Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador como lidar com a ansiedade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador como lidar com a ansiedade. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 20 de julho de 2021

Relato de paciente: "Eu não percebia o quão ruim era minha ansiedade até que tratei minha depressão"

 foto de uma jovem sentada em um café parecendo triste

 

 

 

No início da minha jornada para a saúde mental , eu estava tão consumido pela minha depressão que não tinha forças e espaço para notar qualquer outra coisa. Meus dias foram cheios de me convencer de que valia a pena viver e que não estarei no mesmo lugar para sempre. A terapia e a medicação definitivamente me ajudaram a chegar a um lugar melhor. E só então percebi o quão forte era a minha ansiedade .

Como não estava tão ocupado tentando me manter vivo, finalmente percebi como minha ansiedade estava me controlando. Eu não posso ir a festas. Sei que é ilógico para a maioria, mas temo estar cercado por tantas pessoas, ter que fazer atividades que parecem divertidas para a maioria, mas são opressoras para mim. Não posso comer na frente de pessoas que não conheço, especialmente quando sou um convidado. Não posso ousar ir a lugares que nunca estive ou que não conheço, especialmente por conta própria. Preciso sempre me preparar com antecedência para qualquer evento ou atividade, para que possa estar preparado para qualquer situação que possa surgir. Não sei como lidar com as coisas quando elas não estão na lista das minhas situações previstas.

Não posso falar com estranhos. Eu odeio toques casuais de estranhos, como quando estou usando transporte público, onde isso realmente não pode ser evitado. Evito encontrar amigos que amo. Eu não namoro casualmente. Eu nem ouso ir a encontros. Eu ataco quando estou sobrecarregada. Só posso escolher trabalhos remotos porque diminui a possibilidade de um ataque de ansiedade ou, pelo menos, ninguém vai ver se tenho um. Minha mente rotula pessoas, lugares e situações como seguros ou inseguros e reage de acordo com esses rótulos, seja razoável ou não. Minha mente me convence a fugir ou fugir quando uma situação é considerada insegura, mesmo que seja um treinamento para o trabalho ou uma reunião com conhecidos.

Nunca posso desligar minha mente ou, pelo menos, silenciá-la. Sempre há algo funcionando, não importa o que eu faça ou onde esteja. Não consigo deixar de lado coisas simples que nem deveriam me incomodar. Tenho certeza de que há mais, mas nem sei que se devem à minha ansiedade .

Eu sei que você deve superar seu medo enfrentando-o de frente. Então, você sentirá a satisfação que vem quando você supera isso. Na próxima vez que o enfrentar, você se sentirá um pouco mais confiante. Não funciona assim para mim. Eu me forço a enfrentar coisas que considero inseguras. Se eu superar isso, vou me sentir culpado por ficar ansioso com isso em primeiro lugar. Então, se eu tivesse que enfrentá-lo novamente, o mesmo medo avassalador me envolve. E eu me afogo novamente. E assim como é o ciclo que é, eu sento para passar apenas para me sentir culpada depois. Então o ciclo se repete. Não há satisfação no final para mim. Apenas uma sensação de cansaço.

Recentemente, minha ansiedade foi desencadeada por meu treinamento para o trabalho. Fico extremamente ansioso porque não estou familiarizado com as coisas que preciso fazer. Eu me saio mal porque estou muito sobrecarregado e os resultados ruins fazem com que eu me sinta ainda mais oprimido. Eu sei que preciso seguir em frente e não deixar isso ficar na minha mente por muito tempo. Minha ansiedade não permite isso. Eu sei que preciso me concentrar na tarefa, quebrar as coisas para não me sobrecarregar. Eu tento. Acredite em mim, eu tento. É o dobro do trabalho tentar realizar uma tarefa e convencer sua mente a se acalmar e se concentrar. 

Gosto de trabalhar e ganhar meu próprio dinheiro. Agradeço tudo o que me é dado, mas prefiro trabalhar por isso sozinho. Gostaria que minha mente fosse tão determinada e confiante quanto aquela pessoa não consumida por seus distúrbios. Eu quero ser mais, mas meus distúrbios me limitam. E por mais que eu queira dizer que não é verdade, é a minha realidade. Eu imagino o que seria sem esses distúrbios me prendendo como correntes. Eu poderia ter tido mais sucesso? Eu poderia ter feito mais conexões? Será que não perdi tantas oportunidades?

Não espero ser tratado de maneira diferente só porque tenho distúrbios. Também não estou tentando diminuir o quão debilitante é tê-los. Só entendo que, embora estejamos lentamente nos tornando mais compreensivos no que diz respeito à saúde mental , nossa sociedade ainda não foi projetada para pessoas como eu. Espero que um dia isso aconteça, mas por enquanto, pessoas como eu precisam se encaixar e se ajustar. Há uma coisa que eu pergunto. Seja humano. E quero dizer isso da melhor maneira. A pessoa ao seu lado no escritório pode parecer que ela tem tudo sob controle, quando na verdade ela está desmoronando por dentro. Portanto, seja humano. Não há necessidade de ser mesquinho ou tornar alguém miserável. A vida é difícil como é. O mínimo que podemos fazer é não dificultar as coisas.

Eu escrevi isso para me lembrar: “Eu também sou humano”. Cometerei erros e me decepcionarei, mas farei melhor. Minha ansiedade pode parecer que está me controlando agora, mas me recuso a deixar que continue assim. Vou controlar minha ansiedade e viver a vida que quero. E estarei esperando o dia em que escreverei sobre aqueles dias.

FOTO DE LUCIA MACEDO NO UNSPLASH

fonte: https://themighty.com/2021/07/anxiety-bad-after-treating-depression/?utm_source=newsletter_mental_health&utm_medium=email&utm_campaign=newsletter_mental_health_2021-07-19&%24deep_link=true&%243p=e_cordial&_branch_match_id=946149501308357212