Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Descobertas sobre a Fadiga Crônica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Descobertas sobre a Fadiga Crônica. Mostrar todas as postagens

domingo, 1 de março de 2015

Estudo constata fadiga crônica comumente visto entre os profissionais não é apenas da cabeça


  • A controvérsia se desencadeou por quase 30 anos sobre a síndrome da fadiga crônica
  • A condição também é conhecida como encefalomielite miálgica ou EM
  • Novo estudo mostra que faz desencadear uma resposta imune distinta no corpo

A condição debilitante uma vez ridicularizada como "gripe yuppie 'é uma doença real, dizem os pesquisadores.
A controvérsia se desencadeou por quase 30 anos para saber se os sintomas da síndrome de fadiga crônica são reais ou tudo da mente.
Agora, um estudo mostra a condição, também conhecida como encefalomielite miálgica ou EM, se desencadear como uma resposta imunitária ao corpo distinto.
A descoberta abre caminho para tratamentos que, dado logo no início, poderiam evitar anos de problemas de saúde.

Os pesquisadores dizem que a síndrome da fadiga crônica, a condição debilitante uma vez ridicularizado como "gripe yuppie", é uma doença genuína.  Foto de arquivo
Os pesquisadores dizem que a síndrome da fadiga crônica, a condição debilitante uma vez ridicularizado como "gripe yuppie", é uma doença genuína. Foto de arquivo


Ele também deve ajudar a aliviar o estigma que tem levado os sofredores a serem demitidos, por passarem a ser vistos como simuladores, que imaginam os seus sintomas.
EM afeta cerca de 250.000 britânicos e é mais comum em mulheres do que homens. Era chamado de "gripe yuppie" na década de 1980, porque as pessoas tendem a ter entre 20 e 40 anos, e a doença foi mais freqüente entre os profissionais.
Os sintomas incluem fadiga física e mental extrema e membros dolorosos. A condição também pode afetar a memória, a concentração e a digestão. Alguns doentes ficaram tão fracos que perderam o emprego ou se tornaram acamados ou na cadeira de rodas. 
Mas com a causa não está clara, o ceticismo se manteve para saber se é uma doença física ou meramente psicológico.

Eu temia por CARREIRA DIZ ROYAL harpista CLAIRE JONES atingido por EM

Lutando para trás: Harpista Claire Jones foi cama ligado por três meses
Lutando para trás: Harpista Claire Jones foi cama ligado por três meses
Por Rebecca Inglês, o Royal correspondente do Daily Mail 


Justamente quando ela parecia ter o mundo ao seus pés - ou pelo menos as pontas dos dedos - harpista Claire Jones foi derrubada pela EM.
Dois anos depois de tocar para o príncipe William e Kate em sua recepção de casamento, e meses após o topo das paradas de álbuns clássicos, o harpista começou a sofrer de fadiga. Ela descartou seus sintomas como cansaço temporária causada por sua agitada agenda. Mas em maio de 2013 desenvolveu uma dor insuportável em todo seu corpo.
Ela também sofreu problemas enxaquecas, tonturas e digestão. Mas os médicos simplesmente deu-lhe analgésicos e disse-lhe para descansar. Em desespero de seu marido, o também músico Chris Marshall - com quem ela havia se casado no ano anterior - a levou para A & E, onde Jones sofreu uma convulsão.
Felizmente ela foi vista por um médico simpático que a diagnosticou. Ela voltou para a casa de sua família no país de Gales para ser cuidada por sua mãe.
'Meu cansaço e dor era tão ruins que eu não podia nem lavar e fique de cama por três meses ", disse o jogador de 30 anos de idade ontem. 'Foi como ser uma criança novamente.'
Ela temia que ela nunca mais poderia tocar harpa novamente. Mas depois de um regime que incluía mudar sua dieta e fazer yoga, ela está se recuperando e acaba de lançar um álbum, Journey: Harp para acalmar a alma, que contém muitas das canções que ajudaram em sua recuperação.
Os pesquisadores, da Universidade de Columbia, em Nova York, analisaram centenas de amostras de sangue colhidas de mim entre outros pacientes e pessoas saudáveis. O sangue de pessoas com EM mostrou uma "assinatura química" distinta.
Ele tinha níveis elevados de vários compostos libertados pelo sistema imune, para defender o organismo contra a infecção. A ligação com uma proteína imune, interferon gama, foi particularmente forte, conforme relatórios à Revista Science Avanços.
O interferon-gama é responsável pelo cansaço extremo que pode ser seguida por algumas infecções virais e também tem sido associada a problemas com a memória.
A descoberta pode ajudar os pesquisadores a desenvolver o primeiro teste de diagnóstico para mim. Ela também levanta a esperança de melhores tratamentos. Drogas que os níveis mais baixos de algumas das proteínas imunes já existentes.
"Este estudo fornece o que iludiu-nos por tanto tempo: prova inequívoca da disfunção imunológica em mim e biomarcadores de diagnóstico para a doença", disse o pesquisador Dr. Ian Lipkin.
O autor principal, Dr. Mady Hornig disse: "Nós agora temos evidências confirmando o que milhões de pessoas com esta doença já sabiam, que a mim não é psicológico."
SNS: síndrome da fadiga crônica Entendimento


***Se quiser assistir ao vídeo, acesse-o através do link, que está na Fonte, ao final deste artigo. (Abrafibro - Associação Brasileira dos Fibromiálgicos)

No entanto, o trabalho ainda é preliminar e muitas perguntas ainda precisam ser respondidas, inclusive porque os marcadores químicos aparecer somente no sangue de pacientes em estágios relativamente iniciais da EM.
A equipe do Dr. Hornig está agora à procura de sinais de infecção que desencadeou a resposta imune. Os cientistas há muito pensavam que um vírus era o culpado, mas não conseguiram encontra-lo.
Dr Neil Abbot, de ME Research UK, disse: "A assinatura biológica ou impressão digital para mim é o Santo Graal - é o que todos nós queremos ver. Se as alterações imunológicas relatadas no estudo podem ajudar, seria um grande passo em frente. "
A constatação de que a assinatura química é visto apenas nos primeiros estágios da EM mostra a importância do diagnóstico precoce e tratamento, acrescentou.
Sonya Chowdhury, of the Action, disse que: "o trabalho 'poderia ter implicações significativas para o diagnóstico mais rápido e melhores tratamentos ".
Mas alguns especialistas alertaram que os resultados são preliminares e que a pesquisa da EM  foi 'atormentada com falsas partidas' durante décadas.


Read more: http://www.dailymail.co.uk/health/article-2972865/Proof-yuppie-flu-real-illness-Study-finds-chronic-fatigue-commonly-seen-professionals-not-just-mind.html#ixzz3T6lkifoQ
Follow us: @MailOnline on Twitter | DailyMail on Facebook

Descobertas » Fadiga crônica é uma doença biológica, não psicológica

A fadiga crônica é uma doença biológica e não psicológica, que pode ser identificada por marcadores no sangue - segundo um estudo publicado nesta sexta-feira que alimenta as esperanças de descoberta de tratamento.

A descoberta é "a primeira prova física sólida" de que esta síndrome é "uma doença biológica e não uma desordem psicológica" e que a enfermidade comporta "distintas etapas", afirmam os autores da pesquisa realizada pela Escola Mailman de Saúde Pública, na universidade de Columbia. 



AFP - Agence France-Presse
Publicação: 28/02/2015 09:16 Atualização:

A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um apelo nesta segunda-feira para que sejam utilizadas seringas de uso único, a fim de prevenir a propagação de doenças infecciosas fatais. Foto: AFP Saul Loeb
A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um apelo nesta segunda-feira para que sejam utilizadas seringas de uso único, a fim de prevenir a propagação de doenças infecciosas fatais. Foto: AFP Sau

O estudo foi publicado na revista especializada Science Advances.

Sem causa nem tratamento conhecidos, a síndrome da fadiga crônica, conhecida como encefalomielitis (ME/SFC), deixa os cientistas perplexos há tempos.

Além de um cansaço constante, provoca dores de cabeça e musculares e dificuldades para se concentrar.

"Agora temos a confirmação de algo que milhões de pessoas que sofrem com a doença já sabiam: a ME/SFC não é psicológica", afirma Mady Hornig, professor associado em epidemiologia da Escola Mailman e principal autor do estudo.

"Nossos resultados devem acelerar o processo para estabelecer um diagnóstico (...) e descobrir novos tratamentos, já que pode se concentrar nesses marcadores sanguíneos", acrescentou.

Os pesquisadores examinaram os níveis de 51 marcadores do sistema imunológico no plasma de 298 pacientes e 348 pessoas saudáveis.

Descobriram que o sangue dos pacientes que sofrem de fadiga crônica há três anos ou menos apresentavam níveis mais elevados de moléculas chamadas citoquinas, o que não ocorre com quem não tem a doença.

Fonte: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2015/02/28/internas_cienciaesaude,563454/fadiga-cronica-e-uma-doenca-biologica-nao-psicologica.shtml