Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador fibromialgia e luz artificial. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fibromialgia e luz artificial. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Expansão das aplicações clínicas da luz: fibromialgia e transtorno de estresse pós-traumático



por Helen J. Burgess
Departamento de Psiquiatria, Laboratório de Pesquisa Circadiana e do Sono, Universidade de Michigan, Ann Arbor, EUA

Helen J. Burgess, PhD, é Professora do Departamento de Psiquiatria e Co-Diretora do Laboratório de Pesquisa do Sono e Circadian da Universidade de Michigan. Há muito ela investigava as ações cronobiológicas da luz em humanos e agora estuda a luz em novas aplicações clínicas.

A exposição à luz tem efeitos profundos em nossa saúde física e mental. Isso não é surpreendente, considerando que nossa fisiologia evoluiu em um ciclo claro: escuro de 24 horas. A luz tem muitos efeitos: por exemplo, influencia o tempo do relógio circadiano, altera neurotransmissores cerebrais como a serotonina, suprime o hormônio noturno melatonina e afeta o sono. Esses aspectos da fisiologia são mais afetados pela luz de comprimento de onda azul.

Ao pensar nos efeitos da luz na saúde, pode ser útil considerar o que é uma “boa” exposição à luz e o que entendemos hoje como “má” exposição à luz. A exposição à luz que pode impactar negativamente a saúde inclui luz artificial noturna após o pôr do sol. A luz do entardecer pode mudar nossos relógios circadianos mais tarde, suprimir a melatonina e perturbar o sono, efeitos que aumentam significativamente o risco de uma variedade de distúrbios mentais e físicos, desde depressão até doenças cardiometabólicas. Infelizmente, a luz noturna tornou-se ainda mais potente nos últimos anos devido ao aumento do uso de dispositivos LED de tela azul nas horas antes do sono pretendido. “Boa luz” para a maioria de nós é a luz da manhã e também a exposição a mais luz natural ao ar livre durante o dia. Esse tempo de luz ajuda a mudar nosso relógio circadiano mais cedo e pode até aumentar os níveis de serotonina no cérebro, o que geralmente está associado à melhora do humor. De fato, a terapia da luz matinal é estabelecida como um antidepressivo em transtornos afetivos sazonais e não sazonais.

Em nossa pesquisa, ficamos interessados ​​em explorar se o tratamento à luz da manhã também poderia ajudar em distúrbios clínicos além da depressão. A dor crônica é muito influenciada pelo humor e pelo sono, com melhora do sono e do humor levando à redução da dor. Em nosso primeiro estudo piloto, estudamos pessoas com fibromialgia, uma condição de dor crônica. Descobrimos que apenas 6 manhãs de tratamento com luz de 1 hora levaram a melhorias clinicamente significativas na função e na sensibilidade à dor. Estamos agora conduzindo um ensaio clínico randomizado maior, financiado pelo National Institutes of Health (NIH) dos EUA para testar 4 semanas de um tratamento de luz matinal de 1 hora versus placebo em 60 pessoas com fibromialgia.

Os resultados positivos em nosso estudo piloto de fibromialgia também nos levaram ao financiamento de uma iniciativa conjunta do NIH-Departamento de Defesa (DOD) para explorar tratamentos não farmacológicos para dor crônica em veteranos. Descobrimos que 13 dias de um tratamento de luz matinal de 1 hora levou à redução da dor e da sensibilidade à dor, melhorou a qualidade do sono e, de fato, reduziu os sintomas do transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). Seguimos testando luz da manhã versus placebo em pessoas com sintomas significativos de PTSD que haviam experimentado um evento traumático e continuamos a encontrar reduções no PTSD e nos sintomas depressivos com o tratamento ativo. Em um novo estudo do NIH, usando imagens de ressonância magnética funcional, estamos examinando diferentes doses de luz da manhã (15 min, 30 min ou 1 hora por dia durante 4 semanas) na atividade da amígdala, um centro do cérebro altamente envolvido no processamento emocional .

Sabemos que o tratamento com luz funciona, mas ainda precisamos determinar como. Precisamos começar a pensar na luz, ao lado do sono, da dieta e dos exercícios, como algo essencial para nossa saúde física e mental.

texto original
https://cet.org/expanding-clinical-applications-of-light-fibromyalgia-and-post-traumatic-stress-disorder/?fbclid=IwAR1Hgwcr3_mT_eHCNMBFbkprML0AAoCuv_u08PsuS0BdEy3Ov-ErVQ799n4