Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador mitos sobre o tratamento psiquiátrico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador mitos sobre o tratamento psiquiátrico. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Quebrar o ciclo Depressão

Depressão: Você é honesto com seu médico?


Avaliado por Louise Chang, MD

Quando você está deprimido, tudo pode parecer difícil - de sair da cama, ir para o trabalho, até mesmo falar com o seu médico ou psiquiatra. Você não pode ter certeza de como é o tratamento da depressão - ou qualquer coisa - pode, eventualmente, fazer você se sentir melhor. Pode falar sobre como você está se sentindo realmente ajudar? E se você tomar a medicação, ele vai fazer a diferença?
"Não há dúvida de que a psicoterapia e medicamentos funcionam para depressão e ansiedade", diz George Papakostas, Médico, professor associado de psiquiatria da Harvard Medical School, em Boston. Mas, para o tratamento funcionar de forma eficaz, médicos e pacientes precisam se comunicar abertamente, diz ele. Se você ocultar seus sintomas ou não tomar a sua medicação conforme prescrito, torna-se mais difícil para o seu médico ajudá-lo.
Você está sendo tão honesto e aberto como você pode ser? Se não, por que não? Saiba sobre algumas barreiras para abrir a comunicação - e o que você pode fazer para superá-las.

Depressão? Comigo?

Pode ser difícil admitir que você tenha depressão - e muito menos falar sobre isso. Muitas pessoas ainda sentem um estigma sobre procurar ajuda. Na verdade, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH), apenas cerca de 51% das pessoas em os EUA com depressão recebem tratamento.
Parte do problema, diz Rajita Sinha, PhD, professor do departamento de psiquiatria da Universidade de Yale, em New Haven, Connecticut, é que há uma lacuna de conhecimento. "Eu não acho que as pessoas percebem que não há ajuda lá fora, para os tipos de coisas que estão sentindo", diz Sinha. "Você tem pessoas que pensam: 'Ah, não ... eu sair da cama e eu não estou tão ruim assim." Então, se você conseguir lutar para sair da cama, e você ainda ir para o trabalho, mas você realmente não consegue se concentrar e você tem que tirar dias de folga - é um enfermo trabalhando ", Sinha diz WebMD.
Também pode ser difícil de perceber que você não consegue lidar com seus sentimentos em seu próprio lugar. "As pessoas podem julga-lo, 'Oh, bem, eu deveria lidar com isso melhor", ou "Eu só vou pensar em alguma coisa", e ignorá-lo ", diz Sinha. "Isso não ajuda a ignorá-lo em tudo. Na verdade, só piora as coisas. Ele faz com que os sintomas piorem."

Por que é difícil falar sobre a depressão?

Se você está lutando com a depressão, mas não sincero com seu médico sobre seus sintomas, pense sobre o que você está  prendendo.
"Ser firme ou perseverante ou resoluto é comum na depressão", diz Papakostas. Muitas vezes as pessoas não relatam seus sintomas, porque eles têm medo que não vai será levado a sério, ou eles não querem se deparar com tão alarmismo, diz ele.
Outros podem ter medos irreais sobre o que pode acontecer com eles e expressar seus sentimentos. Algumas pessoas temem que o seu médico pode pensar que eles são loucos. Eles temem que possam ser hospitalizado ou tratados contra a sua vontade, Papakostas diz WebMD.
Não há dúvida de que falar sobre sentimentos dolorosos - e enfrentando esses sentimentos na cabeça - não é fácil.
Se você está vendo um terapeuta para a depressão, lembre-se que ele ou ela vê muitos pacientes que lutam com sentimentos dolorosos. É o trabalho do seu terapeuta para ajudá-lo a trabalhar com esses sentimentos e recuperar um sentido de esperança. E, a fim de mudar, você tem que expressá-los.

Por que algumas pessoas param de tomar antidepressivos?

Medicamentos antidepressivos podem ser muito eficazes para muitas pessoas com depressão - se forem tomados como indicado. Se o seu médico ou psiquiatra prescreve antidepressivos, você precisa tomá-los por, pelo menos, de 6 a 9 meses, para que eles funcionem corretamente.
Infelizmente, de acordo com a Agência de Investigação de Saúde e Qualidade, mais de 50% das pessoas que tomam medicamentos de depressão param de tomá-los antes dos 6 meses. Isso aumenta o risco de recaída. As razões mais comuns para não tomar antidepressivos como precrito podem incluir:
  • Você ter efeitos colaterais incômodos. Muitas pessoas têm medo de incomodar o médico ou psiquiatra sobre os efeitos colaterais - diz Papakostas. Então, eles param de tomar o medicamento sem saber se uma outra droga pode funcionar melhor. Há muitos tipos diferentes de antidepressivos disponíveis - por isso o primeiro que você tenta não é sua única opção. Se você está tendo efeitos colaterais incômodos, informe o seu médico ou psiquiatra. Ele ou ela irá trabalhar com você para encontrar a droga mais eficaz com menos efeitos colaterais.
  • Você está preocupado com interações medicamentosas . É importante estar ciente de possíveis interações entre os medicamentos que você toma. Mas também é importante perguntar ao seu médico ou psiquiatra se uma interação realmente se aplica a você antes de você parar de tomar a droga.
  • Você se sente melhor -. E esquecer de tomar o medicamento Outro cenário comum é que com o efeito dos antidepressivos os sintomas desaparecem. Você está feliz, você não está deprimido, você está se aproxima socialmente e profissionalmente - é normal que as pessoas esqueçam, diz Papakostas. Fazemos isso o tempo todo com outras doenças. Ter uma dor de cabeça batendo é um grande lembrete para tomar um analgésico. Mas quando a dor vai embora, você não pensa em tomar o medicamento.
  • Problemas podem ocorrer se você parar de tomar antidepressivos abruptamente. Apesar de não ser comum, muitos medicamentos para depressão podem causar sintomas de abstinência. Alguns pacientes confundem esses sintomas como um retorno da doença, diz Papakostas. "Ele pode até mesmo resultar em uma recaída."
    Não se sinta envergonhado ou constrangido de dizer ao seu médico que você não tem tomado a sua medicação como deveria. O seu médico só quer entender o porquê, diz Papakostas, porque então ele ou ela poderá trabalhar com você para por em prática um tratamento melhor. "Os médicos sabem que uma chamada telefônica de 5 minutos pode realmente salvar pacientes e, médicos de muito do trabalho a longo prazo se vem uma recaída completa e de recorrência.

    Tratamento da depressão: Ser positivo

    Suas atitudes e crenças também são importantes quando se trata de tratamento da depressão. Papakostas explica que uma pessoa que acredita que a medicação e a terapia podem trabalhar, tem uma maior chance de cura do que alguém que não tem a mesma atitude positiva. Isto é verdade em outras áreas médicas também.
    Algumas pessoas acreditam em coisas que simplesmente não são apoiadas pela evidência, diz ele. Essa é outra razão pela qual é importante compartilhar as dúvidas, você pode ter ouvido alguma coisa sobre o tratamento da depressão que simplesmente não é verdade. "Ter crenças que são muito pessimista e realista - e não se sentir à vontade para discuti-las com um médico - pode, de fato, dificultar o caminho do tratamento", diz Papakostas. O seu médico pode explicar os fatos e ajudar você a entender como e por que o tratamento pode funcionar para você.

Fonte: http://www.webmd.com/depression/breaking-depression-cycle-12/you-and-your-doctor?page=3