Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador controle da dor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador controle da dor. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 28 de agosto de 2020

9 coisas que você pode fazer para evitar a dor e a fadiga da fibromialgia



woman opening curtains 
Estou tendo dificuldade em fazer as coisas. O que eu posso fazer?
Como você tem dias bons e dias ruins com fibromialgia, comece cada manhã avaliando como se sente. Se você não dormiu bem na noite anterior, planeje seu dia de acordo e faça menos. Se você se sente bem descansado e sua dor é tolerável, faça mais - mas lembre-se de que moderação é a chave. Sempre seja flexível. Você nunca sabe quando terá um surto, então ouça o seu corpo e faça pausas quando precisar.


Woman swimming with fibromyalgia  

Como posso fazer exercícios quando me sinto cansado?

Às vezes, mover-se pode ser a última coisa que você tem vontade de fazer. Mas o movimento pode realmente fazer você se sentir melhor e com mais energia. Exercícios regulares e leves podem ajudar a aliviar a dor, o estresse e outros sintomas de fibromialgia. Comece devagar e tente atividades como caminhar, nadar e alongar, mesmo que seja apenas por um ou dois minutos de cada vez. Se você se sentir bem, você pode aumentar o tempo de treino e a intensidade.

Woman massaging temples 

A massagem pode reduzir minha dor de fibromialgia?

A massagem é uma forma comprovada de aliviar a dor muscular e reduzir o estresse. As pessoas também usam a massagem para ajudar a melhorar a amplitude de movimento e lidar com a depressão e a ansiedade. Formas mais vigorosas de massagem podem ajudar a aliviar a dor muscular profunda da fibromialgia. Você também pode tentar aliviar a dor da fibromialgia sozinho. Experimente massagear as áreas doloridas com uma bola de tênis ou outro objeto firme.

woman in hot shower 

O que posso fazer para aliviar minha dor e rigidez muscular?

O calor, especialmente o calor úmido, pode aliviar a dor e a rigidez da fibromialgia, aumentando o fluxo sanguíneo para os locais onde você se machuca. Aplique uma toalha de rosto quente e úmida na área dolorida ou tente tomar um banho de chuveiro ou de imersão. Você também pode reduzir a dor muscular profunda da fibromialgia com uma compressa fria. Não tem um à mão? Experimente enrolar uma toalha em torno de um saco de vegetais congelados.

Close up of acupuncture procedure 

A acupuntura pode ajudar na dor da fibromialgia?

Essa prática de cura chinesa pode aliviar os sintomas da fibromialgia em curto prazo. Mas os resultados da pesquisa são mistos. Os acupunturistas acreditam que a inserção de agulhas finas em pontos específicos do corpo ajuda o fluxo de energia. Outros acham que pode aumentar os produtos químicos naturais de combate à dor do corpo. Embora alguns estudos de acupuntura tenham mostrado uma melhora na dor, fadiga ou ansiedade, outros mostraram que não teve efeito quando comparados à acupuntura simulada.

Woman relaxing in bath 

Como posso ter uma boa noite de sono?

A fibromialgia geralmente interrompe o sono devido à dor, síndrome das pernas inquietas ou outros motivos. Tente definir um horário de sono indo para a cama e acordando no mesmo horário todos os dias e evitando cochilos. Desenvolva uma rotina relaxante na hora de dormir - talvez leitura e um banho quente. E torne seu quarto propício para dormir, mantendo-o escuro, fresco e livre de distrações como TV e computadores. Isso é chamado de praticar a higiene do sono.

Tired woman on phone 

Estou impressionado com meus sintomas de fibromialgia. O que eu posso fazer?

Pode não ser fácil, mas você precisa se tornar um pouco egoísta. Quando você é pressionado por muitas exigências, é hora de aprender a dizer "não". Isso significa não aceitar todos os convites ou sair em todas as saídas - você pode até ter que desistir no último minuto de vez em quando. Seus amigos e familiares entenderão quando você simplesmente não tiver energia para tudo e tiver que colocar suas próprias necessidades em primeiro lugar.



homeopathy 

Os suplementos são uma forma segura de tratar a dor e me ajudar a dormir?

Alguns estudos sugerem que certas ervas e suplementos de venda livre - como 5-HTP, melatonina e SAM-e - podem ajudar a aliviar os sintomas da fibromialgia. Outros discordam. Resumindo: muitos suplementos não foram pesquisados tão exaustivamente quanto os medicamentos prescritos para eficácia e segurança. É muito importante que você converse com seu médico antes de tentar qualquer suplemento. Alguns podem ter resultados prejudiciais se combinados com outras drogas.



Woman listening to music 

Como posso obter alívio do estresse?

Muito estresse pode desencadear os sintomas de fibromialgia. Reduzir o estresse pode aliviar a depressão, ansiedade e fadiga e melhorar o sono. Reserve um tempo para você todos os dias para descomprimir e relaxar. Certifique-se de fazer algo que você adora, como ler, ouvir música ou dar um passeio. Você também pode querer usar esse tempo para meditação ou exercícios de respiração profunda - o que for necessário para um tempo livre de culpa para desestressar.

Fonte
https://www.webmd.com/fibromyalgia/ss/slideshow-pain-fatigue

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Perda de peso pode ajudar no controle da dor

 POR PETER ABACI, MD

Anestesiologista certificado e especialista em dor 
28 DE JULHO DE 2020

Quando os pacientes e seus médicos falam sobre estratégias de alívio da dor, uma área costuma ser esquecida: o controle de peso. Embora trabalhar em um plano de controle de peso provavelmente não ofereça alívio imediato, a pesquisa parece indicar que há uma forte conexão entre carregar quilos extras e quanto nos machucamos - e até mesmo uma modesta perda de peso pode ajudar a mudar as coisas.

obesidade-doenças

Ilustração: William Mur/SAÚDE é Vital 

Se o seu médico nunca mencionou isso para você, pode ser porque os médicos muitas vezes se sentem desconfortáveis ​​ao falar sobre peso no consultório, especialmente quando a consulta é focada em um problema de dor. Falar sobre o peso corporal costuma ser um assunto delicado, e os médicos podem evitar por medo de ferir os sentimentos do paciente ou parecer insensível. Sei que me sinto mais à vontade para discutir questões relacionadas ao peso quando meus pacientes o abordam primeiro. E, iniciar uma conversa sobre perda de peso quando um paciente vem até você para obter ajuda com sua dor, pode dar a alguém a impressão de que você está descontando a gravidade do problema, negligenciando outros fatores relevantes que contribuem para a dor, ou de alguma forma está culpando o paciente, quando nenhum desses problemas poderia estar mais longe da verdade. Assim, este pode ser um assunto delicado. Uma relação médico-paciente positiva, com um alto nível de confiança, muitas vezes é necessária para fazer a bola rolar.

Mas é uma conversa importante de se ter. Porque o excesso de peso pode ter um impacto significativo em como sentimos dor. O peso corporal extra aumenta as forças mecânicas na estrutura do corpo, incluindo as articulações dos joelhos e quadris, a coluna e os grupos musculares de suporte, o que pode causar desgaste adicional. Estudos sugerem que perder apenas meio quilo pode reduzir dois quilos de pressão nos joelhos e que, para pacientes com artrite , quanto mais peso perdem, melhor o alívio da dor e a função nas atividades diárias. O peso extra, especialmente na área abdominal, parece aumentar os níveis de inflamação em partes suscetíveis do corpo, como articulações doloridas.

E não se trata apenas de artrite - condições como fibromialgia, alguns distúrbios ósseos e musculares e até mesmo enxaquecas mostram reduções na dor e, melhorias na qualidade de vida após a perda de peso. 

O excesso de peso também tem se mostrado um fator de risco para a síndrome do túnel do carpo, bem como, para o desenvolvimento de problemas de dor crônica após lesões e acidentes com veículos automotores. Um estudo com 800 mulheres descobriu que perder em média cinco quilos pode reduzir pela metade as chances de desenvolver artrite nos joelhos.

Se você luta com seu peso, entendo que ouvir sobre a relação entre peso e dor pode ser desanimador. Você está me ouvindo dizer que sua dor pode melhorar com a perda de peso, mas a dor pode ser uma das coisas que está dificultando a perda de peso! A verdade é que perder peso é difícil quando você vive com dor. Mas não impossível. Pode levar algum tempo extra, planejamento extra e paciência extra. Aqui estão algumas coisas que eu sugiro:

Visualize o sucesso. 

Em vez de se concentrar em perder peso na balança, comece a visualizar como gostaria de ver a aparência do seu corpo. 

Evite se comparar a outras pessoas ou a imagens filtradas de celebridades nas redes sociais, mas pense em como você gostaria que sua melhor versão fosse, não necessariamente apenas na frente de um espelho, mas ao se mover e interagir com o mundo . Muitos atletas de sucesso confiaram na visualização como uma ferramenta para o sucesso, porque ela ajuda a preparar seus cérebros para se comunicarem de forma mais eficaz com seus corpos na hora de competir. Mantenha aquela sua imagem especial no fundo da sua mente enquanto faz seu planejamento.

Peça orientação ao seu médico. 

Tenho certeza de que não preciso dizer que a perda de peso depende da nutrição e da modificação do estilo de vida. 

Isso é fácil de dizer, mas pode ser difícil de colocar em prática. 

Converse com seu médico para obter orientação sobre como fazer alterações. Eles podem trazer outros especialistas, como nutricionistas e psicólogos. Em alguns casos, eles podem sugerir considerar a cirurgia bariátrica. Além disso, lembre-se de que os centros médicos comunitários e regionais também podem oferecer programas e aulas especiais para perda de peso.

Obtenha ajuda com exercícios. 

O exercício pode ser um desafio para pacientes com dor. Você pode precisar da ajuda de especialistas em movimento com experiência no trabalho com pacientes com dor. Evite a armadilha de exagerar para perder peso mais rapidamente, pois isso só aumentará sua dor e o fará desistir. 

Seja gentil com seu corpo ao tentar fazer mais exercícios gradualmente. Dê o tempo que ele precisa. Costumo dizer a meus pacientes que atingir as metas de perda de peso é 75% baseado em hábitos saudáveis ​​de nutrição e apenas 25% baseado em exercícios, então não há necessidade de ficar muito preso ao que você não pode fazer na academia.

Comemore pequenas vitórias.

Costumo recomendar que meus pacientes dividam suas metas de perda de peso em etapas menores, como 2,5 quilos de cada vez. Depois que os primeiros cinco quilos forem eliminados, reconheça o impacto positivo que isso teve sobre como você se sente. Reconheça sua vitória! E então você pode fazer a transição para trabalhar nos próximos 5 kg. Porque não importa como você aborda a eliminação de peso, os resultados podem levar tempo - então você precisa ser paciente com o processo. Eu sei que é tentador, mas evite a armadilha de tentar fazer muito rápido. Em vez disso, use uma abordagem gradual. Seu plano de eliminação de peso é um caminho valioso a longo prazo para menos dor. Certifique-se de consultar seu médico antes de embarcar em qualquer nova dieta ou programa de perda de peso - e peça a eles que façam parceria com você em seus objetivos.

Blog WebMD

 © 2020 WebMD, LLC. Todos os direitos reservados.


PETER ABACI, MD  Peter Abaci, MD - Blogs

Peter Abaci, MD, é um dos maiores especialistas mundiais em dor e medicina integrativa e atua como co-fundador e Diretor Médico do Bay Area Pain & Wellness Center. Ele é um profissional dedicado, autor e celebridade do rádio.


Fonte: https://blogs.webmd.com/pain-management/20200728/how-weight-loss-can-help-with-pain-management

Tradução: Google e Sandra Santos


Aproveite o tema para assistir as dicas e orientações da Profissional Voluntária a Nutricionista Dra. Ana Carolina Ballonas, em nosso canal do YouTube


https://youtu.be/fL2p_aR40dE Alimentação Prática e Saudável

https://youtu.be/_qyXwjbBNCc - Mitos e Verdades sobre a alimentação na fibromialgia

Entre em nosso canal não esqueça de curtir 👍 , se INCREVER e ativar o sininho🔔 para receber nossas notificações de próximas lives ou vídeos postados. 

Quer mais??? Tem um montão de vídeos em nosso canal, que irá te ajudar a manter o corpo e a mente saudáveis. 😀

Acesse: https://www.youtube.com/c/AbrafibroAssocBrasdosFibromialgicos

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Fale com seu cérebro para gerenciar sua dor


Reduza os surtos de dor mudando a maneira como você pensa.

Postado em 25 de julho de 2020


Surtos, dor aguda, cãibras e espasmos são eventos diários para quem sofre de dor crônica. Com aumentos aleatórios na dor, fazer planos para a semana torna-se quase impossível. Não seria ótimo ter melhor controle sobre como e quando a dor aparece? Bem, existe uma maneira de fazermos isso - com a ajuda da neurociência.

Normalmente pensamos na dor como uma informação que vem de terminações nervosas que viajam para o cérebro. Por exemplo, se você se cutucar com uma alfinete, você imagina um sinal de “ai” viajando até seu cérebro dizendo que seu dedo está machucado. Com 43 quilômetros de nervos periféricos percorrendo nosso corpo, nosso cérebro está constantemente analisando os “dados” que eles enviam.

A ciência cognitiva se refere a esta definição de percepção da dor como uma abordagem “de baixo para cima”, ou seja, os dados viajam do corpo para o cérebro, alertando o cérebro sobre o que está acontecendo. No entanto, este conceito de percepção da dor está se tornando obsoleto e está sendo rapidamente substituído pelo Modelo Bayesiano; esta nova teoria sugere que a dor resulta da previsão do cérebro de que algo deve doer com base em experiências anteriores, dicas contextuais e informações sensoriais.

Como o cérebro prevê dor ou conforto

A teoria da probabilidade conhecida como regras de Bayes levou a uma nova visão radical de como o cérebro produz dor e traz consigo um grande potencial para ajudar quem sofre de dor crônica a encontrar alívio.

É assim que funciona: o cérebro cria uma hipótese sobre como ele espera que o mundo seja. Essa hipótese ajuda a enquadrar como o cérebro interpreta o que está acontecendo em tempo real. Se houver uma incompatibilidade entre o que o cérebro está esperando e as informações que está realmente recebendo, o cérebro mudará sua hipótese.

Para entender melhor esse modelo, considere este exemplo - sempre que você se assustou com um pedaço de penugem que inicialmente pensou ser uma aranha, ilustra como seu cérebro já tinha uma hipótese definida. Agora, nem todo mundo reagiria a um pedaço de penugem pulando, mas se seu cérebro estiver mais vigilante em relação à ameaça de uma aranha, ele verá uma, especialmente se o estímulo for ambíguo. A implicação aqui é óbvia - nosso mundo é em grande parte composto do que pensamos que deveria ser, não do que realmente é.

Como o cérebro vê o corpo

O cérebro não está apenas fazendo previsões sobre possíveis encontros com aranhas em nosso ambiente externo, mas também fazendo suposições sobre o que está acontecendo dentro do corpo. Como você deve se lembrar, temos uma série de dados sensoriais chegando ao cérebro de todas as partes do corpo o tempo todo.

Quando você assiste TV por uma hora, seu cérebro recebe informações sobre seu corpo. Isso inclui o seguinte: fluxo sanguíneo insuficiente para a metade inferior do corpo, tensão nos olhos, rigidez, tensão muscular, dor, variações na respiração e na frequência cardíaca, posição do pescoço, postura inadequada, níveis de açúcar no sangue e variações na temperatura da sua pele.

A verdadeira questão é: o que todos esses dados significam para a sua experiência consciente?

Quando a hipótese atual do seu cérebro é de que você é saudável, não há motivo para preocupação, e esses dados sensoriais ambíguos e ligeiramente suspeitos não serão interpretados como uma ameaça. Em outras palavras, sua atenção estará focada na TV, e não em sua experiência física ao assisti-la.

Essa expectativa positiva é a mesma razão pela qual um placebo costuma trazer alívio. A pessoa que toma uma pílula de açúcar acredita que vai ajudar e, como tal, vai "sentir que funciona". Acontece que esse sentimento é parcialmente verdadeiro! O cérebro, tratando o fluxo normal de estímulos sensoriais como um sinal de recuperação, na verdade ajuda a que a cura real aconteça, em alguns casos.

Alívio para dor crônica

A dor crônica e os surtos de dor podem ser mais semelhantes aos efeitos de um nocebo. O efeito nocebo ocorre quando uma pessoa toma uma pílula de açúcar com a expectativa de efeitos colaterais negativos. Se uma pessoa espera dor, desconforto, urticária, cãibras, cansaço, tontura e / ou névoa do cérebro ao tomar um comprimido de açúcar, então é isso que ela provavelmente sentirá. Os sinais ambíguos do sistema nervoso periférico agora são enquadrados como uma ameaça pela hipótese do cérebro de que algo está errado; a previsão do cérebro de que haverá um problema coloca todo o corpo em ação preparatória para a ameaça e, conseqüentemente, produzirá dor em um esforço para nos proteger.

Se a teoria bayesiana da percepção da dor estiver correta, isso significa que o alívio da dor não vem apenas de melhorar a saúde física de uma pessoa, mas também de ajudar o cérebro a ver o que está acontecendo de uma perspectiva diferente. Mudar a estrutura é importante.

Eu trabalho com os pacientes para encontrar a mensagem certa que faça o sentido mais individual. Por exemplo, uma mensagem com a qual sempre começo é: “Dor não é igual a dano”. Para elaborar, isso significa que só porque a dor ocorre quando uma pessoa começa um programa de exercícios leves - como aquele prescrito por um fisioterapeuta, por exemplo - não significa que um dano está realmente sendo feito. Dor não significa que o dano está ocorrendo, mas mais ainda, que o cérebro quer nos proteger. Outra mensagem positiva é: “Estou bem e estou melhorando”. Falar ao seu cérebro neste contexto ajuda a lembrá-lo de que você é uma pessoa saudável, com um corpo forte, cheio de coragem e esperança.

Esteja atento às suas expectativas - nosso corpo está constantemente nos preparando para o que presume que acontecerá no futuro. Ao falar mensagens de segurança, saúde, prazer e uma vida significativa para si mesmo, você começará a criar uma estrutura positiva para o crescimento e a cura.

Sobre o autor

Evan Parks, Psy.D., é psicólogo clínico no Mary Free Bed Rehabilitation Hospital e professor assistente adjunto do Michigan State University College of Human Medicine. Ele é o apresentador do podcast Pain Rehab.

texto original
https://www.psychologytoday.com/us/blog/pain-rehabilitation/202007/talk-your-brain-manage-your-pain