Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador gerenciamento da depressão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador gerenciamento da depressão. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Dor crônica e depressão: Gerenciando dor quando você está deprimido

Viver com dor crônica é um fardo. E mais a depressão - um dos problemas mais comuns enfrentados por pessoas com dor crônica - esse fardo ainda é mais pesado.
A depressão pode aumentar a dor e tornar mais difícil lidar. A boa notícia é que a dor crônica e a depressão não são inseparáveis. Os tratamentos efetivos podem aliviar a depressão e podem ajudar a tornar a dor crônica mais tolerável.

Dor crônica e depressão: uma dupla terrível

Se você tem dor crônica e depressão, você tem muita companhia. Isso ocorre porque a dor e a depressão crônicas são problemas comuns que geralmente se sobrepõem. A depressão é um dos problemas de saúde mental mais comum, que as pessoas que sofrem de dor crônica enfrentam, e muitas vezes complica a condição e o tratamento do paciente. Considere estas estatísticas:
  • De acordo com a American Pain Foundation, cerca de 32 milhões de pessoas em Estados Unidos denunciam dor com duração superior a um ano.
  • Mais da metade dos pacientes que se queixam de dor aos médicos estão deprimidos.
  • Em média, 65% das pessoas deprimidas também se queixam de dor.
  • As pessoas cuja dor limita sua independência são especialmente susceptíveis a ficarem deprimidas.
Como a depressão em pacientes com dor crônica frequentemente não é diagnosticada, muitas vezes não é tratada. Os sintomas de dor e as queixas ocupam o centro das atenções na maioria das visitas dos médicos. O resultado é depressão, juntamente com distúrbios do sono , perda de apetite, falta de energia e diminuição da atividade física - o que pode tornar a dor muito pior.
"A dor e a depressão crônicas andam de mãos dadas", diz Steven Feinberg, MD, professor clínico adjunto da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford. "Você quase tem que assumir que uma pessoa com dor crônica está deprimida e lá começa".

Dor crônica e depressão: um ciclo vicioso

A dor provoca uma resposta emocional em todos. Ansiedade, irritabilidade e agitação - todos esses são sentimentos normais quando temos dor crônica. Normalmente, à medida que a dor diminui, a resposta estressante também acontece.
Mas e se a dor não desaparecer? Ao longo do tempo, a resposta ao estresse constantemente ativado, pode causar múltiplos problemas associados à depressão. Esses problemas podem incluir:
  • ansiedade crônica
  • pensamento confuso
  • fadiga
  • irritabilidade
  • distúrbios do sono
  • Ganho ou perda de peso
Algumas das sobreposições entre depressão e dor crônica podem ser explicadas pela biologia. Depressão e dor crônica compartilham alguns dos mesmos neurotransmissores - os mensageiros químicos que viajam entre os nervos. Eles também compartilham algumas das mesmas vias nervosas.
Em pessoas que são biologicamente vulneráveis ​​à depressão clínica, as perdas (como um emprego ou um senso de respeito como pessoa é ativa ou de relações sexuais) podem contribuir para o desenvolvimento da depressão.
Uma vez que a depressão se instala, ela aumenta a dor que já existe. "A depressão acrescenta um duplo golpe à dor crônica, reduzindo a capacidade de lidar", diz Beverly E. Thorn, professora de psicologia da Universidade do Alabama e autora do livro Terapia cognitiva para dor crônica .
A pesquisa comparou pessoas com dor crônica e depressão para aquelas que só sofrem de dor crônica. Aquelas com dor crônica e depressão:
  • relatam dor intensa
  • sentem menos controle de suas vidas
  • usam estratégias de enfrentamento mais saudáveis
Como a dor crônica e a depressão estão tão entrelaçadas, a depressão e a dor crônica são muitas vezes tratadas juntas. Na verdade, alguns tratamentos podem melhorar a dor crônica e a depressão.

Tratando dor crônica e depressão: uma abordagem de "vida global"

Dor crônica e depressão podem afetar toda a vida de uma pessoa. Consequentemente, uma abordagem de tratamento ideal aborda todas as áreas de uma vida afetadas pela dor crônica e depressão.
Devido à conexão entre dor crônica e depressão, faz sentido que seus tratamentos se sobreponham.
O fato de que a dor crônica e a depressão podem envolver os mesmos nervos e neurotransmissores significa que os antidepressivos podem ser usados ​​para melhorar a dor crônica e a depressão.
"As pessoas odeiam ouvir," está tudo na sua cabeça ". Mas a realidade é que a experiência da dor está na sua cabeça ", diz Feinberg. "Os antidepressivos trabalham no cérebro para reduzir a percepção da dor".
Os antidepressivos tricíclicos têm evidências abundantes de eficácia para certos tipos de dor de base neurológica (como nervos comprimidos ou dores de cabeça de enxaqueca). No entanto, por causa de efeitos colaterais, seu uso é geralmente limitado. Alguns antidepressivos mais recentes são prescritos por médicos para tratar certas síndromes crônicas dolorosas e parecem funcionar bem, com menos efeitos colaterais.
Muitas pessoas com dor crônica evitam o exercício. "Eles não podem diferenciar a dor crônica da" boa dor "do exercício", diz Feinberg. Mas, quanto menos você fizer, mais fora de forma você se torna. Isso significa que você tem um maior risco de lesão e piora a dor.
A chave é quebrar esse ciclo. "Agora sabemos que a atividade física suave e regular é uma parte crucial da gestão da dor crônica", diz Thorn. Todos com dor crônica podem e devem fazer algum tipo de exercício. Consulte um médico para criar um plano de exercícios seguro e eficaz para você.
Saúde Mental e Espiritual
A dor crônica afeta sua capacidade de viver, trabalhar e de se divertir da maneira que você está acostumado. Isso pode mudar a forma como você se vê - às vezes pior.
"Quando alguém começa a assumir a identidade de um" paciente com dor crônica incapacitado ", existe uma preocupação real de terem sumido a dor e tornar-se uma vítima", diz Thorn.
Combater esse processo é um aspecto crítico do tratamento. "Pessoas com dor crônica acabam fechadas em si mesmas", o que leva a se sentir passivo, diz Feinberg. "O melhor é que as pessoas se ocupem, assumam o controle".
Trabalhando com uma visão de saúde provedora, e que se recusa a vê-lo como uma vítima indefesa, é parte da fórmula para o sucesso. O objetivo é substituir a identidade da vítima por uma "pessoa de bem com a dor", de acordo com Thorn.

Tratando dor crônica e depressão: psicoterapia cognitiva para dor crônica

Existe tal coisa como "mente sobre matéria"? Você pode "pensar" sua maneira de sentir dor?
Pode ser difícil de acreditar, mas a pesquisa mostra claramente que, para as pessoas comuns, certos tipos de treinamento mental realmente melhoram a dor crônica.
Uma abordagem é a psicoterapia cognitiva. Na psicoterapia cognitiva, a pessoa aprende a notar os "pensamentos automáticos negativos" que cercam a experiência da dor crônica. Esses pensamentos são muitas vezes distorções da realidade. A psicoterapia cognitiva pode ensinar a pessoa a mudar esses padrões de pensamento e melhorar a experiência com a dor.
"Toda a idéia é que seus pensamentos e emoções têm um impacto profundo em como você lida" com dor crônica, diz Thorn. "Há uma evidência muito boa de que a psicoterapia cognitiva pode reduzir a experiência geral da dor".
A psicoterapia cognitiva também é um tratamento comprovado para a depressão. De acordo com Thorn, a psicoterapia cognitiva "reduz os sintomas de depressão e ansiedade" em pacientes com dor crônica.
Em um estudo realizado por Thorn, no final de um programa de psicoterapia cognitiva de 10 semanas, "95% dos pacientes sentiram que suas vidas foram melhoradas e 50% disseram ter menos dor". Ela também diz: "Muitos participantes também reduziram sua necessidade de medicamentos".

Tratando Dor Crônica e Depressão: Como Começar

A melhor maneira de abordar a gestão da dor crônica é fazer a parceria com um médico para criar um plano de tratamento. Quando a dor crônica e a depressão estão combinadas, a necessidade de trabalhar com um médico é ainda maior. Veja como começar:
  • Veja o seu médico de cuidados primários e diga-lhe que está interessado em controlar sua dor crônica. À medida que você desenvolve um plano, tenha em mente que o plano ideal de gerenciamento de dor será multidisciplinar. Isso significa que abordará todas as áreas de sua vida afetadas pela dor. Se o seu médico não for treinado no tratamento da dor , peça-lhe que o encaminhe para um especialista em dor.
  • Considere terapias integrativas; trabalhe com o seu médico para escolher quais são os melhores para você.
  • Encontre um psicoterapeuta cognitivo comportamental perto de você, com experiência no tratamento da dor crônica.

Tradução: Google + Abrafibro