Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Sucesso no uso terapêutico da maconha contra dor inibe preconceito

Substâncias derivadas da Cannabis dão alívio a paciente que não responde a terapias convencionais



24.out.2018 às 18h00

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link https://www1.folha.uol.com.br/seminariosfolha/2018/10/sucesso-no-uso-terapeutico-da-maconha-contra-dor-inibe-preconceito.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo. Se precisa copiar trecho de texto da Folha para uso privado, por favor logue-se como assinante ou cadastrado.



Eu uso a lei da atração para derrotar a fibromialgia

 31 DE OUTUBRO DE 2018    Christine LynchPOR CHRISTINE LYNCH


Eu uso a lei da atração para derrotar a fibromialgia

Fui criada em uma tradição religiosa, mas me tornei um pensador espiritual e um forte crente nas leis naturais, definidas pela natureza e explicadas pela razão. As leis naturais existem em todos os momentos, tanto na presença quanto na ausência de leis positivas, que são leis estabelecidas por um órgão governamental, como um governo nacional.
Você pode não estar familiarizado com as leis naturais, mas elas ainda influenciam sua vida. Por exemplo, a gravidade o puxará para o chão se você cair de um telhado, mesmo que não acredite que a gravidade (uma lei natural) exista.
Uma das leis naturais mais poderosas é a  lei da atração . Antes mesmo de eu ter ouvido falar, isso teve um efeito muito negativo na minha vida. Simplificando, esta lei diz que você atrai para sua vida tudo o que você foca. Quando meus sintomas de fibromialgia foram particularmente graves, eu estava determinado a encontrar um tratamento eficaz. Passei meses pesquisando, localizando, agendando e comparecendo às consultas, com todas as categorias disponíveis de profissionais de saúde que tratam a fibromialgia. A fibromialgia consumiu todos os meus momentos de vigília. Eu sofri com isso, pesquisei e escrevi sobre isso e procurei tratamento para isso.
Meus esforços para conter a dor e o sofrimento só criaram mais dor e sofrimento. Sim, eu tenho uma educação. Eu aprendi muitas técnicas que aliviam meus sintomas até hoje. Eu experimentei medicamentos e suplementos apenas para descobrir que, para mim, eles produziam efeitos colaterais piores do que os sintomas que deveriam tratar. Depois de todo esse esforço, eu não estava melhor do que estava antes do começo da minha missão.
Ao ler um dos livros de  meditação de Deepak Chopra , lembrei-me da lei da atração. Comecei a questionar minhas ações. Eu poderia estar atraindo para a minha vida o mesmo sofrimento que procurei aliviar? Eu tinha chegado ao ponto em que, praticamente esgotara todas as outras opções. Certamente, essa “lei” merecia consideração.
Então, mudei meu foco para outras coisas. Em vez de passar meus dias pesquisando novas terapias, concentrei-me em encontrar e fazer coisas que me davam alegria. Eu encontrei novas maneiras de fazer coisas que eu anteriormente me sentia incapaz de participar. Mesmo que eu não pudesse fazer tudo o que eu fiz outrora, eu vi que com alguma motivação e criatividade, haviam formas alternativas de realizar as mesmas coisas.
Eu ainda pesquiso e escrevo. Mas o tema nem sempre é fibromialgia. Eu agora escrevo artigos sobre muitos outros assuntos também. Posso preparar refeições, é possível se eu descascar e cortar enquanto estiver sentado. Apesar da fibromialgia, ainda posso aproveitar a vida!

Felizmente, quanto mais eu me concentro em fazer as coisas que eu gosto, menos incomodam meus sintomas da fibromialgia. Concentrar-me no que quero e não no que não quero afetou positivamente minha vida. Eu sou um crente na lei da atração e estou usando isso para mudar minha vida para melhor.


*** O intuito da Abrafibro não é dizer que isso ou aquilo resolverá seus problemas. Mas mostrar como outras pessoas encontraram alternativas para ter qualidade de vida, apesar dos sintomas.