aprender um pouco desta técnica que fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e especialistas em medicina esportiva usam para reduzir a dor, ajudar na recuperação e na mobilidade.


25/01/21 - 00h00 - Atualizado em 25/01/21 - 09h46

Muito mais que massagem para relaxar, a liberação miofascial é a aposta da ciência como o grande segredo contra dores pós-treino. Saiba tudo!


No último ano, o universo fitness voltou às atenções para o relaxamento dos músculos utilizando rolos de espuma. No Instagram, centenas de posts de influenciadoras ensinando a utilizar o acessório dominaram o feed, as marcas investiram em lançamentos para isso e até algumas academias já oferecem uma aula específica para a técnica. Mas, afinal, no que a liberação miofascial consiste?

Ela tem o objetivo de aplicar uma pressão profunda em alguns pontos do corpo, liberando a tensão da fáscia que, por sua vez, é o conjunto de tecido, nervos e vasos sanguíneos que envolvem cada um dos nossos músculos.

“Ela é uma extensa rede biológica que envolve os músculos e órgãos como se fosse uma ‘capa’, sustentando, dando forma a todas as estruturas do nosso corpo e criando condições para que cada parte do organismo funcione de maneira adequada”, explica o gerente nacional da rede de academias Bodytech, Daniel Guimarães. “Nela passam estruturas relevantes como vasos, células e terminações nervosas com função até mesmo de secretar hormônios importantes para o funcionamento dos órgãos”, conta.

No seu estado natural, ela é maleável, mas, quando sofre lesões ou estresse por má postura, excesso de exercícios ou sedentarismo, ela fica rígida, segunda Betina Stefanello, dermatologista do Rio de Janeiro. “Até mesmo desgastes emocionais podem afetar esse tecido”, completa. E, quando a fáscia está inibida, surgem problemas de saúde como dores crônicas, fibromialgia, desvios posturais e problemas circulatórios.

É para evitar essas consequências que entra a técnica – um alongamento que solta as tensões e realinha o corpo. “Por meio dela, acontece uma reorganização estrutural, deixando a fáscia na densidade adequada e permitindo que os tecidos tenham flexibilidade e elasticidade”, diz Daniel.

O coordenador do Comitê de Dor e Movimento da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED), Heráclito Gurgel, explica que isso acontece porque essa técnica resgata as propriedades viscoelásticas e tixotrópicas da fáscia, ou seja, favorece a saúde e função das estruturas relacionadas ao movimento.

fáscia

A liberação miofascial é alcançada quando pressionamos os chamados pontos-gatilho, ou trigger points, para que haja maior liberdade entre o músculo e a fáscia. Eles são pontos hipersensíveis de dor com nódulos palpáveis presentes na extensão muscular e se encontram em bandas tensas, que são grupos de fibras musculares contraídas ao longo do músculo.

“Esses pontos de contração acumulam toxinas e prejudicam o bom funcionamento do sistema musculoesquelético, alterando a coordenação, a flexibilidade e a força”, conta Betina.

“Como a fáscia é um sistema integrador, quando existem falhas nela, provavelmente haverá falhas em alguma parte do nosso corpo. Devemos treinar a fáscia, assim como se treina força ou flexibilidade, pois quanto mais saudável sua ela estiver, mais são seu corpo estará”, completa Daniel, que conta que a prática pode ser realizada antes ou depois do treino. “Quando realizada antes, ela deixa a musculatura na densidade adequada, preparando o indivíduo de maneira ideal para a prática de qualquer atividade física e aumentando a elasticidade do tecido para que não se rompa durante o movimento.”

Já no pós-treino, ela tem a função de recuperação, diminuindo a dor muscular tardia, as torções e os encurtamentos, prevenindo os pontos de tensão ou gatilho e lesões.

Normalmente, o procedimento pode ser realizado sem restrições. No entanto Betina aponta casos em que se deve consultar um profissional médico capacitado antes: “Indivíduos com problemas circulatórios ou inchaço, hipersensibilidade à dor ou condições de dor crônica, que fazem uso de medicamentos anticoagulantes ou quando há lesões musculares ou ósseas diagnosticadas. Também é bom evitar a técnica em regiões do corpo recentemente feridas ou com hematoma e em gestantes no primeiro trimestre da gravidez”.

Para a dermatologista Betina, os benefícios da prática são vários, entre eles:

• Liberar as tensões e dores musculares crônicas
• Liberar o movimento das articulações e melhorar a flexibilidade
• Modificar a distribuição da massa muscular
• Melhorar a circulação e a respiração
• Promover mudanças progressivas nos níveis físico e emocional
• Aumentar a consciência corporal
• Promover maior mobilidade e amplitude de movimento
• Reduzir a rigidez arterial e melhorar a função vascular

Pronta para liberar tudo? A seguir, WH selecionou acessórios especiais para a técnica, além de alguns exercícios para você fazer sozinha.

Inclua na academia

Há diferentes acessórios voltados para a liberação miofascial. De acordo com Daniel, os profissionais normalmente utilizam o stick (bastão), bolas de tênis e bolas de lacrosse para a técnica. “Gosto bastante do rolo de espuma por conta da sua eficiência e praticidade”, afirma

O rolo texturizado é bom para exercícios de equilíbrio, trabalhando os músculos do abdômen, região lombar, glúteos e quadris.