Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador olfativa e auditiva. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador olfativa e auditiva. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Hipersensibilidade a eventos não-dolorosos pode ser parte de Patologia na fibromialg

Nova pesquisa mostra que os pacientes com fibromialgia têm hipersensibilidade a eventos não-dolorosos com base em imagens dos cérebros dos pacientes, que mostram a ativação reduzida em regiões sensoriais primárias e aumento da ativação em áreas de integração sensorial. Resultados publicados no Arthritis & Rheumatology ,no jornal do Colégio Americano de Reumatologia (ACR), sugerem que anormalidades cerebrais em resposta a estímulos sensoriais não-doloroso, podem causar o aumento do desagrado que os pacientes experimentam, em resposta à estimulação visual, auditiva e tátil diária.

A fibromialgia é uma síndrome crônica, caracterizada por dor músculo-esquelética generalizada, afetando cerca de dois por cento da população mundial, segundo especialistas. De acordo com o ACR, cinco milhões de pessoas nos EUA têm fibromialgia, que é mais prevalente entre as mulheres. Em estudos anteriores pacientes com fibromialgia relataram redução da tolerância ao normal sensorial (auditiva, visual, olfativa, e tátil) estimulada, além de uma maior sensibilidade à dor.
Para o presente estudo, os pesquisadores usaram ressonância magnética funcional (RMnF) para avaliar a resposta do cérebro à estimulação sensorial em 35 mulheres com fibromialgia e 25 de controles pareados por idade saudáveis. Os doentes tinham uma duração média da doença de 7 anos e uma média de idade de 47 anos.
De acordo com o estudo, os pacientes relataram aumento desagradável em resposta à estimulação multissensorial em atividades de vida diária. Além disso, RMnF exibida demonstrou reduzida a ativação de ambas as zonas visuais e auditivas primárias e secundárias do cérebro, e ativação aumentada em regiões de integração sensorial. Essas anormalidades cerebrais mediado ao aumento desagradável à estimulação visual, auditiva e tátil que os pacientes relataram a experiência na vida diária.
Principal autor do estudo, Dr. Marina López-Solà, do Instituto de Ciência Cognitiva da Universidade de Colorado Boulder disse: "Nosso estudo fornece novas evidências de que pacientes com fibromialgia exibir processamento central alterada em resposta à estimulação multissensorial, que estão ligadas a sintomas de fibromialgia e centrais pode ser parte da patologia da doença. O achado de redução da ativação cortical nas áreas cerebrais visuais e auditivos que foram associados com queixas de dor do paciente pode oferecer novos alvos para tratamentos de neuroestimulação em pacientes com fibromialgia. "(Publicado 2014/09/16)


Citação completa: ". As respostas RMnF alterada para estimulação sensorial não-dolorosos em pacientes com fibromialgia" Marina López-Solà, Jesus Pujol, Tor D. Wager, Alba Garcia-Fontanals, Laura Blanco-Hinojo, Susana Garcia-Blanco, Violant Poca-Dias , Ben J. Harrison, Oren Contreras-Rodríguez, Jordi Monfort, Ferran Garcia-Fructuoso e Joan Deus. Arthritis & Reumatologia; Publicado on-line: 15 de setembro de 2014 (DOI: 10.1002 / art.38781).