Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador overdose. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador overdose. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 30 de março de 2016

Centro de Saúde Toxicodependência - A maioria dos médicos prescrevem Analgésicos Narcóticos acima do limite

Enquanto 99% excedem o limite de dosagem de 3/dias recomendada, um quarto de das prescrições para um mês inteiro

WebMD Notícias de HealthDay
Por Alan Mozes
Repórter de HealthDay
 
Sexta-feira março 25, 2016 (HealthDay News) - 

Quando os médicos americanos dão aos seus pacientes analgésicos narcóticos, 99% deles distribuem receitas que excedam o limite de dosagem de 3 dias, recomendada pela Federação, sugere nova pesquisa.
E alguns médicos ultrapassam esse limite por várias razões: 

Quase um quarto distribuiu doses para um mês de duração, apesar do fato de que a pesquisa mostrou que o uso de analgésicos narcóticos de prescrição de um mês pode causar mudanças no cérebro,conforme foi encontrado  na pesquisa do Conselho Nacional de Segurança.
" Os opióides não matam a dor . Eles matam as pessoas," Dr. Donald Teater, um conselheiro médico do conselho de segurança, disse em um comunicado à imprensa. "Os médicos são bem-intencionado e querem ajudar seus pacientes, mas estes resultados são mais uma prova de que precisamos de mais educação e formação, se quisermos tratar a dor de forma mais eficaz."
O problema atingiu o ponto onde estes analgésicos altamente viciante, que incluem medicamentos comumente prescritos, como Oxycontin, Percocet e Vicodin , agora respondem por mais mortes por overdose de drogas do que a heroína e cocaína combinada, de acordo com o relatório.
Infelizmente, a pesquisa revelou ainda que, enquanto quase 85% dos médicos demonstram sinais de abuso de analgésicos narcóticos, apenas um terço pergunta sobre uma história familiar de dependência . Apenas 5% oferecem ajuda direta aos pacientes quando sinais de abuso são descobertos, e menos de 40% encaminham tais pacientes para tratamento em outros lugares, segundo a pesquisa.
Os resultados da pesquisa, realizada no início de março e lançado nesta quinta-feira, vem num momento em que overdoses atingiram níveis recordes nos Estados Unidos. Só neste mês, duas agências federais propuseram medidas para tentar conter a epidemia de abuso dos analgésico narcótico.
Na terça-feira, os EUA Food and Drug Administration ordenou que etiquetas de advertência que sejam usadas para analgésicos narcóticos de prescritos. E na semana passada, os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças divulgou novas diretrizes mais complexas, para os médicos que prescrevem esses medicamentos.
Em dezembro, o CDC anunciou que overdoses fatais tinham atingido níveis recordes nos Estados Unidos - impulsionado em grande parte pelo abuso de analgésicos e outro opioide, heroína. Muitos dependentes usam ambos.
De acordo com esse relatório de dezembro, mais de 47.000 norte-americanos perderam suas vidas por overdose de drogas em 2014, um salto de 14% em relação ao ano anterior.
O levantamento do conselho de segurança, de 200 médicos, encontraram outras tendências preocupantes: cerca de três quartos dos médicos indicaram que eles acreditavam que o alívio da dor é melhor alcançada por oferecer aos pacientes um de dois opióides: morfina ou oxicodona (Oxycontin). Mas os especialistas do conselho de segurança observou que analgésicos sem receita (incluindo o ibuprofeno e acetaminofeno) são mais eficazes no alívio da dor a curto prazo.
Desinformação particularmente parece estar em jogo quando se trata de combater a dor nas costas e dor dental. Enquanto mais de 70% e 55% dos médicos dizem que prescrevem analgésicos narcóticos para dor nas costas e dor dental, respectivamente, essas drogas não são considerados o tratamento ideal para qualquer condição, de acordo com o conselho de segurança.
Curiosamente, o conselho de segurança encontrou em uma pesquisa anterior que, cerca de metade de todos os pacientes são realmente mais inclinado a ver o seu médico novamente se analgésicos não narcóticos são oferecidos.

(Obs.: Pode parecer algo de efeito imediato. Porém, os danos que causam ao cérebro e a todo sistema nervoso central, mostram-se evidentes nesta pesquisa. Muito cuidado!!! Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos)

Fonte: http://www.webmd.com/mental-health/addiction/news/20160325/nearly-all-us-doctors-overprescribe-addictive-narcotic-painkillers-survey?ecd=wnl_fib_032916&ctr=wnl-fib-032916_nsl-promo-3_title&mb=zIO2Trxt3XuHX1VhofTIWChonS%2fH3cwyBxN3j2c9bDc%3d