Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador pesquisa de fibromialgia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pesquisa de fibromialgia. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 14 de julho de 2021

Nossa pesquisa de fibromialgia destaca

 

16 de abril de 2021


A fibromialgia é uma doença de longa duração que causa dor e sensibilidade em todo o corpo. Pessoas com fibromialgia também podem apresentar uma ampla gama de outros sintomas, incluindo sono insatisfatório , fadiga e dificuldade de concentração (névoa do cérebro).

Ao contrário da artrite, essa dor não é causada por problemas nas articulações, ossos ou músculos. Acredita-se que ela seja causada pelo fato de o sistema nervoso não ser capaz de controlar ou processar os sinais de dor de outras partes do corpo. No entanto, ainda não entendemos totalmente como e por que ocorre a fibromialgia. Isso significa que às vezes pode ser difícil de diagnosticar, especialmente porque os sintomas variam de pessoa para pessoa.

Por exemplo, Bethan, 26, começou a sentir dores nos joelhos aos 13 anos. Ela acabou sendo diagnosticada com fibromialgia; levou 10 anos desde o primeiro sintoma até o diagnóstico. 

Estamos empenhados em financiar pesquisas líderes mundiais em condições de dor crônica, incluindo fibromialgia. Recentemente, lançamos a Advanced Pain Discovery Platform , uma parceria de £ 24 milhões entre a Versus Arthritis e a  UK Research and Innovation , que reunirá especialistas de muitas áreas diferentes da pesquisa em dor, com o objetivo de transformar nosso conhecimento sobre as causas subjacentes da dor crônica.

A pesquisa ajudará a desenvolver conhecimento, compreender as causas e melhorar o diagnóstico e as opções de tratamento para pessoas que vivem com fibromialgia.

Aqui estão alguns dos destaques de nossa pesquisa sobre fibromialgia.

Investigando as causas da fibromialgia

Há evidências crescentes de que a dor crônica está associada a diferenças e / ou mudanças no funcionamento do cérebro. Por exemplo, como o cérebro interpreta os sinais de diferentes sentidos (visão, tato e som). Pessoas com fibromialgia também podem experimentar mudanças na forma como percebem o espaço ao redor de seu corpo.

A pesquisa liderada por Jane Aspell na Anglia Ruskin University está explorando o uso de ilusões corporais de realidade virtual para investigar as interações entre o cérebro e o corpo e estudar como as pessoas com fibromialgia percebem o espaço ao redor de seu corpo.

Esperamos que este projeto aumente nossa compreensão de como o cérebro processa os sinais e percebe o corpo, e como isso pode ser diferente na fibromialgia.

Melhorando nossa compreensão da dor e fadiga

Estudos sugerem que pessoas com fibromialgia podem ter problemas com a resposta de “lutar e fugir” de seus corpos ao estresse. Amostras de sangue coletadas de pessoas com fibromialgia também podem mostrar sinais aumentados de inflamação em comparação com pessoas sem a doença.

A pesquisa liderada por Jessica Eccles, da Universidade de Sussex, está investigando como as respostas do cérebro à dor e fadiga são afetadas pela capacidade do corpo de controlar a resposta de luta ou fuga e pelo aumento da inflamação.

Isso poderia nos ajudar a entender melhor por que as pessoas com fibromialgia sentem dor e fadiga e descobrir possíveis tratamentos futuros para a doença.

Melhorar a prestação de cuidados de saúde para pessoas com fibromialgia

Há evidências limitadas disponíveis sobre a maneira mais eficaz de organizar os serviços de saúde para melhor apoiar as pessoas com fibromialgia. Isso pode fazer com que algumas pessoas com fibromialgia se sintam insatisfeitas com seus cuidados.

O professor Gary Macfarlane da Universidade de Aberdeen está trabalhando com pessoas com fibromialgia e profissionais de saúde e assistência social para desenvolver um novo modelo de atendimento para pessoas com fibromialgia.

O professor Gary Macfarlane disse:

“As pessoas com fibromialgia nos falam da longa jornada para receber o diagnóstico e que depois do diagnóstico muitas vezes não há suporte disponível, apesar de haver boas evidências sobre abordagens que podem melhorar os sintomas e a qualidade de vida. Estamos procurando em todo o Reino Unido centros que desenvolveram vias de atendimento para identificar os elementos-chave naqueles valorizados pelos pacientes. “

Espera-se que esta pesquisa leve ao desenvolvimento de serviços que ajudem a garantir melhores resultados para os pacientes.

Pesquisando maneiras alternativas de diagnosticar a fibromialgia

Pesquisas anteriores confirmaram que pequenas fibras nervosas (os nervos geradores de dor) são danificadas em cerca de metade das pessoas com fibromialgia, mas atualmente isso só pode ser diagnosticado por meio de biópsias de pele em centros especializados.

Essas pequenas fibras nervosas podem ser vistas nos olhos, portanto, estamos financiando uma pesquisa liderada pelo Dr. Uazman Alam , da Universidade de Liverpool, para ver se um novo tipo de exame ocular pode ser usado para identificar e estudar os danos às fibras pequenas.

Os pesquisadores estão usando a microscopia confocal da córnea (uma técnica de microscópio sensível que permite aos pesquisadores observar a estrutura das células no olho) para diagnosticar danos às pequenas fibras nervosas do olho. Se for eficaz, pode ser uma alternativa de diagnóstico não invasiva e eficaz em termos de tempo.

Os pesquisadores também esperam entender melhor como a função das fibras nervosas é alterada na fibromialgia e como isso contribui para a dor na doença.

Desenvolvendo novos tratamentos

Ainda não existe um único tratamento eficaz para a fibromialgia, portanto, é importante encontrar novos e melhores tratamentos para reduzir a dor. Em pessoas com fibromialgia, o cérebro pode lutar para interpretar os sinais de dor, fazendo com que sejam mal interpretados. Isso resulta em hiperatividade contínua no sistema nervoso, causando dor e outros sintomas.

A pesquisa que estamos financiando na Universidade de Manchester, liderada pelo Dr. Richard Brown , tem como objetivo desenvolver um novo tratamento denominado treinamento perceptual ou 'Pe Tra'.

O tratamento envolve os pacientes que completam uma tarefa computadorizada simples (um pouco como 'treinamento do cérebro'), que é projetada para resolver os problemas subjacentes à fibromialgia ao longo do tempo. Espera-se que isso possa reduzir a dor em pessoas com fibromialgia, ao reverter o problema que o sistema nervoso tem com a interpretação dos sinais de dor. Se se mostrar eficaz, pode ser uma nova opção de tratamento para pessoas com fibromialgia.