Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador não há mágica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador não há mágica. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 10 de agosto de 2021

Exercícios, TENS, medicamentos podem oferecer alívio leve, sem 'bala mágica' para fibromialgia

 



A educação do paciente em combinação com uma variedade de terapias farmacológicas e não farmacológicas é necessária para controlar adequadamente a fibromialgia, observou um palestrante na conferência anual 2021 da Sociedade de Enfermeiros de Reumatologia.

Susan Chrostowski, DNP, APRN, ANP-C, coordenadora do Programa de Enfermagem Gerontológica para Adultos da Texas Woman's University, levantou uma questão importante para os participantes do RNS que gerenciam pacientes com fibromialgia : “Como podemos ajudar?” ela disse. “Isso basicamente se enquadra em duas categorias. Temos remédios e temos outras coisas além de remédios ”.

O trio de medicamentos aprovados pela FDA para fibromialgia oferece apenas alívio "significativo" em aproximadamente 40% a 60% dos pacientes, enquanto apenas 10% a 25% encontram sua dor reduzida pela metade, Susan Chrostowski , DPN, APRN, ANP-C, disse aos participantes. “O que isso nos diz é que não temos uma bala mágica. Não temos uma pílula que apenas tornará tudo maravilhoso para eles. ”

No que diz respeito ao FDA, existem três medicamentos aprovados para a fibromialgia. Eles são pregabalina (Lyrica, Pfizer), duloxetina, milnaciprano (Savella, Abbvie). “Na última década, não tivemos nenhum novo medicamento com indicação para o tratamento da fibromialgia”, disse ela.

Chrostowski observou que esses medicamentos rendem apenas 25% a 40% na redução da dor de qualquer tipo. Ela acrescentou que o alívio “significativo” ocorre em apenas cerca de 40% a 60% dos pacientes, enquanto apenas 10% a 25% acham que a dor é reduzida pela metade. “O que isso nos diz é que não temos uma bala mágica”, disse ela. “Não temos uma pílula que apenas tornará tudo maravilhoso para eles.”

Em relação aos opioides como a hidrocodona e a oxicodona, Chrostowski ofereceu a mensagem simples de que devem ser evitados devido ao risco de dependência e falta de eficácia. “Eles não estão obtendo benefícios suficientes para compensar os riscos associados”, disse ela.

Dito isso, embora o paracetamol e os antiinflamatórios não esteroidais (AINEs) não sejam considerados eficazes para a fibromialgia, eles podem ter utilidade em comorbidades como a osteoartrite.

A ponto de muitos pacientes com fibromialgia usarem cannabis e produtos canabinoides para alívio da dor, melhora do sono ou redução da ansiedade, Chrostowski repetiu o refrão usado por muitos na comunidade reumatológica. “Ainda faltam pesquisas nessa área”, disse ela.

A psicoterapia e a terapia cognitivo-comportamental (TCC) são as abordagens não farmacoterapêuticas que passaram pela investigação mais rigorosa na fibromialgia, de acordo com Chrostowski. “A terapia cognitivo-comportamental ajuda a enfrentar estratégias e controlar o estresse”, disse ela. “Isso pode ajudar a reduzir o uso de medicamentos para dormir.”

O exercício é outra terapia não farmacológica que demonstrou eficácia. “Os exercícios de baixo impacto, em geral, são vistos como benéficos”, disse ela. “Os exercícios aquáticos podem ter um pequeno benefício sobre os exercícios terrestres.”

O treinamento de resistência pode ajudar a reduzir a depressão e a ansiedade, de acordo com Chrostowski. Além disso, “terapias de movimento meditativo”, como tai chi, qigong e ioga, podem ser eficazes.

Os pacientes também se beneficiaram de tratamentos baseados em spa, como balneoterapia, pacotes de lama e hidroterapia. “Banhos termais quentes podem ajudar com dor e qualidade de vida”, disse Chrostowski.

Da mesma forma, um benefício modesto pode ser obtido com a acupuntura. “Houve muitos estudos sobre isso ao longo dos anos, alguns de melhor qualidade do que outros”, disse Chrostowski. “Pode haver melhora de baixa a moderada na dor e rigidez”.

Olhando mais profundamente na categoria não farmacológica, alguns pacientes tentaram estimulação elétrica transcraniana e transcutânea (TENS) para alívio da dor ou melhorias gerais na função associada à fibromialgia. “Alguns estudos mostraram benefícios no alívio da dor e na função geral relacionada à fibromialgia.”

A estimulação sensorial vibroacústica e rítmica são outros métodos, mas estudos têm mostrado resultados mistos com essas abordagens.

Chrostowski apontou que a maioria das estratégias de gerenciamento discutidas são mais eficazes em combinação com a educação do paciente . “Temos que explicar a condição e que não há cura”, disse ela. “Garanta a eles que esta é uma doença real. É incrível que ainda existam provedores por aí que consideram isso um diagnóstico de lata de lixo. Só porque ainda não temos uma resposta para isso, não significa que não haja uma causa orgânica subjacente. ”

Em termos de aplicação de qualquer uma dessas estratégias na clínica, Chrostowski enfatizou a ideia de estabelecer metas e expectativas razoáveis. Adaptar a terapia para cada paciente é essencial para otimizar os resultados, assim como a validação e o incentivo ao longo do processo de tratamento.

O último ponto que Chrostowski queria deixar claro é que todas as estratégias mencionadas exigem aceitação e comprometimento do paciente. “Capacite seus pacientes a assumir o controle e aprender o que eles precisam saber sobre isso”, disse ela. “Continue tentando coisas diferentes até encontrar o que funciona melhor.”

 

 

Susan Chrostowski

 

 

fonte: https://www.healio.com/news/rheumatology/20210807/exercise-tens-medications-may-offer-mild-relief-no-magic-bullet-for-fibromyalgia