Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador teste para diagnóstico da fibromialgia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador teste para diagnóstico da fibromialgia. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

SANTIAGO (ESPANHA) VALIDA UM TESTE PARA DIAGNOSTICAR A FIBROMIALGIA

Participam especialistas em psicologia e neurologia da USC eo CHUS

20 de agosto de 2014  05:00
Da esquerda para a direita, Trinanes, Carrillo e González Arias, os autores do estudo. ESTRELA ALONSO

O tratamento da fibromialgia, uma dor musculoesquelética crônica que provoca mau e grande cansaço, entre outros sintomas, será mais fácil neste verão graças a um estudo realizado por especialistas de Santiago(Espanha). Maria Teresa Carrillo, professora de Psicologia Faculdade USC com Trinanes Yolanda González e Alberto Villar, pesquisadores deste centro; e Manuel Arias, um neurologista e docente no complexo hospitalar de Medicina, validaram em castelhano, a chamada mais recente para diagnosticar o problema de saúde, o FSQ (Síndrome de Sensibilidade Química), o Colégio Americano de Reumatologia, 2010 Este trabalho também colaborou Susana Romero-Yuste , reumatologista do Complexo Hospitalar de Pontevedra; e Fred Wolfe, da Universidade de Kansas e representante daquela associação profissional nos Estados Unidos.
Na adaptação para o Inglês do castelhano também incluiu especialistas em tradução. O resultado foi publicado recentemente na revista Rheumatology Internacional .
Teresa Carrillo, que há anos se dedica a pesquisar esta doença, explica que esta nova escala "simplifica os critérios para o diagnóstico de fibromialgia. Houve um teste anterior, 1990, o que proporcionou 18 pontos do corpo em que a pessoa com fibromialgia têm dor manifesta mais de três meses, em pelo menos onze deles, com um certo número de condições. Os novos critérios eliminam a avaliação dos tender points e tenta facilitar o diagnóstico na atenção primária, que é onde você deve tratar a fibromialgia. Simplifica o diagnóstico, que é mais fácil ", diz ele.
Teste
As novas prova pergunta aos pacientes se nos últimos sete dias tem notado problemas leves, moderados ou graves como cansaço / fadiga; atenção, de concentração ou de memória; ou se você ao acordarem pela manhã se sentem cansadas.
Também interessado se você se sentiu sintomas de dor abdominal ou cólicas; depressão; ou dor de cabeça na semana passada.
A terceira seção, também nos últimos sete dias, solicitado para indicar se você teve (ou não) dor ou desconforto nos ombros, quadris, braços, pernas, mandíbula, tórax, abdômen, costas ou no pescoço. E finalmente interrogado para ver se, juntos, esses sintomas estão presentes por pelo menos três meses.
"Com base nas respostas, a pontuação é dada e o diagnóstico é feito. Em nosso trabalho, procuramos também avaliar em que medida houve um acordo entre as duas escalas, o que foi muito alto ", diz Teresa Carrillo.
"Com a escala de 1990, 20% das pessoas não cumpriam os critérios exigidos para determinar quem teve problemas com fibromialgia; validado com agora quase 94% atendidos. Isso é porque ele é um critério mais sensível e menos restritivo ", acrescenta.
Outros sintomas
1990 critérios "100% de indivíduos saudáveis ​​foram utilizados como controle não preenchia os critérios para fibromialgia;enquanto que as exigências da nova escala de um pequeno grupo de 3,4% dos indivíduos saudáveis ​​cumprir os critérios para a fibromialgia ", diz ele. E cerca de 40% das pessoas diagnosticadas expresso outros sintomas não aparecem incluídos no teste.
Com esta nova dor de escala ", sintomas físicos, estado emocional e qualidade de vida são avaliados, e os resultados também mostram o desenvolvimento da fibromialgia. Porque este não é apenas ruim dor: assumiu ainda pior qualidade de sono e de vida, cansaço ou falta de energia ", acrescenta o especialista.
"Este mal não é apenas a dor: assumi ainda pior qualidade de sono e de vida, fadiga ou falta de vitalidade"
Maria Teresa Carrillo

Fonte: http://www.lavozdegalicia.es/noticia/santiago/2014/08/20/validan-santiago-prueba-diagnosticar-fibromialgia/0003_201408S20C5991.htm