Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

Siga-nos por e-mail

Mostrando postagens com marcador Efeitos dos Exercícios Físicos na Fibromialgia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Efeitos dos Exercícios Físicos na Fibromialgia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 24 de novembro de 2020

Exercícios para fibromialgia

 

Woman doing yoga, arms extended in front  

Menos dor, mais energia

Não deixe que a dor muscular e a fadiga da fibromialgia o mantenham à margem. Você pode - e deve - se mexer. Alguns ajustes simples em exercícios comuns podem aumentar sua energia, aliviar a dor e a rigidez, levantar seu humor e melhorar seu sono. Verifique com seu médico antes de começar .

Young woman stretching feet, close-up on foot 

Aquecer

Reserve um tempo para soltar os músculos primeiro. Isso o ajudará a evitar lesões. Comece com os pés e vá subindo. Faça movimentos lentos e circulares (no sentido horário e anti-horário) com todas as articulações até que se movam facilmente. Se doer, pare. 


Young woman stretching, rear view 


Alongue mais, machuque menos

Os alongamentos diários podem ajudar as articulações a se moverem com mais suavidade. Você pode ouvir isso chamado de amplitude de movimento. Concentre-se nos grandes grupos de músculos: panturrilhas, coxas, quadris, parte inferior das costas e ombros. Mantenha o alongamento por 30 segundos. Pare se doer. Tente alongar duas a três vezes por semana.

 

 

Young woman stretching calves 

Alongamentos da panturrilha

Veja como fazer esse movimento. Enfrente uma parede. Coloque as palmas das mãos na superfície, um pé à frente e um pé atrás. Deixe os calcanhares no chão e incline-se para a frente. Sinta a flexão da panturrilha e o tendão de Aquiles na parte de trás do tornozelo. Mantenha a posição por 30 segundos. Troque as pernas e repita. Alongue cada panturrilha três vezes. 



woman walking along lake 


Exercício aeróbico

Esta é uma das melhores maneiras de cuidar da fibromialgia. Um exercício aeróbico usa seus grandes músculos repetidamente por um determinado período de tempo. Caminhar é o mais fácil e você não precisa de nenhuma ferramenta especial além de um bom par de sapatos. Natação e ciclismo também são boas opções. O truque é encontrar algo de que você goste e fazer isso por 30 minutos por dia, 5 dias por semana. Se você precisa começar com 10 minutos e ir aumentando, comece. 



Woman lifting free weight 


Aumente seus músculos e humor

Os exercícios de força podem diminuir a dor e ajudar no combate à depressão. Você não precisa levantar uma barra pesada. O que importa aqui é a gama de movimentos pelos quais você conduz seus músculos. Antes de começar, obtenha dicas de um treinador em uma academia. Pergunte como usar pesos portáteis, elásticos ou máquinas de treinamento de força da maneira certa, para não se machucar ou piorar a dor. 

 

Trainer demonstrating isometric chest press 

Exercícios Isométricos para o peito

Se o treinamento regular de força dói, tente exercícios chamados isométricos. Você tensionará seus músculos sem nenhum movimento visível. Veja como: segure os braços na altura do peito. Pressione as palmas das mãos o mais forte que puder. Mantenha a posição por 5 segundos e descanse por 5 segundos. Faça isso cinco vezes. Desenvolva lentamente para segurar a prensa por 10-15 segundos de cada vez. Se o movimento for doloroso, peça a um treinador que lhe mostre outro exercício isométrico para o peito.

 Treinador mostrando extensão isométrica de ombro 

Extensão de ombro isométrica

Fique em pé com as costas contra a parede e os braços ao longo do corpo. Com os cotovelos retos, empurre os braços em direção à parede. Mantenha a posição por 5 segundos e depois descanse. Você pode repetir isso 10 vezes. Se o movimento doer, peça a um treinador para lhe mostrar outro exercício isométrico de ombro.


Mulher com bolsa de gelo no cotovelo 


Congele sua dor

Se você exagerar durante o treino, uma compressa fria pode ajudar. Alivia a dor e o inchaço. Você pode embrulhar a compressa fria em uma toalha para que não fique bem contra a sua pele. Deixe por 20 minutos e depois retire pelo mesmo período de tempo.

Mulher madura na piscina sorrindo com prancha de chute 

Quanto é o suficiente?

Se você está apenas começando a praticar exercícios, escolha atividades de intensidade baixa a moderada. Suas opções incluem caminhada no shopping, natação, hidroginástica, kickboard em uma piscina, ioga, tai chi ou ciclismo. Comece devagar e aumente o tempo e a intensidade que puder. Novamente, sua meta é trabalhar até 30 minutos por dia, 5 dias por semana.

 

Mulher plantando flores no jardim

Contagem de atividades diárias

Tarefas domésticas como esfregar o chão, lavar as janelas e cortar a grama são exercícios. Assim como coisas divertidas como jardinagem e brincar com crianças ou netos. Qualquer coisa que o ponha em movimento pode ajudar quando se trata de melhorar o condicionamento físico e aliviar os sintomas.

 

Mulher meditando na praia

Ioga para preparo físico / mental

Essa combinação de alongamentos e meditação também pode ajudá-lo a ficar mais em forma. As posturas que você mantém, chamadas asanas, aliviam dores e sofrimentos. E os exercícios que o ensinam a focar seus pensamentos, chamados dharana, podem ajudá-lo a superar a névoa fibrosa. A meditação mantém sua mente no presente, o que o ajuda a lidar com a dor.

 

Três mulheres fazendo ioga, close-up

Que tipo de ioga funciona melhor?

Viniyoga é um tipo que mistura respiração profunda com alongamentos suaves. É uma ótima maneira de melhorar sua saúde. Você precisará encontrar um bom professor que saiba como trabalhar com alguém que tem fibromialgia. Verifique com seu centro comunitário local ou academia. Ou peça sugestões ao seu grupo de apoio, a uma comunidade online de fibro ou ao seu médico.

 

Mulher fazendo qigong

Qigong para dores musculares

Essa prática antiga é conhecida como a “mãe da cura chinesa” e é pronunciada chee-gong . Combina técnicas de meditação, dança, movimento e respiração. Estudos mostram que pode melhorar a energia, diminuir a fadiga e aliviar a dor. Visite o site da National Qigong Association para obter mais informações.

 

mulheres fazendo tai chi na água

Tai Chi aumenta a flexibilidade

Este exercício o ajuda a relaxar. Pense nisso como "meditação em movimento", com movimentos suaves e fluidos em vez de ações vigorosas. Pode diminuir o estresse, melhorar o equilíbrio e a flexibilidade e aumentar a força muscular. Inscreva-se para uma aula em seu centro de fitness ou comunidade.

 

Ombros de mulher em banheiro cheio de vapor

O calor pode ajudar

Use-o antes e depois de um treino para aliviar qualquer dor e rigidez ou para reduzir espasmos musculares. Almofadas de aquecimento, lâmpadas de aquecimento e banhos quentes ou panos de lavagem são boas escolhas. Use o calor por 20 minutos e pare por 20 minutos antes de tentar novamente.

 

 

terça-feira, 28 de junho de 2016

EFEITOS DOS EXERCÍCIOS FÍSICOS NA FIBROMIALGIA



Autoria: Profº Carlos André Barros de Souza*
Data de Publicação: 01/06/2013
   
A Fibromialgia é uma síndrome músculo-esquelética não inflamatória e não auto-imune, cuja incidência é maior em mulheres, contudo, pode ocorrer em menor proporção. Geralmente a síndrome aparece nas mulheres da raça branca entre 35 e 55. Acomete 5% da população mundial e 8% da população brasileira.
   O principal sintoma é a dor crônica que migra pelo corpo e se manifesta predominantemente em um dos lados do corpo. De cada lado são 9 os pontos fundamentais, portanto 18 no total, em que a dor pode instalar-se:

Na região subocciptal (atrás da cabeça);
No músculo trapézio (em cima do ombro e nas costas);
Na região supraespinal;
Na altura das vértebras cervicais;
Na articulação condrocostal, onde a segunda costela se insere no osso esterno;
No joelho, cotovelo, especialmente na parte de trás do joelho;
No trocanter, área onde o fêmur se encaixa na bacia;
Na região glútea;
Epicôndilo lateral, do lado do cotovelo.

   Outros sintomas que podem ser observados nos portadores de fibromialgia são: cansaço, falta de energia e disposição para realizar atividades rotineiras, cefaléia (dor de cabeça), funcionamento inadequado do intestino, sensibilidade durante a micção e sono pouco reparador o que faz a pessoa já levantarem cansadas.

   A literatura não define um tratamento padrão para a fibromialgia, entretanto sabe-se que exercícios físicos podem diminuir os sintomas da doença. Importante informar que embora deva ser praticado indefinidamente, o benefício ocorre apenas entre oito e dez semanas após o início do programa e continua aumentando até a vigésima semana, mas alguns indivíduos podem sentir-se pior e com mais dor, inicialmente.

   Apesar das falhas, metodológicas de alguns estudos, há forte evidência de que o exercício aeróbio supervisionado reduz a dor, o número de pontos dolorosos, depressão, ansiedade, melhora a qualidade de vida, e outros aspectos psicológicos.

   O alongamento também demonstrou efeitos terapêuticos, podendo observar melhoras para o portador da síndrome, porém, o exercício aeróbio é superior devido às mudanças neuroendócrinas necessárias para a melhora do humor (aumento da serotonina e norepinefrina).

   De forma geral, pode-se notar que os exercícios de baixa intensidade são os mais eficazes, produzindo diminuição do impacto da fibromialgia na qualidade de vida dos pacientes.

  Resultados favoráveis também foram encontrados em relação aos exercícios realizados em água aquecida. A hidroterapia é relatada como um recurso terapêutico que promove relaxamento muscular, diminuição dos espasmos musculares e redução da sensibilidade à dor, proporcionando um aumento da tolerância ao exercício e do nível de resistência física, ocorrendo à melhora do condicionamento geral.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
MARQUES, A. P; MATSUTANI, L. A; FERREIRA, E. A. G; MENDONÇA, L. L. F. A fisioterapia no tratamento de fibromialgia: uma revisão literária, Rev Bras Reaumatol, v.42, n. 1, p. 42-48, jan/fev, 2002
SILVA, T. F. G; SUDA, E. Y; MARÇULO, C. A; PAES, F. H. S;PINHEIRO, G. T.Comparação dos efeitos da estimulação elétrica nervosa transcutânea e da hidroterapia na dor, flexibilidade e qualidade de vida de pacientes com fibromialgia. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.15, n.2, p.118-24, abr./jun. 2008
SANTOS, I.C.C.; MORAES, M.C.F.; EIERGENTILE, B.; BURGO, K.L.R; ALFIERI, F.M. A influência da caminhada versus exercícios convencionais sobre a dor e qualidade de vida em mulheres com fibromialgia: um ensaio simples – cego. Revista brasileira de fisiologia do exercício. Vol.9, n.1, jan/mar 2010
VALIM, V. Benefícios dos Exercícios Físicos na Fibromialgia. Rev Bras Reumatol, v. 46, n. 1, p. 49-55, jan/fev, 2006
YENG, L. T. Fibromialgia. Disponível em <http://www.drauziovarella.com.br/ExibirConteudo/801/fibromialgia>
*Artigo Autorizado:

Profº Carlos André Barros de Souza
Email: c.andrefisio@yahoo.com.br

Fonte: http://www.cdof.com.br/fisio23.htm


Do autor: