Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Siga-nos por e-mail

Mostrando postagens com marcador minha dor existe. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador minha dor existe. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 9 de junho de 2021

Análise: Dor psicológica realmente existe?

 

 iStock 

Paola Machado
Colunista do VivaBem
08/06/2021 04h00

Você já deve ter ouvido que "a dor é psicológica" de um amigo ou de um familiar. E há quem sofre com dor e já ouviu isso até de um profissional da saúde, após avaliar os exames e "não encontrar nada de errado" com o paciente. Antes de comentar sobre a experiência da dor é importante saber conceituá-la. Em 2020, a IASP (International Association for the Study of Pain) publicou no periódico científi... - Veja mais em https://www.uol.com.br/vivabem/colunas/paola-machado/2021/06/08/dor-psicologica.htm?cmpid=copiaecola

Você já deve ter ouvido que "a dor é psicológica" de um amigo ou de um familiar. E há quem sofre com dor e já ouviu isso até de um profissional da saúde, após avaliar os exames e "não encontrar nada de errado" com o paciente. Antes de comentar sobre a experiência da dor é importante saber conceituá-la. 

Em 2020, a IASP (International Association for the Study of Pain) publicou no periódico científico PAIN uma revisão de estudos com a seguinte definição de dor:


"(...) A dor é uma experiência sensitiva e emocional desagradável --associada ou semelhante àquela associada a uma lesão tecidual real ou potencial. Sendo uma experiência pessoal influenciada, em graus variáveis, por fatores biológicos, psicológicos e sociais"
 

Dor e nocicepção são fenômenos diferentes


A coluna já explicou o que é dor crônica e como interpretamos o estímulo de dor aguda e crônica. Simplificando, a dor chega por meio de uma cadeia de informações com o neurônio de primeira ordem na periferia para a medula espinhal; o neurônio de segunda ordem subindo pela medula espinhal; e o neurônio de terceira ordem para o córtex do cérebro.


O componente fisiológico da dor é chamado nocicepção e consiste dos processos de transdução, transmissão e modulação de sinais neurais gerados em resposta a um estímulo nocivo externo.


  • Nocicepção Mecanismo pelo qual os estímulos periféricos são transmitidos ao Sistema Nervoso Central.

 

  • Dor Envolve componentes discriminativos da sensibilidade como aspectos afetivos-motivacionais, componentes sensoriais-discriminativos, como a detecção da intensidade, localização, duração e qualidade e, finalmente, o componente emocional-afetivo-cognitivo que representa a forma como reagimos emocionalmente, ou seja, a interpretação do estímulo com áreas corticais e sistema límbico.

Diferentes características


A dor pode ser classificada de diferentes formas, como nociceptiva, somática, visceral, neuropática, aguda ou crônica. Todas irão levar em conta uma característica específica a partir do tempo de dor ou da região acometida, por exemplo.


Por que dizem que minha dor é psicológica?


Por meio de suas experiências de vida, as pessoas aprendem o conceito de dor. Já parou para pensar que a sua dor é vivenciada e compreendida por você —e apenas por você? Sua dor é a sua dor e ela é real!
 

Não, ela não é invenção nem coisa da sua cabeça? O fato é que a dor não se correlaciona necessariamente com a presença de danos aos tecidos e há "N" fatores, entre eles, psicológicos e comportamentais (como evitação, catastrofização e medo), que desempenham um papel importante nas respostas fisiológicas à dor.


Por isso, um fator curioso é que ela não depende necessariamente da existência de um fator estressor e agressor que esteja ativo (um machucado). Isso é, você pode fazer muitos exames de imagem, coletas de sangue e exames modernos para rastrear a causa da dor e, ainda assim, não encontrar nada no laudo. Não se frustre, nem por isso sua dor é menos real! Sim, acredite, há quem se frustre ao investigar a causa da dor e não encontrar nada do laudo. Mas a dor pode ocorrer mesmo que o agressor tenha cessado ou a lesão já tenha cicatrizado. Portanto, o relato de uma pessoa sobre uma experiência de dor deve ser sempre respeitado e os profissionais de saúde devem considerar seus sintomas.


A dor é um sinal de alarme do organismo para que tenhamos atenção ao nosso corpo e a nossa saúde, e embora cumpra um papel adaptativo, algumas características podem, sim, trazer prejuízos que afetam e muito a qualidade de vida, o bem-estar social e o psicológico.


O maior recado da ciência nesse quesito é que ela nos mostra que a partir de táticas de prevenção, como mudanças de atitudes e hábitos, é possível reduzir o risco de desenvolver dores e doenças crônicas. E no que tange o tratamento de dores, reforçamos e batemos na mesma tecla de hábitos de vida saudáveis e do suporte de profissionais de saúde que possam trabalhar e melhorar todos os componentes físicos, psicológicos e comportamentais que envolvem a sua experiência de dor. Em caso de dores, procure tratamento adequado com profissionais da área de saúde, evitando que o processo se torne crônico.


*Com colaboração de Renata Luri, doutora pela Unifesp e fisioterapeuta da Clínica La Posture; e Raone Daltro, fisioterapeuta especializado em ortopedia, da Clínica La Posture

 

Referências:
- Acesso em maio de 2021: https://www.iasp-pain.org/Education/Content.aspx?ItemNumber=1698


- PHYSICAL ACTIVITY GUIDELINES ADVISORY COMMITTEE et al. Physical activity guidelines advisory committee scientific report. Washington, DC: US Department of Health and Human Services, 2018.


- Glette, M., Stiles, T. C., Borchgrevink, P. C., & Landmark, T. (2019). The natural course of chronic pain in a general population: Stability and change in an eight-wave longitudinal study over four years (the HUNT pain study). The Journal of Pain. doi:10.1016/j.jpain.2019.10.008.

- George, Steven Z. et al. Clinical investigation of pain-related fear and pain catastrophizing for patients with low back pain. The Clinical journal of pain, v. 27, n. 2, p. 108-115, 2011. 

- Goldberg, P., Zeppieri, G., Bialosky, J., Bocchino, C., van den Boogaard, J., Tillman, S., & Chmielewski, T. L. (2018). Kinesiophobia and Its Association With Health-Related Quality of Life Across Injury Locations. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 99(1), 43-48. doi:10.1016/j.apmr.2017.06.023. 

- Montoya P. Cognitive and affective neuroscience of chronic pain: relevance for physiotherapy. J Phys Res. 2018;8(1):131-137. doi: 10.17267/2238-2704rpf.v8i1.1826.  

- George, Steven Z. et al. Clinical investigation of pain-related fear and pain catastrophizing for patients with low back pain. The Clinical journal of pain, v. 27, n. 2, p. 108-115, 2011. - Goldberg, P., Zeppieri, G., Bialosky, J., Bocchino, C., van den Boogaard, J., Tillman, S., & Chmielewski, T. L. (2018). Kinesiophobia and Its Association With Health-Related Quality of Life Across Injury Locations. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 99(1), 43-48. doi:10.1016/j.apmr.2017.06.023. - Montoya P. Cognitive and affective neuroscience of chronic pain: relevance for physiotherapy. J Phys Res. 2018;8(1):131-137. doi: 10.17267/2238-2704rpf.v8i1.1826. - Smith BE, H... - Veja mais em https://www.uol.com.br/vivabem/colunas/paola-machado/2021/06/08/dor-psicologica.htm?cmpid=copiaecola

- Smith BE, Hendrick P, Smith TO, Bateman M, Moffatt F, Rathleff MS, Selfe J, Logan P. Should exercises be painful in the management of chronic musculoskeletal pain? A systematic review and meta-analysis. Br J Sports Med. 2017 Dec;51(23):1679-1687. doi: 10.1136/bjsports-2016-097383.

Você já deve ter ouvido que "a dor é psicológica" de um amigo ou de um familiar. E há quem sofre com dor e já ouviu isso até de um profissional da saúde, após avaliar os exames e "não encontrar nada de errado" com o paciente. Antes de comentar sobre a experiência da dor é importante saber conceituá-la.... - Veja mais em https://www.uol.com.br/vivabem/colunas/paola-machado/2021/06/08/dor-psicologica.htm?cmpid=copiaecola
Você já deve ter ouvido que "a dor é psicológica" de um amigo ou de um familiar. E há quem sofre com dor e já ouviu isso até de um profissional da saúde, após avaliar os exames e "não encontrar nada de errado" com o paciente. Antes de comentar sobre a experiência da dor é importante saber conceituá-la.... - Veja mais em https://www.uol.com.br/vivabem/colunas/paola-machado/2021/06/08/dor-psicologica.htm?cmpid=copiaecola

 

 

texto original

https://www.uol.com.br/vivabem/colunas/paola-machado/2021/06/08/dor-psicologica.htm