Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Dor Crônica e meditação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Dor Crônica e meditação. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Dor crônica: mindfulness funciona como analgésiconatural, revela estudo

 Meditação 

A prática da atenção plena tem como objetivo estimular as pessoas a fazerem uma pausa durante o dia para que possam esvaziar a mente e não pensar em nada além do momento presente. iStock/Getty Images

 

O resultado mostrou que a técnica é tão eflciente no tratamento das dores quanto a terapia atualmente recomendada por proflssionais de saúde

Por Redação 1 fev 2019, 16h15

 

 

A técnica da atenção plena ou mindfulness está cada vez mais popular ao redor do mundo. Por ser uma forma de meditação, traz benefícios para o bem-estar mental, promovendo o controle do stress, por exemplo e físico, como mostra um estudo pulicado recentemente no periódico científlco BMJ Evidence-Based Mental Health. Pesquisadores do Hospital Ottawa, no Canadá, concluíram que a prática serve como uma analgésico natural contra dores crônicas e pode ser um alternativa promissora à terapia cognitivo-comportamental (TCC), um dos tratamentos mais prescritos por proflssionais de saúde para pacientes que sofrem com o problema. 

 

De acordo com os pesquisadores, nem todos os pacientes experimentam uma resposta signiflcativa ao tratamento com TCC e, portanto, necessitam de outra forma de tratar a doença. “A atenção plena mostrou-se promissora na melhora da intensidade e na redução da dor e de distúrbios psicológicos”, aflrmou Wei Cheng, do Hospital Ottawa, no Canadá.

Indivíduos com dor crônica sofrem com dores diárias ou quase ao longo de seis meses ou mais. Algumas pessoas chegam a experimentar dores tão intensas capazes de atrapalhar as atividades do dia a dia. Além disso, por afetar o bem estar do paciente, a doença ainda causa impacto psicológico muito forte.

Eflcácia da meditação

A equipe canadense descobriu os benefícios da atenção plena depois de revisar 21 estudos envolvendo quase 2.000 participantes (principalmente mulheres) com idade entre 35 e 65 anos. A maioria dos estudos revisados avaliaram participantes que sofriam com dor musculoesquelética, como flbromialgia, dor lombar crônica, artrite reumatoide e osteoartrite. Esses pacientes foram submetidos à terapia cognitivo-comportamental ou redução de stress baseado em atenção plena (MBSR, na sigla em inglês). 

Para obter um resultado mais assertivo, ainda foram examinadas evidências diretas e indiretas da eflcácia da TCC em comparação com tratamentos padrões ou sem qualquer tratamento; do MBSR em relação aos tratamentos padrões ou sem qualquer tratamento; e, por último, TCC versus MBSR.

 

Os resultados mostraram que tanto a atenção plena quanto a terapia comportamental são eflcientes na melhora do funcionamento físico, na promoção do alívio de dores e na redução de condições associadas, como depressão. “Esta revisão sugere que a redução de stress baseada em atenção plena oferece outra intervenção potencialmente útil para o manejo de dores crônicas”, comentou Eve-Ling Khoo, co-autora da revisão, no estudo.

No entanto, os cientistas ressaltaram que, como apenas um dos estudos comparou diretamente TCC e atenção plena, são necessárias mais pesquisas para determinar se a prática da meditação pode promover alívio em pacientes com dores e sintomas psicológicos distintos.

Atenção plena

A prática da atenção plena tem como objetivo estimular as pessoas a fazerem uma pausa durante o dia para que possam esvaziar a mente e não pensar em nada além do momento presente. Segundo o site Mind, a técnica busca encorajar o indivíduo a prestar mais atenção ao que está acontecendo no momento presente (corpo, mente e entorno). Assim é possível captar qualquer pensamento que entre ou saia da mente, o que ajuda na compreensão de si e das próprias emoções.

 

De acordo com Sharon Hadley, presidente do Oxford Mindfulness Centre, na Inglaterra, a atenção plena pode gerar impacto positivo no bem-estar geral ao ajudar a tornar o indivíduo mais consciente de pensamentos, sentimentos e do ambiente ao seu redor. “Essa capacidade de prestar atenção, de perceber o que está acontecendo no momento presente e aumentar a capacidade de escolher como ou se devemos responder aos nossos pensamentos e/ou sentimentos se mostrou benéflca para aqueles que sofrem tanto mental quanto flsicamente”, explicou ao Independent.

 

Diversos estudos comprovaram que praticar a atenção plena pode melhorar diversos aspectos da nossa vida, inclusive melhorar a relação com a comida, aliviar o vício em celulares, aumentar a conflança do corpo e beneflciar até mesmo a vida sexual. Outra pesquisa ainda descobriu que a técnica auxilia no tratamento de uma série de problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade e stress. o Instituto Nacional de Saúde e Excelência em Cuidados do Reino Unido (NICE, na sigla em inglês) recomenda o uso da atenção plena para controlar a ansiedade social.

 

Críticas

Apesar dos inúmeros benefícios conflrmados pela ciência, alguns estudiosos aflrmam que a técnica da atenção plena pode ter um lado ruim. Uma pesquisa de 2017 realizada pela Universidade Brown, nos Estados Unidos, aflrma que esse tipo de meditação só funciona em mulheres. Os homens estariam mais propensos a ignorar preocupações, o que lhes permite estar sempre concentrados no presente e, portanto, não necessitam da técnica.


Ainda há quem diga que utilizar a atenção plena sozinho pode provocar egoísmo, já que esse tempo voltado para si pode tornar o indivíduo mais centrado em si mesmo. “A espiritualidade pode se tornar interior e egoísta”, comentou Alison Gray, psiquiatra do Royal College de Psiquiatras, ao

The Independent.

 

texto original

https://veja.abril.com.br/saude/dor-cronica-mindfulness-funciona-como-analgesico-natural-revela-estudo/