Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Fibromialgia e Acupuntura. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Fibromialgia e Acupuntura. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Acupuntura no combate da dor crônica?

Publicada em 24/04/2018 às 15h00. Atualizada em 24/04/2018 às 15h10


Veja como essa técnica milenar pode combater qualquer tipo de dor.


Bahiana
A palavra “acupuntura” se origina do latim, Acus (agulha) e Punctura (punção), é uma técnica milenar, oriental, utilizada para curar e/ou melhorar doenças e que, nos anos de 1920 a 1930, ganhou o direito de ser aplicado em clínicas e hospitais. Atualmente, existem dois tipos básicos da acupuntura, a tradicional chinesa, a qual faz toda a regulação energética (os chineses entendem que a doença no físico é resultado de uma desordem energética) e a sintomática, a qual utiliza a acupuntura somente para aliviar os sintomas da doença. 
iSaúde – O que podemos entender por "dor crônica"?
Bárbara Queiroz – Alguns estudos sugerem que a dor superior a 30 dias ou três meses seja considerada dor crônica.
iS – Quais tipos de dores crônicas podem ser tradas pela acupuntura?
Bárbara Queiroz – Todo tipo de dor crônica pode ser tratada pela acupuntura.
iS – Essa técnica apenas alivia a dor ou realmente trata levando a cura ao paciente?
Bárbara Queiroz – A depender da técnica escolhida, ela realmente tratar a dor. 
iS – Como, de fato, essa técnica atua no corpo do paciente?
Bárbara Queiroz – Regulando a energia dos meridianos, liberando endorfina e serotonina, que são responsáveis pela sensação de bem-estar, aliviando as dores.
iS – Como a acupuntura pode ter maiores ganhos (realizada em mais sessões, atrelada à fisioterapia e medicações)?
Bárbara Queiroz – A acupuntura, atualmente, é tratada como sendo uma terapia complementar, ou seja, ela pode ser associada a outras terapias, ajudando-as em suas eficácias, podendo inclusive, diminuir as dosagens dos medicamentos. 
iS – Quem pode se submeter a esse tratamento? A acupuntura é contraindicada em algum caso?
Bárbara Queiroz – Todas as pessoas, com atenção especial às gestantes, pois existem alguns pontos que são estimulantes da contração uterina, que, se realizada nos primeiros meses pode ser abortiva, sendo indicado utilizar esses pontos nos últimos meses, para estimular o parto.
iS – Com relação a pacientes com dor crônica, quais dicas poderia dar para diminuir a dor?
Bárbara Queiroz – Realizar a acupuntura, fisioterapia, tratamento medicamentoso e psicológico. Não podemos esquecer dos aspectos psicológicos, pois estes exercem grande influência nos casos de dor crônica.


Autora


  • Bárbara Liliane Lôbo Queiroz

    Bárbara Liliane Lôbo Queiroz / CREFITO: 199118-F

  • Educadora Física pela Faculdade Social da Bahia (FSBA), 
  • *Fisioterapeuta pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (Bahiana), 
  • *Especialista em Exercícios Físicos Aplicados à Reabilitação Cardíaca e a
  • Grupos Especiais pela Universidade Gama Filho (UGF), 
  • *Instrutora de Pilates pelo Instituto Brasileiro de Pilates (IBRAPILATES), 
  • *Acupunturista pela Associação Brasileira de Acupuntura (ABA), 
  • *Mestre em Tecnologias em Saúde pela Bahiana, 
  • *Formação em Quiropraxia Instrumental (Instituto Soulier), 
  • *Crochetagem (Associação Brasileira de Crochetagem), 
  • *Kinesiotaping (Kinesio Taping Association Internacional), 
  • *Professora das disciplinas TCC I, TCC II e 
  • Metodologia Científica no curso de Fisioterapia na Faculdade São Salvador. 
  • *Fisioterapeuta da Clínica Avançada de Fisioterapia do Centro Médico da Bahiana Saúde, 
  • com atuação na área de ortopedia, RPG e acupuntura.
  • Fonte: http://www.isaudebahia.com.br/noticias/detalhe/noticia/acupuntura-no-combate-da-dor-cronica/



domingo, 25 de março de 2018

Acupuntura no tratamento da fibromialgia

 25/03/2018 AcupunturaColunistas
acupuntura

fibromialgia é uma síndrome não inflamatória que se manifesta no sistema musculoesquelético através de dor crônica generalizada, associando‐se com frequência a outros sintomas, como cansaço crônico (fadiga), insônia ou sono não reparador e alterações do humor como ansiedade e depressão, dificuldade de concentração e alterações de memória, cefaleia recorrente, palpitações, parestesias e diarreia. A dor habitualmente demonstra exacerbação após a atividade física e há pacientes que referem intensificação da mesma à exposição ao frio e à umidade.
O diagnóstico é feito com base em dados clínicos e exame físico, e frequentemente longo tempo após o paciente ter procurado auxílio médico, dada a diversidade dos sintomas e a concomitância com artropatias inflamatórias e patologias dolorosas cervicais e lombares. Estão presentes pontos dolorosos detectados ao exame físico (tender points), em regiões anatomicamente determinadas, e classicamente a detecção de onze de dezoito desses pontos determina o diagnóstico, embora pacientes com menos de onze pontos dolorosos possam ser considerados fibromiálgicos na presença dos outros sintomas sugestivos descritos acima.
Não existe uma etiologia definida, mas sabe-se que os pacientes diagnosticados com fibromialgia apresentam alterações de neurotransmissores que resultam numa sensibilização central, que se traduz numa hipersensibilidade aos estímulos dolorosos. A origem da fibromialgia está relacionada à interação de fatores genéticos, neuroendócrinos, psicológicos e distúrbios do sono. As alterações nos mecanismos de percepção de dor atuam como fator que predispõe o indivíduo à fibromialgia, frente a processos dolorosos, a esforços repetitivos, à artrite crônica, a situações estressantes como cirurgias ou traumas, processos infecciosos, condições psicológicas e até retirada de medicações, como corticosteroides.
O tratamento para qualquer condição dolorosa crônica deve ter um enfoque multidisciplinar no sentido de se promover a melhora da qualidade de vida dos pacientes. O uso de antidepressivos como amitriptilina/fluoxetina ou ciclobenzaprina está indicado para controle da dor e da fadiga, além de melhorar a qualidade do sono. Mais recentemente a venlafaxina vem sendo empregada para os pacientes que apresentam um componente importante de transtornos depressivos ou ansiosos.
Uma vez que a acupuntura comprovadamente consegue modular a produção/ação de neurotransmissores e atua no mecanismo de controle da dor, vem sendo cada vez mais recomendada como tratamento complementar à fibromialgia. Em geral, os pacientes fibromiálgicos que procuram a acupuntura já vem com uma história de estar há longo tempo à procura da solução para suas dores e já usaram várias medicações; apresentam múltiplas queixas e mostram-se resistentes tanto ao acompanhamento psicoterápico quando ao uso de antidepressivos, procurando soluções imediatas inclusive com métodos alternativos sem comprovação. Caracteristicamente iniciam várias terapias mas não persistem no tratamento, o que dificulta a avaliação da sua eficácia.
Em primeiro lugar, é necessário conscientizar esses pacientes de que todas as queixas apresentadas fazem parte da mesma patologia, e na medida em que o tratamento evolui os sintomas podem ser atenuados os desaparecer, em tempos diferentes. Costumo explicar que o controle do quadro álgico pode ser alcançado desde que o paciente tenha foco e disciplina para seguir as nossas recomendações. Reitero a importância do tratamento medicamentoso sob orientação do especialista, a necessidade de exercícios regulares e do acompanhamento psicoterápico. Uma vez garantida a adesão a esses três pilares, acrescento a importância do controle do peso e da modificação de determinados padrões alimentares. Para a Medicina Tradicional Chinesa, a síndrome dolorosa está associada também ao acúmulo de umidade é necessário retirar do cardápio alimentos que promovem retenção da umidade. Uma redução de peso corporal de cerca de sete a dez por cento do peso total já melhora a mobilidade de músculos e articulações além de melhorar a autoestima e a qualidade do sono.
Inicialmente recomendo sessões de acupuntura uma ou duas vezes por semana, e os pontos utilizados são selecionados de acordo com o diagnóstico feito pela Medicinal Tradicional Chinesa. Em geral os pacientes começam a referir melhora ao final da segunda semana de tratamento, que passa a ser semanal então por um período mínimo de três meses.
Um estudo realizado para avaliar a eficácia da acupuntura no tratamento da fibromialgia¹ indica que a acupuntura mostrou ser eficaz na redução imediata da dor em pacientes portadores de fibromialgia, com um tamanho de efeito (effect size) bastante significativo. Além do controle da dor, os pacientes tiveram resultado positivo também na qualidade do sono, no controle da depressão e da ansiedade.
A Revisão da Biblioteca Cochrane publicada em maio de 2013 concluiu que há evidências de baixa a moderada qualidade, comparada ao não tratamento e ao tratamento padrão, de que a acupuntura melhora a dor e a rigidez muscular de pacientes com fibromialgia. A acupuntura é aparentemente um método seguro e é provável que a eletroacupuntura seja melhor que a acupuntura manual para a redução da dor, na melhora do bem estar e da fadiga. Estudos maiores são necessários, uma vez que os tamanhos das amostras e a escassez de estudos comparativos enfraquecem a qualidade das evidências e as implicações clínicas.
Foi feita uma revisão na Universidade de Araraquara, publicada em 2017², utilizando artigos coletados no período de 2006 a 2016 nos bancos de dados Lilacs, Scielo, Pubmed, Medline e Bireme. Esta revisão corrobora com os estudos realizados e evidencia que a acupuntura pode ser um método eficaz na redução da dor nos “tender points” e consequentemente no alívio da dor e melhora da qualidade de vida em indivíduos com fibromialgia. Porém, ressalta a necessidade de novas pesquisas para estabelecer condutas com maior rigor metodológico para mensuração quantitativa e qualitativa da efetividade da acupuntura como método de tratamento da fibromialgia.
Após um período de três a seis meses, a quase totalidade dos pacientes submetidos a acupuntura referem melhora importante dos sintomas gerais (qualidade de sono, ansiedade e disposição) e da dor, e nesse momento é possível espaçar as sessões para uma ou duas ao mês, como manutenção, desde que o paciente continue observando as recomendações da equipe. As sessões de acupuntura podem ser mantidas nesse esquema indefinidamente. Dessa forma e seguindo o tratamento multidisciplinar é possível controlar de modo satisfatório os sintomas, proporcionando ao paciente menos sofrimento e mais qualidade de vida.
Autora: