Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador recente pesquisa sobre fibromialgia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador recente pesquisa sobre fibromialgia. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Estudo constata Genes Variantes associados ao risco para Fibromialgia

02 de Junho de 2016

Em Palm Springs, na Califórnia, uma análise retrospectiva encontrou dois polimorfismos genéticos com uma associação estatisticamente significativa com a fibromialgia: proteína C-reativa (PCR; rs1205) e proteína tirosina fosfatase, tipo não receptor 11 (PTFN11; rs2301756). De acordo com os pesquisadores, estas descobertas podem contribuir para a descoberta de melhores modalidades de diagnóstico e tratamento para a doença.
"Coletivamente, os nossos resultados mostram que os testes genéticos para PCR e PTFN11 podem ajudar a determinar o risco de fibromialgia", disse Zoie Badura, médico cientista, o principal autor do estudo e pesquisador do Proove Biosciences"Estes resultados devem ser validados, mas sugerem os testes genéticos que podem ajudar no diagnóstico e, potencialmente, na intervenção de tratamentos com base na determinação de biomarcadores."
Apesar dos avanços na pesquisa e uma melhor compreensão da doença, como Ms. Badura relatou na reunião anual da American Academy of Pain Medicine 2016, a fibromialgia não é diagnosticada em até três de quatro pessoas com a doença.

"A etiologia da fibromialgia é indescritível", disse Natasha Anand, MS, coautora do estudo e pesquisadora da Proove Biosciences. "Embora o American College of Rheumatology tenha publicado critérios para o diagnóstico, não há testes de diagnóstico para a fibromialgia, e os testes laboratoriais padrão não costumam revelar uma razão fisiológica para os sintomas."
De fato, como explicou Sra. Anand, os pacientes muitas vezes buscam vários médicos especialistas, num esforço para estabelecer as razões para os seus sintomas e encontrar o tratamento.
A patogênese da fibromialgia permanece igualmente incerta: Ainda não é clara como variáveis genéticas ​​contribuem para o desenvolvimento da doença, ou se estas podem ser preditivos de uma pessoa desenvolver a doença.
 
CRP e PTPN11: Relacionada com a fibromialgia
Este estudo multicêntrico, retrospectivo, de caso-controle foi composto de 108 pacientes que tinham sido diagnosticados com fibromialgia (Classificação Internacional de Doenças, nona revisão, o código Modificação Clínica 729,1) e 104 controles que foram pareados por idade, raça e sexo. Os dados foram coletados a partir de setembro 2014 a janeiro de 2015 de 26 locais de pesquisa clínica diferentes nos Estados Unidos, e as amostras foram genotipados para 128 polimorfismos de nucleotídeo único. Análises de associações e de regressões foram então realizadas para determinar as associações entre cada genótipo e fenótipo dor.
<03c7> testes quadrangulares mostraram que polimorfismos genéticos em oito genes teve uma associação estatisticamente significativa com fibromialgia (P <0 span=""> Destes, a significância no entanto, apenas polimorfismos no CRP e genes PTPN11 passou no teste seguinte correção de Bonferroni (P = 0,004).
"Curiosamente", disse Badura ", o CRP C-alelo tem sido associado com maiores concentrações plasmáticas de CRP. Nossos resultados, que indicam o C-alelo é associado com fibromialgia, apoiam as conclusões da pesquisa anterior, e indicam que os testes genéticos podem identificar pacientes com maior risco de níveis elevados de PCR e fibromialgia ".
CRP é um marcador para a inflamação, disse Badura, o que sugere que os pacientes com fibromialgia podem ser geneticamente predispostos para processos inflamatórios.
Os pesquisadores também descobriram um "romance" associação significativa e entre PTPN11 polimorfismo e fibromialgia. Os códigos PTPN11 para a proteína SHP-2, que é amplamente expressa na maioria dos tecidos, e é responsável pela citocina no sistema imunológico, bem como modulando a resposta do organismo ao stress através da indução de inflamação.
"O polimorfismo PTPN11 pode desempenhar um papel ainda inexplorado no componente inflamatório da fibromialgia,"Sra Anand" observou. "PTPN11 também está envolvido no intestino diferentes reações de muitas pessoas com fibromialgia têm doenças do intestino, também, mas nós ainda não tiver certeza da associação porque esta é uma nova descoberta."
Sra. Anand e seus colegas continuam a avaliar possíveis associações entre polimorfismos genéticos e fibromialgia, a fim de descobrir marcadores terapêuticos e desenvolver instrumentos diagnósticos objetivos.
"Se continuarmos a analisar genes e a genética das pessoas, acho que é possível  ser capaz de diagnosticar as pessoas que têm fibromialgia e talvez as pessoas que têm algo mais a serem diagnosticadas," Sra. Anand concluiu.


 Este estudo foi financiado pelo Proove Biosciences.
Fonte http://www.painmedicinenews.com/Science-Technology/Article/05-16/Study-Finds-Genetic-Variants-Associated-With-Risk-for-Fibromyalgia/36078/ses=ogst