Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Siga-nos por e-mail

Mostrando postagens com marcador Vacinação Influenza. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Vacinação Influenza. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 12 de abril de 2021

Sociedade Brasileira De Reumatologia (SBR) lança guia sobre a vacinação contra influenza (gripe) para pacientes reumáticos

  


  • A campanha do Programa Nacional de Imunização (PNI) ocorrerá entre 12 de abril e 9 de julho.
  • Imunização vai proteger essas pessoas que têm mais risco para a doença e suas complicações e evitar que os sintomas se confundam com os da covid-19.
  • Caso a vacinação INFLUENZA coincida com a contra a covid-19, a SBR orienta o paciente a priorizar a proteção contra o novo coronavírus.

A Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) acaba de lançar um guia para a vacinação contra Influenza para pacientes reumáticos.

A entidade recomenda a imunização porque as pessoas com doenças reumáticas apresentam mais risco de ter “gripe”, infecção causada pelo vírus Influenza, e suas complicações. No contexto da pandemia, a vacinação também evita que os sintomas da gripe se confundam com os da covid-19. Caso haja coincidência da vacinação contra a gripe e contra a covid-19, o paciente deve priorizar a proteção contra o novo coronavírus e reagendar a data da imunização contra a gripe, deixando um intervalo de 2 semanas entre as duas vacinas.

“A gripe causada pelo vírus Influenza é responsável pela morte de mais de 600 mil pessoas por ano, sendo potencialmente grave em pacientes com doenças reumáticas imunomediadas, porque apresentam imunossupressão causada pela doença ou por medicamentos”, afirma o presidente da SBR, Ricardo Xavier.

O guia Campanha 2021 para a Vacina contra a Influenza foi produzido pela Comissão de Doenças Endêmicas e Infecciosas da SBR e está disponível para download no portal da entidade por meio do endereço https://bit.ly/3fvgVsw.

A vacinação contra a gripe já começou nas clínicas privadas. Na rede pública ocorrerá em etapas entre 12 de abril e 9 de julho. No início serão imunizadas as crianças, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde. Em 11 de maio, será a vez dos idosos com 60 anos ou mais e professores. Pessoas com comorbidades, como doenças reumáticas que apresentam imunossupressão, serão vacinadas a partir de 9 de junho. Fazem parte deste grupo, os pacientes com Doenças Reumáticas.

A SBR explica que mesmo as pessoas que tiveram covid-19 podem se vacinar contra a gripe. Mas recomenda àqueles que apresentam sintomas compatíveis com os quadros de covid-19 a adiarem a imunização contra a gripe até a recuperação clínica total ou quatro semanas do surgimentos do início dos sintomas e/ou comprovação da infecção pelo PCR positivo.

A rede pública oferece a vacina trivalente, que apresenta proteção contra as três cepas do vírus mais prevalentes no hemisfério sul. Nas clínicas privadas é possível encontrar a vacina quadrivalente.
A vacina não é recomendada para crianças menores de seis meses, alérgicos a ovo e histórico de anafilaxia a doses anteriores. As pessoas com febre devem adiar a vacinação até a resolução do quadro.

Mais sobre a SBR – A Sociedade Brasileira de Reumatologia é uma associação civil científica, sem fins lucrativos, que tem por objetivo promover o desenvolvimento científico e da especialidade no Brasil. A SBR é responsável pela certificação de especialistas em reumatologia, área médica que engloba quase 120 doenças inflamatórias crônicas. É filiada à AMB – Associação Médica Brasileira que, em 2018, outorgou à SBR certificado de boas práticas em gestão. Para mais informações, acesse o endereço: www.reumatologia.org.br 


texto original

https://www.reumatologia.org.br/noticias/sociedade-brasileira-de-reumatologia-sbr-lanca-guia-sobre-a-vacinacao-contra-influenza-gripe-para-pacientes-reumaticos/