Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador SBR. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador SBR. Mostrar todas as postagens

sábado, 2 de abril de 2022

Informativo ABRAFIBRO - de 25 a 31.03.2022

 


Estas são as principais notícias da semana. Para ler, basta clicar sobre o título que deseja, e será direcionado à página, fonte da notícia. Simples assim!

Notícias em Destaque:

SBR emite posicionamento sobre o projeto de lei que propõe inclusão da fibromialgia como prioridade em atendimento


Abaixo está a íntegra do pronunciamento da entidade.
























































Perplexidade e Indignação traduzem nossos sentimentos. 

ABRAFIBRO em breve irá se pronunciar sobre esse pronunciamento da SBR. Aguardem! 💪

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_

🔺 FIBROMIÁLGICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO 🔺

Você já respondeu?

Outros Estados ainda virão.

Com o objetivo de fornecer aos órgãos públicos, dados mais próximos a realidade, para pleitearmos políticas públicas no Estado, precisamos da sua colaboração.

O sigilo será mantido, como sempre!

RESPONDA APENAS UMA ÚNICA VEZ. Então...calma e atenção.

Ajude outros a preencherem este formulário. Divulguem nos grupos, Associações, e outros pacientes fibromiálgicos QUE RESIDAM NO ESTADO DE SÃO PAULO.

https://forms.gle/jyBvkSoCN6DC5bu69

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_

Cachoeirinha terá tratamento gratuito para pessoas com fibromialgia.

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_

Tradução livre Google

Fibromialgia: especialistas explicam por que dores crônicas no corpo e problemas de sono NÃO são normais

A fibromialgia, em casos leves, permite que os pacientes funcionem normalmente. No entanto, priva-os da capacidade de realizar atividades cotidianas e pode até deixar os pacientes em casa ou acamados.

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_

Mulheres e a fibromialgia: a sobrecarga feminina gera impactos na saúde

25 de março de 2022 Off 

Por DANIELSUZUMURA

A doença atinge cerca de 7 milhões de brasileiros e, a cada dez afetados, nove são mulheres. Segundo a psicóloga Jordana Ribeiro, esse perfil é de mulheres que tentam dar conta de tudo

As dores crônicas e difusas pelo corpo podem ser acompanhadas de fadiga, alterações no sono e no humor, ansiedade e depressão. Esses são alguns dos sintomas da fibromialgia, uma síndrome ainda misteriosa para a medicina e que atinge 3% da população brasileira. “Não existem exames laboratoriais ou de imagem que possam identificar a enfermidade e os sintomas que mais se destacam, mudam de paciente para paciente, sendo dores difusas e fadiga o mais comum em todas as pacientes, algo que chama a atenção é que, a cada dez pacientes com fibromialgia, nove são mulheres”, afirma a psicóloga e Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde, Jordana Ribeiro.

De acordo com Jordana, que acompanha mulheres com fibromialgia há mais de quatro anos, as mulheres que desenvolvem a síndrome têm um perfil mais controlador. “São mulheres que esforçam para ser uma ‘mulher-maravilha’ e buscam dar conta de tudo, resolvendo problemas delas e dos outros e acabam se sentindo improdutivas e fadigadas. Mas estou aqui para falar que não é vantagem ser uma mulher maravilha. Nas redes sociais até tenho o movimento #exmulhermaravilha. Essas pessoas acham que não podem ser vulneráveis ou olhar para as suas fragilidades e sentimentos e nem podem chorar”, explica.

Como não existem exames, o diagnóstico é dificultado porque uma das características é a ausência de inflamações ou infecções, tanto nas articulações como nos músculos. Esse processo pode demorar porque é feito de maneira clínica e por eliminação, normalmente depois que a paciente já tentou se automedicar com analgésicos e anti-inflamatórios. Sem sucesso, elas retornam aos consultórios médicos.

Atualmente, o diagnóstico é fechado quando as dores são mapeadas nos quatro quadrantes do corpo (braços e pernas, do lado direito e esquerdo) com duração de, pelo menos, três meses (dor crônica) e com presença de sintomas como ansiedade, distúrbios no sono, fadiga e depressão. O tratamento é multidisciplinar, mas o acompanhamento psicológico influencia muito no controle da dor, porque ajuda a paciente a lidar com fatores emocionais. Para Jordana, os sintomas acabam criando um ciclo que precisa ser quebrado. Alguns pilares do tratamento são:

• Acompanhamento psicológico;

• Atividade física regular;

• Controle do estresse e ansiedade;

• Higiene do sono;

• Desenvolvimento de técnicas de meditação e atenção plena.

“Há 2 anos iniciei o Fibromulheres, um programa no qual ensino mulheres a conseguirem a remissão da fibromialgia sem o uso de remédios. É um tratamento que envolve muitos aspectos, mas a verdade é que as mulheres precisam respeitar seus limites, olhar para as suas emoções e sentimentos, perceber o que vai de encontro ao que faz sentido para a sua vida, inclusive aprendendo a falar não ao que fazem só para agradar os outros. É possível ser multipotencial e lidar com diversas áreas da vida, mas não precisamos abraçar o mundo, e sim nos colocar como prioridade”, pontua Jordana.

“Antes eu era inverno. Eu não saía para fora de casa sem ser de carro, minha casa era toda fechada, eu não conseguia usar batom ou maquiagem, eu não saía da cama de tantas dores. Depois do tratamento, eu sou primavera e fui passo a passo conquistando coisas que estavam fora do meu costume como abrir toda a casa e deixar o sol entrar, levantar às 6h da manhã para ir à academia, ouvir música. Antes eu não fazia nada disso. Hoje eu consigo ir à feira, antes eu não conseguia nem ficar dentro de um supermercado nem shopping. Não tenho mais dor, tenho uma fadiga leve às vezes porque faço muitas coisas, mas não sei mais o que é fibromialgia”, afirma a dona de casa Suely Pacheco.

“Quando a mulher se coloca como prioridade e consegue se valorizar dentro das suas demandas, filtrando o que realmente faz sentido de fazer ou não, ela passa a abrir mão de situações e circunstâncias que não lhe dizem respeito, mas que ela fazia apenas para agradar, ser aceita ou pela dificuldade de falar não. Abrir mão disso ajuda a sintonizar com a sua essência, fazer escolhas assertivas e viver de forma mais leve e mais saudável”, finaliza a psicóloga.


 Plena Estratégia Criativa

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_

Patos/PB entrega identificação à pessoas com autismo e Fibromialgia.

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_

Vereador Bruno Zancheta propõe lei voltada ao tratamento da “Fibromialgia” - São Carlos/SP

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_

Dor, artrose, fratura… Doenças reumatológicas limitam a vida da mulher 

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_

Ementa: Estabelece diretrizes para o atendimento prestado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) às pessoas acometidas por Síndrome de Fibromialgia ou Fadiga Crônica.

Estava pronto para discussão em plenário, mas o Senador  Sérgio Petecão. Ele está elaborando novo relatório.

Já estava pronta para discussão em Plenário, em 1º de abril. Ainda não temos notícias, se foi discutido ou não.

*Se houver qualquer alteração, terá que voltar à Câmara dos Deputados, para discussão.

Enquanto isso... esperamos!

Srs Parlamentares,

Precisamos que o trâmite deste PL seja realizado no modo urgente. Precisamos de legislação que nos ajudem a obter o tratamento adequado. Hoje nada temos!

Atualmente, existe a Portaria 1083/2012, que ano passado fizeram estudos para atualização. A ABRAFIBRO fez o que pode para contribuir.

Infelizmente, os resultados não foram favoráveis aos pacientes. As negativas para incorporarnovas tecnologías (incluindo medicamentos) foram justificadas pelo CUSTO.

Veja: 

http://conitec.gov.br/recomendacoes-sobre-as-tecnologias-avaliadas-2021 

Para Pregabalina, Duloxetina, Tramal leiam os dois relatórios!!!

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_


Gostou? 😀

Então comente, divulgue e compartilhe! Mas se fizer de forma Anônima, não receberá nossa resposta. Então, faça seu login para aparecer e a gente poder te responder.

Você também pode nos enviar sua mensagem por e-mail abrafibro@gmail.com

Estas são as notícias da semana pessoal!

Comente, Divulgue, Compartilhe...

A Educação do Paciente no seu tratamento é muito importante. Compreendemos o que nos acontece, para melhor lidar com os sintomas, fazendo também nossa parte. 

Compreensão parte TAMBÉM do próprio paciente. 

Se alcançamos esse conhecimento, passamos a entender esse turbilhão de sintomas que carregamos. E, explicar aos outros fica mais simples e descomplicado. 

Experimente! Comece a compreensão por você...

Se você souber de algum benefício que os Fibromiálgicos de sua cidade estejam recebendo, escreva para nós e conte. Vamos compartilhar boas notícias!

Sabia que pode ser nosso seguidor, e receber nossas publicações em sua caixa de email?

Quer saber como?

Vocês nos encontram nas redes sociais:

Instagram: @abrafibro

Facebook: @abrafibro

YouTube: https://youtube.com/c/AbrafibroAssocBrasdosFibromialgicos

Nos vemos na próxima semana!


Movimentem-se! 🤸🧘⛹️🧗🤽🚣🏄🏃🏋️🧗🪂🏊

Riam mais, chore muito menos!

Olhe-se com mais respeito! Ele começa por você! Ame-se mais!

ABRAFIBRO - 15 anos com você!





sexta-feira, 25 de março de 2022

Informativo ABRAFIBRO - de 19 a 24.03.2022


 

DESTAQUES:

Atenção à síndrome das dores crônicas

Fibromialgia: Valorização e Acolhimento da Dor Dois experts no assunto... Dr Roberto Heymann e Dra Cláudia Costa, ambos membros da Sociedade Brasileira de Reumatologia - SBR.


🔺 FIBROMIÁLGICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO 🔺

Você já respondeu?

Outros Estados ainda virão.

Com o objetivo de fornecer aos órgãos públicos, dados mais próximos a realidade, para pleitearmos políticas públicas no Estado, precisamos da sua colaboração.

O sigilo será mantido, como sempre!

RESPONDA APENAS UMA ÚNICA VEZ. Então...calma e atenção.

Ajude outros a preencherem este formulário. Divulguem nos grupos, Associações, e outros pacientes fibromiálgicos QUE RESIDAM NO ESTADO DE SÃO PAULO.

https://forms.gle/jyBvkSoCN6DC5bu69

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_

Novidades sobre políticas públicas pelo Brasil 🇧🇷

📍Cartão de prioridade é encaminhado aos portadores de fibromialgia em Porto Alegre

📍SMTT entrega cartões de identificação de pessoas com fibromialgia para vagas especiais em estacionamentos Maceió/AL

📍Cachoeirinha/RS terá tratamento gratuito para pessoas com Fibromialgia

📍Projeto “Viva Bem” oferece exercícios para pacientes com dores crônicas Ubatuta/SP

📍Fibromialgia e Síndrome da Dor Miofascial - Gêmeos Diferentes  Como distinguir a Síndrome da Dor Miofascial da Fibromialgia

📍Um exame para diagnosticar Fibromialgia no horizonte - 02.02.2022

📍Tirando o máximo proveito de sua consulta médica Você sabe como?

📍Antidepressivos: Os sete mitos. "...35% dos adultos com depressão relatam não receber tratamento. E no Brasil?..."  

📍Câmara aprova atendimento preferencial para pessoas com fibromialgia - Candelária/RS

📍Proposta para atendimento preferencial a quem tem fibromialgia São Leopoldo/RS

📍Aprovada criação de dia e regras para enfrentamento à Fibromialgia - Gramado/RS

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*

📍SENADO 

PL 03525/2019

Ementa: Estabelece diretrizes para o atendimento prestado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) às pessoas acometidas pela Síndrome de Fibromialgia ou Fadiga Crônica.

21/03/2022 SLSF - Secretaria Legislativa do Senado Federal

Aguardando inclusão em Ordem do Dia. Discussão, em turno único.

Situação: 02/02/2022 - PRONTO PARA DELIBERAÇÃO DO PLENÁRIO.

O que podemos fazer? 

Todos os pacientes fibromiálgicos e cidadãos da sociedade podem pressionar, pedir, informar a necessidade da Aprovação deste Projeto de Lei, tamanha é sua importância.

Concorda?

Então, basta acessar acima no número do PL, para ser direcionado à pág dele no site do Senado. Lá você poderá opinar.

Ninguém pode ficar fora dessa.

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*

Você conhece o "Caso das Carteirinhas" ?

Gravamos um vídeo para explicar aos pacientes, quem tem e que não tem o direito, e como saber a situação em sua cidade.

Assista!

https://youtu.be/JWzwHoXjeNw

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*

Você sabia que até a "ALEXA", inteligência artificial, sabe responder o que é FIBROMIALGIA?

Assista!

https://youtu.be/taIlyXeWNOI

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*

Gostou?

Então comente, divulgue e compartilhe! Mas se fizer de forma Anônima, não receberá nossa resposta. Então, faça seu login para aparecer e a gente poder te responder.

Você também pode nos enviar sua mensagem por e-mail abrafibro@gmail.com

Estas são as notícias da semana pessoal!

Comente, Divulgue, Compartilhe...

A Educação do Paciente no seu tratamento é muito importante. Compreendemos o que nos acontece, para melhor lidar com os sintomas, fazendo também nossa parte. 

Compreensão parte TAMBÉM do próprio paciente. 

Se alcançamos esse conhecimento, passamos a entender esse turbilhão de sintomas que carregamos. E, explicar aos outros fica mais simples e descomplicado. 

Experimente! Comece a compreensão por você...

Se você souber de algum benefício que os Fibromiálgicos de sua cidade estejam recebendo, escreva para nós e conte. Vamos compartilhar boas notícias!

Sabia que pode ser nosso seguidor, e receber nossas publicações em sua caixa de email?

Quer saber como?

Vocês nos encontram nas redes sociais:

Instagram: @abrafibro

Facebook: @abrafibro

YouTube: https://youtube.com/c/AbrafibroAssocBrasdosFibromialgicos

Nos vemos na próxima semana!


Movimentem-se!

Riam mais, chore muito menos!

Olhe-se com mais respeito! Ele começa por você! 


ABRAFIBRO - 15 anos com você!


quarta-feira, 16 de março de 2022

Acolhimento e Valorização da Dor na Fibromialgia


Nesta quinta-feira, 17, às 19h30, vamos ter uma live especial para falar sobre Valorização e Acolhimento da Dor na Fibromialgia. 

Onde: @reumatologinsta https://www.instagram.com/p/CbLXQPROII9/

Para compreendermos melhor este assunto vamos conversar sobre aspectos importantes que influenciam na dor e o que pode auxiliar para uma melhor resposta ao tratamento.


Não deixe de participar e convide seus familiares e amigos que não podem perder esse bate-papo. 


COMO SEU MÉDICO PODERIA LHE AJUDAR NA JORNADA DE TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA?

O QUE EU ESPERO DO MEU MÉDICO?

QUAIS MEDICAMENTOS IREMOS UTILIZAR?

COMO SERÁ A ATIVIDADE FISICA?

MEU SONO?

COMO MELHORO MEU RELACIONAMENTO COM A FAMILIA?

COMO FAÇO COM MEU AMBIENTE DE TRABALHO?

E QUANDO NÃO VEJO UMA LUZ NO TUNEL?


Vamos conversar? Esperamos por você!!!

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Fibro Fog e suas limitações de avaliação e terapêutica são abordadas neste post produzido pela comissão de Fibromialgia, Dor e Partes Moles da SBR


 

Fibro Fog e suas limitações de avaliação e terapêutica são abordadas neste post produzido pela comissão de Fibromialgia, Dor e Partes Moles da SBR (Sociedade Brasileira de Reumatologia).

Não deixe de conferir os aspectos mais relevantes do assunto elencados acima.










 

Suas articulações estalam? Esse vídeo do Reumatologinsta é esclarecedor

 

 


#Repost @reumatologinsta
...
Já se perguntou o por quê suas articulações estalam?
Será que este barulho é um sinal de doença? Dr Eduador Paiva @eduevicky da Comissão de Dor e Fibromialgia da SBR preparou um vídeo esclarecedor sobre este assunto. Assista até o final e nos conte o que achou.
Compartilhe com seus amigos que tem esta mesma dúvida.

Elaborado pela Comissão de Fibromialgia, Dor e Partes Moles da SBR.

#dor #estalarosdedos #sbr #reumatologiasbr #reumatologistas  #reumatonamidia #sbr2021 #comissaotecnologiaemidiassbr #conectaSBR
#fibromialgia #fibromialgicos

Fonte: https://www.instagram.com/tv/CQbrl7unfbl/?utm_medium=copy_link

segunda-feira, 17 de maio de 2021

Mitos na Fibromialgia - SBRINSTA


 Revisões recentes indicam sim que efeitos positivos/bons podem ser alcançados com exercícios aquáticos, mas estes podem não ser superiores aos exercícios realizados fora da água.


Enquanto estudos recentes indicam que o exercício aeróbico aquático não produz resultados superiores em comparação com o exercício em solo igualmente intenso, outras revisões (que não empregaram meta-análise) sugerem pequenos benefícios adicionais na redução da dor e da depressão com o fortalecimento na água e exercícios aeróbicos e na qualidade do sono e melhora do humor para exercícios aeróbicos aquáticos.


O exercício na água pode ser particularmente valioso para indivíduos descondicionados, para aqueles com níveis particularmente altos de dor ou angústia, para pacientes com limitações ou preferências pessoais.


Vídeo: Dr. Marco Antônio Pontes 

Instagram Dr. Marcos

@_marquinhopontes_

segunda-feira, 12 de abril de 2021

Sociedade Brasileira De Reumatologia (SBR) lança guia sobre a vacinação contra influenza (gripe) para pacientes reumáticos

  


  • A campanha do Programa Nacional de Imunização (PNI) ocorrerá entre 12 de abril e 9 de julho.
  • Imunização vai proteger essas pessoas que têm mais risco para a doença e suas complicações e evitar que os sintomas se confundam com os da covid-19.
  • Caso a vacinação INFLUENZA coincida com a contra a covid-19, a SBR orienta o paciente a priorizar a proteção contra o novo coronavírus.

A Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) acaba de lançar um guia para a vacinação contra Influenza para pacientes reumáticos.

A entidade recomenda a imunização porque as pessoas com doenças reumáticas apresentam mais risco de ter “gripe”, infecção causada pelo vírus Influenza, e suas complicações. No contexto da pandemia, a vacinação também evita que os sintomas da gripe se confundam com os da covid-19. Caso haja coincidência da vacinação contra a gripe e contra a covid-19, o paciente deve priorizar a proteção contra o novo coronavírus e reagendar a data da imunização contra a gripe, deixando um intervalo de 2 semanas entre as duas vacinas.

“A gripe causada pelo vírus Influenza é responsável pela morte de mais de 600 mil pessoas por ano, sendo potencialmente grave em pacientes com doenças reumáticas imunomediadas, porque apresentam imunossupressão causada pela doença ou por medicamentos”, afirma o presidente da SBR, Ricardo Xavier.

O guia Campanha 2021 para a Vacina contra a Influenza foi produzido pela Comissão de Doenças Endêmicas e Infecciosas da SBR e está disponível para download no portal da entidade por meio do endereço https://bit.ly/3fvgVsw.

A vacinação contra a gripe já começou nas clínicas privadas. Na rede pública ocorrerá em etapas entre 12 de abril e 9 de julho. No início serão imunizadas as crianças, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde. Em 11 de maio, será a vez dos idosos com 60 anos ou mais e professores. Pessoas com comorbidades, como doenças reumáticas que apresentam imunossupressão, serão vacinadas a partir de 9 de junho. Fazem parte deste grupo, os pacientes com Doenças Reumáticas.

A SBR explica que mesmo as pessoas que tiveram covid-19 podem se vacinar contra a gripe. Mas recomenda àqueles que apresentam sintomas compatíveis com os quadros de covid-19 a adiarem a imunização contra a gripe até a recuperação clínica total ou quatro semanas do surgimentos do início dos sintomas e/ou comprovação da infecção pelo PCR positivo.

A rede pública oferece a vacina trivalente, que apresenta proteção contra as três cepas do vírus mais prevalentes no hemisfério sul. Nas clínicas privadas é possível encontrar a vacina quadrivalente.
A vacina não é recomendada para crianças menores de seis meses, alérgicos a ovo e histórico de anafilaxia a doses anteriores. As pessoas com febre devem adiar a vacinação até a resolução do quadro.

Mais sobre a SBR – A Sociedade Brasileira de Reumatologia é uma associação civil científica, sem fins lucrativos, que tem por objetivo promover o desenvolvimento científico e da especialidade no Brasil. A SBR é responsável pela certificação de especialistas em reumatologia, área médica que engloba quase 120 doenças inflamatórias crônicas. É filiada à AMB – Associação Médica Brasileira que, em 2018, outorgou à SBR certificado de boas práticas em gestão. Para mais informações, acesse o endereço: www.reumatologia.org.br 


texto original

https://www.reumatologia.org.br/noticias/sociedade-brasileira-de-reumatologia-sbr-lanca-guia-sobre-a-vacinacao-contra-influenza-gripe-para-pacientes-reumaticos/

terça-feira, 6 de abril de 2021

Exercícios e Reumatismo: Por que se deve fazer exercícios?

Foto: Matt Olsen/Creative commons (https://emais.estadao.com.br/noticias/bem-estar,reumatismo-diagnostico-tardio-compromete-o-tratamento,1585540)Reumatismo: diagnóstico tardio compromete o tratamento - Emais - Estadão


Pessoas que são fisicamente ativas, são mais saudáveis e vivem por mais tempo, quando comparadas àquelas inativas. Isto é verdade para todos, mas especialmente para aquelas com reumatismo. Os benefícios do exercício físico é bastante conhecido de todos, mas existem alguns que se mostraram extremamente importantes para os pacientes reumáticos. A artrite é uma das maiores causas de limitação da atividade física e, a inatividade pode piorar a doença, criando um círculo vicioso, que vai complicando cada vez mais o quadro, dificultando a melhora. Muitas das pessoas que têm artrite estão “fora de forma”, são mais “fracas”, com menos flexibilidade, sentindo mais dor que o necessário, devido principalmente às “complicações” da inatividade. Dor, rigidez, fadiga e o medo de piorar, podem fazer com que o paciente reaja contra o exercício. No entanto, para o reumático, um programa de exercício apropriado é extremamente importante e saudável.

Que tipos de exercício são úteis e seguros?
Trabalhos mostram que muitas pessoas com artrite podem participar seguramente de programas de exercício regulares, procurando alcançar uma melhor condição aeróbica, aumento da força muscular, da resistência e flexibilidade, facilitando tarefas do dia a dia, como caminhar, se abaixar, cuidar dos afazeres domésticos. Há três tipos principais de exercícios, cada com um papel na melhora da saúde, aptidão e, reduzindo a incapacidade e a dor relacionada à patologia.

Alongamentos: são exercícios suaves, que praticados diariamente, promovem uma melhora da qualidade muscular, aumento da flexibilidade e, se feito corretamente, reduzem as lesões provocadas pelo esforço do dia a dia. São a base de qualquer programa de reabilitação.

Condicionamento Muscular (força e resistência): estes são mais vigorosos que o anterior e, normalmente executado em dias alternados. Eles são indicados para um aumento da quantidade e qualidade do músculo, trabalhando com cargas e resistências crescentes. Exige controle estrito de um técnico especializado, como um professor de educação física, além do médico, é claro.

Condicionamento Aeróbico: estes incluem atividades que usam os músculos do corpo de modo rítmico e repetitivo, melhorando coração, pulmão e função muscular. Também é o tipo de exercício que tem benefícios para o controle do peso, humor e saúde geral. Exemplos deste tipo de exercícios são: caminhar, dançar, natação, hidroginástica ou ginástica aeróbica (sempre de baixo impacto), andar de bicicleta, etc.

Você sabia? Um método grosseiro de analisar se seu ritmo no exercício está correto é o de falar enquanto caminha, por exemplo. Isto não poderá provocar falta de ar. Não esqueça que é fundamental ir ao médico antes de iniciar qualquer tipo de exercício, somente ele poderá afirmar qual o melhor para o seu caso e, o ritmo indicado. As recomendações atuais para atividade uma atividade física indicam que 30 minutos de atividade aeróbia, moderada, 05 vezes na semana, são suficiente para manutenção de um estado saudável. Alguns trabalhos demonstram que para pacientes reumáticos este período pode ser divido em 03 de 10 minutos com o mesmo benefício.

Como escolher o melhor programa de exercício?
Um programa de exercício para uma pessoa com artrite inclui alongamento, fortalecimento muscular e atividades aeróbicas. O conteúdo e a progressão deste programa, depende de necessidades individuais e das incapacidades existentes. Os programas de exercícios de maior funcionamento serão aqueles onde a relação do reumatologista X paciente é mais intensa, pois a confiança é primordial para quebra das barreiras do medo da dor.

Fonte: https://www.reumatologia.org.br/orientacoes-ao-paciente/exercicios-e-reumatismo/

quinta-feira, 19 de novembro de 2020

PESQUISA – Identificando os fatores de risco e fraturas por Osteoporose no Brasil

 

 O Instituto Gruparj Petrópolis – Grupo de Pacientes Artríticos do Rio de Janeiro em Petrópolis e a Abrasso – Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo, convidam você para responder à pesquisa "Identificando os fatores de risco e fraturas por Osteoporose no Brasil”.
Antes de responder, leia com atenção o termo de consentimento informado da pesquisa.

Esta pesquisa foi desenvolvida especialmente para identificar o percentual de pessoas com maior chance de fraturas por Osteoporose e assim poder preveni-las. O questionário possui 24 perguntas e demora cerca de 10
minutos para ser respondido. Sugerimos que você complete o questionário de uma única vez. Por
isso, reserve este tempo para respondê-lo sem pressa e com atenção.

Sua participação é essencial para entender o perfil do paciente com Osteoporose no Brasil. Sua participação é completamente voluntária e você não receberá nenhum incentivo financeiro por isso.
Todos os seus dados serão mantidos confidenciais e os resultados serão tratados anonimamente.

 

Clique no link para ser enviado à pesquisa.

https://www.gruparjpetropolis.com.br/pesquisa

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

SBR PROMOVE "ENCONTRO NACIONAL DE PACIENTES REUMÁTICOS"


  

 

37º CONGRESSO BRASILEIRO DE REMAUTOLOGIA PROMOVE ENCONTRO NACIONAL DE PACIENTES REUMÁTICOS Evento será totalmente online e gratuito já está com inscrições abertas (link abaixo) No dia 19 de novembro, às 15 horas, o 37º Congresso Brasileiro de Reumatologia abrirá espaço em sua programação para o Encontro Nacional de Pacientes Reumáticos. Totalmente online e gratuito, o evento colocará em debate temas como alterações emocionais e cognitivas em tempos de pandemia, a telemedicina no cenário das doenças reumáticas, a importância na nutrição em pessoas com doença autoimunes e a educação em saúde. O encontro é aberto a pacientes, familiares, profissionais de saúde e ao público em geral. ***As inscrições já estão abertas e podem ser feitas link http://www.sbr2020.com.br/encontro.htm PROGRAMAÇÃO Dia 19/11 15h – Abertura Dra. Wanda Heloisa Ferreira - Coordenadora da Comissão da SBR com Associações de Pacientes Dr. José Roberto Provenza – Presidente Da Sociedade Brasileira de Reumatologia Dr. Ricardo Xavier – Presidente da Sociedade Brasileira De Reumatologia (Gestão 2021/2022) Dr. Rubens Bonfiglioli – Presidente do 37º Congresso Brasileiro De Reumatologia Dr. Marcelo Pinheiro - Presidente da Sociedade Paulista De Reumatologia Módulo I : Moderadora - Dra. Sandra Lucia Euzébio Ribeiro – Ufam 15h20 - Telemedicina no cenário da reumatologia (Dr. Ricardo Xavier – SBR) 15h40- Educação em Saúde (Dra. Wanda Heloisa Ferreira - Instituto Gruparj Petrópolis) Módulo II Moderadora - Dra. Viviane Angelina De Souza 16h40 - Nutrição em doenças autoimunes (Dra. Cristiane Souto - FVJ / CE) 17h - Alterações Emocionais e Cognitivas em época de Pandemia (Dra. Geralda do Nascimento Sá - No dia 20, também às 15h, a programação é dirigida às associações de pacientes. **Mais sobre a SBR - A Sociedade Brasileira de Reumatologia, que completou 70 anos de atividades em 2019, é uma associação civil científica, sem fins lucrativos, que tem por objetivo promover o desenvolvimento científico e da especialidade no Brasil. Hoje, conta com cerca de 2 mil associados, distribuídos em 24 sociedades regionais estaduais e mantém assessorias e comissões científicas por áreas de especialidade, além de representações em associações médico-científicas nacionais e internacionais e junto ao Ministério da Saúde. A SBR é responsável pela certificação de especialistas em reumatologia, área médica que engloba quase 120 doenças inflamatórias crônicas. É filiada à AMB - Associação Médica Brasileira que, em 2018, outorgou à SBR certificado de boas práticas em gestão. Para mais informações, acesse www.reumatologia.org.br e siga suas ações, iniciativas e novidades pelo Facebook (@sbreumatologia), Instagram (@sociedadereumatologia) e Twitter (@SBR_Reumato).

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Evento em São Paulo dia 13 de dezembro de 2019 - NÃO IGNORE A SUA DOR

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto

Moradores de São Paulo, aproveitem:Anote: 13 de dezembro, entre 10h e 16h, em frente ao prédio da Fiesp (av. Paulista), especialistas da SBR estarão a postos tirando dúvidas sobre dor nas costas - que pode ser um simples mau jeito, ou sintoma de uma doença reumática, como espondilite anquilosante, doença inflamatória crônica. Durante o dia, será distribuído material educativo sobre espondilites e lombalgia. Esta é uma ação conjunta da Fiesp e AbbVie, com apoio da SBR. Participe!

sábado, 2 de fevereiro de 2013

FIBROMIALGIA - O QUE É


Fibromialgia o que é
Você sabe o que é fibromialgia
A doença reumática é associada à sensibilidade diante de um estímulo doloroso, descrita por pacientes como dores pelo corpo. Atinge cerca de 5 milhões de brasileiros e, embora pessoas de qualquer sexo ou idade, inclusive crianças e adolescentes, possam ser vítimas, a incidência é maior em mulheres entre 30 e 60 anos.
Entre as manifestações clínicas estão dorfadiga, indisposição, distúrbios do sono, ansiedade, depressão, alterações intestinais, entre outras. O coordenador da Comissão de Dor, Fibromialgia e Outras Síndromes Dolorosas de Partes Moles da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) Marcelo Cruz Rezende, esclarece as principais dúvidas.
Segundo o reumatologista, a fibromialgia é uma síndrome clínica caracterizada por dor difusa e outras sintomas associados como fadiga (cansaço), sono não reparador, alteração de memória, concentração, entre outras.
"Existe uma associação muito forte com o aspecto psicológico, com quadros depressivos e ansiedade, mas não podemos afirmar que se trata somente de fundo emocional. Hoje, sabemos que é um distúrbio relacionado à alteração nos sistemas de controle de dor, devendo ser considerado como uma síndrome de amplificação dolorosa", explica.
O principal sintoma da fibromialgia é basicamente dor difusa pelo corpo. Mas existe uma série de comorbidades que normalmente acompanham: distúrbio do sono, cansaço, fadiga, ansiedade, depressão, alterações intestinais como crises de diarreia etc.
O diagnóstico da fibromialgia consiste em verificar se há é dor difusa por mais de três meses, em conjunto com a presença de 11 de 18 pontos dolorosos específicos.
Atualmente retira-se a necessidade da contagem de pontos dolorosos e coloca-se um índice de dor generalizado e de grau de severidade de sintomas, mas ainda estão sendo questionados pelos especialistas.
"Por ser uma condição crônica, a fibromialgia não tem cura. Existe sim um controle da sintomatologia. Entretanto, pode ser confortador saber que, embora não exista cura, a fibromialgia é uma doença benigna, que não leva ao óbito", esclarece Rezende.
Existem várias medicações com fortes evidências científicas que melhoram os sintomas da fibromialgia. Outras evidências científicas demonstram que o costume de executar exercícios físicos aeróbicos de modo rotineiro (30 minutos por dia ou 45 minutos três vezes por semana) tem grande melhora para a dor, fadiga e sono. Mesmo o Tai Chi Chuan foi colocado como tratamento coadjuvante com boa resposta.
Como não existe prevenção para a doença, já que a patologia é considerada de ordem genética, é possível apenas controlá-la em busca de uma melhora do quadro.
O uso rotineiro de exercícios físicos, em especial aeróbios e o uso de algumas medicações como antidepressivos tricíclicos para o sono ou ritalina ou modenafil para fadiga podem ajudar e muito, na qualidade de vida do paciente.
Por Jessica Moraes