Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, abaixo, na coluna à sua esquerda.
Ou escolher entre:
WhatsApp
https://chat.whatsapp.com/IAh9lNNWEb82DLJwTWqwyu
Telegram
https://t.me/abrafibronoticias

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador 6 anos de Abrafibro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 6 anos de Abrafibro. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

I EDIÇÃO DO JORNAL DA ABRAFIBRO - EDIÇÃO DE COMEMORAÇÃO PELOS 6 ANOS DE ATIVIDADES - MESMO NÃO SENDO LEGALIZADOS!

Já se foram 6 anos.
Em 19 de setembro de 2007 a Abrafibro começou suas atividades no "antigo" Orkut.
Éramos então em 8 pessoas, Cheias de vontade de mudar tudo, de ver as coisas em seus devidos lugares, não ver mais pacientes passando necessidades, sem tratamento adequado, sem sofrerem humilhações por ignorância, e médicos treinados para nos trazer a confiança, o respeito e a dignidade que há muito se fora.
Sonhar é fácil.
Com os pés no chão, e tomando conhecimento do funcionamento "das coisas" no Brasil, tivemos que nos readaptar, e readequar nossos ideais, nossos projetos, nossos desejos.
Percebemos que o próprio paciente não tinha a menor noção do que estava acontecendo com seu corpo. A fase de aceitação era a mais difícil, e a mais crucial. Pois quanto antes descoberta a síndrome, quanto antes começarmos o tratamento adequado, mais chances de minimizarmos seus sintomas.
Então a primeira etapa seria EDUCAÇÃO DO PACIENTE.
A Segunda seria a Conscientização da Sociedade em Geral, de profissionais da Saúde e inclusive médicos. Pasmem!!! Médicos!
Ainda há quem duvide da existência desta síndrome.
Existem inúmeras "pérolas" ouvidas pelos pacientes, em consultórios médicos, que fariam qualquer pessoa perder a compostura.
Imaginem um médico dizendo:
-"Isso é coisa que inventaram! Agora é moda!"
- "Põe um pitbull atrás dela... vamos ver se ela não dá conta de correr!"
- "Sabia que Fibromialgia é coisa da cabeça?"
- "Você precisa aprender a se acostumar com a dor, sabia?!"
- "Fibromialgia? Ah, manda aí... tô sem fazer nada mesmo, até isso tô aceitando!"
Deprimente, não?!
Saber que especialistas que estudaram para nos ajudar fazem chacota de nossa doença.

De parentes, colegas de trabalho, amigos... esses não têm a formação de um médico, porém podem ajudar passando a conhecer ao invés de tirar suas próprias conclusões; que normalmente estão erradas, e só pioram o quadro o paciente.

Cientes de tudo isso, a Abrafibro foi plantando uma sementinha em cada canto desse imenso Brasil, tão carente. E também até fora do Brasil.
Incansáveis pesquisas, leituras, discussões, perguntas, orientações para levar aos membros do que chamamos carinhosamente de Família Abrafibro, é ter a certeza que estamos cumprindo não só uma função social, mas como pacientes também gostaríamos de ter encontrado quem nos amparasse e nos desse esse Norte, para então aderirmos ao tratamento com fé e muita vontade de que vai dar certo.

Em comemoração a esses 6 anos, a Abrafibro preparou com todo carinho uma novidade!
Um jornal!
É a internet está evoluindo, e nós - na medida do possível - vamos junto com ela.
Abaixo vamos dar à você orientações básicas para que sua leitura seja a mais confortável e tranquila possível.
Claro! Há algumas coisinhas diferentes, mas com orientação e sua força de vontade de aprender... facinho facinho você irá dominar.
Então vamos lá?

Vamos dar passo a passo o que fazer para conseguir lê-lo. 

Click na seta para ler.
Aparecerá o fundo com vários balões, depois o jornal e ao centro estará escrito "Clique para ler". Ok?
*Uma outra página se abrirá. Tudo em tamanho um pouco maior.
*Você deve clicar NOVAMENTE em "Clique para ler".
*Será pedida sua permissão para deixar o jornal ocupar sua tela inteira. Você deve permitir.
*Ao permitir, é que você verá no alto da tela a ferramenta assim: - o-------+. Com seu mouse, click na bolinha, e arraste para o lado onde está o sinal de +. Quanto mais você arrastar, maior ficará a página. Ajuste no tamanho de letras ideal para você.
*Ajuste com o mouse a posição ideal da página para sua leitura.
* Para voltar ao tamanho normal é só apertar a tecla "Esc" no seu teclado.

Ok?! Se ainda tiver alguma dúvida, é só chamar que a gente ajuda, tá?! Boa Leitura!