Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Controlar a dor crônica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Controlar a dor crônica. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

10 hábitos diários para aliviar a dor crônica



Mature women using hula hoops in exercise class 
Exercício

É um Catch-22: Você está sofrendo, então não se exercita; mas sem exercícios, você pode perder o tônus e a força muscular, piorando a dor. Felizmente, mesmo os exercícios leves liberam endorfinas, as substâncias químicas do cérebro que fazem você se sentir bem, que elevam o humor e bloqueiam a dor. Pergunte ao seu médico se exercícios aeróbicos, de fortalecimento ou de alongamento podem dar ao seu corpo o impulso - e o alívio - de que ele precisa.

(catch-22 = círculo vicioso)

 

Mature woman with eyes closed leaning against tree
Pratique o relaxamento

Parece tão óbvio, mas poucos de nós realmente perdemos tempo para parar o que estamos fazendo e acalmar nossas mentes. As técnicas de controle do estresse, como respiração profunda, meditação e biofeedback, relaxam o corpo, o que ajuda a aliviar a dor. Fale com seu médico para saber mais. Enquanto isso, diminua a velocidade, feche os olhos ... inspire ... expire.

Sleeping woman with empty wine glass near bed 

Evite álcool

Você precisa de uma boa noite de sono para ajudar a aliviar o estresse que a dor coloca em seu corpo. Embora uma bebida possa ajudá-lo a adormecer, quando o álcool se decompõe em seu corpo, leva a um sono superficial, encurta o tempo importante do sono REM e pode até acordá-lo. Resultado: uma noite menos repousante.



Invitation to stay home on silver tray 

Parar de fumar
Algumas pessoas encontram alívio temporário do estresse e da dor com uma fumaça rápida. A ironia é que fumar pode realmente aumentar sua dor a longo prazo. Ele retarda a cura, piora a circulação e aumenta a chance de problemas degenerativos de disco, uma causa de dor lombar. Pergunte ao seu médico sobre programas e medicamentos para largar o vício.



Mature woman chopping salad on cutting board 

Coma bem

Você quer fazer tudo o que puder para ajudar seu corpo, não atrapalhá-lo. Uma maneira de manter seu corpo forte é uma dieta nutritiva. Comer bem aumenta o açúcar no sangue, ajuda a manter o peso saudável, diminui as chances de doenças cardíacas e ajuda na digestão. Tenha como objetivo uma dieta rica em produtos frescos, proteínas com baixo teor de gordura e grãos inteiros.


Woman writing in diary in sunlight at home 

Diário

Ajude seu médico a ajudá-lo. No final de cada dia, registre uma "pontuação de dor" entre 1 e 10. Em seguida, anote o que você fez naquele dia e como essas atividades o fizeram sentir. Traga o diário para sua próxima consulta. Pode dar a seu médico percepções para que ele possa entender melhor sua dor e tratá-lo com mais eficácia.



Invitation to stay home on silver tray 

Dê a si mesmo um tempo de descanso

Não force demais. Estabelecer limites. Isso pode significar dizer "não" a eventos como festas quando você precisar do descanso. Pode ser a reserva de massagens regulares. Ou marcar um jantar inquebrável com bons amigos para animar seu espírito. O modo como cuida de você é algo exclusivo de você - e também depende de você.

Man blowing bubbles with boy on park bench 

Distraia-se

Uma receita potente para o alívio é manter-se ocupado com atividades que desviem a mente da dor, em vez de se concentrar nela. Faça aquela aula de culinária que você estava de olho, participe de um clube de jardinagem, experimente ioga. Mesmo que não consiga controlar a dor, você pode controlar o resto de sua vida. Iniciar!

Mature pharmacist explains medication to customer 

Conheça seus medicamentos

Você deve entender os medicamentos que está tomando, o que eles podem fazer por você e seus efeitos colaterais. Seu objetivo é ter um humor e um nível de atividade normais. Do contrário, um medicamento diferente pode ser melhor para você. Quais são suas opções? Seja proativo, faça perguntas e procure respostas.

Two women having a heart to heart talk 

Peça por ajuda

Estender a mão é um ótimo hábito para você desenvolver. Não há problema em contar aos amigos e familiares o que você está sentindo e do que precisa, porque eles não saberão o contrário. Aprenda mais sobre sua condição e compartilhe o que você descobriu com as pessoas em sua vida. Você não está sozinho - uma em cada três pessoas está lidando com dores crônicas.

texto original
https://www.webmd.com/pain-management/ss/slideshow-pain-tips

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Estresse: 5 etapas para lidar com a dor quando o seu mundo está de cabeça para baixo




Como lidar com o estresse e a dor simultaneamente.

Postado em 27 de maio de 2020

Desde o início da pandemia COVID-19, os níveis de ansiedade e estresse dispararam. Uma pesquisa recente da Harris relatou que 41% dos participantes da pesquisa estavam mais preocupados com seu nível de ansiedade do que com a incapacidade de pagar as contas, redução do horário de trabalho ou até mesmo perder o emprego. Infelizmente, com o aumento da ansiedade e do estresse vem o aumento da dor crônica. Aprender a lidar com a dor e o estresse é a chave para lidar com essa época de crise global.

Com 68% dos americanos sentindo que tudo está fora de controle, como as pessoas com problemas de saúde existentes, como dor crônica, superam suas circunstâncias para encontrar o equilíbrio? Afinal, estamos vivendo em uma época que exige que encontremos maneiras de controlar o estresse e a ansiedade - nossas próprias vidas dependem disso, na verdade.

Previsivelmente, desde o início da pandemia, as linhas diretas de emergência registraram um aumento de 40% nas ligações de pessoas que buscam assistência em saúde mental. Reconhecer e controlar o estresse é mais crítico do que nunca para nossa saúde e bem-estar.

A conexão entre estresse e dor crônica

Falo regularmente com pessoas que não sabem que sua dor crônica é influenciada por suas reações a eventos estressantes de vida. Existem muitas ciências para explicar a importância da relação entre a conexão mente-corpo, estresse e dor crônica; ainda assim, muitas vezes os conselhos de autocuidado que o acompanham podem parecer mais chavões vazios do que técnicas terapêuticas construtivas.

Sugestões de gerenciamento de estresse, como "Durma pelo menos oito horas por noite!" são boas ideias, mas, honestamente, se pudéssemos ter oito horas de sono reparador, provavelmente não estaríamos lutando contra tanto estresse para começar. Quando sua mente não para de girar com problemas e medos causados ​​pela ansiedade, o sono será interrompido e você se sentirá exausto, mesmo se dormir.

O estresse aumenta a tensão muscular e ativa o sistema imunológico - resultando no aumento da inflamação em todo o corpo. Essa tensão e inflamação dos tecidos por todo o corpo podem causar dores de cabeça, dores nas costas e no pescoço, causando dor generalizada e fadiga. Embora essa explicação científica possa ser útil para alguns, os fatos por si só não são tão transformadores em comparação com experimentar a conexão mente-corpo.

Use Biofeedback Simples

Para demonstrar a conexão mente-corpo com os pacientes, uso uma ferramenta simples: um termômetro de temperatura da pele. Primeiro, obtemos uma leitura de temperatura de linha de base de uma patente que coloca o termômetro entre o polegar e o indicador enquanto falamos sobre um assunto neutro, como o clima. Em seguida, os conduzo por um exercício simples de respiração por três a quatro minutos. O paciente vê imediatamente que a temperatura da mão aumentou significativamente, o que para alguns se correlaciona com uma diminuição da dor.

O que causa essas mudanças? O ritmo lento da respiração do paciente diminui a elevada - mas muitas vezes oculta - resposta ao estresse que o paciente está constantemente experimentando.

Em seguida, antes que o paciente tenha tempo suficiente para contemplar esse momento de descoberta, faço a seguinte pergunta: "Por favor, conte-me sobre um evento recente que ocorreu onde você não teve controle, se sentiu ameaçado ou estava envolvido em um conflito interpessoal." Após um breve momento de reflexão, eles começam a compartilhar uma história de estresse e ansiedade. À medida que seus rostos mudam de relaxados para angustiados, a tensão crescente em seus corpos é bastante visível.

Quando a história termina, peço que examinem novamente a leitura da temperatura da pele. Agora, a temperatura caiu significativamente abaixo de sua linha de base. Isso ocorre devido à ativação da resposta de luta, fuga ou congelamento. Na verdade, os pacientes relatam que as mãos e os pés estão frios e que a dor aumentou. Para aqueles que não estavam cientes da conexão mente-corpo antes, eles certamente estão convencidos agora.

5 etapas para melhorar o controle do estresse e da dor


O início de qualquer mudança pessoal sempre começa com a consciência. O uso de biofeedback - mesmo por meio de uma ferramenta tão simples como um termômetro - ajuda as pessoas a reconhecer as mudanças físicas em seus corpos que resultam de pensamentos. Não podemos mudar o que não percebemos.

Na verdade, só podemos domar o que podemos nomear.

Das cinco etapas seguintes, prestar atenção ao que está acontecendo dentro de nossa mente e corpo é o primeiro passo crucial - o passo sobre o qual tudo o mais se apóia. Não podemos domar nosso estresse e dor sem primeiro identificar os diferentes elementos de nossa resposta que precisam ser tratados.

1. Observe o que está acontecendo
. Primeiro, devemos reconhecer a conexão entre os sintomas que experimentamos e o que os desencadeia. Por exemplo, se você tem ombros tensos, torcicolo, tontura ou se pega acordando no meio da noite sem conseguir respirar, precisa parar e pensar no que o está incomodando, não apenas como.

Freqüentemente, é difícil identificar precisamente de onde vem a pressão. Pode ser um problema ou muitos problemas menores e cumulativos. Precisamos fazer uma pausa intencional para inventariar de onde a pressão pode estar vindo e como nos sentimos como resultado. Ao nomear as emoções, ajuda a colocar a parte pensante do cérebro no comando do que está acontecendo, reduzindo por sua vez a influência que a parte emocional do cérebro tem.

Faça a si mesmo estas quatro perguntas regularmente:

  •     Em que pressão estou agora e onde sinto essa pressão em meu corpo?
  •     O que mudou recentemente que requer algum tipo de ajuste em minha vida?
  •     O que está faltando em minha vida que serve como fonte de perda?
  •     O que vem no futuro que eu não quero enfrentar?

2. Gerenciar ativamente a dor e o estresse. Existem duas abordagens para gerenciar a dor e o estresse - gerenciamento ativo e gerenciamento passivo. Pessoas com dor crônica tendem a controlar o estresse e os sintomas de dor de forma passiva. Isso pode aparecer como dependência de medicamentos, injeções, cirurgias ou simplesmente ficar na cama ou sentar no sofá o dia todo. Essa abordagem passiva leva à fraqueza, perda muscular, perda óssea devido ao uso repetido de esteroides e muitos outros problemas relacionados à saúde devido ao uso excessivo de medicamentos que não são eficazes no controle da dor crônica.

O controle ativo da dor, por outro lado, é baseado no entendimento de que a maioria dos tipos de dor não causa danos. Só porque algo dói, não significa que o dano está sendo feito se e quando você se mover. Quando você está sob estresse, seu corpo está preparado para a ação devido à resposta de lutar ou fugir; ser fisicamente ativo dá uma saída para essa resposta física intensificada. Movimentos suaves, alongamento, condicionamento de força e treinamento de resistência são necessários para controlar a dor e o estresse. A chave para reduzir a inflamação no corpo é acalmar a resposta ao estresse.

3. Decida como você vai responder. Quando acordamos de manhã, devemos decidir conscientemente sobre o tipo de atitude que vamos adotar ao longo do dia. No entanto, quando uma pessoa tem dor crônica, geralmente a primeira coisa em sua mente é o nível atual de dor - e suas projeções sobre o que pode ou não realizar naquele dia. Uma maneira simples de contornar isso: considere, em vez disso, mudar o foco desse pensamento inicial para o que pode ser feito pelos outros.

Quando saímos da cama e interagimos com nossa família, nossos colegas de trabalho e nossos amigos, precisamos decidir que tipo de pessoa seremos. Seremos calmos, atenciosos, compassivos e sob controle? Ou vamos nos concentrar apenas em nós mesmos? Temos que decidir que tipo de impacto teremos nos outros e o que vamos defender.

4. Deixe de lado a luta. Você pode não ter notado, mas sua mente é péssima para resolver problemas - especialmente quando a dor e o estresse aparecem. Sua mente passará por 100 perguntas "e se" diferentes, girando histórias sobre o que vai acontecer e quem você se tornará em sua vida. Em um esforço para recuperar o controle, sua mente criará dezenas de regras aleatórias que você precisa seguir.

Como animais selvagens barulhentos, nossos pensamentos saltam e se mostram impossíveis de controlar. Em vez de participar desse ritual infrutífero, tente se referir à sua mente como uma "mente de macaco". Desafie-se a deixar de controlar a “máquina de palavras” de sua mente; perceba que o que a mente está criando geralmente não é útil.

Para acalmar uma mente ocupada com pensamentos frenéticos, diga algo assim: “Obrigado, mente, por me lembrar de que tudo é terrível. Se eu precisar de sua ajuda, eu o avisarei. ” Aprenda a observar seus pensamentos à distância e fazer a pergunta: "Esses pensamentos, sentimentos e julgamentos são úteis - ou não - para me ajudar a seguir em frente?"

Se eles não forem úteis - apenas agradeça a sua mente por sua contribuição e relegue seus pensamentos malucos para o banco de trás enquanto você segue em frente com sua vida.

5. Invista em propósito e significado. Viktor Frankl escreveu: “A vida nunca se torna insuportável pelas circunstâncias, apenas pela falta de significado e propósito.”

Você já se perguntou, se a dor e o estresse não estivessem interferindo na minha vida, como eu imaginaria vivê-la? Se você não tem uma resposta pronta para essa pergunta, reserve um tempo para descobrir precisamente como você define uma vida rica e significativa.

Não espere que sua vida se torne perfeitamente equilibrada antes de fazer o que é importante para você. Você pode estar ansioso e sentir dor e ainda assim fazer coisas que são importantes para você - você não precisa primeiro se livrar do sofrimento.

Tudo (e todos) importante para nós requer investimento, luta e sacrifício. Quando você coloca as pessoas e os princípios com os quais você se importa em primeiro lugar em sua vida, você verá como isso o ajuda a ver seu estresse de uma perspectiva totalmente diferente

Sobre o autor

Evan Parks, Psy.D., é psicólogo clínico no Mary Free Bed Rehabilitation Hospital e professor assistente adjunto do Michigan State University College of Human Medicine. Ele é o apresentador do podcast Pain Rehab.

texto original
https://www.psychologytoday.com/us/blog/pain-rehabilitation/202005/5-steps-manage-pain-when-your-world-is-upside-down