Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador a fonte do problema na fibromialgia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador a fonte do problema na fibromialgia. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Estudo comparativo investiga síndrome de fibromialgia


Prof. Dr. Martin Diers é responsável pela medicina comportamental clínica e experimental na LWL Clinic for Psychosomatic Medicine and Psychotherapy na Ruhr University Bochum. LWL University Hospital Bochum / Kaltenhäuser

28/01/2020

Por que pessoas saudáveis ​​são tão importantes para os doentes! - Estudo comparativo investiga síndrome de fibromialgia

Pessoas com síndrome de fibromialgia (SFM) vivem com fortes dores crônicas por todo o corpo. Por causa dos sintomas, eles também sofrem de insônia e grande estresse psicológico.

Esta doença afeta cerca de três por cento da população, especialmente mulheres. Anteriormente conhecido como reumatismo de tecidos moles, foi comprovado há alguns anos que a síndrome é baseada em danos ao sistema nervoso que causam dores musculares.

Uma prova inicial de melhor entendimento foi fornecida, mas as causas ainda não haviam sido encontradas.

Cientistas da Clínica de Medicina Psicossomática e Psicoterapia do Hospital Universitário LWL da Ruhr University Bochum estão atualmente procurando mulheres saudáveis ​​para seu estudo comparativo, que podem ajudar a encontrar pistas sobre o desenvolvimento da síndrome de fibromialgia com a ajuda de um enxaguatório simples.

Prof. Dr. Martin Diers, responsável por Medicina Comportamental Clínica e Experimental na Clínica LWL de Medicina Psicossomática e Psicoterapia, precisa urgentemente para teste de sujeitos saudáveis ​​entre 40 e 60 anos de idade para seu estudo, já que a SFM afeta principalmente mulheres:

Principalmente quando se trata de estudos comparativos, contamos com dados de pessoas saudáveis ​​e doentes para comparar e gerar diferenças. Esta é a única maneira de capturarmos um quadro clínico exato das síndromes de dor e, em seguida, criar campos de tratamento direcionados. "

Muitas pessoas que sofrem de dores crônicas não estão recebendo o tratamento adequado porque, muitas vezes, nem existem. Para ser capaz de tratar as pessoas afetadas adequadamente, é, portanto, importante antes de tudo determinar a causa da dor e entender por que a dor crônica se desenvolve em primeiro lugar.

O estudo FMS trata da pesquisa de fatores genéticos moleculares. Isso significa que as informações genéticas relevantes de participantes saudáveis ​​e doentes são comparadas com a ajuda do DNA registrado por meio de um enxaguatório bucal.

Como parte de um questionário, informações adicionais sobre o bem-estar psicológico e físico são coletadas e comparadas com os dados de DNA.

Para isso, o participante envia de volta o questionário e o recipiente com o enxaguatório no envelope selado. Não será cobrado.

As partes interessadas podem se registrar com a palavra-chave “pesquisa de FMS com assunto de teste saudável” por e-mail: verhaltensmedizin@rub.de anmelden

texto original
https://www.innovations-report.de/fachgebiete/biowissenschaften-chemie/warum-gesunde-fuer-kranke-so-wichtig-sind-vergleichsstudie-geht-fibromyalgie-syndrom-auf-den-grund/

quarta-feira, 6 de maio de 2020

Artigo: Fibromialgia (Jornal de Jales)

 

A fibromialgia é uma síndrome reumática com características de dor crônica, mais comum em mulheres, porém as suas causas ainda são desconhecidas. Os sintomas mais frequentes são a dor muscular generalizada, sono não reparador, fadiga, rigidez matinal, falta de ar e alterações no humor. (PROVENZA et al., 2004, apud. FERREIRA; MARTINHO, 2014, p.437)
 O seu diagnóstico ocorre por meio de exame físico, onde são considerados 18 tender points (pequenas áreas sensíveis no corpo), que quando pressionadas causam dor no paciente, sendo que pelo menos 11 desses precisam estar doloridos para o diagnóstico ser positivo. (SATO, E., 2004)
 Esses pontos estão divididos bilateralmente da seguinte maneira: na região suboccipital (atrás da cabeça), na parte da frente do pescoço, no músculo trapézio (em cima dos ombros e nas costas), na parte superior do peito, nos cotovelos, na parte superior das nádegas, no quadril e nos joelhos. (PROVENZA, JR. et al., 2004).
 Na Fundação Educacional de Fernandópolis (FEF/FIFE), os alunos do curso de fisioterapia são preparados para atuar na avaliação e tratamento do paciente/ cliente com fibromialgia. Oferecendo um atendimento de alta qualidade nas Clínicas Integradas localizadas no prédio da instituição.
Coordenadora: Luciana Marques Barros.
Professora Orientadora: Maristela Ribeiro da Silva.
Alunos: Angélica Bastos de Souza;
             Eduarda Vono de Souza;
             Isabele Marcolin Gonçales;
             Jonathan Donizete Pereira Martim;
             Laura Gasques Contin;
             Thaila Silva Medeiros;
             Wiliam de Souza Ribeiro.

texto original 
https://www.jornaldejales.com.br/noticia/fibromialgia

quarta-feira, 4 de março de 2020

Uma explicação simples sobre a Fibromialgia

Fibromialgia atinge 9 mulheres a cada homem; gatilho pode ser o estresse

Da Redação com Ascom. Publicado em 26 de fevereiro de 2020 às 11:08
Dor difusa, fadiga, alterações do sono, dor de cabeça, humor deprimido, perda ou diminuição da força física, irritabilidade, dificuldade de concentração. Estes sintomas podem indicar que o indivíduo está com fibromialgia, que, segundo a médica reumatologista do Hapvida em João Pessoa, Fernanda Tavares, trata-se de uma síndrome dolorosa crônica que atinge mais mulheres que homens e que pode ter como gatilho fatores ligados ao estresse.
O transtorno está presente em 2,5% da população brasileira, segundo dados da Sociedade Brasileira de Estudo da Dor (SBED). Famosos como a cantora Lady Gaga, o ator Morgan Freeman, a pintora Frida Kahlo, a cantora irlandesa Sinead O´Connor, a atriz brasileira Dani Valente, entre outras celebridades, sofrem da doença.
“A fibromialgia acomete cerca de nove mulheres para cada homem. Isso porque as mulheres apresentam mais alterações nas vias de modulação da dor, por isso podem ter mais amplificação do estímulo. Mas estudos sobre este aspecto ainda estão sendo realizados”, explica a médica.
Foto ilustrativa: Reprodução
A especialista explica que o diagnóstico da doença é eminentemente clínico, não havendo a necessidade de exames complementares que favoreçam o diagnóstico. “Deve-se incluir, na investigação, os seguintes aspectos: dor crônica difusa, pontos dolorosos específicos, distúrbios do sono e cognitivos. Nosso desafio é excluir outras causas de dor crônica, como acontece em algumas doenças auto-imunes e auto-inflamatórias. Este dado não exclui que haja duas doenças concomitantes”, destaca.
A médica ressalta que fibromialgia é decorrente de uma resposta anormal e inadequada do sistema nervoso central aos estímulos periféricos em decorrência de uma hiperexcitabilidade neuronal, causando, no caso da fibromialgia, dor inadequadamente amplificada. Desta forma, o indivíduo tem uma resposta aumentada aos estímulos externos. Podendo existir influência genética e ambiental.
Fernanda Tavares lembra que a fibromialgia pode ter como gatilho fatores de estresse. “Depressão, ansiedade, alterações endócrinas, podem ser um ponto de partida para doença. Boa alimentação, qualidade de sono e atividade física regular são cuidados para uma boa saúde, fazendo assim com que as pessoas possam evitar não só a fibromialgia, mas também uma série de doenças”, alerta.
No que diz respeito ao processo de tratamento da fibromialgia, a médica reumatologista, Fernanda Tavares, explica que é preciso integrar estratégias que utilizem medicamentos e participação ativa da pessoa acometida pela doença. “Exercícios físicos regulares principalmente atividade aeróbica, terapia psicológica e medicações que devem ser prescritas por profissional especializado. Em relação à cura, ainda não há estudos que mostrem a cura da doença”, conclui

Reprodução do texto original:
https://paraibaonline.com.br/2020/02/fibromialgia-atinge-9-mulheres-a-cada-homem-gatilho-pode-ser-o-estresse/

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

CONSULTA PÚBLICA DO MIN DA SAÚDE NR. O7

ASSUNTO: DOR CRÔNICA

Antes de ler essa publicação, gostaria de pedir que leia o Protocolo sugerido pelo Ministério.
Não estão querendo incluir a SÍNDROME DE FIBROMIALGIA E A DOR MIOFACIAL NESSE PROTOCOLO.
LEIA através do site


click em Dor Crônica. (você precisa ter o programa Adobe Reader para abrir o arquivo do Protocolo, que está com a extensão .pdf Caso não tenha, entre em www.baixaqui.com.br e baixe gratuitamente)

Agora creio que você já tenha lido o texto, e pode discutir sobre o assunto.

Como pudemos ver - ainda que não creiamos - afirmam que para a SÍNDROME DE FIBROMIALGIA não existe tratamento medicamentoso comprovadamente eficaz.
Isso como se houvesse um só medicamento para a gripe, por exemplo.
Sabemos que cada indivíduo reage de uma forma ao mesmo medicamento, por diversos motivos.
Portanto, é muito grave afirmar que apesar de pesquisas, de tratamentos já em uso, de gastarmos uma fortuna mensalmente com eles, ainda queiram afirmar que não são eficazes.
Então pergunto:
- No Brasil por que deixaram entrar medicamentos que são usados e foram fabricados visando atender aos fibromiálgicos? Isso está a cargo da ANVISA.

- Por que o FDA - a ANVISA americana - pesquisa, produz e autoriza sua comercialização entre os americanos? Estaremos nós tão mais avançados que os EUA nessa questão?

- Por que a Sociedade Brasileira de Reumatologia há dois anos lançou seu último Consenso para o Tratamento da Fibromialgia, e ainda possui uma Comissão que trata de assuntos voltados à SÍNDROME DE FIBROMIALGIA?

- As pesquisas que trouxeram ao mercado farmacêutico o Lyrica e o Cymbalta, medicamentos para fibromialgia, estão sendo postos a prova?

- Estariam os elaboradores desse Protocolo querendo dizer que a SÍNDROME DE FIBROMIALGIA não existe como síndrome ou doença, que só realmente só com exercícios é possível controlar a dor?
Não lhes parece um pouco infame fazer tal afirmação?

- Sabemos da existência de casos em que a prática de exercícios não é possível por vários outros motivos, além das doenças oportunistas.

- Saberiam eles quais são os principais sintomas da SÍNDROME DE FIBROMIALGIA? As consequências que ela causa à vida de cada paciente acometido dessa síndrome?


Com a possível aprovação desse Protocolo, nos termos atuais? Fará com que a vida do fibro-miálgico seja muito pior do que já é.
Tratamentos gratuitos e dignos, com especialistas, com medicamentos gratuitos, direito a conseguir os benefícios previdenciários e trabalhistas ainda que por meio de ações judiciais, o respeito e a dignidade ... tudo isso passaria a não existir para quem é portador da SÍNDROME DE FIBROMIALGIA.
Não estamos falando só de nossa geração a ser prejudicada, mas sim das futuras gerações.
Que legado deixaríamos para a nova geração, que infelizmente poderá ser acometida por essa doença tão cruel.
Não é porque ainda é uma incógnita para pesquisadores e médicos que os pacientes passem a serem vistos assim também.
A dor é o quinto sinal vital... assunto esse que já tratamos aqui no blog. Mas só para reavivar a mente... pequenos trechos dessa postagem:

"...Em 1995, a Associação Médica Mundial sobre os Direitos dos Pacientes emitiu a Declaração de Lisboa falando do Direito à Dignidade, do Direito a não ter Dor. Um ano mais tarde nos EUA foi preconizada e regulamentada como o quinto sinal por proposta da Sociedade Americana de Dor. Tornou-se lei o direito de todos os pacientes serem assistidos na dor. ... É preciso, acima de tudo, fazer valer esse direito universal do paciente de ser assistido na sua dor, concretizando-o no nosso país mediante a implementação de uma legislação abrangente..."

Portanto, trata-se de não deixarmos que um Protocolo desses venha a desrespeitar um direito universal.

Quem tem a SÍNDROME DE FIBROMIALGIA sente dor 24 horas, que se tornam intermináveis quando não dormimos, quando os sintomas tornam-se evidenciados, quando não recebemos apoio familiar, de amigos, de colegas de trabalho. Sofremos por não haver uma política para Dor Crônica de forma organizada e que respeite os limites constitucionais e universais já destacados, sem nos tirar o que ainda nos resta... a dignidade.

Fibromialgia está incluída na Décima Revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10) publicado pela OMS em 1992. Na ocasião recebeu o código M79.0. Em 2008 recebeu seu código próprio, passando a ser M79.7


Passados quase 20 anos, querem nos fazer entender que essa síndrome que ainda que seja um mistério para pesquisadores e médicos, são agora os pacientes que realmente sentem inúmeros sintomas, dessa madrasta doença, que passarão a ser invisíveis.
Ou seja, afirmam que nossa dor precisa só de exercícios.

E com os demais sintomas, fazemos o que? Não existem?

E aqueles pacientes que devido a outras doenças não podem atrelar-se somente a exercícios físicos? Deixam de ser tratados?

Diversos trabalhos científicos dão conta dos sintomas que essa SÍNDROME DE FIBROMIALGIA nos causa. Portanto, merece tratamento adequado e digno.

Estão com esse Protocolo SAS nr. 07 nos negando o que preconiza o ART. 196 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL - DIREITO À SAÚDE - A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.

Ainda temos:

Regulamento da Previdência Social - D-003.048-1999

Livro I

Da Finalidade e dos Princípios Básicos

Título II

Da Saúde


Art. 2º A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.


Estaria o governo querendo diminuir custos ao declarar em seu Protocolo que não existe tratamento eficaz para a SÍNDROME DE FIBROMIALGIA?

Que os pesquisadores, laboratórios, médicos e sociedades de estudo estão inventando uma síndrome? O que muitos estão chamando de modismo?

Estaríamos nós pacientes com "dor coletiva" que tenha características de uma doença psicológica?

Nós Pacientes Fibro miálgicos sabemos o que sentimos e já temos comprovação científica de que o que sentimos é real, e não fruto de nossa imaginação doentia. Seus sintomas são inúmeros, por isso a chamam de SÍNDROME.

Para tratar tais sintomas dependemos de medicamentos adequados às nossas necessidades.

Somos seres humanos e como tal reagimos de formas diferentes ou não, a determinados medicamentos. Daí a necessidade de tratamento específico individualizado.

A aplicação de tratamento multidisciplinar faz com que o paciente seja cercado de todas as formas para minimizar seus sintomas, garantindo:
o melhor tratamento,
sua dignidade,
tratamento eficaz,
e a adesão do paciente evitando a desistência.

Temos ciência de que o paciente deve aderir ao tratamento, como garantia de que faz sua parte.

Gostaríamos de não termos que nos expor de tal forma, de não ter que justificar a um órgão, como esse Ministério, do mal estar que está provocando a uma população que gira em torno de 5 a 7% da população brasileira.

Merecemos dignidade e nossos direitos constitucionais garantidos.
Precisamos de tratamento adequado às nossas necessidades.
Não pedimos para ter essa síndrome, mas já que ela desenvolveu-se dentro de nós cabe ao Estado garantir nossa qualidade de vida, no mínimo.

Quer ajudar a mudar essa situação, envie o link citado aos médicos especializados que você conheça, e peça para que ele faça envie sua colaboração de maneira fundamentada ao Ministério da Saúde, conforme indica o site, até o dia 23.01.12.
Evidencie a importância da mudança do texto desse Protocolo 07, que está em Consulta Pública.

Você sairá ganhando respeito e dignidade, e todos os outros fibro miálgicos também.

Que Deus nos ajude nessa nova e importante empreitada.


Caso queira participar dessa discussão, entre em nossa pág no Facebook
Você será muito bem vindo!

E divulgue em outras comunidades relacionadas a SÍNDROME DE FIBROMIALGIA esse assunto. Quantos mais pedidos chegarem aos médicos melhor! Aumentarão nossas chances de sucesso.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Medicina Ambiental e a Fibromialgia

Após a participação no II Congresso Internacional de Medicina Ambiental pude perceber que a causa de várias doenças são explicadas intoxicação e pela alergia alimentar e por outras causas.

É um mito achar que somos somente o que comemos. Na verdade somos o que comemos, o que tocamos e o que respiramos!!! Esse é o conceito mais amplo da Medicina Ambiental.

Segue aqui algumas dicas que acho importante e que são fáceis de serem seguidas, adaptei algumas delas para a nossa codição especial:

1) Tome sol, o sol ajuda na absorção do cálcio e a falta do cálcio traz danos para o organismo. Se mesmo assim seu nível de cálcio está baixo faça a suplementação com o auxílio de um profissional.
2) Faça com que seu prato seja mais colorido e contenha todas as classes de alimento.
3) Faça atividades físicas com frequência se possível, se não for possível tente caminhar pelo menos 1 ou 2 minutos por dia e depois vá aumentando gradativamente.
4) Evite ficar por perto de antenas de celular,no conceito da Ambiental isso é um veneno.
5) PIMENTAS podem causar dor (sempre soube o contrário mas houve essa afirmação)
6) Evite usar cloro nas suas limpezas, o cloro é tóxico!!! É possível fazer a limpeza dentro de casa somente com agua, vinagre e bicarbonato de sódio.
7)Luzes incadescentes são tóxicas
8)Canos de cobre ou cerâmicas são melhores
9) Somente utilize mamadeiras de vidro para seus filhos
10) Sempre usar uma toalha ao ter contato com uma área que sabe que vai suar( sauna)
11) A utilização de amalgama nos dentes causa disbiose (problemas com a flora intestinal)
12) Dê preferencia ao parto normal e a amamentação até quando a criança quiser e você tiver condições (uma médica amamenta seu filho até os 3 anos)
13) O que é para uns alimento para outros é veneno (tente sentir os alimentos que te fazem mau e pare de comer)
14) O Mofo e o bolor é um veneno para nós fibromialgicos.
15) Não dar soja para crianças em excesso pois pode causar problemas de tireóides.

São algumas dicas iniciais, depois volto com outro artigo!!!

Cristian Willians Salemme
Homem com fibro há 10 anos!!!


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Chegando à Raiz da Fibromialgia

por Janis Leibold, Assistant Editor, fibromialgia Rede

Enviado: 28 de outubro de 2011

Enquanto muitos pesquisadores estão estudando sangue e urina de pacientes com fibromialgia para determinar se as anormalidades minerais existem, uma equipe da Coréia está tomando uma nova abordagem, indo diretamente a raiz do problema .* O estudo de elementos-traço em amostras de cabelo mostram que pacientes com fibromialgia têm menores níveis de minerais importantes em comparação com adultos saudáveis.

Usando 44 mulheres com fibromialgia e 122 controles saudáveis, os pesquisadores cortaram os cabelos do topo das cabeças, muito próximo às raízes, para realizar suas análises. Como investigadores da cena do crime, a equipe de pesquisa liderada por Nam-Seok Joo, MD, pacientes cuidadosamente selecionados e controlados que tinham características semelhantes em relação à idade, massa corporal, e hábitos de vida. Mulheres com outras doenças que poderiam influenciar a sua amostra de cabelo foram excluídas do estudo. Todos os participantes, com média de 44 anos de idade, tiveram que se abster do uso de gel de cabelo ou aplicar qualquer tipo de processamento químico (como coloração ou permanentes), pelo menos, duas semanas antes do corte.

A análise mostrou que cabelo limpo de pacientes com fibromialgia tinham níveis significativamente mais baixos de cálcio, magnésio, cobre, ferro e manganês. Muitos outros minerais, como o cromo, selênio, potássio, fósforo, sódio e zinco, não diferiu entre os pacientes e controles.

Relatórios anteriores olhando o status mineral em pacientes com fibromialgia têm sido muito misturados e muitas vezes conflitantes. Joo aponta para o problema inerente destes estudos antes das amostras de sangue ou urina. O corpo é feito para se adaptar às novas exigências, de modo que muitos minerais são roubados dos ossos para manter os níveis de sangue suficiente. E alterações na urina não podem dizer muito sobre o nível de armazenamento de minerais nos ossos ou outros tecidos. Entretanto, a análise do cabelo deve fornecer uma imagem mais precisa do status do corpo mineral em geral.

Então, o que exatamente significa ser baixa nos cinco minerais identificados por Joo?

Mais estudos são necessários, mas os pontos de Joo têm demonstrado em vários relatórios que pacientes com fibromialgia faltam os antioxidantes necessários para neutralizar produtos químicos reativos que podem interferir com as funções celulares. Este, por sua vez, leva a um ambiente de estresse oxidativo e poderia ser responsável por sintomas envolvendo os músculos, espasmos e cãibras, fraqueza, fadiga neuromuscular, e insônia.

"Vários estudos têm explorado a relação entre pacientes com fibromialgia e estresse oxidativo. Outros estudos investigaram a composição elementar dos pacientes, mas eles inquiriram apenas amostras de sangue e urina ", informou Joo. "Os últimos estudos, enquanto potencialmente úteis, com vista para o conteúdo mineral do cabelo. O ensaio mineral cabelo é um bom método para explorar o status mineral no nível celular. "

Embora não seja prática para começar a tomar uma barragem inteira de suplementos minerais caros, pacientes com fibromialgia devem considerar tomar um multivitamínico diariamente de amplo espectro e um suplemento mineral que contém 100 por cento dos nutrientes essenciais, incluindo ferro.

Níveis de minerais (em média)

Controles saudáveis

Pacientes com fibromialgia

Cálcio

1.093 mcg

775 mcg

Magnésio

72 mcg

52 mcg

Cobre

40 mcg

28 mcg

Ferro

7,1 mcg

5,9 mcg

Manganês

190 ng / g

140 ng / g

* YS Kim, et al. J Med Sci-coreano 26 (10) :1253-7, 2011.

Fonte: http://www.fmnetnews.com/latest-news/getting-to-the-root-of-fibromyalgia

Tradução: google