Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador CBD. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador CBD. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

O que não sabemos sobre os produtos CBD pode prejudicá-lo


FRIEDA WILEY, PHARMD, RPH
27 DE SETEMBRO DE 2019

A maconha medicinal sempre foi um tópico popular - e para não mencionar, controverso. Mas agora, seu neto, canabidiol (CBD), está desfrutando de seus próprios 15 minutos de fama. Hoje em dia, é praticamente impossível ligar a TV, navegar na Internet ou até mesmo passear pela rua sem ver ou ouvir algo sobre o CBD.

Embora o CBD venha da mesma planta que a maconha, o CBD possui pouco ou nenhum tetrahidrocanabinol (THC), o produto químico que confere à maconha seus efeitos eufóricos ou alucinógenos. Portanto, desde que a quantidade de THC caia abaixo de uma certa quantidade, os produtos CBD são legais para vender (embora isso não garanta que os produtos sejam totalmente seguros).

O CBD é usado para tratar muitas condições de saúde, como convulsões e outros distúrbios neurológicos, dor e inflamação. O CBD vem em uma ampla variedade de produtos e dosagens: você pode encontrar o CBD vendido em tinturas, gomas, cápsulas, pastilhas, óleos, canetas vape, sprays, cremes e supositórios e muito mais. Mas nem todos os produtos CBD são seguros - ou são criados iguais. E o júri ainda está de olho na qualidade desses produtos e em como eles funcionam.

Para lidar melhor com os desafios, passei algum tempo conversando com meu colega Michael Schuh, PharmD, MBA, FAPhA, farmacêutico clínico e professor assistente de medicina de família, medicina paliativa e farmácia na Clínica Mayo, na Flórida. Ele também é especialista em medicina integrativa e CBD.

Qual é o maior equívoco sobre o CBD?

O CBD é como um potente suplemento herbal, mas o que muitas pessoas não percebem é que o CBD tem efeitos colaterais e interações medicamentosas, como qualquer medicamento. Basicamente, se é uma dose forte o suficiente para causar efeitos terapêuticos, é suficiente para causar efeitos colaterais e interações medicamentosas. Outro problema é que poucos produtos são padronizados ou controlados para garantir que você esteja recebendo um produto puro e de alta qualidade. Isso dificulta saber o que você realmente está usando. De fato, não há uma maneira real de avaliar os produtos de CBD no momento. Qualquer coisa que você engula, inspire, injete ou absorva através da pele que tenha contato direto com a corrente sanguínea corre o risco de efeitos colaterais ou interações imprevistas.

Muitas empresas dizem que os produtos CBD são completamente seguros, mas você mencionou que os produtos CBD têm interações medicamentosas que não são amplamente conhecidas. Você pode nos dar um exemplo?

O fígado desempenha um papel importante na maneira como as drogas funcionam, pois contém catalisadores especiais ou enzimas que ativam as drogas para que possam afetar o corpo. Essas enzimas também podem ajudar a remover esses medicamentos do corpo depois que eles fazem seu trabalho. O CBD diminui a capacidade das enzimas hepáticas de ativar drogas, para que funcionem e sua capacidade de decompor as drogas removidas do corpo. Um exemplo é o clopidogrel, um medicamento antiplaquetário usado para prevenir derrame ou ataque cardíaco. Se você já teve um ataque cardíaco e está tentando impedir outro, tomar CBD pode impedir o fígado de converter o clopidogrel em sua forma ativa, resultando em outro ataque cardíaco. Há evidências de que o CBD também inibe outras enzimas que decompõem pelo menos 50-60% de todos os medicamentos prescritos. Essas enzimas quebram opióides e outras drogas que deprimem o sistema nervoso, ou depressores do SNC. Se você inibir qualquer uma dessas vias, pode arriscar uma overdose de drogas, porque seu corpo não consegue eliminar os depressores do SNC o mais rápido que deveria. Isso ocorre porque o CBD diminui a velocidade com que seu corpo processa os depressores do SNC, para que seu corpo não os processe tão rapidamente quanto faria normalmente. Como resultado, os depressores do SNC podem aumentar para níveis perigosamente altos.

Dados os problemas relacionados à garantia da qualidade dos produtos CBD que você destacou, quais são os principais indicadores que você pode oferecer aos leitores para ajudá-los a fazer escolhas mais bem informadas sobre os produtos CBD?

O CBD sozinho é um depressivo. Não tem euforia, mas ainda é um depressor do sistema nervoso, mesmo sem o THC.

Os pacientes devem entrar em contato com seu médico ou farmacêutico sobre CBD. Infelizmente, mesmo a maioria desses profissionais de saúde não conhece as evidências reais da literatura sobre o CBD. Eu recomendo que os pacientes confiem apenas nas informações encontradas em sites operados pelo governo federal dos EUA, universidades de pesquisa e sites acadêmicos, como a Clínica Mayo.

Entenda que o dinheiro está impulsionando o setor de CBD - não a eficácia clínica. Somente em raros distúrbios convulsivos pediátricos, ele tem algum valor clínico atualmente reconhecido.

texto original

© 2019 WebMD, LLC. Todos os direitos reservados.

https://blogs.webmd.com/public-health/20190927/what-we-dont-know-about-cbd-products-could-hurt-you?ecd=wnl_cbp_121419&ctr=wnl-cbp-121419_nsl-LeadModule_title&mb=zIO2Trxt3XuHX1VhofTIWChonS%2fH3cwyBxN3j2c9bDc%3d