Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador RELAXAMENTO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador RELAXAMENTO. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Florais que auxiliam na prática de relaxamento

>
A prática da meditação é excelente para o relaxamento da musculatura, stress, e de grande ajuda न produção dos neurotransmissores
>
>
> Florais de Bach que auxiliam a meditação
> Marcadores: Florais, Meditação Postado por Gabriel Meissner on Terça-feira, 27 de Março de 2007 às 23:35 Por Gabriel Meissner. São Paulo, 27 de março de 2007
>
> Os florais de Bach podem auxiliar a meditação. Eles transmutam uma série de estados mentais que formam obstáculos à boa prática meditativa. Todos enfrentamos dificuldades em desenvolver uma boa meditação, as quais são superadas naturalmente com disciplina, persistência e orientação. Mas podem ser superadas mais facilmente se utilizarmos florais orientados aos estados mentais que nos atrapalham. Por isso, dentro os 38 florais de Bach, selecionei os que parecem ter mais probabilidade de serem úteis a este fim.
>
> Isto não quer dizer que outros florais não possam ser úteis também. Se achar que a dificuldade que você enfrenta para meditar atualmente não é tratada por nenhum dos florais de Bach mencionados neste artigo, recomendo que estude os outros e encontre aquele que parece certo para você.
>
> A dificuldade mais clássica da prática meditativa é o intenso e incessante fluxo de pensamentos em nossa mente, que não nos permite desenvolver a concentração e a atenção. A própria prática disciplinada e persistente cessa este fluxo, ou ao menos o diminui. Se, porém, após um tempo já considerável de prática você ainda sente grande dificuldade em aquietar a mente, experimente tomar o floral White Chestnut. Ele clareará a sua mente, principalmente de pensamentos insistentes, contra os quais lutamos, sem sucesso.
>
> Outras dificuldades comuns são a falta de disciplina e a pressa em se obter resultados rápidos. Porém, meditar exige perseverança aliada à ausência de anseio por resultados. Caso contrário, cria-se tensão mental. Se você é do tipo que medita durante alguns dias para então abandonar a prática, pois desanimou-se com a dificuldade, Gentian é o floral adequado. Ele ajuda a mantermos o ânimo de seguir adiante, a despeito das dificuldades e obstáculos enfrentados.
>
> Já se você fica impaciente porque a meditação ainda não resultou no que esperava, Impatiens lhe fornecerá a calma necessária para esperar os resultados de médio e longo prazo.
>
> Meditar é estar plenamente consciente do momento presente. É justamente o oposto do devaneio. No entanto, há pessoas que vivem no mundo dos sonhos e, ao praticarem a introspecção, deixam-se levar de pensamento em pensamento, ligando-se exageradamente a eles. Desta forma, ao invés de tornarem-se conscientes, como era o objetivo proposto, tornam-se mais inconscientes. O floral indicado a este quadro é o Clematis. Ele também é indicado a quem tem a tendência de adormecer durante a meditação, um dos motivos pelos quais as pessoas mais desistem de meditar.
> Pode ser que o que lhe impede de estar consciente do momento presente não seja a tendência a entrar em devaneio, mas imagens e lembranças do passado que vêm à tona ao meditar. Se isto acontecer com freqüência excessiva, pode-se pensar em Honeysuckle. Este é o floral que cura o saudosismo e o apego ao passado, ajudando-nos a nos focarmos no presente.
>
> Que prática adotar? Mantra Yoga ou Vipassana? Zazen ou Meditação Transcendental? Se duas opções de técnicas lhe atraem e você não consegue se decidir por uma delas, ora praticando uma, ora outra, nunca terá real progresso em nenhuma. Tome Scleranthus para ajudar-lhe a tomar uma decisão e focar-se nela.
>
> Meditação não deve ser praticada mecanicamente. O hábito a incorpora a nós como se fosse uma segunda pele, de modo que a praticamos com grande naturalidade. Caso isso não esteja acontecendo com você e lhe pareça que não está conseguindo aprender a técnica escolhida corretamente, considere o Chestnut Bud. Este floral é usado para dificuldades de aprendizado e poderá ser importante para o seu progresso.
>
> Algumas pessoas desejam meditar, mas têm medo pois a associam ao sobrenatural. Este medo não deveria existir, uma vez que meditação nada tem de sobrenatural. Ao contrário, é o estado natural da mente. Para este medo pode-se tomar Aspen. Já se o seu medo não for vago como este, mas concreto, como o medo de entrar em transe, outra coisa que não acontece ao se meditar, sugere-se Mimulus.
>
> Como disse no parágrafo acima, meditação é o estado natural da mente. Ao mesmo tempo, o papel dos florais é fazer nossa personalidade seguir os desígnios de nossa Alma. Em outras palavras, restabelecer seu estado natural. De tal forma que a associação entre terapia floral e meditação é perfeita. Não à toa, o próprio Dr. Edward Bach recomendava que todas as pessoas reservassem um período do seu dia para meditar, conforme lemos em seu clássico “Cura-te a ti mesmo”. A seu exemplo, realmente recomendo ambas as práticas como complementares. Pois a meditação também torna a personalidade mais receptiva aos desígnios de nossa Alma, que nada mais é do que nosso ser real, a verdade por trás das aparências.
>
> É possível que durante a meditação venha-lhe um floral à mente com a sensação de que é o correto para você. Se isto acontecer, não hesite em tomá-lo. É a sua personalidade que está ouvindo sua Alma. Os florais que mais me fizeram bem até hoje são justamente aqueles que “selecionei” desta maneira. Acima de tudo, tanto na meditação quanto na terapia floral, ouvir sua voz interior é o mais importante. À propósito, se você ouvir sua voz interior, mas não confiar nela, há outro floral que você pode tomar: Cerato.
>
> Agora, quando e como tomar estes florais? Na terapia floral, costuma-se tomar quatro gotas de um composto floral, quatro vezes ao dia. Neste caso, como o uso deles é bastante específico, pode ser necessário tomá-los somente antes de meditar, com cerca de 15 minutos de antecedência.
>
> Ao mesmo tempo, pode ser que sua dificuldade em meditar reflita dificuldades maiores em sua vida. Será que sua tendência em entrar em devaneio durante a meditação não reflete a tendência a devanear no trabalho, por exemplo? Avalie sua vida honestamente e decida se não é melhor tomar os florais como tratamento continuado.
>
> Você não precisa tomar os florais indefinidamente. Quando a dificuldade for superada, pode-se descontinuar o uso. Apenas recomendo que após notar melhoras, continue a tomá-los por uma semana ou duas, para “fixar” o tratamento.
> Espero que este artigo seja útil a todos que se dedicam à meditação e que os florais de Bach contribuam a desenvolver uma excelente prática e restabelecer o estado natural de suas mentes.
>
> --
> Postado por Ane Cristina Coelho BRP no Florais de Bach em 8/22/2008 09:32:00 PM

quarta-feira, 14 de maio de 2008

VOCÊ SABE RELAXAR??????






Leia as instruções atentamente, aconselho mesmo que as imprima para referência. Nunca interfira com a respiração durante este exercício, deixe-a completamente natural.








AS TRÊS ROTAS DO RELAXAMENTO



1.Preparação

Deite-se de barriga para cima, com os braços ao lado do corpo, deixando as palmas das mãos para cima, trajando roupas confortáveis, e de preferência descalça. Se estiver com frio use meias.
Acalme-se. Aguarde alguns minutos enquanto espera que a mente relaxe e que os pensamentos fiquem mais tranqüilos, e deixe que a respiração fique serena. Não interfira com a respiração, apenas permita que ela se acalme.



2.As três rotas de relaxamento

As chamadas três rotas de relaxamento podem ser usadas como fundamento para exercícios de relaxamento mais avançados. As três rotas são as seguintes:

a) Primeira rota: ambos os lados da cabeça, ambos os lados do pescoço, ombros, braços, antebraços, pulsos, mãos, dedos.

b) Segunda rota: face, pescoço, peito, abdômen, ambas as coxas, joelhos, canelas, pés, dedos dos pés.

c) Terceira rota: parte de trás da cabeça, nuca, costas (região dorsal), região lombar, nádegas, parte de trás das coxas, parte de trás dos joelhos, batatas das pernas, solas dos pés.



3. Método

Primeiro relaxe a primeira rota, depois a segunda, e depois a terceira. Para relaxar uma rota faça o seguinte: coloque o pensamento numa região daquela rota, por exemplo, os lados da cabeça, e então, após focalizar na região dê uma ordem mental (não fale) para aquela região dizendo “relaxe”. Passe à próxima região da rota, no caso seriam os lados do pescoço, e faça o mesmo. Progrida assim, sem nenhuma pressa, até terminar a rota de relaxamento, e então passe para a próxima rota. Faça região a região, rota a rota. O ideal é repetir o exercício completo de três a cinco vezes.


4. Observações

De início, é muito comum que o praticante simplesmente durma durante o exercício. Com alguma prática aprende-se a completar o exercício ser pegar no sono, e após completado o treino o sono será mais reparador. A mente e o corpo serão treinados a relaxarem sem entrarem em sonhos ou devaneios.
Atenção: é de fundamental importância que antes de começar as rotas de relaxamento esteja-se calmo, tranqüilo. Não se deve fazer o exercício em estado de ansiedade.


5. Exercícios avançados

Depois de pelo menos alguns meses praticando diariamente, pode-se acrescentar um ou dois exercícios mais adiantados. É necessário antes construir a fundação praticando as três rotas, não comece estes exercícios cedo demais. Eles não são obrigatórios, e podem ser praticados conforme se desejar.


1) Relaxamento local: uma parte do corpo pode ser relaxada individualmente, por exemplo pontos de tensão ou locais de doença. Coloque a mente focalizada sobre a região que deseja relaxar, e calmamente emita repetidas ordens mentais de “relaxar” durante vinte ou trinta minutos.

2) Relaxar todo o corpo: depois de terminar o treino das três rotas, considere o corpo todo como se fosse um único ponto a ser relaxado, e emita a ordem mental de “relaxar”. Pode-se também seguir de uma só vez uma rota, emitindo esta ordem como se fosse uma corrente de água seguindo aquela rota (faça depois para as outras duas rotas).
Espero que ajude! Novamente: leia com atenção as instruções, e sempre esteja calma ao praticar. Não tenha pressa, nem tenha um objetivo a ser alcançado: simplesmente faça o exercício com naturalidade.



Existem várias técnicas de relaxamento... esta é apenas uma delas.
Poderá servir àquelas(es) que não tiveram a experiência de fazer um relaxamento orientado.
Esta é sua chance... Você é tão importante, quanto o almoço que está para ser feito, o pagamento no banco, a roupa pra lavar...
São poucos minutos que poderão de dar tranquilidade e equilíbrio para todo o resto do dia.

Aproveite!
As músicas você poderá aproveitar as que já estão aqui no blog, ou a sua preferida... Mas deve ser calma e tranquilizante. Procure estar sozinha, no princípio. No final, você já estará tão treinada, que os que estiverem a sua volta não conseguirão interferir no seu relaxamento.

Vamos tentar? Sei que você vai conseguir!