Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador dor crônica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dor crônica. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 12 de agosto de 2021

Relato de paciente: Quando você precisa fazer uma pausa e descansar na vida com doenças crônicas

 Woman drinking tea in bed. 

Imagem Getty de Prostock-Studio.


CJ Walker •

6 de julho de 2021

Hoje, eu lutei contra a exaustão extrema no meio do dia. Um minuto, eu estava assistindo TV com meus filhos. No minuto seguinte, estou tendo problemas para manter meus olhos abertos enquanto estou sentado na cama. Meus filhos me pegaram cochilando e tentaram me manter acordada.

Mesmo tendo conseguido ficar acordado e não dormir, me senti completamente esgotado e era difícil para mim me concentrar em qualquer tarefa. Com o meu evento comunitário anual se aproximando rapidamente, começando minhas novas posições e completando o livro dos meus filhos enquanto cuido da minha casa, sei que tenho muito o que fazer. Eu senti que tinha que fazer tudo.

E meu corpo percebeu isso também, e decidiu me dar uma verificação da realidade na forma de pura exaustão e dores de cabeça debilitantes. Em vez de tentar cumprir meus prazos e concluir as tarefas que pretendia realizar, decidi concluir o que pude e, em seguida, pausar todo o resto e descansar.

Reconheça os sinais de que nossos corpos estão nos dizendo para desacelerar:

- Sentindo-se esgotado e oprimido com tudo o que você tem que fazer.

- Sentir-se menos motivado para concluir suas tarefas.

- Ser mal-humorado, irritado e irritado com os outros.

- Experimentando problemas de memória de curto prazo. Você está se esquecendo de compromissos, tarefas e eventos.

- Falta de sono porque você está muito focado em completar suas tarefas.

- Experimentando uma mudança de hábitos alimentares. Você está pulando refeições, não comendo muito, comendo muito ou comendo refeições menos nutritivas. Isso também pode acontecer quando você está bebendo mais bebidas com cafeína para manter o foco ou simplesmente não está bebendo nenhum líquido.

- Sentindo dores de cabeça, tensão muscular, problemas de pele devido ao estresse e ansiedade.

Se você está experimentando algum desses sintomas, então seu corpo está dizendo para você pausar o que está fazendo e descansar.

Como colheres, é especialmente importante ouvirmos as dicas do nosso corpo, porque ignorar os sinais pode afetar muito a nossa saúde. Do ponto de vista do diabético, corremos o risco de sofrer episódios de hiperglicemia por estarmos estressados, por esquecer de tomar remédios ou por falta de sono. Também podemos ter problemas de episódios de hipoglicemia por pular refeições, não comer o suficiente e nos sentirmos cansados.

O que significa fazer uma pausa e descansar?

Você para de fazer tudo o que está fazendo e descansa. Tire um cochilo. Faça uma refeição nutritiva. Passe algum tempo com a família e amigos. Dê um passeio ou vá ao ginásio. Vá de férias. Concentre-se em um hobby. Delegar tarefas a outras pessoas, sejam tarefas domésticas ou atribuições de trabalho. Ao reservar um tempo para fazer uma pausa e descansar, você está abrindo mão do controle e deixando as coisas como estão.

Então, quando estiver pronto, volte para sua tarefa com uma mente sã e foco renovado.

Não espere até estar exausto para fazer uma pausa e descansar. Ouça as dicas do seu corpo. Quando você notar os sinais, aja de acordo. Não ignore os sinais. Faça uma pausa e descanse!
Quais são suas melhores dicas de autocuidado em doenças crônicas?



fonte: https://themighty.com/2021/07/pause-rest-type-2-diabetes-chronic-illness/?utm_source=newsletter_chronic_illness&utm_medium=email&utm_campaign=newsletter_chronic_illness_2021-08-11&%24deep_link=true&%243p=e_cordial&_branch_match_id=946897862271089957

Relato de Paciente: Por que eu não guardo mais minhas lutas crônicas de doenças para mim mesmo

 Woman with blue hair and running mascara.

 
2 de agosto de 2021

Por Chronic Writer



Quando minha dor está pior, não consigo ficar em silêncio. Quando o fogo e a dor envolvem cada dedo, cada dedo do pé, cada pulso, cada pé, cada cotovelo, cada joelho e cada costela, preciso ser capaz de falar sobre isso. A dor me segura em suas garras, me apertando até que devo falar seu nome.

Se eu não falasse sobre isso, você nunca saberia. Meu rosto está calmo, meus passos firmes. Posso até sorrir ou rir enquanto digo que meu corpo é um monólito de dor incessante.

Estou a um segundo de gritar. Um segundo longe de atirar um copo na parede para tornar visível o estilhaçamento sob minha pele. Estou a um segundo de chorar, mas no máximo posso deixar duas lágrimas rolarem pelo canto dos meus olhos antes de limpá-las rapidamente.

Eu não grito, choro ou quebro coisas, mas falo sobre minha doença. Eu anuncio aos meus amigos: Isso é difícil. Eu não estou bem. Isso faz parte da minha vida e, se você for meu amigo, confiarei em você o suficiente para compartilhar minhas tristezas e também minhas alegrias.

Eu me preocupo com isso é demais. Os limites da compaixão e da compreensão só se estendem até certo ponto. Ninguém gosta de um chorão e gosto de que gostem.

Eu me contenho. Raciono minha honestidade sobre minha dor. Eu o distribuo em mordidas digestíveis e espero que ninguém se sinta cheio.

Sou recompensado por minha reticência. Meu médico disse: "Você não é um reclamante!" Meus colegas disseram: “Eu nunca saberia que você estava doente se não tivesse me contado”. Todo mundo diz: "Você é tão forte!"

Vivemos em uma sociedade apaixonada pela positividade tóxica. Se você expressar seu desespero muito alto ou com muita frequência, pode ser advertido a "Olhe pelo lado bom!" "Aguente firme!" "Mantenha seu queixo erguido!" "Seja grato! Seja grato! Estar atento!"

Eu sou grato por minha vida. Sou grato por minhas bênçãos. Estou ciente de meus muitos privilégios.

Eu também estou cheio de dor.

Essa tirania do otimismo faz a falsa suposição de que admitir suas fraquezas diminuirá sua força.

Eu não sou negativo; Eu sou honesto. Eu não desisti; Eu estou lutando. Eu não estou amargo; Eu estou com raiva. Eu não estou deprimido; Eu estou de luto. Eu não sou suicida; Estou cansado.

Não posso carregar o fardo dessa dor e o peso de uma concha revestida de doce de positividade.

“O medo de um nome aumenta o medo da própria coisa”, disse Dumbledore. Falo minha dor e corro seu poder sobre mim. Reconheço que existe e não me sinto mais sozinho em minha luta.

Eu sou resiliente. Eu sou forte. Eu persisto apesar da minha dor porque não estou em silêncio.
Você está aberto a suas lutas contra doenças crônicas?

 

fonte: https://themighty.com/2021/08/rheumatoid-arthritis-chronic-pain-honesty/?utm_source=newsletter_chronic_illness&utm_medium=email&utm_campaign=newsletter_chronic_illness_2021-08-11&%24deep_link=true&%243p=e_cordial&_branch_match_id=946897862271089957

quinta-feira, 5 de agosto de 2021

Flexível demais: por que a hipermobilidade pode causar dor crônica?

 

(crédito: Lucas Pacífico/CB/D.A.PRess)

Comumente confundida com fibromialgia, a hipermobilidade articular nem sempre apresenta sintomas. Mas, quando aparecem, as dores podem acompanhar a pessoa até o fim da vida

Iara Pereira     postado em 01/08/2021 08:00  (crédito: Lucas Pacífico/CB/D.A.PRess)

Estudos internacionais indicam que cerca de 30% da população mundial é hipermóvel. Isso significa que algumas pessoas conseguem realizar movimentos com uma amplitude maior que os limites normais e são mais flexíveis que outras. Porém, essa aparente vantagem vira um grande problema por aumentar o risco de lesões nas articulações e músculos, resultando em dores crônicas.

A hipermobilidade articular nem sempre apresenta sintomas. Mas, quando isso acontece, as dores podem começar na adolescência e acompanhar a pessoa até o fim da vida. Dependendo das complicações, um paciente pode ser diagnosticado com Síndrome de Ehler Danlos (SED), um espectro de doenças hereditárias que afetam o tecido conectivo, que tem o papel de unir, ligar, nutrir, proteger e sustentar os outros tecidos.

O problema é que ainda existem poucas pesquisas no Brasil sobre a condição, então, muitos sofrem a vida inteira com dor crônica sem diagnóstico ou até com um diagnóstico errado. O mais comum é que os médicos identifiquem e recomendem tratamentos para fibromialgia, o que pode ser pior para um paciente com hipermobilidade.

“Um paciente com fibromialgia se beneficia de alongamento, pilates e ioga, por exemplo. Mas, para quem tem hipermobilidade, os movimentos precisam ser extremamente cautelosos, pois existe um risco maior de causar lesões”, explica a fisiatra Angélle Jácomo, especialista em dor.

Hipermobilidade e dor crônica

A hipermobilidade é uma doença genética e hereditária causada pelo defeito em um dos genes que controla a produção de colágeno.

Principais sintomas

  • Pele hiperextensível
  • Articulações hipermóveis — facilidade em tocar o chão sem dobrar os joelhos, dobrar os cotovelos em um ângulo maior que 180°, encostar o polegar no antebraço, etc.
  • Dificuldade no processo de cicatrização
  • Pés chatos

A fisiatra Angélle Jácomo chama a atenção para outros sintomas e sinais de hipermobilidade que vão além da dor crônica, como fadiga, dor de cabeça, desenvolvimento de intolerâncias alimentares e problemas de propriocepção (capacidade do indivíduo de identificar e perceber seus movimentos no espaço).
Esses sintomas podem aparecer em qualquer momento da vida, mas é comum que já se note a hipermobilidade na infância e na adolescência.

Dificuldade de diagnóstico

Os pacientes mais jovens frequentemente não recebem o diagnóstico correto, pois a dor crônica é considerada “dor do crescimento”.

Tratamento

 
A Síndrome de Ehler Danlos (SED) e a Desordem do Espectro da Hipermobilidade (DEH) não têm cura. O tratamento é realizado com medicamentos e fisioterapia individualizada para cada paciente.

Consequências do desconhecimento

A classificação atual da doença é baseada em um guia internacional de 2017.
A maioria dos médicos e fisioterapeutas não têm contato com esse tipo de diagnóstico durante a graduação ou residência.
O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ainda não reconhece a doença como incapacitante, portanto os pacientes não podem receber auxílio.
No convívio social, as pessoas que sofrem de hipermobilidade e dor crônica são habitualmente caracterizadas como preguiçosas, exageradas ou até mentirosas.

Palavra do especialista

Quais os principais sintomas que precisamos estar atentos para identificar a hipermobilidade?

 
Pessoas com hipermobilidade têm uma alta frequência de dores de cabeça, falta de equilíbrio e cansaço excessivos, além das dores nas articulações e músculos.

Pessoas que já possuem diagnóstico de fibromialgia devem se atentar para a possibilidade de terem hipermobilidade?

 
Sim, a maioria das pessoas que entram no consultório já tem um diagnóstico prévio de fibromialgia. O paciente, geralmente, percebe que os tratamentos e medicamentos não auxiliam mais no alívio da dor. Isso acontece porque a fisioterapia indicada para pessoas com fibromialgia estimula demais as articulações, o que só piora a dor e a fadiga.

Existe algum recorte de gênero e idade de pessoas que podem manifestar dor crônica por causa da hipermobilidade?

 
Em algumas mulheres é comum que as dores comecem quando ainda são bem novas, depois da primeira menstruação. Enquanto alguns homens podem passar mais tempo sem sintomas, já que os níveis altos de testosterona fortalecem os músculos, auxiliando as articulações. Mas nem todos os casos são iguais, existem mulheres que começam a sentir as consequências da hipermobilidade mais tarde e vice e versa.

Quais são os tratamentos para pessoas com hipermobilidade?

 
A hipermobilidade não tem cura, mas o tratamento é possível. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, melhor, e, por meio da fisioterapia, somos capazes de diminuir a dor e devolver a qualidade de vida do paciente.

Fernanda Rachid é fisioterapeuta do Centro Especializado em Hipermobilidade e Dor


 

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/revista-do-correio/2021/08/4940824-flexivel-demais-por-que-a-hipermobilidade-pode-causar-dor-cronica.html

segunda-feira, 2 de agosto de 2021

Como evito que minhas condições crônicas afetem meus relacionamentos

 Foto de

Krista Kellogg - Blogs
POR KRISTA KELLOGG14 DE JUNHO DE 2021

É doloroso admitir, mas quando não cuido bem de mim mesma, meus relacionamentos sofrem e, como resultado, eu também sofro. Vivo com várias doenças crônicas, incluindo psoríase , endometriose , síndrome do intestino irritável e ansiedade . Embora tenha aprendido a controlar meus sintomas e a criar um estilo de vida que ofereça equilíbrio e cura, ainda sinto contratempos. Sempre aprendendo, sempre corrigindo o curso, às vezes batendo nas pedras. 

Para mim, o caminho para a vulnerabilidade física e emocional é uma ladeira escorregadia. Uma série de pequenos erros pode resultar em grandes rachaduras na minha resiliência ao longo do tempo se não for controlada: uma hora a menos de sono, mais uma taça de vinho, comer demais ou comer menos, dizer sim quando quero dizer não (isso é importante), não mover meu corpo, fugir da meditação, atrasar o descanso ou minimizar a dor.

Essas rachaduras podem reduzir minha capacidade de lidar com os estressores da vida cotidiana e administrar com habilidade as delicadas dinâmicas de relacionamento. Como resultado, posso ficar frustrado, irritado e, pior de tudo, culpado e ressentido com as pessoas ao meu redor. 

Aprendi essa lição novamente recentemente, durante as férias com minha mãe e um amigo de longa data. O que deveria ter sido um retiro relaxante à beira-mar foi uma semana de ressentimentos, insônia e uma constante corrente de inquietação. Hoje, enquanto eu fico nervosa em um caldeirão familiar de vergonha e culpa, reconstruindo as várias cenas de crimes emocionais, a tríade confiável de aceitação, limites e superfícies de comunicação para me guiar de volta ao centro mais uma vez.

Aceitação

Posso não gostar, mas sei que tenho limitações físicas e emocionais, e tudo bem . Às vezes estou com dor. Às vezes me canso facilmente. Às vezes, minhas mãos e pés estão rachados e sangrando. Às vezes, meu estômago dói de preocupação. As vezes eu preciso estar sozinho. Um perfeccionista bem afiado, tenho um histórico irregular de aceitar e assumir a responsabilidade por essas limitações e atrapalhei meu caminho em muitos eventos familiares, empregos e relacionamentos sem levar em conta meus melhores interesses. Na maioria das vezes, essa negação me deixa física e emocionalmente esgotada e propensa a crises, psoriásicas e outras.

Limites

Aceitar minhas limitações físicas é um componente crítico do meu autocuidado. Isso me ajuda a estabelecer limites de bem-estar e fazer as acomodações necessárias para mim. Isso pode significar dizer não aos eventos em que estou queimando ou não me sentindo bem, permitindo-me liberar a tendência de “colocar meu capacete” e avançar como sempre fiz. Isso também pode significar chegar tarde ou sair mais cedo ou abster-se de álcool ou comida de festa. Fazer a mim mesmo algumas perguntas simples antes de dizer sim pode fazer toda a diferença no resultado. Tenho tempo, espaço, descanso, lanches, água, leveza, alívio da dor, calçado adequado, etc., de que preciso para que isso aconteça? Ao me respeitar o suficiente para atender às minhas necessidades com antecedência, torno a vida mais fácil e mais alegre para mim e para aqueles de quem gosto.  

Comunicação

Sofrer em silêncio esmaga a alma e pode levar a muitos sentimentos ruins. Também pode nos deixar doentes. Minha família e amigos não conseguem ler minha mente. Se eu precisar de ajuda, descansar ou desistir completamente, eles precisam saber. Na preparação para a semana de praia complicada, disse sim a muitas coisas quando deveria ter dito não, não permiti privacidade ou sossego para descanso e assumi a responsabilidade por nossas acomodações, mantimentos, transporte, lavanderia e limpeza. Foi pura auto-sabotagem. Agora, exausto, arrependido e tentando recuperar o atraso, vejo claramente que se eu simplesmente tivesse sido consciente de minhas limitações, pedido ajuda e comunicado minhas necessidades, não teria que engolir uma pílula tão amarga - de novo.

 

Crédito da foto: Jerry Marks Productions via Getty Images

Texto original: https://blogs.webmd.com/psoriasis/20210614/how-i-keep-my-chronic-conditions-from-affecting-my-relationships?ecd=wnl_cbp_072921&ctr=wnl-cbp-072921_supportTop_title_2&mb=zIO2Trxt3XuHX1VhofTIWChonS%2fH3cwyBxN3j2c9bDc%3d

domingo, 1 de agosto de 2021

Revisão de 170 mil benefícios do INSS começa semana que vem

 

Via @consultor_juridico | Cerca de 170 mil segurados da Previdência Social que recebem benefícios por incapacidade temporária, o antigo auxílio-doença, devem ficar atentos para agendar nova perícia médica. Os prazos para fazer o agendamento começam a expirar em agosto. Quem não tomar a providência corre o risco de ter o pagamento suspenso.

Desde 30 de junho, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) começou a enviar cartas para segurados que não fizeram perícia médica há mais de seis meses. Quem recebe a convocação tem 30 dias, a contar da data de recebimento notificada pelos Correios, para agendar o procedimento.

O INSS poderá também convocar as revisões utilizando a rede bancária, considerando o órgão pagador do benefício, quando esse tipo de notificação for disponível. Estão previstas ainda as convocações por meio eletrônico ou edital em Diário Oficial.

A revisão em benefícios por incapacidade temporária segue até dezembro, quando todas as convocações já devem ter sido expedidas. As revisões serão realizadas por peritos médicos federais em horários extraordinários.

Segundo o INSS, das 724 agências da Previdência que possuem serviço de perícia médica 619 estão funcionando e 2.549 peritos médicos estão com as agendas abertas para atendimento. O tempo médio entre o agendamento e a realização da perícia médica está em 39 dias.

Revisão administrativa

Em outra frente, o INSS leva adiante também as revisões administrativas de benefícios, que são feitas com regularidade. Na atual etapa, a previsão é que 1,7 milhão de segurados recebam a convocação para regularizar alguma pendência de documentação identificada pelo INSS.

Desde setembro do ano passado, foram enviadas 732.586 cartas para revisão administrativa de benefícios com pendências documentais identificadas pelo INSS.

Quem recebe o aviso de revisão administrativa tem o prazo de 60 dias para regularizar a documentação solicitada e manter o pagamento regular do benefício. O INSS incentiva que o envio de documentos seja realizado por meio do Meu INSS (site ou aplicativo), no campo "Atualização de Dados de Benefício".

É possível fazer a regularização também presencialmente. Para isso, o segurado deve ligar para o telefone 135 e escolher a opção Entrega de Documentos por Convocação e agendar atendimento na agência do INSS mais próxima de sua residência.

O INSS alerta que, em qualquer caso, as convocações são feitas somente pelos Correios, motivo pelo qual o segurado deve sempre manter seu endereço atualizado junto à Previdência Social. Com informações da Agência Brasil.

Fonte texto original : https://edicelianunes.jusbrasil.com.br/noticias/1254580212/revisao-de-170-mil-beneficios-do-inss-comeca-semana-que-vem

Governador de Santa Catarina Institui - Programa Estadual de Cuidados para Pessoas com Fibromialgia e adota outras providências

Lucia Bernardete Lima
perfil no Facebook é
https://www.facebook.com/lucia.lima.169405

O vídeo abaixo explica a lei 18.162 de 14 de julho de 2021, sancionada pelo Exmo Governador Carlos Moisés da Silva.

Ficamos agora no aguardo da regulamentação, conforme determina o Art. 9º da presente lei.

Sr. Governador...quem tem dor tem pressa!

Agradecemos ao Exmo Dep. Kennedy Nunes pela propositura, e aos seus pares pela Aprovação.




O que saber sobre fibromialgia e gravidez

Fertilidade, gestação e pós-parto quando você tem fibromialgia

A fibromialgia é uma condição crônica que causa dor generalizada, fadiga, disfunção cognitiva e dezenas de sintomas potenciais em todo o corpo É uma doença multissistêmica que envolve o cérebro e os nervos, o sistema imunológico e os hormônios.

Se você tem fibromialgia e está pensando em engravidar, é natural que se pergunte qual será o impacto de sua doença em sua capacidade de engravidar, na gravidez em si, no parto e na recuperação, na saúde de seu bebê e na gravidade de curto e longo prazo de sua fibromialgia.

Se você está planejando engravidar ou se descobriu recentemente que está grávida, converse com seu médico o mais cedo possível sobre quais medicamentos para fibromialgia podem ou não ser seguros para seu bebê.

A pesquisa está começando a fornecer um quadro mais completo da gravidez com fibromialgia, e muitas das notícias são encorajadoras. Embora você possa enfrentar alguns riscos e desafios adicionais por causa de sua condição e seus tratamentos, o resultado mais comum é uma gravidez bem-sucedida, um bebê saudável e nenhum agravamento a longo prazo dos sintomas da fibromialgia.

Uma mulher grávida agarra suas costas.

urbazon / Getty Images 

Fibromialgia e fertilidade

Embora a pesquisa esteja longe de ser exaustiva, com base no trabalho que foi feito até agora, não parece que a fibromialgia prejudique sua fertilidade. No entanto, você pode ter condições de sobreposição comuns que tornam mais difícil engravidar.

Essas condições incluem: 

  • Endometriose, em que o tecido que normalmente reveste o interior do útero cresce fora do útero
  • Doenças autoimunes, como lúpus ou artrite reumatóide 
  • Insuficiência ovariana prematura que ocorre quando os ovários deixam de funcionar normalmente antes dos 40 anos
  • Doença da tireoide 
  • Menopausa prematura 
  • Obesidade 
  • Períodos menstruais irregulares 

Se você tem uma ou mais dessas condições, converse com seu médico sobre como isso pode afetar sua fertilidade e o que pode ajudar a aumentar suas chances de engravidar. 

A fibromialgia é hereditária?

A fibromialgia não é herdada diretamente, mas se “agrupa” em famílias e acredita-se que tenha uma predisposição genética . Pesquisas sugerem que cerca de 50% de sua suscetibilidade à fibromialgia vem de fatores genéticos. 

Fibromialgia e Gestação

Enquanto uma pequena porcentagem de pessoas relata que seus sintomas de fibromialgia diminuíram durante a gravidez, na maioria das vezes os sintomas se tornam mais graves. Os sintomas relatados em estudos como os mais incômodos incluem: 

  • Dor, especialmente na parte inferior das costas, tórax, abdômen e pernas
  • Dores de cabeça
  • Tontura
  • Deficiência física
  • Fadiga e sono não reparador
  • Fraqueza muscular
  • Disfunção cognitiva
  • Constipação
  • Náusea
  • Micção frequente
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Medo do parto

Ansiedade, depressão e medo do parto foram piores naquelas com sintomas de fibromialgia mais graves. Todos os sintomas tendem a aumentar no terceiro trimestre, que é quando a maioria dos sintomas relacionados à gravidez é pior. 

Para aqueles que sentem algum alívio dos sintomas da fibromialgia durante a gravidez, os médicos especulam que isso se deve ao aumento dos níveis do hormônio relaxina, que afrouxa os ligamentos da pelve para preparar o corpo para o parto. Alguns médicos sugerem suplementos de relaxina para pacientes grávidas com fibromialgia. 

Riscos

A fibromialgia pode aumentar alguns riscos associados à gravidez para você e seu bebê, alguns diretamente e outros indiretamente por meio de condições sobrepostas. 

A gravidez com fibromialgia é geralmente considerada de alto risco. 

As condições sobrepostas que podem aumentar os riscos de sua gravidez incluem: 

  • Ansiedade
  • Depressão
  • Estresse psicológico
Esses problemas tendem a ser mais comuns em pessoas com fibromialgia e as pesquisas mostram que eles podem ter um impacto na placenta e no desenvolvimento fetal. Se você estiver enfrentando algum desses problemas, converse com sua equipe médica. Eles podem ajudá-lo a gerenciá-los com sucesso e reduzir os riscos.

A fibromialgia também pode representar riscos para o seu bebê, incluindo:

  • Restrição de crescimento intrauterino , em que o bebê não atinge o peso normal durante a gravidez
  • Aborto espontâneo recorrente , que consiste em duas ou mais gestações malsucedidas
  • Possível parto prematuro , mas os estudos são mistos sobre este
        A condição não foi associada a um risco elevado de defeitos congênitos. 

       As pesquisas variam sobre se a fibromialgia está associada a um risco maior de partos cesáreos (cesarianas). Alguns pesquisadores dizem que a  raquianestesia, como a usada para cesáreas, pode exacerbar os sintomas da fibromialgia. Converse com seu médico sobre alternativas à anestesia      geral se você precisar de um parto cirúrgico.


      Diabetes gestacional

      O diabetes gestacional parece ser mais comum entre pessoas com fibromialgia. Ela se desenvolve durante a gravidez e geralmente desaparece imediatamente após o parto. 
      Como o diabetes tipo 2, a forma gestacional causa resistência à insulina , o que significa que o corpo não usa a insulina adequadamente para manter os níveis de açúcar no sangue regulados. Se não for tratada, a diabetes gestacional pode aumentar muito o risco de: 

      • Dando à luz um bebê extra grande
      • Ter pré-eclâmpsia, que é pressão alta durante a gravidez que pode causar convulsões , derrame, coágulos sanguíneos, danos cerebrais e parto prematuro
      • Hipoglicemia (baixo nível de açúcar no sangue) no bebê logo após o nascimento
      O diabetes gestacional geralmente não causa sintomas, então os médicos fazem exames automaticamente entre a 24ª e a 28ª semanas de gestação. Se você for diagnosticado com a doença, provavelmente fará uma dieta especial e precisará monitorar o açúcar no sangue de perto. Se a dieta por si só não levar o açúcar no sangue para os níveis desejáveis, você pode receber insulina . 

      Quebra Antecipada

      A fibromialgia pode aumentar o risco de sua bolsa estourar antes que seu bebê termine de nascer (37 semanas). Isso é chamado de ruptura prematura das membranas (PPROM). 
      Depois que as membranas fetais se rompem, o risco de infecção aumenta significativamente, o que pode colocar você e seu bebê em perigo. Se você estiver com mais de 34 semanas, seu médico pode recomendar a indução do parto . No entanto, seu médico também pode sugerir uma abordagem de esperar para ver. As opções serão discutidas claramente com você, incluindo os riscos e benefícios de cada abordagem para os pais e o bebê.
      No entanto, antes das 34 semanas, a situação é mais complicada porque os pulmões do bebê provavelmente não estão desenvolvidos o suficiente para o nascimento do bebê. O tratamento geralmente consiste em: 
      • Repouso na cama para evitar trabalho de parto prematuro
      • Antibióticos para prevenir infecções
      • Medicamentos esteróides para acelerar o desenvolvimento pulmonar do bebê
      Assim que os pulmões do seu bebê estiverem desenvolvidos o suficiente, o médico irá induzir o parto

      Descolamento da placenta

      Também possivelmente relacionado à fibromialgia, um descolamento da placenta é a separação da placenta da parede do útero , o que permite que o sangue escape.

      Isso pode prejudicar a placenta, o que significa que o bebê pode não receber oxigênio e nutrientes suficientes para se desenvolver adequadamente. Descolamentos graves podem colocar o bebê e a mãe em perigo devido à perda de sangue.

      Os sintomas de descolamento prematuro da placenta incluem: 

      • Sangramento vaginal
      • Dor uterina e abdominal
      • Contrações rápidas
      • Frequência cardíaca anormal no bebê

      Os tratamentos para descolamento prematuro da placenta dependem se é uma separação parcial ou total e em que estágio está sua gravidez. Pode incluir: 

      • Descanso de cama
      • Monitoramento
      • Entrega antecipada
      • Parto de emergência, se você está perdendo muito sangue e sua vida ou a do bebê estão em perigo

      As rupturas são mais comuns no terceiro trimestre, mas são possíveis a partir das 20 semanas de gestação. Sempre informe seu obstetra sobre sangramento vaginal durante a gravidez, especialmente no terceiro trimestre. 

      Tromboembolismo venoso 

      Uma complicação potencialmente mortal associada à gravidez com fibromialgia é o tromboembolismo venoso (TEV). O TEV envolve um coágulo sanguíneo, geralmente de uma veia profunda na parte inferior do corpo, que se solta e viaja para os pulmões. 

      Se não for tratado, um VTE pode bloquear o fluxo sanguíneo, o que pode causar danos a órgãos ou até a morte. Os sintomas de um coágulo sanguíneo nas pernas incluem: 

      • Inchaço
      • Vermelhidão
      • Dor

      Se você sentir algum desses sintomas sem uma explicação óbvia, especialmente nas pernas, entre em contato com o seu médico imediatamente.

      Os sintomas de tromboembolismo venoso se o coágulo de sangue viajou das pernas para os pulmões incluem: 

      • Dor repentina no peito
      • Falta de ar

      O tromboembolismo venoso é tratado com medicamentos que previnem coágulos sanguíneos adicionais ou dissolvem o coágulo que está causando o bloqueio. 

      Sempre que você ou alguém com quem você tem dor no peito ou dificuldade para respirar, considere isso uma emergência médica e procure ajuda imediatamente.

      Polidrâmnio (Excesso de Fluido Amniótico)

      Na polidrâmnio , muito líquido amniótico se acumula ao redor do bebê no saco amniótico. A fibromialgia pode aumentar o risco desta condição rara. O excesso de fluido pode colocar pressão extra no útero, o que pode resultar em inúmeras complicações, incluindo: 

      • Trabalho de parto prematuro e entrega
      • Descolamento da placenta
      • Hemorragia após o parto
      • Prolapso do cordão umbilical (o cordão desliza pelo colo do útero antes do bebê durante o trabalho de parto)
      • Posicionamento anormal no útero
      • Natimorto (a perda do bebê antes ou durante o parto)

      Na maioria das vezes, o polidrâmnio é descoberto por um médico ao fazer medições de seu abdômen, pois os casos leves podem não causar sintomas. Se for mais grave, você pode ter: 

      • Aperto no abdômen
      • Indigestão
      • Constipação
      • Baixa produção de urina
      • Vulva alargada (órgãos genitais femininos externos)
      • Problemas respiratórios
      • Inchaço no quadril, perna ou pé

      Se você notar um crescimento rápido e repentino em sua barriga, informe seu médico imediatamente.

      Um caso moderado de polidrâmnio pode não necessitar de tratamento, mas o seu médico pode monitorizá-lo mais de perto do que o habitual. Se a condição for grave ou piorar, o tratamento pode incluir: 

      • Drenagem do líquido amniótico por meio de uma agulha grande
      • Estar em repouso na cama
      • Induzindo o parto prematuro

      Medicamentos para fibromialgia e seu bebê

      Os medicamentos prescritos para a fibromialgia podem não ser seguros para o seu bebê durante a gravidez e a amamentação. Não se sabe muito sobre os riscos associados à gravidez dos medicamentos aprovados para fibromialgia pela Food and Drug Administration, mas algumas pesquisas começaram a ser feitas, incluindo as seguintes: 

      • Lyrica (pregabalina) : uma possível ligação com defeitos congênitos estruturais
      • Cymbalta (duloxetina) : um risco aumentado de complicações durante a gravidez e o parto
      • Savella (milnaciprano) : a pesquisa ainda não analisou os efeitos desse medicamento na gravidez

      Outros medicamentos comumente prescritos para fibromialgia podem estar relacionados a alguns riscos também, incluindo:

      • Antidepressivos
      • Medicamentos para a dor

      Certifique-se de conversar com seu médico sobre quais medicamentos são melhores para você durante a gravidez e a amamentação.

      Um diagnóstico de fibromialgia durante a gravidez

      A fibromialgia é difícil de diagnosticar durante a gravidez porque as duas condições compartilham muitos dos mesmos sintomas. Alguns pesquisadores acreditam que é comum o desenvolvimento de fibromialgia durante a gravidez por causa das mudanças nos níveis de serotonina e outras mudanças fisiológicas. 

      Fibromialgia e pós-parto

      Ter um novo bebê é emocionante, mas também é um grande ajuste para qualquer pessoa, especialmente enquanto seu corpo se recupera da gravidez e do parto. A fibromialgia pode tornar esse período de tempo mais difícil.

      Impacto na recuperação

      Alguns médicos dizem que leva mais tempo para se recuperar da gravidez quando você tem fibromialgia, e que a segunda gravidez pode ser mais difícil de superar do que a primeira. No entanto, mais pesquisas precisam ser realizadas para ter certeza.

      A boa notícia é que a gravidez não parece ter um impacto de longo prazo na gravidade da fibromialgia.

      O que é mais bem compreendido é que o sono interrompido agrava os sintomas da fibromialgia, e ter um novo bebê quase sempre leva a distúrbios do sono. Se possível, você pode pedir ajuda extra durante os primeiros meses de vida de seu filho, para que possa descansar o que precisa.

      A ajuda é especialmente importante se você fez uma cesariana, pois precisa se recuperar da cirurgia e pode enfrentar limitações físicas substanciais por um tempo. A cirurgia ginecológica tem sido associada ao aparecimento da fibromialgia, e não é exagero imaginar que poderia dificultar a sua recuperação. 

      Se você tem histórico de depressão e, especialmente, se esteve deprimido durante a gravidez, deve ser monitorado de perto para verificar se há depressão pós-parto. 

      Amamentação

      Você pode amamentar seu bebê quando tiver fibromialgia, e pesquisas mostraram que a condição não parece diminuir o período de tempo durante o qual você pode amamentar com sucesso. 

      É importante, porém, considerar alguns pontos-chave. O primeiro é a medicação. Se você abandonou os tratamentos com drogas bem-sucedidos por causa de sua gravidez, pode querer voltar a tomá-los o mais rápido possível após o parto. Você pode ter que escolher entre amamentar e retomar o tratamento.

      Em segundo lugar, a amamentação requer mais energia. Na verdade, você deve comer 200 calorias a mais por dia durante a amamentação do que durante a gravidez. É importante pensar se seu corpo pode lidar com esse aumento de demanda, pois a fibromialgia já suga sua energia. 

      Alguns medicamentos considerados seguros durante a gravidez não são seguros durante a amamentação, portanto, certifique-se de verificar seus medicamentos e suplementos com a equipe médica, incluindo o pediatra do seu bebê.

      perguntas frequentes

      Que remédio para dor é usado em mulheres grávidas com fibromialgia?

      O medicamento mais frequentemente recomendado durante a gravidez é o Tylenol (paracetamol) para o primeiro e segundo trimestres.  Analgésicos opioides como Vicodin (hidrocodona-acetaminofeno) ou OxyContin (oxicodona) não são seguros para o bebê. 

      A fibromialgia desaparece quando você está grávida?

      Não, a fibromialgia não desaparece durante a gravidez. Algumas pessoas acham que seus sintomas são muito menos graves durante a gravidez, mas outras podem apresentar sintomas mais graves quando estão grávidas. 

      É difícil engravidar com fibromialgia?

      Não há evidências de que a fibromialgia torne mais difícil engravidar. No entanto, um fator pode ser que a dor e a fadiga limitam a atividade sexual, o que pode dificultar a concepção.

      A sobreposição de doenças da tireoide e condições que tornam a ovulação ou menstruação irregular também podem complicar a gravidez. 

      Como você lida com a dor forte da fibromialgia durante a gravidez?

      Como o uso de medicamentos é melhor limitado durante a gravidez, você pode explorar tratamentos complementares e alternativos para a fibromialgia, incluindo:

      • Ioga ou alongamento suave
      • Meditação mindfulness
      • Acupuntura
      • Ventosas
      • Massagem suave
      • Liberação miofascial

      Antes de usar compressas térmicas ou banhos quentes para aliviar a dor, converse com seu médico sobre como usar o calor com segurança durante a gravidez. Pergunte também sobre analgésicos tópicos, uma vez que são absorvidos pela corrente sangüínea.

      Resumo

      A fibromialgia por si só não torna mais difícil engravidar, mas algumas comorbidades podem. Se você engravidar, deve reavaliar seus medicamentos para fibromialgia com seu médico para ter certeza de que eles não farão mal ao seu bebê. Contanto que você trabalhe junto com sua equipe médica durante e após a gravidez, é possível manter-se saudável e ter um bebê saudável.

      Uma palavra de Verywell

      A gravidez sempre traz alguns riscos, e contemplar os riscos e complicações extras da fibromialgia pode ser assustador. No entanto, lembre-se de que a fibromialgia não deve impedir você de engravidar e ter um bebê saudável. Trabalhe em estreita colaboração com seus médicos para que eles possam ajudá-lo a superar este momento difícil, mas também gratificante.


      Fonte do texto:
      Verywell Health usa apenas fontes de alta qualidade, incluindo estudos revisados ​​por pares, para apoiar os fatos contidos em nossos artigos. Leia nosso processo editorial para saber mais sobre como verificamos os fatos e mantemos nosso conteúdo preciso, confiável e confiável.
      1. Tulay KT, Emrullah T, Aydin A, Ciledag OF. O efeito da síndrome de fibromialgia na gravidade, paridade e duração da amamentação; Um estudo prospectivo da Turquia . Pak J Med Sci . 2016; 32 (3): 545-549. doi: 10.12669 / pjms.323.9574

      2. Associação Americana de Gravidez. Infertilidade em mulheres . Atualizado em 24 de abril de 2017.

      3. Institutos Nacionais de Saúde, Eunice Kennedy Shriver Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano. Quais são algumas das possíveis causas da infertilidade feminina? Atualizado em 31 de janeiro de 2017.

      4. Greenbaum H, Weil C, Chodick G, Shalev V, Eisenberg VH. Evidência de associação entre endometriose, fibromialgia e doenças autoimunes . Am J Reprod Immunol . 2019; 81 (4): e13095. doi: 10.1111 / aji.13095

      5. Campbell S, Eley SE, McKechanie AG, Stanfield AC. Disfunção endócrina em mulheres portadoras de pré-mutação de fmr1: características e associação com problemas de saúde . Genes (Basel) . 2016; 7 (11): 101. Publicado em 18 de novembro de 2016. doi: 10.3390 / genes7110101

      6. Haliloglu S, Ekinci B, Uzkeser H, Sevimli H, Carlioglu A, Macit PM. Fibromialgia em pacientes com autoimunidade tireoidiana: prevalência e relação com a atividade da doença . Clin Rheumatol . 2017; 36 (7): 1617-1621. doi: 10.1007 / s10067-017-3556-2

      7. Martínez-Jauand M, Sitges C, Femenia J, et al. A idade de início da menopausa está associada ao aumento da sensibilidade dolorosa e não dolorosa na fibromialgia . Clin Rheumatol . 2013; 32 (7): 975-981. doi: 10.1007 / s10067-013-2212-8

      8. Gota CE, Kaouk S, Wilke WS. Fibromialgia e obesidade: a associação entre índice de massa corporal e deficiência, depressão, história de abuso, medicamentos e comorbidades . J Clin Rheumatol . 2015; 21 (6): 289-295. doi: 10.1097 / RHU.0000000000000278

      9. Arif MA, Syed F, Niazi R, Arif SA, Hashmi UEL, Shah Z. O estudo do oráculo - fibromialgia, prevalência e gravidade no ambiente hospitalar na população do Paquistão . J Pak Med Assoc . 2021; 71 (5): 1357-1368. doi: 10.47391 / JPMA.1000

      10. Ablin JN, Buskila D. Atualização sobre a genética da síndrome de fibromialgia . Best Pract Res Clin Rheumatol . 2015; 29 (1): 20-28. doi: 10.1016 / j.berh.2015.04.018

      11. D'Agnelli S, Arendt-Nielsen L, Gerra MC, et al. Fibromialgia: percepções genéticas e epigenéticas podem fornecer a base para o desenvolvimento de biomarcadores diagnósticos . Mol Pain . 2019; 15: 1744806918819944. doi: 10.1177 / 1744806918819944

      12. Genç H, Atasever M, Duyur Çakit B, Seval M, Koç A. Os efeitos da síndrome da fibromialgia na função física e no estado psicológico de mulheres grávidas . Arch Rheumatol . 2017; 32 (2): 129-140. Publicado em 5 de janeiro de 2017. doi: 10.5606 / ArchRheumatol.2017.6028

      13. Associação Nacional de Fibromialgia. O que esperar quando você está grávida com fibromialgia .

      14. Magtanong GG, Spence AR, Czuzoj-Shulman N, Abenhaim HA. Resultados maternos e neonatais entre mulheres grávidas com fibromialgia: um estudo de base populacional de 12 milhões de nascimentos . J Matern Fetal Neonatal Med . Fev 2019; 32 (3): 404-410. doi: 10.1080 / 14767058.2017.1381684

      15. Kurahashi N, Komasawa N, Ishio J, Konishi Y, Deguchi S, Minami T. Cesariana sob anestesia geral em uma mulher grávida com fibromialgia . Masui . 2017; 66 (2): 168-170.

      16. Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Diabetes gestacional e gravidez . Atualizado em 14 de julho de 2020.

      17. MedlinePlus. Ruptura prematura de membranas . Atualizado em 9 de junho de 2021.

      18. Associação Americana de Gravidez. Descolamento da placenta . Atualizado em 26 de abril de 2017.

      19. National Institutes of Health, National Heart, Lung e Blood Institute. Tromboembolismo venoso .

      20. Cleveland Clinic. Polidrâmnio . Atualizado em 21 de janeiro de 2019.

      21. Gentile S, Fusco ML. Gerenciando a síndrome de fibromialgia na gravidez sem pontes entre os EUA e a UE . Arch Womens Ment Health . 2019; 22 (6): 711-721. doi: 10.1007 / s00737-018-0933-z

      22. Atasever M., Namli Kalem M., Sönmez ®, et al. Menor nível de serotonina e maior taxa de síndrome de fibromialgia com o avanço da gravidez . J Matern Fetal Neonatal Med . 2017; 30 (18): 2204-2211. doi: 10.1080 / 14767058.2016.1243096

      23. Choy EH. O papel do sono na dor e na fibromialgia . Nat Rev Rheumatol . 2015; 11 (9): 513-520. doi: 10.1038 / nrrheum.2015.56

      24. Brooks L, Hadi J, Amber KT, Weiner M, La Riche CL, Ference T. Avaliando a prevalência de comorbidades autoimunes, endócrinas, ginecológicas e psiquiátricas em uma coorte etnicamente diversa de pacientes femininas com fibromialgia: o tempo decorrido desde a histerectomia fornece uma pista ? J Pain Res . 2015; 8: 561-569. Publicado em 20 de agosto de 2015. doi: 10.2147 / JPR.S86573

      25. KidsHealth da Nemours. Depressão pós-parto . Atualizado em janeiro de 2020.

      26. Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Dieta materna . Atualizado em 8 de outubro de 2020.

      27. van Tilburg MAL, Parisien M, Boles RG, et al. Um polimorfismo genético associado ao metabolismo energético mitocondrial aumenta o risco de fibromialgia . Dor . 2020; 161 (12): 2860-2871. doi: 10.1097 / j.pain.0000000000001996

      28. Sammaritano LR, Bermas BL, Chakravarty EE, et al. Diretriz do American College of Rheumatology de 2020 para o manejo da saúde reprodutiva em doenças reumáticas e musculoesqueléticas . Arthritis Care Res (Hoboken) . 2020; 72 (4): 461-488. doi: 10.1002 / acr.24130

      29. Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Sobre o uso de opióides durante a gravidez . Atualizado em 22 de abril de 2021.

      Leitura Adicional