Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador o que saber sobre maconha medicinal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador o que saber sobre maconha medicinal. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

Maconha medicinal: o que você deve saber

 cultivando planta de maconha 

O que é isso?

A maconha medicinal é feita de partes secas da planta Cannabis sativa . Os humanos o recorreram como remédio à base de ervas por séculos e hoje as pessoas o usam para aliviar sintomas ou tratar várias doenças. O governo federal ainda considera isso ilegal, mas alguns estados permitem o tratamento de problemas de saúde específicos. O FDA, a agência americana que regula os medicamentos, não aprovou a planta como tratamento para nenhuma doença.

 

a fórmula química 

 

Ingredientes chave

A maconha contém produtos químicos chamados canabinóides. Os pesquisadores médicos geralmente se concentram nos efeitos sobre a saúde de dois em particular: delta-9-tetra-hidrocanabinol (THC) e canabidiol (CBD). THC é a substância que o deixa alto; O CBD não tem efeitos de alteração da mente.

 

formas de maconha medicinal 

Formas de maconha medicinal

Existem várias maneiras de tomar o medicamento. Você pode inalar um spray vaporizado, fumar as folhas, tomar uma pílula ou um líquido ou cozê-lo nos alimentos. Todos os tipos diferem em termos da frequência com que você deve usá-los, como eles afetarão seus sintomas e efeitos colaterais que você pode sentir.

receptores canabinóides no cérebro

Como funciona no seu corpo

Os produtos químicos da maconha afetam você quando se conectam com partes específicas das células chamadas receptores. Os cientistas sabem que existem células com receptores canabinóides no cérebro e no sistema imunológico. Mas o processo exato de como a droga os afeta ainda não está claro.

condições amenizadas pela maconha

O que ele trata?

As leis estaduais diferem quanto às condições que você pode tratar legalmente com maconha medicinal. Mas você pode ter permissão para usá-lo se tiver Alzheimer, ALS, câncer, doença de Crohn, epilepsia, convulsões, hepatite C, AIDS, glaucoma, esclerose múltipla, transtorno de estresse pós-traumático, dor crônica ou náusea intensa. Mas os cientistas não têm certeza se isso ajuda em todas essas condições. A pesquisa deixa claro que ele funciona como um analgésico, para parar de vomitar durante a quimioterapia, para aliviar alguns sintomas da EM e para tratar algumas formas raras de epilepsia
 
homem tossindo

Existem riscos?

Se você fumar, pode ter problemas respiratórios, como tosse crônica e bronquite. A pesquisa relacionou o uso de cannabis e acidentes de carro. Se você usar durante a gravidez, pode afetar a saúde e o desenvolvimento do seu bebê. Estudos também mostram uma ligação entre maconha e transtornos psicóticos, como a esquizofrenia.

comprimidos de marinol

Versões aprovadas pela FDA

Embora o governo federal não tenha dado sua aprovação à maconha para uso medicinal, ele aprovou três compostos relacionados como tratamentos específicos. Se você tiver náuseas causadas pela quimioterapia, pode tomar um canabinóide sintético, dronabinol ou nabilona. Dronabinol também pode ajudar a aumentar o apetite de pessoas com AIDS. O FDA aprovou o canabidiol (Epidolex) como tratamento para dois tipos raros de epilepsia.

 

tribunal federal
 

Leis em conflito

A Califórnia foi o primeiro estado a legalizar a maconha medicinal, em 1996. Desde então, mais da metade dos estados dos EUA o fizeram. (Erva daninha recreativa também é legal em alguns lugares.) Mas o governo federal ainda a considera uma droga ilegal, o que pode criar confusão. Por exemplo, mesmo se você tiver uma receita, a Transportation Security Administration não permite maconha em sua bagagem.

 
dispensário de cannabis
 

Como você conseguiu isso?

As regras variam, dependendo de onde você mora. Geralmente, você precisa consultar um médico e ter uma condição que seu estado aprovou para o tratamento com cannabis. Você pode obter um cartão de identificação. Em algumas áreas, você compra produtos em uma loja específica chamada dispensário.

 
mulher fumando maconha tríptico

As pessoas se tornam viciadas?

Os médicos não sabem muito sobre o risco de dependência para as pessoas que usam a droga por motivos médicos, e é preciso estudar mais. Mas as pessoas que usam maconha para ficar altas podem ter problemas com o uso indevido de drogas. O problema mais comum é a dependência. Se você for dependente, sentirá sintomas de abstinência se parar de usar. Se você é viciado - um problema mais grave - você não consegue ficar sem a droga.

pesquisa medicinal de maconha
3 / 13

Por que não sabemos mais?

Embora a cannabis tenha sido um remédio à base de plantas por séculos, a evidência de como ele funciona está faltando em muitos casos. Os cientistas preferem grandes estudos com certos tipos de controle antes de tirar conclusões, e muitas das pesquisas até agora não atendem a esses padrões. Os produtos variam em força e é difícil medir as doses, o que tornou o julgamento dos benefícios da maconha ainda mais complicado.

comprimidos de hidrocodona  

Uma alternativa opióide?

A cannabis poderia ajudar a resolver problemas envolvendo esses poderosos analgésicos? Em alguns estados, as prescrições desse remédio para dor caíram e os pesquisadores encontraram um link para menos mortes por overdose. Mas outro estudo encontrou uma ligação entre o uso de maconha e o abuso dessas drogas narcóticas. Os cientistas precisam de mais evidências antes de terem certeza.

 

texto original

https://www.webmd.com/brain/ss/slideshow-medical-marijuana

 

fontes:

IMAGENS FORNECIDAS POR:

1) Aleksandr_Kravtsov / Getty Images

2) Chickaz / Getty Images

3) (No sentido horário, do canto superior esquerdo) BSIP / GW Pharmaceuticals / Medical Images, MysteryShot / Getty Images, thinkcloud, GEORGE POST / Science Source

4) Juan Gaertner / Science Source

5) (No sentido horário, do canto superior esquerdo) Eraxion / Thinkstock, Hemera / Getty Images, Vasyl Dolmatov / Getty Images, AntonioGuillem / Getty Images

6) yourstockbank / Getty Images

7) aludecor

8) johnsalzarulo / Getty Images

9) RUBEN RAMOS / Getty Images

10) Imagens Kerkez / Getty

11) Hank Morgan / Science Source

12) INeverCry / Wikimedia Commons

 

American Cancer Society: “Marijuana and Cancer.”

Clínica Mayo: “Maconha medicinal”.

Instituto Nacional de Abuso de Drogas: “What Is Medical Marijuana?”

AARP: “Ferramentas de saúde: Maconha medicinal”.

Fundação de Parkinson: “Maconha medicinal”.

Procedimentos da Mayo Clinic: “Cannabis medicinal”.

Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa: “Maconha e Canabinóides”.

Administração de Segurança de Transporte: “Maconha Medicinal”.

Conferência Nacional de Legislaturas Estaduais: “Leis Estaduais de Maconha Medicinal”.

National Institute on Drug Abuse: “Is Marijuana Addictive?”

Pharmacy: “Weighing the Benefits and Risks of Medical Marijuana Use: A Brief Review.”

 

 

 

 

 

 

 

 https://www.webmd.com/brain/ss/slideshow-medical-marijuana