Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Siga-nos por e-mail

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Agradecimentos da Abrafibro


 

Nossa Gratidão!

Nossos eternos agradecimentos à todos os vereadores, Deputados Estaduais e Federais, assim como à todos os prefeitos do Brasil, a exemplo o Prefeito Edivaldo Holanda Júnior, de São Luis - Ma.

Que no seu exercício de mandato, sancionaram as leis propostas pela Abrafibro, como: Dia da Fibromialgia, filas e estacionamento prioritários. Entendendo com empatia, a dificuldade diária das limitações da síndrome.

Os fibromiálgicos não tem palavras suficientes para externar tamanha Gratidão!

@edivaldoholandajr
@prefeiturasaoluis
@camilabraga79

#abrafibro #fibromialgia #fibromyalgia #dorcronica #gratidao #filaseestacionamentoprioritarios #12demaio #diadafibromialgia #parlamentares #poderexecutivo #edivaldoholandajr #prefeituradesaoluis #slz #maranhao

Aos Profissionais Voluntários com nosso carinho e Admiração

 


 

Nossos mais sinceros parabéns aos médicos voluntários da ABRAFIBRO,  na constante dedicação de cuidar do bem mais precioso da vida do ser humano, que é a saúde.

Registramos nossa gratidão e admiração a todos esses profissionais indispensáveis na sociedade, nas pessoas:
•  Dr. Gilberto Orsolan Jaques, advogado previdenciarista, recebeu pela quarta vez consecutiva o prêmio Grau II da ANCEC, como referência em advocacia e justiça, Comendador Gran Colar pela OAB Federal.


• Dra. Ana Carolina Ballonas, Nutricionista Mestrado em Bioquímica e Imunologia, Doutoranda em Imunologia, Pós Graduação em Fitoterapia e Nutrição Clínica.
• Dra. Laís Kozminski da C. A. Durão, médica biomédica, pós graduada em dor, Gestão em saúde, Microbiologia e Doutoranda em Neurociências. LIGA INTERDISCIPLINAR PARA O ESTUDO DA DOR- INC /CURITIBA. Coordenadora científica. COMITÊ DE EDUCAÇÃO EM DOR - SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O ESTUDO DA DOR. Secretária. SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE – SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ. Chefe de Divisão. Membro efetivo e presidente acadêmica da Liga Interdisciplinar para o Estudo da Dor (LIED). Instituto de Neurologia de Curitiba - INC - ministrante de aulas e palestras, realização de pesquisas, participação no ambulatório da dor, organização de eventos e outras atividades. Diretora Científica da ABRAFIBRO

• Dra. Marcella de Carlo Barcelos Teixeira, Médica Fisiatra;

• Dra. Luci Mara França, Odontóloga Especialista em Dor Facial e Diretora Científica da SBED;cirurgiã dentista, especializada em DTM (Disfunção Temporomandibular), Acupuntura e Dor Crônica;

• Dra Maria Beatriz de Campos,  médica ginecologista com qualificação  em colposcopia, pós graduação em dor e acupuntura - Coordenadora Geral do comite de ligas de dor do Brasil pela SBED ( sociedade Brasileira para o Estudo da Dor), Coordenadora Geral da liga interdisciplinar para o estudo da dor de curitiba (LIED) - Médica  do grupo da Dor do Hospital INC (instituto de Neurologia de Curitiba),  Diretora Científica ABRAFIBRO;
• Dra. Daniela Queirós, psicóloga clínica.  Mestrado em Psicologia Clínica.

Para muitos, viver em função de trabalho voluntário é loucura, pois acham que muitas vezes não dá para realizar algumas coisas, mas, acreditem: sempre dá. Quem faz por amor, dá sempre um jeito de finalizar tudo com sucesso para sempre atender a necessidade que há.

Alívio da alma

Será que você sabe o alívio que a alma é capaz de sentir quando alguém ajuda e faz algo de bom para o próximo? Sendo de coração e apenas querendo realmente sentir-se útil e ver que fez algo que mudou a vida de alguém? Você deve experimentar essa sensação, por isso, para a sua alma e bem-estar.

Sempre que fazemos algo pelo próximo, sendo de coração e sem querer nada em troca, estamos realizando uma ação linda e que causa um bem enorme a quem faz e a quem recebe. O trabalho voluntário pode causar isso de uma forma muito leve e espontânea, fazendo tudo valer a pena e ser lindo.

O sorriso

Quando fazemos algum tipo de trabalho voluntário, os sorrisos que causamos nas pessoas e que elas nos causam ao agradecer ou apenas por valorizarem nosso trabalho são únicos. Por isso, com certeza, vale a pena participar de projetos assim, para que veja o sorriso de ambos os lados, de quem faz e quem recebe o trabalho.

O trabalho voluntário só cobra uma coisa: amor! De resto, não há mais nada que seja exigido, afinal, tudo se busca e se alcança pelo próximo. Mas apenas com esse sentimento dentro de si é possível causar uma transformação e lutar por uma causa que vá colaborar para algo que vai além do próprio interesse.

Deus guia

Todo projeto voluntário é baseado na fé, independentemente dele ser religioso ou não. Mas sempre é necessária a esperança para saber se dará certo, se o material será suficiente, se as pessoas são o bastante, se todos serão ajudados e assim por diante. Acontece que Deus sempre guia e faz tudo dar certo, pois ele vê que tudo é feito com amor e para quem é realizado.

A boa ação

Sabe toda aquela energia boa que temos dentro de nós e que não sabemos onde ou como canalizar? Em um trabalho voluntário ela é muito bem-vinda, pois ali cria-se amor e passamos a dar o nosso sentimento por uma razão que vai além de nossos interesses. Passamos a nos ocupar com algo bom e que é positivo para alguém, trazendo, assim, uma sensação boa a nós mesmos.

A recompensa

Muita gente acha que o trabalho voluntário não traz nada de retorno para quem o realiza, mas esses estão enganados. Há recompensa, sim: o amor e admiração de novas pessoas, a gratidão, as novas amizades, os sorrisos de todos os envolvidos e a tranquilidade de saber que você faz parte de um grupo que faz a Terra ser um lugar melhor.

Sem olhar a quem

O trabalho voluntário te abre os olhos, te faz olhar além do seu mundo e, por você não conhecer quem são as pessoas envolvidas ali, te proporciona fazer novos amigos, te apresenta novas histórias. Quando você vê, já está envolvido sem ter olhado quem estava ajudando, apenas pela causa, pelo amor e por todos os novos sentimentos que conheceu.

Uma das coisas mais queridas vindas dos trabalhos voluntários são as novas pessoas que entram em nossa vida, pois são pessoas que são iluminadas e que pensam, muitas vezes, mais no próximo.

Nada é capaz de pagar a gratidão de cada pessoa que recebe algum projeto voluntário. O sorriso, o olhar de alívio e sentir-se querido sempre são coisas que nos fortalecem.

E é com este profundo sentimento de Gratidão, que oferecemos aos profissionais, que tanto buscam e compartilham seus conhecimentos com tanta empatia e desprendimento à todos aqueles que sofrem com dor crônica e fibromialgia, buscando o melhor no alívio da dor, seja ela física ou emocional!

Fazendo junto da Abrafibro o melhor trabalho!
#abrafibro #fibromialgia #fibromyalgia #dorcronica #gratidao #trabalhovoluntario #medicovoluntario #advogadovoluntario #dentistavoluntario #psicologiavoluntaria #nutricionistavoluntaria #medicinavoluntaria #amoraoproximo

Caixa de Desejos



https://www.youtube.com/watch?v=XsI-slQo0-U&feature=youtu.be
 

Caixa de Desejos 


Todos temos sonhos e esperanças que nos guiam e nos norteiam para a realização da vida, onde sempre buscamos o ideal de um mundo transformador!

Um mundo mais bonito, sem atrocidade, onde as pessoas se dêem as mãos e possam ter uma vida digna e com muito mais brilho.

Esses são os verdadeiros desejos de todos os membros da ABRAFIBRO!

Que a paz, a saúde,  a qualidade de vida e o convívio familiar e em sociedade, o amor e o respeito estejam presentes na vida de cada um! 


Foi através de uma postagem feita em nosso Grupo no Facebook e em nosso perfil no Instagram, em que pedidos a todos que escrevessem duas palavras, que significassem seus desejos para o próximo ano. 


Agradecemos a todos que participaram. 


Vejam o resultado! 


Feliz Ano Novo! 


#abrafibro #fibromialgia #fibromyalgia #dorcronica #caixadedesejos #fe #esperanca #qualidadedevida

Feliz Ano Novo!!!

 



É hora de receber o Ano Novo

com alegria e esperança no coração!

De deixar o ruim no passado,

e abraçar o futuro com otimismo.

De olharmos para dentro de nós mesmos e buscarmos aperfeiçoar tudo aquilo que antes não conseguíamos. 


Vamos fazer desta virada de ano

um recomeço de tudo que é bom.

Um renovar de sentimentos positivos,

e um renascer de velhos sonhos. 


Desejamos que a ciência se aperfeiçoe e busque alternativas viáveis não só para a fibromialgia, para o Covid 19, mas para todas as doenças do mundo! 


Desejamos muitas felicidades para este ano.

Que sejam 365 dias de realizações,

sucessos e muita prosperidade!!!

Lembrando...

Fiquem em casa! Preservem o que há de mais valioso..a Vida!

Desejamos que o seu Novo Ano seja pleno de luz e graças, que Deus ilumine o seu caminho e  guie sempre no caminho do bem e da retidão. 


Feliz Ano Novo! 


Família ABRAFIBRO 


#abrafibro #fibromyalgia #fibromialgia #dorcronica #feliz2021 #felizanonovo

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

FELIZ NATAL!!!

Desejamos a todos os nossos Amigos,

Um Natal repleto de Felicidades, de Amor e Paz!

Que tenhamos a Paz de Espírito, para o discernimento correto de que estamos fazendo aquilo que é justo e correto, para nós e nossos semelhantes.

Que tenhamos o prazer de ser útil a alguém.

E que o novíssimo ano.... ?

Seja um ano de muitas transformações e realizações para todos, não só no campo material, mas principalmente em nossa alma, em nosso "eu" interior.

Desejo que todos tenham o que for justo, belo, sereno e louvável aos olhos do criador.

Que neste Natal os anjos desçam do céu e, iluminem o seu sorriso para que ele se torne tão sincero quanto o sorriso de uma criança.

E que, você transmita a Paz e o Amor a todos que se aproximarem de você. 

São os votos da Família

ABRAFIBRO - Associação  dos Fibromiálgicos


Feliz Natal !!!!

 🤶🎅🌲🎁🙏🏻

sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

Nossos desejos a todos...

 


 https://www.youtube.com/watch?v=Io6zHBZioxQ


 

Mais um ano se vai. 
 Que ano, não?! 
Uma montanha-russa. 
Entre os altos e baixos, precisamos agradecer a todos que colaboraram para atenuar, tantas dificuldades. Eles também buscaram amenizar nossos dias, com conselhos e orientações valiosas. 
Outros lutaram ao nosso lado por políticas públicas justas e necessárias, a todos nós que tão pouco ou quase nada temos. 
Aos pacientes que acreditam em nosso trabalho sério, altruísta, honesto e gigante. Não cessa. Sempre há algo a informar. 
 
Agradecemos a todos vocês que acreditam e confiam nesse trabalho que, há 13 anos busca apenas ajudar e apoiar. 
 
Nós da Direção e Profissionais, todos Voluntários, nos unimos para fazer esta mensagem. Recebam com o mesmo carinho e atenção que nela colocamos. 
 
Boas Festas! Que 2021 seja o começo de novos tempos, muito melhores que todos que já vivemos. 
 
Em tudo que fizerem coloquem #maisAmorporFavor 
 
Abraços Fraternos 🌷 
 
Sandra Santos, 
Simone Eli Bombardi, 
Ariane Hitos, 
Verluze Barros, 
Dra. Maria Beatriz de Campos, 
Dra. Laís Kozminski, 
Dra Luci França, 
Dra Daniela Queirós, 
Dra. Ana Carolina Ballonas, 
Dra. Marcella de Carlo, 
Dr. Gilberto Orsolan Jaques, 
Cynthia Simis, 
Jaqueline Pimentel, 
Roberta Gladys, 
Cláudia Azevedo "Cacau", 
Hosana dos Santos (estagiária), 
Vanessa Cotait, 
Iolanda Sílvia Brandão Couto 
e Paulécio Alves. 
 
Dez/20 
 
Ah! Você já participa de nossos canais de Notícias sobre Fibromialgia e Saúde? 
 
Então atenção! Você escolhe: 
 
 
 
Estamos também: 
Instagram: @abrafibro 
No Facebook você poderá participar de nosso grupo exclusivo para pacientes. 
Na versão para seu navegador na internet, você encontrará a coluna à sua esquerda, para cadastrar seu e-mail, e receber nossas novas notificações. 
 
Tudo o que fazemos é através de trabalho voluntário, de pacientes e profissionais. Gratuitamente! Prestigie!

 

terça-feira, 15 de dezembro de 2020

ITÁLIA: Fibromialgia. Boldrini (Pd): "Chegou o momento de incluir a patologia em Lea"

 

 

A proposta de sua inclusão entre os responsáveis ​​do SSN foi examinada pela Comissão para atualização do Lea. Para o vice-presidente da Comissão de Saúde é um “passo muito importante. Espero que este seja o início de um processo regulatório para proteger os pacientes que sofrem desta doença "

11 DEC - “A Comissão para atualizar os níveis essenciais de assistência se reuniu pela primeira vez desde a pandemia para examinar as muitas propostas em pauta, incluindo a fibromialgia. Espero que todos os dossiês ao conhecimento da comissão sejam avaliados rapidamente e que a fibromialgia também possa ser alcançada ao final de um caminho. Manifesto satisfação por essa etapa tão importante, que atesta o quanto é oportuno o reconhecimento da fibromialgia em Lea. Espero que este seja o início de um processo regulatório para proteger os pacientes que sofrem desta patologia ”.
 
É o que afirma a senadora pelo Partido Democrata Paola Boldrini , vice-presidente da Comissão de Saúde.

 
“A inclusão na Lea - continua Boldrini - será um momento histórico para os portadores dessa doença, pela qual em todos esses anos de atuação parlamentar sempre lutei. Minha batalha nesse assunto remonta à última legislatura, com a apresentação de um projeto de lei que segue tramitando no Senado. Apresentei também uma emenda ao Decreto Ristori, em apreciação no Senado, que prevê o reconhecimento da fibromialgia como doença, para dar dignidade a tantas pessoas que dela sofrem e que hoje nem sequer se acredita estarem doentes ”.

11 de dezembro de 2020
© Todos os direitos reservados

 

 texto original


http://www.quotidianosanita.it/governo-e-parlamento/articolo.php?articolo_id=90817&fbclid=IwAR17KddHwobbKFb5ip4u1Sm2vcCNH5xmmvnMPWT3fljPj2565bgq6tDMBgM

Câmara de Presidente Prudente publica lei que permite uso de vaga preferencial por pessoas que têm fibromialgia

 Lei permite a utilização de vagas de estacionamento preferenciais por quem tem fibromialgia — Foto: Reprodução/TV Fronteira 

Lei permite a utilização de vagas de estacionamento preferenciais por quem tem fibromialgia — Foto: Reprodução/TV Fronteira

 

 

Projeto de lei foi aprovado pelos vereadores em outubro, a Prefeitura fez o veto totalem novembro e a Casa de Leis decidiu promulgar a nova determinação nesta sexta-feira (11).


Por G1 Presidente Prudente
11/12/2020 15h51 ·

A Câmara Municipal de Presidente Prudente publicou, nesta sexta-feira (11), a lei nº10.336/2020, de autoria da vereadora Elza Alves Pereira e Pereira (PSDB), que permite a utilização de vagas de estacionamento preferenciais por quem tem fibromialgia
.
A nova determinação foi publicada no Diário Oficial Eletrônico do Município. O projetode lei foi aprovado pelos vereadores no final do mês de outubro deste ano eencaminhado para sanção do Poder Executivo. Contudo, o prefeito Nelson Bugalho(PSDB) fez o veto total da proposta.


O veto

 
Em sua justificativa, enviada no segundo semestre de novembro, Bugalho afirmou queo PL foi analisado pela Secretaria Municipal de Saúde. Entre os apontamentos feitos pela pasta municipal, foi explicado que a fibromialgia é uma "condição que secaracteriza por dor muscular generalizada, crônica (dura mais que três meses), masque não apresenta evidência de inflamação nos locais de dor. Ela é acompanhada desintomas típicos, como sono não reparador (sono que não restaura a pessoa) ecansaço. Pode haver também distúrbios do humor como ansiedade e depressão, emuitos pacientes queixam-se de alterações da concentração e de memória".


A doença foi colocada como uma "condição médica crônica, significando que dura pormuito tempo, possivelmente por toda a vida". "Entretanto, pode ser confortador saberque, embora não exista cura, a fibromialgia não é uma doença progressiva. Ela nunca éfatal e não causa danos às articulações, aos músculos, ou órgãos internos. Emboraainda não tenha sido descoberta a cura para a fibromialgia, em muitas pessoas elamelhora com o tempo, e há casos nos quais os sintomas retrocedem quase totalmente", justificou a Secretaria Municipal de Saúde.


Foi colocado também que a "fibromialgia não deve ser encarada como uma doençaque necessita de tratamento, mas sim como uma condição clínica que requercontrole". "Com o tratamento atual, é possível a pessoa experimentar ficar sem dor oucom a dor em nível muito baixo. Os outros sintomas como a fadiga, a alteração dosono e a depressão também podem ser tratadas adequadamente", enfatizou a pasta municipal.


Ao final da justificativa, é exposto o "parecer da supervisão médica". "A fibromialgia não é uma deficiência física e sim uma condição crônica que pode ser controlada com medicamentos, exercícios físicos e acompanhamento de uma equipe multidisciplinar",finalizou a Secretaria Municipal de Saúde.
"Dessa forma, decido pelo veto total ao projeto de lei citado, pelos motivos efundamentos explicitados, esperando por parte dessa Casa a sua manutenção",afirmou o prefeito Bugalho.

Publicação

Diante do veto, o presidente do Poder Legislativo, Demerson Dias (PSB), promulgou a lei.


De acordo com o artigo 1º, "fica permitido aos portadores de fibromialgia utilizar as vagas de estacionamento reservadas às pessoas com deficiência, mediante identificação e credenciamento dos beneficiários, nos termos da legislação."


Já no artigo 2º consta que a "lei será regulamentada, no que couber, pelo Poder Executivo Municipal".


A lei entra em vigor no prazo de 90 dias contados na data de sua publicação.


A Prefeitura

 
Por meio de nota, a Prefeitura de Presidente Prudente informou ao G1 que, "neste período de 90 dias, fará a regulamentação da referida lei".

Lei nº 10.336/2020 permite a utilização de vagas de estacionamento preferenciais por quem tem fibromialgia — Foto: Reprodução 

Lei nº 10.336/2020 permite a utilização de vagas de estacionamento preferenciais por quem tem fibromialgia — Foto: Reprodução

 

texto original

https://g1.globo.com/sp/presidente-prudente-regiao/noticia/2020/12/11/camara-de-presidente-prudente-publica-lei-que-permite-uso-de-vaga-preferencial-por-pessoas-que-tem-fibromialgia.ghtml


quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Dor crônica: mindfulness funciona como analgésiconatural, revela estudo

 Meditação 

A prática da atenção plena tem como objetivo estimular as pessoas a fazerem uma pausa durante o dia para que possam esvaziar a mente e não pensar em nada além do momento presente. iStock/Getty Images

 

O resultado mostrou que a técnica é tão eflciente no tratamento das dores quanto a terapia atualmente recomendada por proflssionais de saúde

Por Redação 1 fev 2019, 16h15

 

 

A técnica da atenção plena ou mindfulness está cada vez mais popular ao redor do mundo. Por ser uma forma de meditação, traz benefícios para o bem-estar mental, promovendo o controle do stress, por exemplo e físico, como mostra um estudo pulicado recentemente no periódico científlco BMJ Evidence-Based Mental Health. Pesquisadores do Hospital Ottawa, no Canadá, concluíram que a prática serve como uma analgésico natural contra dores crônicas e pode ser um alternativa promissora à terapia cognitivo-comportamental (TCC), um dos tratamentos mais prescritos por proflssionais de saúde para pacientes que sofrem com o problema. 

 

De acordo com os pesquisadores, nem todos os pacientes experimentam uma resposta signiflcativa ao tratamento com TCC e, portanto, necessitam de outra forma de tratar a doença. “A atenção plena mostrou-se promissora na melhora da intensidade e na redução da dor e de distúrbios psicológicos”, aflrmou Wei Cheng, do Hospital Ottawa, no Canadá.

Indivíduos com dor crônica sofrem com dores diárias ou quase ao longo de seis meses ou mais. Algumas pessoas chegam a experimentar dores tão intensas capazes de atrapalhar as atividades do dia a dia. Além disso, por afetar o bem estar do paciente, a doença ainda causa impacto psicológico muito forte.

Eflcácia da meditação

A equipe canadense descobriu os benefícios da atenção plena depois de revisar 21 estudos envolvendo quase 2.000 participantes (principalmente mulheres) com idade entre 35 e 65 anos. A maioria dos estudos revisados avaliaram participantes que sofriam com dor musculoesquelética, como flbromialgia, dor lombar crônica, artrite reumatoide e osteoartrite. Esses pacientes foram submetidos à terapia cognitivo-comportamental ou redução de stress baseado em atenção plena (MBSR, na sigla em inglês). 

Para obter um resultado mais assertivo, ainda foram examinadas evidências diretas e indiretas da eflcácia da TCC em comparação com tratamentos padrões ou sem qualquer tratamento; do MBSR em relação aos tratamentos padrões ou sem qualquer tratamento; e, por último, TCC versus MBSR.

 

Os resultados mostraram que tanto a atenção plena quanto a terapia comportamental são eflcientes na melhora do funcionamento físico, na promoção do alívio de dores e na redução de condições associadas, como depressão. “Esta revisão sugere que a redução de stress baseada em atenção plena oferece outra intervenção potencialmente útil para o manejo de dores crônicas”, comentou Eve-Ling Khoo, co-autora da revisão, no estudo.

No entanto, os cientistas ressaltaram que, como apenas um dos estudos comparou diretamente TCC e atenção plena, são necessárias mais pesquisas para determinar se a prática da meditação pode promover alívio em pacientes com dores e sintomas psicológicos distintos.

Atenção plena

A prática da atenção plena tem como objetivo estimular as pessoas a fazerem uma pausa durante o dia para que possam esvaziar a mente e não pensar em nada além do momento presente. Segundo o site Mind, a técnica busca encorajar o indivíduo a prestar mais atenção ao que está acontecendo no momento presente (corpo, mente e entorno). Assim é possível captar qualquer pensamento que entre ou saia da mente, o que ajuda na compreensão de si e das próprias emoções.

 

De acordo com Sharon Hadley, presidente do Oxford Mindfulness Centre, na Inglaterra, a atenção plena pode gerar impacto positivo no bem-estar geral ao ajudar a tornar o indivíduo mais consciente de pensamentos, sentimentos e do ambiente ao seu redor. “Essa capacidade de prestar atenção, de perceber o que está acontecendo no momento presente e aumentar a capacidade de escolher como ou se devemos responder aos nossos pensamentos e/ou sentimentos se mostrou benéflca para aqueles que sofrem tanto mental quanto flsicamente”, explicou ao Independent.

 

Diversos estudos comprovaram que praticar a atenção plena pode melhorar diversos aspectos da nossa vida, inclusive melhorar a relação com a comida, aliviar o vício em celulares, aumentar a conflança do corpo e beneflciar até mesmo a vida sexual. Outra pesquisa ainda descobriu que a técnica auxilia no tratamento de uma série de problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade e stress. o Instituto Nacional de Saúde e Excelência em Cuidados do Reino Unido (NICE, na sigla em inglês) recomenda o uso da atenção plena para controlar a ansiedade social.

 

Críticas

Apesar dos inúmeros benefícios conflrmados pela ciência, alguns estudiosos aflrmam que a técnica da atenção plena pode ter um lado ruim. Uma pesquisa de 2017 realizada pela Universidade Brown, nos Estados Unidos, aflrma que esse tipo de meditação só funciona em mulheres. Os homens estariam mais propensos a ignorar preocupações, o que lhes permite estar sempre concentrados no presente e, portanto, não necessitam da técnica.


Ainda há quem diga que utilizar a atenção plena sozinho pode provocar egoísmo, já que esse tempo voltado para si pode tornar o indivíduo mais centrado em si mesmo. “A espiritualidade pode se tornar interior e egoísta”, comentou Alison Gray, psiquiatra do Royal College de Psiquiatras, ao

The Independent.

 

texto original

https://veja.abril.com.br/saude/dor-cronica-mindfulness-funciona-como-analgesico-natural-revela-estudo/