Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador pontos dolorosos na FM. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pontos dolorosos na FM. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Pesquisadores de fibromialgia sugerem afastamento do diagnóstico de pontos dolorosos

24 DE AGOSTO DE 2018

Repensar como a fibromialgia é diagnosticada pode permitir uma melhor caracterização e compreensão da dor inexplicável e incapacidade em muitas pessoas que podem não atender aos critérios diagnósticos completos, de acordo com pesquisa apresentada na reunião de 2018 do World Institute of Pain, em Dublin.

O pôster, "Estimativa da incidência e gravidade da fibromialgia entre pacientes avaliados em uma clínica de dor na comunidade terciária (Resumo EV11)" avaliou 181 registros de pacientes sem identificação de clínicas de dor médicas baseadas na comunidade para "estimar a contribuição do sintoma [fibromialgia] gravidade à dor média no Inventário Breve de Dor (IBD). ”

Usando os novos Critérios de Diagnóstico de Fibromialgia Clínica, os pesquisadores descobriram que 101 pacientes do estudo preencheram os critérios de fibromialgia (56%).Houve uma correlação positiva observada entre fibromialgia e dor, medida pelo IBD ( r = 0,31; P<0,001). No entanto, os pesquisadores apontaram que “uma alta proporção de variação na dor não foi explicada pela fibromialgia”, com apenas 9% da variância da dor no IBD atribuída à condição de dor. A análise também ressaltou a relação linear da dor generalizada e outras características clínicas.

"Dor generalizada e gravidade dos sintomas devem ter uma relação linear se a gravidade da fibromialgia é um "continuum", disse o co-autor do estudo Suneel Upadhye, MD, professor associado de medicina de emergência da Universidade McMaster, em Hamilton, Ontário. Um relacionamento não linear seria evidência de um certo grau de descontinuidade.

“A teoria do contínuo contrasta com o critério anterior de contagem de pontos de concurso para concluir que a fibromialgia estava presente ou ausente. Sob o modelo mais antigo, os pacientes com nove dos 18 pontos sensíveis geralmente tinham sintomas mínimos, e os pacientes com 13 dos 18 pontos dolorosos tinham múltiplos sintomas associados ”, explicou ele. "Tal resultado científico separa os pacientes em duas populações: aquelas com e sem fibromialgia".

"Os critérios diagnósticos originais muitas vezes excluíram muitas pessoas com sintomas clássicos", concordou Chris Morris, MD, da Arthritis Associates of Kingsport, no Tennessee. "Pacientes com sintomas mais leves e menos pontos dolorosos seriam excluídos quando se sentirem melhor", observou ele.

O coautor do estudo, William Parkinson, PhD, professor clínico associado na Escola de Ciências de Reabilitação da Universidade McMaster, disse: “A remoção dos pontos dolorosos da medição da gravidade da fibromialgia elimina a necessidade de um examinador clínico treinado. A gravidade da fibromialgia pode ser medida por um questionário simples. Isso permite que um número muito maior de pacientes seja estudado ”, disse o Dr. Parkinson que, junto com o Dr. Upadhye, escreveu outro pôster,“ Estimativa das Reduções no Funcionamento Atribuível à Fibromialgia em uma Clínica Geral de Dor Médica Baseada na Comunidade (Absract EV11 ).

Esta análise de regressão multivariada avaliou os mesmos pacientes como o primeiro cartaz, para encontrar fibromialgia responsável por 16% da redução no funcionamento global de pacientes com uma gama de sintomas de dor ( r = 0,403; 2 = 0,63, P <0,001). Ele também substitui o diagnóstico do ponto sensível com um modelo alternativo que usa duas variáveis: o Índice de Dor Generalizada e a gravidade total dos sintomas.

“O modelo ajustado mostra os graus de disfunção em cada domínio que podem ser atribuídos à fibromialgia quando as influências não fibromiálgicas são removidas. O objetivo é produzir as correlações verdadeiras ”, disse o Dr. Parkinson.

“As populações heterogêneas dificultam saber quanto da dor de cada paciente é a fibromialgia, em comparação com o estudo apenas daqueles que atendem aos critérios diagnósticos nos quais a dor é considerada relacionada à fibromialgia”, ele acrescentou.“Uma abordagem quantitativa para separar a variância da fibromialgia e da não fibromialgia pode ser considerada uma abordagem para esse problema”, disse o Dr. Parkinson, que acredita que “a gravidade da fibromialgia pode ser estudada como uma variável independente contínua em vez de uma comparação de pacientes com e sem o diagnóstico.

"Por exemplo, mudanças na arquitetura do sono foram implicadas na fisiopatologia da fibromialgia décadas atrás", disse ele. “O modelo contínuo sugere associações entre a gravidade dos sintomas da fibromialgia e a disfunção da fisiologia do sono, e virtualmente qualquer outra fisiologia mensurável. Outras aplicações podem envolver a gravidade dos sintomas como dependentes / resultados para testar intervenções medicamentosas ou comportamentais ”, sugeriu ele.

"Esses pôsteres nos ajudam a entender que abordagens multifacetadas à dor são importantes", disse Morris. “Se a dor crônica de um paciente é mais do que o esperado e não responde ao aumento dos analgésicos, deve-se considerar outras formas de dor.

"Reumatologistas há muito reconheceram que um grande número de pacientes em nossas práticas tem dor relacionada à fibromialgia", disse ele. "Ser capaz de quantificar os efeitos dos sintomas em outras situações médicas nos ajuda a ver que a fibromialgia não é apenas uma doença reumática, mas pode contribuir para outras especialidades".

—Sherree Geyer

Fonte: https://www.painmedicinenews.com/Clinical-Pain-Medicine/Article/08-18/Fibromyalgia-Researchers-Suggest-Moving-Away-From-Tender-Point-Diagnosis/52431?sub=E6C615CF6850A5C7312FFBF2A5A3882FA64EC79FC25564B9BC6AD40542B7611&enl=true

Nota da Abrafibro: Todos os textos publicados neste blog, são frutos de larga pesquisa da Abrafibro. Nenhum deles exclui a avaliação do profissional de saúde especializado. Estes textos tem por objetivo o conhecimento para informação apenas.
Mantenha um diálogo assertivo e amplo com os profissionais que fazem parte de seu tratamento multidisciplinar; que terá maiores chances de melhor qualidade de vida e bem estar.