Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, abaixo, na coluna à sua esquerda.
Ou escolher entre:
WhatsApp
https://chat.whatsapp.com/IAh9lNNWEb82DLJwTWqwyu
Telegram
https://t.me/abrafibronoticias

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Novo estudo sobre a fibromialgia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Novo estudo sobre a fibromialgia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 27 de outubro de 2020

Estudo descobre 'ausência de evidências' para a maioria dos tratamentos de fibromialgia

Pain News Network 

26 de outubro de 2020

Por Pat Anson, Editor PNN

Uma nova análise encontrou poucas evidências para apoiar o uso a longo prazo de qualquer medicamento ou terapia para tratar a fibromialgia, um distúrbio mal compreendido caracterizado por dores generalizadas no corpo, fadiga, sono insuficiente e depressão.

Uma equipe internacional de pesquisadores do Brasil e da Austrália revisou 224 ensaios clínicos de tratamentos para fibromialgia e encontrou muitos deles pequenos e de baixa qualidade. Evidências de alta qualidade foram encontradas para terapia cognitivo-comportamental (TCC), antidepressivos e depressores do sistema nervoso central (SNC) como tratamentos de curto e médio prazo para fibromialgia. Nenhum tratamento foi considerado eficaz a longo prazo.

“Nesta revisão sistemática, a eficácia da maioria das terapias para fibromialgia não foi sustentada. Fortes evidências apoiavam apenas a terapia cognitivo-comportamental para dor, bem como antidepressivos e depressores do sistema nervoso central para dor e qualidade de vida, mas essas associações eram pequenas ”, escreveu o autor principal Vinícius Cunha Oliveira, PhD, professor adjunto da Universidade Federal do Brasil. Vales do Jequitinhonha e Mucuri no Brasil.

“Algumas terapias podem estar associadas a pequenas reduções na dor e melhorias na qualidade de vida em pessoas com fibromialgia; no entanto, faltam evidências atuais para a maioria das terapias ”.

Os resultados do estudo, publicados no JAMA Internal Medicine , refletem o que muitos sofredores de fibromialgia já sabem; muitos tratamentos são ineficazes para melhorar seus sintomas.

A Food and Drug Administration aprovou apenas três medicamentos para fibromialgia; os antidepressivos duloxetina (Cymbalta) e milnacipran (Savella) e o medicamento anticonvulsivante pregabalina (Lyrica). Todos os três medicamentos foram originalmente desenvolvidos para outras condições médicas e estão sendo reaproveitados como tratamentos para a fibromialgia.

Uma grande pesquisa de 2014 de pacientes com fibromialgia pela National Pain Foundation descobriu que a maioria das pessoas que experimentaram os três medicamentos aprovados pela FDA não sentiram a eficácia.

Exercícios, acupuntura, massagem, eletroterapia, liberação miofascial e vários outros tratamentos não farmacêuticos também são comumente recomendados para a dor da fibromialgia. Os pesquisadores encontraram apenas evidências “moderadas” para apoiar seu uso em curto prazo. Evidências de alta qualidade foram encontradas apenas para a TCC, uma forma de meditação na qual o terapeuta trabalha com o paciente para reduzir pensamentos e comportamentos inúteis.

“Os médicos devem estar cientes de que as evidências atuais para a maioria das terapias disponíveis para o tratamento da fibromialgia se limitam a pequenos ensaios de baixa qualidade metodológica”, concluíram os pesquisadores. “Os médicos e os pacientes devem escolher as terapias considerando outros resultados importantes além daqueles apresentados nesta revisão, como efeitos adversos, custos diretos e preferências do paciente.”

O National Institutes of Health estima que cerca de 5 milhões de americanos têm fibromialgia. A maioria das pessoas com diagnóstico de fibromialgia são mulheres, embora homens e crianças também possam ser afetados.

 

 

texto original

https://www.painnewsnetwork.org/stories/2020/10/26/study-finds-evidence-is-lacking-for-most-fibromyalgia-treatments


sábado, 18 de outubro de 2014

Fibromialgia ligada a diminuída conectividade do cérebro

Última actualização: 


Dr. Pär Flodin e seus colegas, do Instituto Karolinska, em Estocolmo, relatam suas descobertas na revista Cérebro Conectividade .
Fibromialgia síndrome é uma condição comum e crônica de causa desconhecida, que atinge principalmente na meia idade, embora os sintomas podem muitas vezes presentes antes.Sofrem geralmente experimentam fadiga com dor a longo prazo em diversas áreas do corpo, além de sensibilidade nos tecidos moles, tais como os músculos, articulações e tendões.
Nós não sabemos por que, mas, enquanto os homens e as crianças também podem tê-lo, a grande maioria das pessoas diagnosticadas com fibromialgia são mulheres.
De acordo com o Instituto Nacional de Artrite e doenças osteomusculares e de pele , os cientistas estimam que a fibromialgia afeta 5 milhões de americanos adultos.

Conectividade cerebral diminuiu em pacientes com fibromialgia

Para seu estudo, os pesquisadores Karolinska comparou a atividade cerebral em mulheres com e sem fibromialgia. Em pacientes com fibromialgia, encontraram diminuição da conectividade entre áreas do cérebro que processam os sinais de dor e sensório-motoras.
Ilustração do cérebro humano
Os resultados mostraram que os participantes com fibromialgia tinham aumentada significativamente a sensibilidade à dor em comparação com o grupo controle.
Eles sugerem que os resultados do estudo mostram a conectividade cerebral reduzida, pode contribuir para a regulação da dor deficiente em pessoas com fibromialgia.
Os resultados do estudo demonstram que em estudos anteriores que ligaram a atividade cerebral anormal à má inibição da dor.
Para o estudo, 22 mulheres saudáveis ​​e 16 com fibromialgia foram submetidos a ressonância magnética funcional (fMRI) scans cerebrais enquanto experimenta diferentes níveis de dor por ter pressão aplicada ao polegar.
Um dia antes de os exames, as mulheres completaram testes para calibrar sua sensibilidade à dor. Um estimulador pressão controlada por computador aplicada pressão ao seu polegar esquerdo, enquanto eles avaliaram a sensibilidade. Intensidades de pressão derivados dessas classificações foram, então, entregues de forma aleatória como as mulheres foram submetidas a exames cerebrais.
Os participantes tiveram que se abster de tomar medicação para a dor e sedativos 48 horas antes da avaliação da dor e 72 horas antes dos exames de ressonância magnética. Ao todo, cada um recebeu 15 estímulos durando cada 2,5 segundo, em intervalos de meia-hora.

Redução da conectividade do cérebro podem prejudicar a percepção da dor

Os resultados mostraram que os participantes com fibromialgia tinham aumentada significativamente a sensibilidade à dor em comparação com o grupo controle.
Quando eles analisaram os exames cerebrais, a equipe encontrou diferenças nos padrões cerebrais entre os participantes saudáveis ​​e aqueles com fibromialgia. Os participantes com fibromialgia mostrou a "dissociação funcional" entre as áreas do cérebro que processam os sinais de dor e outras partes, incluindo aquelas que controlam a atividade sensório-motor.
Os autores sugerem que esta redução na conectividade do cérebro podem prejudicar a percepção da dor.
O co-editor-chefe da revista, Dr. Christopher Pawela, professor assistente na Faculdade de Medicina de Wisconsin, nos EUA, descreve o estudo como "um primeiro passo importante" na compreensão de como o cérebro afeta a percepção de dor generalizada, que é uma característica conhecida da fibromialgia.
Em fevereiro de 2014, Medical News Today soube de um estudo britânico que encontrou falta de sono está ligada à dor generalizada e fibromialgia .

Escrito por 

Referências: