Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador como aumentar a libido do fibromiálgico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador como aumentar a libido do fibromiálgico. Mostrar todas as postagens

domingo, 18 de agosto de 2013

SEXO E DORES CRÔNICAS

Maryann Lowry tinha 42 anos em 1995, quando ela acordou uma manhã com dor pélvica severa. Ela foi diagnosticada com vulvodynia - que literalmente significa apenas dor na região vulvar. Hoje, 14 anos depois, ela diz que é "95% recuperado" -, mas os muitos anos de lidar com a dor crônica teve seus efeitos sobre seus relacionamentos, sua vida pessoal e, claro, sua vida sexual.
"Eu pensei, como é que eu vou manter o meu casamento juntos, se eu não posso ter relações sexuais? Foi mais um presente que eu tentei dar o meu marido até que eu pudesse sentir melhor ", lembra ela.
Lowry está longe de ser por si só. De acordo com a American Pain Foundation, cerca de 50 milhões de americanos têm dor crônica, decorrente de causas que vão desde o tratamento do câncer de lesões nas costas para a fibromialgia, e muitos mais.e quase 80% das pessoas que vivem com dor crônica e / ou deficiência e seus parceiros relatam uma redução significativa ou perda de seu funcionamento sexual.
A dor crônica pode levar à fadiga, insônia e sintomas de depressão. Medicamentos para a dor pode reduzir a libido. E para algumas pessoas, a própria relação sexual pode causar dor, diz Meeru Sathi-Welsch, MD, um médico anestesiologista e especialista em dor de Long Island Neurociência especialistas.
"A dor crônica permeia todos os aspectos da vida de uma pessoa", concorda Daniel Kantor, MD, presidente eleito da Flórida Society of Neurology (FSN) e Diretor Médico da Neurologia, uma organização dedicada a assistência ao paciente, pesquisa e educação."Você não vê a si mesmo como um ser sexualmente romântico, porque você está tão definido pela dor."

 Como obter sua libido de volta
O que você pode fazer para acender o fogo de novo? "É preciso muita criatividade e paciência!", Diz Sherrie Sisk, 43, uma mãe solteira que narra sua luta de 10 anos com dor da fibromialgia em um blog chamado "The Tramadol Diaries".
Em primeiro lugar, fale com o seu médico sobre quais os aspectos do seu tratamento pode ser alterado para ajudar a melhorar as coisas sexualmente. David Rosenfeld, MD, um especialista em dor com o Centro de Dor Atlanta, diz que o seu médico pode ajudar de várias maneiras:
  • Alterar medicamentos. "Nós podemos diminuir os opiáceos e usar mais outros medicamentos que sabemos que são eficazes para o tratamento da dor crônica com menor efeito sobre a sexualidade, como Lyrica e Cymbalta", diz Rosenfeld.
  • Adicionar novos medicamentos. Para os homens com baixos níveis de testosterona, uma receita para a testosterona pode ajudar com o desejo sexual. Os tratamentos medicamentosos, como Cialis, Levitra e Viagra também pode ser usado para homens com disfunção erétil.(*Nos Estados Unidos)
  • Encaminhá-lo para os tratamentos de biofeedback.* "Descobrimos que biofeedback pode ser muito útil para as mulheres, em particular, que se queixam de dor pélvica e dispareunia* significativa", diz Rosenfeld. A dispareunia é a dor durante a relação sexual.
  • * Biofeedback: é a ferramenta terapêutica que fornece informações, com a finalidade de permitir aos indivíduos desenvolver a capacidade de auto regulação.
  • Juntar-se a um grupo de apoio. Ele pode te ajudar descobrir que você não está sozinho - há outras pessoas no mesmo barco, que podem ter novas idéias que você ainda não experimentou.

Como você pode reduzir a ansiedade e aumentar o prazer?


Seja criativo Sobre Sexo

Não pense em sexo, da mesma forma que você sempre fez. As posições que trabalharam para você antes de você começar a sua luta com a dor crônica pode não funcionar para você agora. Pode ser necessário pensar em novas maneiras de iniciar intimidade e diferentes maneiras de ser íntimo.
  • Mudar de posição. Especialmente se você tem dor nas costas ou dor de garganta, sendo na parte inferior - ou a parte superior - pode ser doloroso. Tente uma posição de um lado para outro para aliviar a pressão nas costas ou pescoço, travesseiros para apoio. podem ser usados.
  • Tudo no seu tempo. Ao invés de apenas iniciar o sexo, sente-se calmamente ao lado da lareira com o seu parceiro e leia um livro romântico ou sexy para o outro. "Este é o momento para você como um casal, não focar na dor", disse Kantor. "Mantenha os pés uns dos outros e dar o seu parceiro uma massagem nos pés. Não tenha pressa. Depois de algum tempo, não pense sobre a dor e não se forçe.
  • Tente alternativas para a relação sexual. "As pessoas podem tentar usar vibradores, estimulação manual e outros atos íntimos, além de apenas a relação sexual em si", diz Sisk. "Ir além" Você me faz e eu faço você. "
Quando você está lidando com a dor crônica pode ser tentador apenas parar a parte sexual de sua vida. Mas isso coloca seu relacionamento em risco. "Se você não é, pelo menos, dispostos a explorar a intimidade com seu parceiro, você vai estar em apuros", diz Sisk. "O seu parceiro tem que aprender o que a sua doença significa para você, como isso afeta sua sexualidade, e tentar coisas novas para torná-la melhor. E você tem que entender que o sexo é importante para o seu parceiro e para você também. Você não pode dizer: 'Essa parte da nossa vida já acabou. "