Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, abaixo, na coluna à sua esquerda.
Ou escolher entre:
WhatsApp
https://chat.whatsapp.com/IAh9lNNWEb82DLJwTWqwyu
Telegram
https://t.me/abrafibronoticias

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador necessidade de dormir para a saúde. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador necessidade de dormir para a saúde. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Entenda a importância do sono para o nosso organismo




Dra. Leticia Santoro Azevedo Soster, neurofisiologista do Hospital Israelita Albert Einstein / CRM 122 544

Não é novidade ou segredo: dormir bem é essencial para conseguir realizar as tarefas diárias com disposição e vigor. Sem uma noite de sono adequada, vários aspectos poder sem prejudicados como produtividade no trabalho e o humor.

Além disso, o descanso é importante para a saúde e colabora no equilíbrio do organismo e no melhor funcionamento dele. Por isso, o tempo e a qualidade do sono são fundamentais para o bem-estar e também para a reposição de energia.

Nest post, a Dra. Letícia Santoro Azevedo Soster, neurofisiologista do Hospital Israelita Albert Einstein, explica a importância de dormir bem e quais são os problemas mais comuns do sono. Acompanhe! 

Qual a importância do sono?

O sono tem uma série de funções e é crucial para manter nosso organismo funcionando de forma adequada. Assim, ele mantém o equilíbrio ps´´iquico, emocional e metabólico e restabelece a disposição para fazer as atividades do dia a dia.

Também tem grande relevância no humor, pois uma baixa qualidade do sono gera estresse e irritabilidade. Logo, a pessoa que não dorme bem pode apresentar sinais de cansaço, ansiedade, falta de disposição e até mesmo nervosismo. 

Dormir mal e pouco a noite influencia a saúde e contribui para o surgimento de doenças como diabetes, alterações no sistema imunológico e problemas psicológicos. Ter um sono regulado e de qualidade gera impactos na rotina e é um assunto que merece ser considerado. 

Como dormir bem?

Alguns aspectos ajudam a ter mais qualidade no sono e podem auxiliar a dormir melhor. Uma maneira de fazer isso é por meio do relaxamento já que é necessário aprender a descansar e relaxar o corpo e a mente para conseguir ter uma noite de sono melhor.

Sabemos que períodos de festas contribuem para diminuir o horário disponível para dormir. O sono no carnaval e em outras datas comemorativas, como o Natal e o Ano Novo também precisa ser considerado a fim de evitar o cansaço nas férias e feriados.

Outro aspecto é analisar a quantidade de horas de sono. É preciso levar em conta a idade para entender qual é a recomendação médica em cada caso. Por exemplo, o sono de bebê conta com uma necessidade específica que é importante para seu desenvolvimento.

 No entanto, em média, é indicado dormir entre 6 e 8 horas se você deseja descansar adequadamente e permanecer descansado no dia seguinte.

Além disso, há fatores que ajudam a descansar melhor:

  • manter uma dieta leve no período noturno;
  • criar uma rotina regular e fixar um horário para dormir; 
  • ter um ambiente adequado e que ajude no sono;
  • evitar pensar em problemas ou preocupações do dia a dia;
  • manter uma temperatura agradável no local.

Essas são algumas dicas que podem transformar seu sono e melhorar a qualidade dele em sua rotina. Afinal, dormir melhor está relacionado a relaxar e adormecer bem. Investir em técnicas que ajudam nesse sentido é uma forma de aproveitar melhor as horas de sono.

O que é a Medicina do Sono?

A Medicina do Sono é a especialidade da medicina que estuda, diagnostica e trata os distúrbios e transtornos do sono. Logo, os profissionais aptos para atuar são aqueles que têm formação específica em Medicina do Sono e que são de áreas como Pediatria, Neurologia, Clínica Médica, Psiquiatria, Pneumologia e Otorrinolaringologia.

Na sequência, separamos alguns transtornos abordados pela Medicina do Sono. Confira!

Apneia do sono

Com a presença de apneia do sono, o paciente apresenta um aumento de tecidos moles, como amigdala, pólipos nasais e adenoides. Esses fatores influenciam o fechamento da via aérea, seja totalmente ou de forma parcial.

 Alguns sinais observados com a apneia do sono são:

  • roncos; 
  • pausas na respiração;
  • dores de cabeça ao acordar; 
  • humor alterado;
  • fadiga.
Com a presença de tais sintomas, e importante procurar um médico especialista que forneça orientação e prescreva o tratamento mais adequado. Existem algumas formas de tratar o transtorno como:

  • uso de sprays nasais, que ajudam a desobstruir a via respiratória; 
  • utilização de aparelhos intraorais;
  • uso continuo do CPAP nasal;
  • cirurgia.
Ronco

O ronco é bastante conhecido e comum no sono da população. Ele é o ruído que se origina a partir do fechamento da via aérea superior e pode ser considerado como um sintoma de apneia ou apenas um ruído, o que não gera consequências.

O primeiro passo é analisar se ele está associado à apnéia obstrutiva ou se é derivado de outros probcemas, como cansaço ou uso de álcool.  Além disso, o ronco pode não ter uma causa específica ou estar ligado a um transtorno, sendo que, nesse caso, não há impactos para o paciente.

Depois de diagnosticar a causa do ronco, alguns tratamentos sugeridos pelo médico especialista, tais como:
  • perda de peso;
  • alterar a posição em que se dorme;
  • aparelho ortodôntico;
  • cirurgia na via aérea superior.
Essas soluções que fornecem bons resultados, minimizando os ruídos e aumentando a qualidade do sono. Entretanto, é essencial que o médico analise e pesquise o histórico do paciente e entenda qual é a proposta mais adequada.

Insônia

A insônia também é um problema comum e pode acontecer por causa de uma série de fatores. O conceito envolve a dificuldade em iniciar ou manter o sono e ainda o despertar precoce.  Quando se apresenta como algo persistente, isto é, ocorre por mais de três meses, é então apontado como um transtorno de insônia.

Por outro lado, quando o problema acontece em um período inferior a três meses, geralmente ele é associado a situações pontuais, como preocupações, provas, viagem, compromissos e assim por diante. De qualquer forma, é importante ficar alerta para que não evolua para um estágio crônico. 

O tratamento é colocar em prática algumas ações que tornam o sono mais tranquilo, como evitar usar telas antes de dormir e buscar reduzir o estresse no cotidiano.

Como visto, entender a importância do sono é indispensável para dormir bem. Afinal, quando você tem uma boa noite de sono, o dia seguinte flui melhor e é possível ser mais produtivo nas atividades diárias, como escola e trabalho. Portanto, é relevante buscar meios de ter um sono de qualidade e que forneça a energia de que você necessita para o dia a dia.

Já que você tem interesse em saber mais a respeito do sono e como melhorá-lo, leia também sobre o novo tratamento para apneia obstrutiva fornecido pelo Hospital Israelita Albert Einstein.


texto original
https://vidasaudavel.einstein.br/importancia-do-sono/ 


outros textos relacionado ao tema

https://vidasaudavel.einstein.br/qual-o-impacto-do-estresse-no-sono/

https://vidasaudavel.einstein.br/privacao-de-sono-principais-informacoes/

https://vidasaudavel.einstein.br/sono-aliado-da-atividade-fisica/


quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Viver com Insônia: dormir e ter uma boa noite de sono


Se é de uma dor nas costas mais baixa ou dente latejando, a dor é forte o suficiente para lidar com a luz do dia. Mas a dor durante a noite que lhe rouba o sono, muito necessária pode ser totalmente desgastante.
"Um indivíduo não pode simplesmente se sentir confortável para adormecer devido ao desconforto da dor", diz Frank. J. Falco, MD, especializado em problemas de dor de gestão e dormir em Newark, Delaware  Além disso, causa ansiedade a dor, o que perturba o sono ainda mais.
Além de impedir uma pessoa de cair no sono, a dor também resulta em dificuldade em  ficar dormindo. E uma vez que a dor te mantém acordado uma noite, é provável que faça a mesma coisa de novo e de novo. A dor relacionada com a insônia piora com o tempo.
Se a dor mantém-se, ter conforto o em saber que você não está sozinho. Segundo a Fundação Nacional do Sono, duas em cada três pessoas com dor crônica têm problemas para dormir.
Muitos tipos de dor pode interromper o sono, a partir da dor crônica, da artrite, para a dor aguda, e a que segue a cirúrgica.
"Mas não importa qual a causa, que é a intensidade e qualidade da dor, não necessariamente o tipo, que determina o impacto sobre a qualidade de uma pessoa, incluindo o sono", diz Falco, que comanda Mid-Atlantic Coluna e Dor.

A relação entre dor e sono

"A dor é uma sensação que você sente quando os nervos são estimulados a um grau intenso", diz Tracey Marks, MD, um psiquiatra de Atlanta-based. Marks é autor de "Mestre o seu sono: métodos comprovados simplificado ". "Esta estimulação ativa o cérebro, o que te mantém acordado."
Algumas maneiras em que a insônia causada pela dor incluem o seguinte:
Dor na noite interrompe os estágios do sono . "Você precisa de uma certa quantidade de cada estágio do sono para se sentir descansado e para a memória apropriada", disse Marks. Estas fases incluem o sono leve, sono profundo e sono REM (movimento rápido dos olhos). "Nós normalmente passam por quatro a seis ciclos de estas fases por noite. Mas se a dor você acorda, você gasta muito tempo no sono leve ", explica ela. Este sono reduzida - em particular, REM reduzido - pode aumentar a sensibilidade à dor.

A dor afeta a posição do sono.

Certos tipos de dor, como a dor da artrite e dor ortopédica, pode impedi-lo de ficar confortável durante a noite, diz Reena Mehra, MD, do Centro Universitário Hospitais médico do caso em Cleveland. O diretor médico dos serviços de sono adultos diz que dores muscular e conjuntas geralmente resultam em problemas de manter o sono (insônia de manutenção chamado sono), em vez de cair no sono (insônia início chamado de sono).
A privação de sono torna mais sensível à dor . Um estudo na edição de abril de 2009 do sono Jornal mostrou que indivíduos normais e saudáveis ​​são mais sensíveis à dor quando eles têm baixo nível de repouso. As razões pelas quais não são conhecidos com certeza. "Alguns estudos mostram que a privação de sono provoca o aumento da produção de substâncias inflamatórias no organismo chamadas citocinas", disse Marks.

Medicamentos para a dor interromper o sono. Infelizmente, alguns dos medicamentos prescritos para a dor, como a codeína e a morfina, pode causar insônia. Estes analgésicos podem causar apnéia, breves pausas na respiração durante o sono. "Portanto, as pessoas que tomam esses tipos de medicamentos para a dor crônica estão em maior risco de problemas de sono", diz Falco.
Pessoas com dor crônica pode ter problemas exercício . A falta de exercício leva ao ganho de peso. O excesso de peso, então, restringe o exercício, o que leva a mais libras adquirida. "Este ciclo vicioso pode levar à apnéia do sono, que impede que uma noite de sono repousante", diz Falco.

Tipos diferentes de dor

Segundo a Fundação Nacional do Sono, os tipos de dores que mais comumente causam insônia são dores nas costas, dores de cabeça e síndrome da articulação temporomandibular (ATM), que causa a dor ao redor das orelhas e músculos da mandíbula. Dor Musculoesquelética, incluindo artrite e fibromialgia, também podem causar problemas de sono. Dor de cancro, o que resulta da própria doença e do tratamento, também conduz a problemas de sono. Dor que segue a cirurgia também pode evitar muito o necessário descanso.
Como aponta Falco, a pesquisa atual mostra que há pontos em comum, mais do que diferenças entre os tipos de dor quando se trata de insônia. Algumas das nuances investigadas identificaram o seguinte:  
  • A natureza intensa de dor após a cirurgia e dor aguda outro parece afetar tanto a duração e qualidade do sono.
  • Dor da artrite crônica parece interferir com os ritmos circadianos. Um recente estudo japonês encontrou uma relação entre o relógio de uma pessoa corpo e sintomas de artrite.Mais especificamente, os pesquisadores descobriram que certos genes que afetam os ritmos circadianos pode ativar uma molécula que desencadeia a inflamação em pessoas com artrite. A relação entre esta molécula, chamada TNF-alfa, e os ritmos circadianos pode explicar por que pessoas com artrite têm pior dor nas articulações pela manhã.   
  • Em pessoas com fibromialgia, uma condição crônica que causa dor nas articulações e músculos, há explosões constantes de atividade cerebral "acordando", o que impede o sono profundo. Em um estudo publicado no Journal of Rheumatology , as pessoas com fibromialgia têm duas vezes mais despertares por hora, comparadas à muitas pessoas sem a doença.
 Dor gestão que rouba o seu sono
O primeiro passo é o de reduzir a dor, Falco diz. "O controle da dor reduz a ansiedade e depressão, melhora o sono, e contribui para uma melhor qualidade de vida."
Falco acrescenta que as pessoas com dores e problemas do sono devem ser submetidos a um estudo do sono de diagnóstico.
Quando se trata de medicamentos, informe o seu médico sobre os problemas de sono que você está tendo, como resultado de sua dor. Em seguida, seguir as ordens dele ou dela.Analgésicos e / ou pílulas para dormir podem funcionar para algumas pessoas, mas só deve ser usado sob a supervisão de um médico.
E em termos de dor que segue a cirurgia, apostando-se em dormir algumas semanas antes pode ajudar. "As pessoas não intuitivamente acham que precisam descansar para a cirurgia, mas eles realmente deveriam, pois ele pode ajudar no controle da dor", disse Marks. A pesquisa mostrou que as pessoas que descansar bastante antes da cirurgia exigir medicação menos dor depois.
 Uma vez que a cirurgia ocorreu, analgésicos narcóticos pode fazer as primeiras noites de sono mais repousante. "Tentar tempo a sua última dose em todo o tempo que você vá para a cama assim que durará a noite toda", disse Marks.

Como ter o sono que você precisa

Acalme-se com a meditação e outras técnicas de relaxamento . Quando feito de forma eficaz, tão pouco quanto 10 minutos de meditação por dia pode ajudar a sua mente ignorar a dor, disse Marks. Há muitos tipos diferentes de meditação, incluindo meditação guiada, tai chi e yoga. Mas você também pode improvisar. "Use exercícios de respiração profunda, relaxamento muscular progressivo, ou se concentrar em um objeto ou cena", disse Marks

Como tirar o sono que você precisa contínuo ...

Massagem suave também é benéfico tanto para insônia e dor crônica. Em um estudo publicado no Internacional Journal of Neuroscience , os participantes que tinham duas massagens de 30 minutos por semana durante cinco semanas experimentaram um sono melhor e menos dor lombar.  
Exercer o caminho certo. 

exercício regular pode melhorar a dor e problemas de sono, diz Falco. No entanto, a atividade dentro de três horas antes de dormir pode mantê-lo, de modo que o início do dia você trabalha fora, melhor. Para a dor, o melhor exercício é moderado e de baixo impacto.Tente caminhar, yoga ou natação.
Outras dicas para melhorar o sono incluem:
  • Renunciar cochilos diurnos ou limitar-se a uma breve 10 - a 20 minutos de cochilo da tarde.
  • Tome um banho ou ducha quente antes de dormir para relaxar.
  • Acalme-se para dormir com CDs de relaxamento que desempenham um riacho de balbucio, ondas suaves, ou outros sons suaves.
  • Remova todos os aparelhos que produzem luz do seu quarto, incluindo a TV, se você quiser tê-los, escolha aqueles que emitem vermelho em vez de azul claro.


  • Abster-se de álcool à noite, que pode ajudá-lo a dormir, mas os efeitos de um coquetel rapidamente podem sair pela culatra, interrompendo ciclos de sono de algumas horas da noite.
  • Deixar funcionando um ventilador ou outros equipamentos que façam ruídos da natureza, pássaros, músicas calmas e relaxantes por exemplo, em seu quarto para atenuar os outros sons que partem da rua.
  • Evite cafeína, que atrapalha o sono; se você deve tiver um aumento de cafeína, faça-o antes do meio dia.
  • Não exercitar ou comer três horas antes de ir para a cama.
Se a dor o está impedindo de obter uma boa noite de sono, é hora de procurar um médico.
Há uma série de tratamentos disponíveis, incluindo medicação, fisioterapia e terapia da conversa. Considere rastreamento seus hábitos de sono em um diário de sono. Esta simples ferramenta pode dar ao seu médico informações valiosas sobre a sua qualidade de sono e de quantas horas você registra a cada noite.

FONTES:
Frank J. Falco, MD, diretor, Atlântico Coluna e Dor, Newark, Delaware
Marcas Tracey, MD, psiquiatra e psicoterapeuta, autor,   Domine o seu sono: métodos comprovados Simplificado. 
Reena Mehra, MD, FCCP, professor assistente de medicina e diretor médico, serviços de sono, Hospitais Caso University Medical Center, em Cleveland, Ohio.
Robin K. Dore, MD, professor clínico de medicina, David Geffen School of Medicine, da UCLA.
Thomas Roth, PhD, diretor, Centro de Distúrbios do Sono do Hospital Henry Ford, em Detroit.
A Fundação Nacional do Sono: "Dor e do sono", "Fibromialgia e do sono".
A Clínica Mayo: "Terapia de Luz".
Hashiramoto, A. Journal of Immunology , Fevereiro de 2010; vol 184 (3): pp 1560-1565.
Hernandez-Reif, M. International Journal of Neuroscience , 2001; vol 106: pp 131-145.
Avaliado por Michael J. Breus, PhD em 02 de março de 2011