Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Siga-nos por e-mail

Mostrando postagens com marcador dor na depressão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dor na depressão. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

Sintomas físicos de depressão

 homem sênior sentado à noite 

Problemas de sono

A depressão pode afetar seu corpo e também sua mente. A dificuldade para adormecer ou manter o sono é comum em pessoas deprimidas. Mas alguns podem achar que dormem demais.

mulher com dor no peito 

Dor no peito

Pode ser um sinal de problemas cardíacos, pulmonares ou estomacais, portanto, consulte seu médico para descartar essas causas. Às vezes, porém, é um sintoma de depressão.

A depressão também pode aumentar o risco de doenças cardíacas. Além disso, as pessoas que tiveram ataques cardíacos têm maior probabilidade de ficar deprimidas. 


mulher dormindo no sofá 


Fadiga e exaustão

Se você se sente tão cansado a ponto de não ter energia para as tarefas diárias - mesmo quando dorme ou repousa muito - pode ser um sinal de que está deprimido. Depressão e fadiga juntas tendem a fazer ambas as condições parecerem piores. 



mulher com dor no pescoço 


Músculos e articulações doloridos

Quando você vive com dor contínua, isso pode aumentar o risco de depressão.

A depressão também pode causar dor porque as duas condições compartilham mensageiros químicos no cérebro. Pessoas deprimidas têm três vezes mais chances de sentir dores regulares. 


mulher pendurada na pia 


Problemas digestivos

Nossos cérebros e sistemas digestivos estão fortemente conectados, e é por isso que muitos de nós temos dores de estômago ou náuseas quando estamos estressados ​​ou preocupados.

A depressão também pode atingir seu intestino - causando náusea, indigestão, diarréia ou prisão de ventre. 



mulher com dor de cabeça 

Dores de cabeça

Um estudo mostra que as pessoas com depressão grave têm três vezes mais probabilidade de ter enxaquecas, e as pessoas com enxaqueca têm cinco vezes mais chances de ficarem deprimidas. 


mulher infeliz no restaurante 


Mudanças no apetite ou peso

Algumas pessoas sentem menos fome quando ficam deprimidas. Outros não conseguem parar de comer. O resultado pode ser ganho ou perda de peso, além de falta de energia.

A depressão tem sido associada a distúrbios alimentares como bulimia, anorexia ou compulsão alimentar. 



mulher esfregando as costas doendo 


Dor nas costas

Quando isso o machuca regularmente, pode contribuir para a depressão. E as pessoas deprimidas podem ter quatro vezes mais probabilidade de sentir dores fortes e incapacitantes no pescoço ou nas costas.

homem em pé com os braços na cabeça 

Agitado e inquieto

Problemas de sono ou outros sintomas de depressão podem fazer você se sentir assim. Os homens têm maior probabilidade do que as mulheres de ficarem irritados quando estão deprimidos.

 

casal dormindo de costas

Problemas Sexuais

Se você está deprimido, pode perder o interesse pelo sexo. Alguns medicamentos prescritos para o tratamento da depressão também podem tirar seu ímpeto e afetar o desempenho. Converse com seu médico sobre suas opções de medicamentos.

família bamboleando juntos

Exercício

A pesquisa sugere que, se você fizer isso regularmente, ele libera substâncias químicas em seu cérebro que fazem você se sentir bem, melhoram seu humor e reduzem sua sensibilidade à dor.

Embora a atividade física por si só não cure a depressão, pode ajudar a aliviá-la a longo prazo.

Se você está deprimido, às vezes pode ser difícil conseguir energia para se exercitar. Mas lembre-se de que pode aliviar a fadiga e ajudá-lo a dormir melhor.

 

texto original

https://www.webmd.com/depression/ss/slideshow-physical-symptoms-depression

 

IMAGENS FORNECIDAS POR:

(1) Kim Carson / Digital Vision
(2) Aubrey Humbert / BSIP
(3) Garry Wade / Taxi
(4) Bartomeu Amengual / Photolibrary
(5) Peter Cade / Photographer's Choice
(6) Christopher Robbins / Digital Vision
(7) Ian Sanderson / Escolha do fotógrafo
(8) Bartomeu Amengual / AGE Fotostock
(9) JA Bracchi / OJO Images
(10) Peter Cade / Iconica
(11) David Buffington / Blend Images

 

REFERÊNCIAS:

Instituto Nacional de Saúde Mental: "Depressão", "Mudanças no Apetite".
Fundação Nacional do Sono: "Depressão e Sono".
Eken, C. The Journal of Emergency Medicine, 2010.
Cleveland Clinic Journal of Medicine : "Doença cardíaca e depressão: Não ignore o relacionamento."
Skapinakis, P. Psychosomatic Medicine, maio / junho de 2004.
PubMed Health: "Major Depression."
Serviços de Saúde da Universidade da Universidade de Berkeley: "Clinical Depression".
Publicações de saúde de Harvard: "Depressão e dor", "Depressão e dor", "Exercício e depressão".
Trivedi, M. Companheiro de Cuidados Primários do Journal of Clinical Psychiatry, 2004.
Anxiety Disorders Association of America: "Irritable Bowel Syndrome (IBS)".
Lydiard, R. Journal of Clinical Psychology, 2001.
Stanford School of Medicine: "Problemas digestivos no início da vida podem aumentar o risco de depressão, sugere estudo"
National Headache Foundation: "Depression and Headache", "Depression Linked to Daily Head Pain".
University of California, Berkeley, Health Services: "Tension Headache Fact Sheet."
National Mental Health Association: "Eating Disorders and Depression".
Mental Health America: "Depression in Women".
Science Daily: "A depressão pode causar dores nas costas."
Médico de família americano: "Depressão e desejo sexual."
Cleveland Clinic: "Sexual Problems and Depression".
American Psychological Association: "O exercício ajuda a manter a forma de psique."